O Projeto Comprova é uma iniciativa colaborativa e sem fins lucrativos liderada pela Abraji e que reúne jornalistas de 41 veículos de comunicação brasileiros para descobrir, investigar e desmascarar conteúdos suspeitos sobre políticas públicas, eleições, saúde e mudanças climáticas que foram compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens.
Filtro:

Saúde

Investigado por: 2021-09-09

Post engana ao insinuar que STF não quis agir contra Doria sobre doses interditadas de Coronavac

  • Enganoso
Enganoso
É enganosa a associação que um usuário no Twitter faz entre o Supremo Tribunal Federal (STF) e a aplicação, pelo estado de São Paulo, de 4 milhões de vacinas Coronavac interditadas pela Anvisa. No tuíte, o autor afirma que o órgão nada fez contra o governador João Doria (PSDB), dando a entender que essa seria uma obrigação da Corte, mas o Judiciário sequer foi acionado para intervir na questão. Ele afirma, ainda, que os imunizantes foram feitos por laboratório desconhecido, mas eles foram apenas envasados em unidade não vistoriada pela Anvisa, que já instaurou uma medida cautelar para investigar o caso e pretende visitar a fábrica. Por fim, omite que a distribuição das vacinas se deu antes da interdição de doses pela agência regulatória.
  • Conteúdo verificado: Tuíte postado em 5 de setembro afirma que o STF nada fez contra o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), “que aplicou 4 milhões de vacinas Coronavac feitas por um laboratório desconhecido, que a Anvisa já havia proibido o uso”.

É enganoso um tuíte que associa a interdição de um lote de vacinas Coronavac aplicadas em São Paulo e a atuação do Supremo Tribunal Federal (STF). O órgão não abriu qualquer procedimento relacionado à interdição, decidida de forma cautelar pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), porque não foi provocado para tal. Não há processo judicial movido neste sentido por qualquer órgão ou por cidadão.

A postagem verificada aqui afirma ser “muito interessante” que o STF nada tenha feito contra o governador do estado, João Doria (PSDB), em razão da aplicação de 4 milhões de doses “feitas por um laboratório desconhecido, que a Anvisa já havia proibido o uso”. Dessa forma, insinua que o STF não quis agir contra o gestor.

Ocorre que o STF sequer foi acionado para interferir nesta questão. O Supremo informou ao Comprova não ter localizado qualquer processo envolvendo o nome de João Doria. Em geral, o principal papel do órgão é atuar quando provocado, pelo Ministério Público, por exemplo.

O autor do tuíte também engana ao não informar que as vacinas em questão foram aplicadas antes da interdição cautelar de doses que foram envasadas, e não fabricadas, como sustenta a postagem, em uma unidade não inspecionada e não aprovada pela Anvisa.

A reportagem procurou o autor do tuíte via mensagem direta na rede social, mas não recebeu retorno até o fechamento deste material.

Para o Comprova, é enganoso o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

Inicialmente, o Comprova buscou informações sobre a interdição dos lotes de Coronavac na imprensa e nos sites do Instituto Butantan, responsável pela distribuição no Brasil, e da Anvisa, que regula os imunizantes.

As duas entidades também foram procuradas por e-mail, assim como o STF, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, e a biofarmacêutica chinesa Sinovac, parceira do Butantan no desenvolvimento da vacina. As duas últimas não responderam.

Por fim, entramos em contato com o autor do tuíte, que não deu retorno até esta publicação.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 9 de setembro de 2021.

Verificação

Interdição de imunizantes

No dia 4 de setembro, a Anvisa divulgou ter interditado, de maneira cautelar, 25 lotes da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac. Foram proibidos a distribuição e o uso de 12.113.934 doses envasadas em uma planta não aprovada na Autorização de Uso Emergencial (AUE) do imunizante. Em nenhum momento a agência informou que a fabricação do insumo é irregular.

A interdição ocorreu após reunião entre a Anvisa e o Butantan, no dia 3. O instituto paulista encaminhou à agência reguladora um ofício informando que lotes enviados para o Brasil na apresentação frasco-ampola (monodose e duas doses) foram envasados em uma unidade chinesa não inspecionada e não aprovada pela Anvisa.

Além dos lotes que já haviam desembarcado no Brasil, há mais 17 – totalizando 9 milhões de doses – envasados no mesmo local e que estão em tramitação de envio e liberação ao país. Conforme a Anvisa, a vacina envasada em local não aprovado na AUE é configurada como produto não regularizado.

O órgão federal declarou ter avaliado toda a documentação apresentada pelo Instituto Butantan e consultado as bases de dados internacionais em busca de informações acerca das condições de Boas Práticas de Fabricação (BPF) da empresa responsável pelo envase dos lotes, mas não localizou relatório de inspeção emitido por outras autoridades de referência, como o PIC/S (Pharmaceutical Inspection Co-operation Scheme – Esquema de Cooperação em Inspeção Farmacêutica) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em nota à imprensa, a agência afirmou que “considerando a irregularidade apontada, somada às características do produto e à complexidade do processo fabril, já que vacinas são produtos estéreis (injetáveis), devendo ser fabricadas em rigorosas condições assépticas, bem como o desconhecimento pela Anvisa sobre o cumprimento das BPF por parte da empresa, torna-se necessária a adoção de medida cautelar para evitar a exposição da população a possível risco iminente.”

A Anvisa explica que na autorização de uso emergencial da Coronavac consta que as vacinas devem ser importadas prontas da Sinovac ou o granel da vacina formulada e estéril ser importado da farmacêutica para envase e acondicionamento no Instituto Butantan. Qualquer alteração nestas configurações deve passar por nova análise das áreas técnicas da Anvisa.

Ainda no dia 4 foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) a Resolução RE Nº 3.425, contendo os lotes que estão sob interdição cautelar e proibidos para distribuição e uso.

O Comprova procurou a Anvisa questionando, entre outras coisas, quem é o responsável pelo controle de lotes que entram e são distribuídos no país, quando e em que circunstâncias ocorreu a distribuição dessas doses, de quem é a responsabilidade pela distribuição em desacordo com a aprovação para uso emergencial, e se as doses podem vir a ser liberadas.

Em nota, o órgão informou que, durante a vigência da interdição, trabalhará na avaliação das condições de boas práticas de fabricação da planta fabril não aprovada e no potencial impacto dessa alteração de local nos requisitos de qualidade, segurança e eficácia das vacinas.

Além disso, diz que serão feitas tratativas junto ao Butantan para a regularização desse novo local na cadeia fabril da vacina. Sobre as demais questões, declarou que o caso ainda está em andamento e não é possível antecipar outras informações.

O Comprova também procurou a farmacêutica Sinovac, pedindo nome, endereço e mais informações sobre a fábrica que envasou as doses. Além disso, questionou o motivo de eles não terem informado o Brasil sobre a mudança de local. No entanto, não obtivemos uma resposta até a publicação.

Vacinas foram aplicadas em São Paulo e outros estados

Ainda no dia 4, o G1 informou que o estado de São Paulo havia aplicado 4 milhões das doses interditadas pela Anvisa. A imunização, contudo, foi realizada antes da decisão da agência reguladora, a partir do comunicado do Instituto Butantan.

A reportagem publicada apresenta posicionamento do governo de São Paulo afirmando que monitora as reações em pessoas vacinadas com essas doses e que não foram observadas “intercorrências em termos gerais” naqueles que receberam imunizantes dos lotes em questão.

A Secretaria Estadual de Saúde afirmou ao G1 que o número de vacinas corresponde a cerca de 19% do total de 21 milhões de doses da Coronavac aplicadas ao longo de toda a campanha de vacinação contra a covid-19 e que “toda a rede está orientada sobre a importância do monitoramento de todas as pessoas vacinadas, independentemente do imunizante administrado”. Acrescentou, ainda, que o órgão irá aguardar o parecer das autoridades sanitárias para proceder com a distribuição de 1,5 milhão de doses da Coronavac entregues no dia 3.

Ainda conforme o G1, as Secretarias de Saúde de pelo menos 13 estados e do Distrito Federal confirmaram também terem recebido vacinas desses lotes e que entraram em contato com os municípios para suspender a aplicação. Cinco desses estados (Rio Grande do Norte, Paraíba, Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo) confirmaram que já haviam aplicado na população parte das doses recebidas desses lotes. A Secretaria de Saúde de São Paulo foi procurada pelo Comprova, mas não respondeu.

A Anvisa informou que, além do monitoramento feito pelo Ministério da Saúde, haverá um acompanhamento dessas pessoas por parte da própria agência. Ao Comprova, a assessoria de comunicação acrescentou que, durante a vigência da interdição, trabalhará na avaliação do eventual impacto para as pessoas que foram vacinadas com as doses.

Butantan ainda não apresentou documentos satisfatórios

A reportagem também procurou o Instituto Butantan questionando, entre outras coisas, por que a Anvisa só foi notificada das irregularidades após a distribuição e aplicação de doses, quem faz o controle dos lotes que entram no país, em quais circunstâncias foram importadas as doses em desacordo com a autorização emergencial e se a situação é preocupante para aqueles que receberam a vacina.

Em nota, o Butantan não respondeu às questões específicas. Afirmou ter criado uma força-tarefa para esclarecer dúvidas da Anvisa sobre os lotes suspensos e informando que a primeira reunião sobre o assunto foi realizada na tarde do dia 6, com a participação do diretor-presidente do Butantan, Dimas Covas, e da diretora de qualidade e assuntos regulatórios, Patrícia Meneguello.

Durante o encontro, diz a entidade, foram apresentados mais dados que demonstram a segurança e a qualidade dos imunizantes. “O objetivo do grupo é agilizar a liberação dos lotes o mais rapidamente possível para o Programa Nacional de Imunizações (PNI), considerando a urgência do contexto pandêmico. Os técnicos do Butantan vão continuar em constante contato com a Anvisa para pronto envio da documentação solicitada sobre a fábrica chinesa, que conta com certificação de boas práticas internacionais, a GMP (Good Manufacturing Practice)”, diz a nota.

A Anvisa, contudo, informou no dia 8 que os documentos apresentados na reunião não respondem às incertezas sobre o local de fabricação.

De acordo com o posicionamento, não foi apresentado relatório de inspeção emitido pela autoridade sanitária, essencial para a avaliação das condições de aprovação da planta, que podem incluir compromissos e condicionais para permitir a operação no local.

Já os Formulários de Não Conformidades (documento que atesta o não atendimento de um requisito pré-estabelecido) apresentados reforçaram as preocupações da agência relacionadas às práticas assépticas e à rastreabilidade dos lotes, por não possuírem a identificação da autoridade emissora e a identificação de cargos dos signatários. “A Anvisa, por meio da sua Assessoria Internacional, já acionou o Ministério das Relações Exteriores para que essas informações sejam solicitadas à autoridade reguladora chinesa”, esclareceu o órgão.

O órgão federal também não considerou suficiente a análise de risco apresentada pelo instituto para garantir a segurança do processo fabril no novo local. “Tal análise não substitui uma inspeção da autoridade sanitária ou o relatório de inspeção sanitária. Somente as autoridades sanitárias possuem competência para atestar as boas práticas de um local de fabricação”.

O órgão destaca que cabe ao Butantan apresentar a documentação faltante, incluindo o relatório de inspeção emitido por autoridade sanitária para subsidiar a análise da Anvisa ou viabilizar a realização de inspeção presencial pela própria agência.

Paralelamente, visando acelerar a avaliação dos lotes interditados, a Anvisa diz ter iniciado os trâmites internos para realização da viagem de servidores para inspecionar o local de envase da vacina. A equipe inspetora já está designada e preparada para embarcar para a China na próxima semana.

O que são medidas cautelares

A Anvisa explica que as medidas cautelares – como neste caso – não são decisões condenatórias em caráter punitivo, mas, sim, medidas sanitárias para evitar a exposição ao consumo e ao uso de produtos irregulares ou sob suspeita.

“As medidas cautelares também são um ato de precaução que visa proteger a saúde da população, sendo adotadas em caso de risco iminente à saúde, sem a prévia manifestação do interessado, fundamentadas nos termos da Lei 6.437, de 20 de agosto de 1977, sendo aplicáveis para a ação de fiscalização de interdição cautelar”, destaca o órgão.

A interdição cautelar aplica-se aos casos em que “sejam flagrantes os indícios de alteração ou adulteração do produto, hipótese em que a interdição terá caráter preventivo ou de medida cautelar. Esta medida tem o prazo de 90 dias, conforme o art. 23, § 4º, da Lei 6.437, de 20 de agosto de 1977”. Trata-se da lei que configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências.

Durante este período de 90 dias, além de tentar comprovar as condições da planta fabril, a Anvisa fará tratativas junto ao Instituto Butantan para a regularização desse novo local.

STF

O Comprova enviou perguntas à assessoria de comunicação do STF questionando se o órgão foi acionado sobre a aplicação, em São Paulo, de vacinas posteriormente interditadas pela Anvisa. Por e-mail, a instituição respondeu não ter localizado no sistema de consulta processual qualquer processo envolvendo o nome de João Doria.

Em um evento no ano passado, o ministro Luiz Fux, presidente do STF, relembrou que o Poder Judiciário só age quando provocado, sendo chamado para atuar em problemas constitucionais de leis promulgadas pelo Executivo ou aprovadas pelo Legislativo.

Discute-se, atualmente, por que o Inquérito das Fake News, que investiga a disseminação de afirmações falsas contra ministros do STF, é conduzido pela própria Corte. A investigação foi aberta em março de 2019, pelo então presidente do STF Dias Toffoli, sem provocação de outro órgão e sem a participação do Ministério Público.

Foi baseada, contudo, no artigo 42 do regimento interno da Corte, segundo o qual “ocorrendo infração à lei penal na sede ou dependência do tribunal, o presidente instaurará inquérito, se envolver autoridade ou pessoa sujeita à sua jurisdição, ou delegará esta atribuição a outro ministro”. Toffoli avaliou que, embora os supostos crimes não tenham sido praticados no prédio do órgão, vitimizam os ministros, que são o tribunal.

Autor

O autor do tuíte é @nelsonpaffi. Com mais de 48 mil seguidores na rede social, ele se define como “linha política positivista. Justiça sem ideologia. Lei tem que ser cumprida. Desejo Brasil próspero livre dos corruptos. Perseguidor implacável a corruptos” e faz críticas ao STF.

Procurado pelo Comprova, ele não retornou até a publicação da reportagem.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Projeto Comprova checa conteúdos de redes sociais sobre políticas públicas do governo federal, eleições e pandemia que alcancem uma grande viralização.

O tuíte é prejudicial, pois desinforma ao fazer um ataque ao STF e insinuar que a Corte foi negligente ao não fazer nada contra João Doria, omitindo que o Poder Judiciário não foi acionado neste caso. Além disso, dá a entender que as vacinas foram aplicadas após proibição da Anvisa, o que não ocorreu.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Saúde

Investigado por: 2021-09-06

Post engana ao afirmar que empresas não exigem vacinação e que CEO da Pfizer não se imunizou

  • Enganoso
Enganoso
São enganosas as afirmações feitas por um médico brasileiro acerca da não obrigatoriedade de vacinação em funcionários de órgãos e empresas internacionais e de que o diretor-executivo da Pfizer teria sido impedido de entrar em Israel por não estar imunizado. Duas das empresas citadas por ele estão exigindo a imunização e o CEO da farmacêutica não viajou por não ter recebido as duas doses até aquele momento – o que ocorreu posteriormente.
  • Conteúdo verificado: Médico afirma, em sequência de tuítes, que Casa Branca, CDC, FDA, OMS, Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson não obrigam funcionários a se vacinarem. Ele também diz que o CEO da Pfizer teve a entrada negada em Israel por não estar vacinado e que o homem teria dito que “não precisava pois era um sujeito saudável”.

Duas das sete empresas e órgãos internacionais citados pelo médico em postagens no Twitter estão exigindo a vacinação contra covid-19 de funcionários. Outros determinaram que sejam apresentados testes frequentes por quem decidir não se vacinar, o que não é esclarecido pelo autor da postagem ao criticar a adoção de um “passaporte vacinal” em algumas regiões do Brasil.

Dentre as instituições citadas pelo profissional de saúde, a Johnson & Johnson já anunciou e confirmou ao Comprova que até o dia 4 de outubro todos os funcionários serão obrigados a se vacinar, com exceção daqueles com problemas de saúde ou por outros motivos, como religiosos.

Da mesma forma, a Reuters informou que a Moderna Inc exigirá a vacinação para todos os funcionários nos Estados Unidos a partir de outubro. No início de agosto, a empresa ordenou que eles se vacinassem ou se submetessem a testes semanais para detectar a doença.

São enganosas, ainda, as afirmações relacionadas ao diretor-executivo da Pfizer, que está vacinado com duas doses do imunizante, conforme anunciou em sua conta no Twitter.

Ao ser procurado pelo Comprova, o médico responsável pelo conteúdo verificado afirmou ter tido a intenção de mostrar que a vacinação não é obrigatória por empresas e órgãos envolvidos no combate à pandemia, diferentemente do que querem fazer no Brasil, mas sem citar exemplos nacionais.

Ele reconheceu que a reportagem compartilhada por ele em relação à situação do CEO da Pfizer é antiga, mas sem comentar o fato de sua postagem não ser coerente com o conteúdo jornalístico indicado. Após ser procurado, publicou mais dois tuítes identificando o link como “defasado”, mas mantendo as demais afirmações.

O Comprova identifica como enganoso o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

Inicialmente, o Comprova verificou o link compartilhado pelo médico e identificou que o conteúdo não era o mesmo afirmado nos tuítes. Em seguida, buscou informações sobre o caso envolvendo o CEO da Pfizer e Israel e se o diretor-executivo estava ou não vacinado.

Foi verificado, também, o posicionamento público de cada órgão e empresa citada pelo autor dos tuítes, além de serem procuradas as instituições via e-mail.

Realizou-se uma pesquisa junto à imprensa norte-americana para entender as bases legais para que as empresas e órgãos governamentais exijam ou não a vacinação dos funcionários.

Por fim, a reportagem entrou em contato com o responsável pelas postagens.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 6 de setembro de 2021.

Verificação

Vacinação de funcionários federais e de empresas nos EUA

A primeira vez que a Casa Branca solicitou comprovação de vacinação para seus funcionários foi no final de julho. No dia 29 daquele mês, o presidente Joe Biden anunciou o fortalecimento dos protocolos de segurança para funcionários federais, o que incluía uma solicitação para que essas pessoas atestassem sua situação vacinal.

Qualquer dessas pessoas que não estivesse totalmente vacinada ficava obrigada a usar máscara no trabalho – independentemente da localização geográfica –, manter distância física de outros funcionários e visitantes, cumprir um requisito de testagem semanal ou duas vezes por semana, além de ficar restrito a viagens oficiais. Na ocasião, o presidente ressaltou que o governo federal dos Estados Unidos empregava 4 milhões de americanos.

Outra medida anunciada foi uma indicação para que o Departamento de Defesa averiguasse quando seria possível incluir a vacina contra a covid-19 entre as vacinações exigidas para militares. O Departamento de Assuntos de Veteranos já havia exigido a vacinação para toda a equipe da área de saúde, assim como mais de 50 sociedades e organizações de saúde haviam exigido que seus funcionários recebessem a vacina contra a covid-19 a longo prazo.

Um mês depois, no dia 31 de agosto, o coordenador de resposta à covid-19 da Casa Branca Jeffrey Zients afirmou que o governo federal estava pressionando pela vacinação de funcionários de outras instituições e empresas, inclusive por meio da exigência desta, como já vinha sendo feito com funcionários federais desde o final de julho.

Zients informou que mais de 800 faculdades e universidades, e mais de 200 empregadores da área de saúde, pequenas e grandes empresas em todo o país, além de dezenas de governos estaduais e locais, passaram a fazer as mesmas exigências que o governo federal. Ele citou como exemplo o caso da empresa Tyson Food, em Arkansas, que tinha apenas 45% dos funcionários vacinados quando anunciou que todos teriam que estar imunizados até 1º de novembro. Após o anúncio, o percentual subiu para 72%.

Ele também citou um dado do site Even.com, de busca de empregos, que mostrou que o número de ofertas de emprego nos Estados Unidos que exigem a vacina aumentou 90%. No início de agosto, a CNN publicou uma lista de empresas que exigem a vacinação de seus funcionários, o que inclui Google, Facebook, Netflix, Walmart, The Washington Post, Uber, Twitter, entre outros.

“Resumindo: os requisitos de vacinação funcionam. Eles aumentam as taxas de vacinação. E precisamos de mais empresas e outros empregadores, incluindo sistemas de saúde, distritos escolares, faculdades e universidades para intensificar e fazer sua parte para ajudar a acabar com a pandemia mais rapidamente”, disse Zients, durante conferência para a imprensa.

Ainda nos Estados Unidos, segundo publicação da Reuters, Nova York se tornará a primeira grande cidade do país a exigir, a partir de 13 de setembro, prova de vacinação para clientes e funcionários em restaurantes, academias e outros ambientes fechados.

Já o estado de Nova York exigirá que os funcionários estaduais sejam vacinados ou testados semanalmente a partir desta segunda-feira, 6 de setembro. A Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey e a Autoridade de Transporte Metropolitano exigirão que seus funcionários tomem a vacina ou façam o teste semanalmente.

Os trabalhadores da saúde do estado de Nova Jersey e os funcionários que atuam nas prisões devem ser vacinados até esta terça, 7 de setembro, ou fazer testes presenciais duas vezes por semana.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, disse que todos os funcionários do estado receberam ordens para serem vacinados a partir de 2 de agosto ou se submeterem a testes pelo menos uma vez por semana.

Funcionários municipais de Denver e pessoas que trabalham em ambientes de alto risco na cidade serão obrigados a se vacinar, disse o prefeito Michael Hancock, no dia 2 de agosto. As cidades de São Francisco e Nova Orleans ordenaram, em 12 de agosto, que os clientes mostrassem provas da vacinação contra a covid-19 para entrar em restaurantes, academias e outros espaços.

Exigências nas farmacêuticas

Conforme publicou o The New York Times, a Pfizer está exigindo que todos os funcionários e contratados nos Estados Unidos sejam vacinados ou participem de testes regulares semanais de covid-19.

O Fierce Pharma, site especializado na cobertura do setor farmacêutico, afirma ter falado com Pfizer e Johnson & Johnson, assim como outras empresas do ramo, sobre quais as políticas de vacinação adotadas entre seus funcionários. A Pfizer confirmou as informações publicadas na imprensa e um porta-voz afirmou que a empresa também está “encorajando fortemente” a vacinação para todos os ex-funcionários no país.

A Pfizer diz que trabalhará com os funcionários em busca de uma solução alternativa se eles tiverem objeções médicas ou religiosas à imunização.

A Johnson & Johnson também está exigindo que todos os funcionários e contratados nos Estados Unidos sejam totalmente vacinados até o dia 4 de outubro.

Procurada pelo Comprova, a empresa informou por e-mail ser falso que os funcionários não estão sendo obrigados a se vacinar, confirmando que a partir de 4 de outubro todos eles deverão ser totalmente vacinados, acrescentando que serão analisados os casos de pessoas com problemas de saúde ou outros motivos para não serem imunizadas.

A Reuters informou, em 20 de agosto, que a Moderna Inc anunciou que exigirá a vacinação para todos os funcionários nos Estados Unidos a partir de outubro. No início do mês, a empresa já havia ordenado que os funcionários se vacinassem ou se submetessem a testes semanais para detectar a doença.

O que a OMS diz sobre a obrigatoriedade

Procurada pelo Comprova, a OMS informou por e-mail que a vacinação para covid-19 é fortemente encorajada, mas atualmente não é obrigatória para os funcionários. Em um documento publicado no dia 13 de abril de 2021, a OMS faz uma série de considerações éticas e advertências sobre a adoção de obrigatoriedade de vacinação.

A organização destaca que o documento não endossa ou se opõe à vacinação obrigatória, mas identifica considerações éticas importantes e advertências que devem ser avaliadas antes que governos e/ou formuladores de políticas institucionais adotem essas medidas.

Uma das questões éticas levantadas no documento é que políticas que interferem na autonomia das pessoas devem buscar um “equilíbrio entre o bem-estar comunitário e as liberdades individuais”.

A OMS destaca que não é incomum que governos e outras instituições adotem essas políticas e que elas podem ser eticamente justificadas, uma vez que podem ser cruciais para proteger a saúde e o bem-estar públicos. Contudo, as razões para essas exigências precisam estar bem explicadas, incluindo as exceções – como contraindicações médicas à aplicação do imunizante.

Para o órgão, a vacinação obrigatória deve ser considerada apenas se for necessária à obtenção de uma meta de saúde pública importante, identificada por uma autoridade legítima da área sanitária. Outras estratégias devem vir antes disso, como políticas de educação pública, por exemplo.

“As vacinas são eficazes para proteger as pessoas da covid-19. Governos e/ou formuladores de políticas institucionais devem usar argumentos para encorajar a vacinação voluntária contra covid-19 antes de contemplar a vacinação obrigatória. Devem ser feitos esforços para demonstrar o benefício e a segurança das vacinas para a maior aceitação possível da vacinação. Medidas regulatórias mais rígidas devem ser consideradas apenas se esses meios não forem bem-sucedidos”, afirma a OMS.

Se esses objetivos de saúde pública não conseguem ser alcançados sem uma exigência para que as pessoas se vacinem, as preocupações daqueles que são capazes, mas não desejam ser vacinados, devem ser tratadas, se possível, de maneira proativa. Contudo, caso essas medidas não funcionem e a recusa à vacina resultar em riscos significativos à saúde pública, com baixas taxas de vacinação sem uma exigência, a obrigatoriedade pode ser uma medida “necessária”, diz a OMS.

A organização ainda recomenda que dados sobre as vacinas devem estar disponíveis, para que a população saiba que a vacina é eficaz, além de ser um meio para atingir uma meta importante de saúde pública. O acesso ao imunizante também precisa ser “confiável, razoável e gratuito” para aqueles a quem a vacinação for exigida.

Também afirma que é preciso considerar o efeito que a obrigatoriedade da vacina terá sobre a confiança do público na comunidade científica e na vacinação em geral. É recomendado que haja transparência no processo de tomada de decisão em torno da obrigatoriedade do imunizante.

CEO da Pfizer foi imunizado

O autor do tuíte afirma que Albert Bourla, diretor-executivo da Pfizer, teve a entrada negada em Israel por não estar vacinado e que teria afirmado não precisar do imunizante “pois era um sujeito saudável”. Em um segundo post, o médico compartilha o link de uma reportagem do veículo Times of Israel com a intenção de provar o ponto dele, mas o texto não condiz com o dito na postagem.

O médico ainda questiona, no mesmo post, o que diriam os funcionários da empresa para o mundo caso fossem obrigados a injetar em si “o produto que conhecem a fundo, sabem que é experimental e estão bem informados de todos os seus efeitos colaterais…” Os imunizantes não são substâncias experimentais e os benefícios superam os riscos da vacinação, conforme já explicou o Comprova.

Segundo a reportagem compartilhada por ele – publicada há mais de seis meses, em 5 de março –, a visita do diretor da farmacêutica a Israel foi adiada porque ele e outros membros da delegação ainda não estavam totalmente imunizados contra a covid.

O texto explica que Bourla havia recebido a primeira dose, mas aguardava a segunda, enquanto outros membros receberam duas doses, mas não haviam completado a espera mínima de sete dias para garantir maior proteção contra o vírus.

A mesma reportagem relembra que Bourla afirmou anteriormente que não cortaria a fila para receber a vacina, apesar de ter o cargo mais importante da empresa que fabrica o medicamento. A afirmação foi feita em entrevista ao canal CNBC.

Em agosto, a Reuters publicou checagem informando que Albert Bourla recebeu a segunda dose da vacina em 10 de março de 2021, o que foi registrado por ele no Twitter.

| Captura realizada pelo Comprova em 02/09/2021

De acordo com a Reuters, até a publicação da checagem, usuários de redes sociais ainda se referiam à informação desatualizada de que ele teve que cancelar a viagem por não estar totalmente vacinado como se o conteúdo fosse atual.

Obrigatoriedade

Empresas e governos de diversos países estão exigindo que seus funcionários se vacinem, como forma de reduzir a disseminação do coronavírus e da contaminação de seus empregados.

Não há uma lei específica sobre a exigência ou não de o trabalhador se imunizar, mas, segundo advogados entrevistados pela Reuters, a imposição é uma forma de a empresa cumprir seu papel de reduzir os riscos no local de trabalho.

E, como informado acima, desde que o governo dos Estados Unidos anunciou não haver impedimentos legais para tal medida, várias empresas passaram a colocá-la em prática.

Um dos casos de exigência de vacina mais conhecidos no país ocorreu em 1905, quando a Suprema Corte permitiu que órgãos de saúde do estado de Massachusetts pudessem exigir a vacinação contra a varíola de toda a população local se considerassem isso “necessário para a saúde ou segurança pública”. Um pastor que se negou a receber a proteção foi condenado criminalmente e multado.

O tribunal entendeu que “o princípio de liberdade individual não é absoluto em face do bem comum e que a liberdade real para todos depende da restrição de exercícios individuais de liberdade que prejudicam os outros”.

E, ainda sobre os Estados Unidos, desde os anos 1980, os 50 estados exigem vacinas de crianças em idade escolar – há exceções, como motivos médicos e religiosos.

Médico fez novos posts após ser procurado pelo Comprova

Francisco Eduardo Cardoso Alves é especialista em Infectologia pelo Instituto Emílio Ribas e diretor-presidente da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social (ANMP). Defensor do “tratamento precoce” com medicamentos que não possuem eficácia comprovada contra a covid-19, foi ouvido pela CPI da Pandemia, onde defendeu a prática, em junho deste ano.

Procurado pelo Comprova, afirmou que a intenção do post foi “mostrar que as principais empresas/atores envolvidos nas ‘decisões científicas’ sobre a covid-19 no Ocidente não obrigam coercitivamente a vacinação dos seus funcionários, como alguns políticos e empresas, absurdamente, estão tentando fazer aqui (Brasil)”. Ele não citou exemplos sobre os quais está se referindo.

Acrescentou acreditar que o uso de outras medidas, como testagem frequente, distanciamento e uso de máscaras, são cabíveis e “deveriam servir de exemplo aos gestores de alguns municípios brasileiros”.

Defendeu, ainda, que, se o objetivo fosse a saúde da população, os gestores estariam incentivando, e não forçando, a vacina no Brasil, associada às demais medidas, “e não proibindo pessoas de terem empregos ou irem a restaurantes por não terem vacinas, mas permitindo transporte público sem essa exigência, dentre outras contradições”.

Sobre a afirmação relacionada ao diretor-executivo da Pfizer, declarou que, após o contato do Comprova, fez a verificação da reportagem e constatou que o conteúdo é antigo. “Portanto, irei retificá-la no que concerne ao CEO já ter se vacinado. Mas parece que agora duas doses não servirão mais em Israel, a ver…”

Em seguida, o médico adicionou dois tuítes ao fio, afirmando precisar fazer uma correção e esclarecendo que a reportagem compartilhada está defasada. “Consta no perfil, do CEO da Pfizer que ele tomou as duas doses em março de 21. De fato ele não entrou em Israel pois não tinha as duas doses ainda”, postou.

O autor manteve, contudo, a afirmação de que as empresas e órgãos listados não exigem vacina obrigatória, mas esclarecendo que a J&J passará a fazer a exigência a partir de 4 de outubro. Explicou também que, embora não exijam, as demais adotam medidas como testagem frequente, uso de máscaras e distanciamento.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Projeto Comprova checa conteúdos de redes sociais sobre políticas públicas do governo federal, eleições e a pandemia que alcancem uma grande viralização. No caso do conteúdo aqui verificado, foram 7,7 mil interações no Twitter, entre comentários, curtidas e compartilhamentos.

Conteúdos enganosos e desmotivadores sobre vacinas são perigosos porque diminuem a confiança da população nos imunizantes e enfraquecem os esforços de imunização, que são a principal estratégia para controlar a pandemia e salvar vidas, aliados ao distanciamento social, higienização constante das mãos e uso de máscaras.

Apenas em agosto, o Comprova já informou que médico americano engana ao dizer que vacinas “enlouquecem” sistema imunológico e agravam covid-19; que site antivacina inventou dado sobre efeito colateral em crianças imunizadas com Pfizer; que, ao contrário do que diz médico, vacinas são eficazes contra variante delta; e que médica engana ao dizer que vacinas contra covid são experimentais.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Saúde

Investigado por: 2021-09-03

É enganoso que recomendação do uso de máscara contra covid siga palavras de vidente e não estudos científicos

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso o post de um médico no Twitter que compara o apelo de um vidente para que as pessoas não parem de usar máscara a um estudo científico que não teria sido capaz de apontar a eficácia desse tipo de proteção. O estudo em questão esperava que as máscaras reduzissem as infecções em mais de 50%, o que é considerado um percentual muito alto para estudos sobre intervenções - algo entre 15% e 30% estaria mais perto da realidade. A postagem também desconsidera outros estudos e recomendações de autoridades sanitárias do Brasil e do mundo, que defendem o uso da proteção facial.
  • Conteúdo verificado: Em mensagem no Twitter, médico compara pedido de um vidente para que as pessoas sigam usando máscara como meio de proteção contra a covid-19 com os resultados de um estudo da Dinamarca que não teria mostrado benefício para o uso de proteção facial.

É enganoso o conteúdo postado por um médico no Twitter, no qual ele sugere que não há benefício do uso comunitário de máscaras contra a covid-19. Na postagem, ele recorre ao resultado de um estudo feito em 2020 na Dinamarca, o Danmask, a fim de contrapor uma notícia em que a revista Istoé ouve um vidente. Os próprios autores do Danmask, contudo, consideram os resultados do estudo inconclusivos.

No texto publicado pela IstoÉ, o vidente conhecido como Mestre José pede que as pessoas não parem de usar máscaras e afirma que haverá o “maior caos da história” se acabar a obrigatoriedade. O médico Ricardo Ariel Zimerman, então, compartilha uma imagem com o título do texto da revista e uma foto do vidente. Ele comenta que “o maior ensaio clínico randomizado conduzido até o momento” não demonstrou “benefício com o uso comunitário de máscaras”, mas, o vidente, sim, ironiza.

O texto da IstoÉ não deixa claro se o vidente se baseia em evidências científicas ou em sua própria opinião. O estudo conduzido na Dinamarca e citado pelo médico, contudo, recebeu críticas da comunidade científica por ter falhas metodológicas e por perseguir um resultado fora da realidade – os pesquisadores esperavam que as máscaras reduzissem as infecções em 50%, mas, o especialista ouvido pelo Comprova explica que resultados são realistas quando uma intervenção produz um efeito de 15% a 30%.

Além disso, o uso de máscaras é recomendado por entidades nacionais e internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde.

O Comprova procurou o autor do post, mas ele não respondeu até a publicação desta reportagem.

Este conteúdo foi classificado como enganoso pelo Comprova porque usa dados imprecisos e confunde, mesmo que não tenha uma intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

Fizemos uma pesquisa no Google para saber o que era o estudo Danmask e quais as análises feitas pela comunidade científica sobre essa pesquisa. Encontramos um artigo do pesquisador do Instituto Butantan Alison Chaves, PhD em Microbiologia e Imunologia, e pedimos que ele conversasse conosco sobre o estudo e seus resultados.

Também levantamos as orientações de autoridades de saúde do Brasil e do exterior sobre o uso de máscaras, bem como procuramos a legislação brasileira sobre o enfrentamento à pandemia.

Procuramos o título da matéria que aparece no conteúdo verificado para identificar se ela era real e o que dizia o texto e, por fim, entramos em contato com o autor do post, mas não obtivemos resposta.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 3 de setembro de 2021.

Verificação

O que é o estudo Danmask?

O estudo que ficou conhecido como Danmask-19 foi um ensaio controlado randomizado feito em abril e maio de 2020 na Dinamarca por 22 pesquisadores, os autores principais. O objetivo do estudo era analisar “se a recomendação do uso de máscara cirúrgica fora de casa reduz o risco dos usuários de infecção por Sars-CoV-2 em um ambiente onde as máscaras eram incomuns e não estavam entre as medidas de saúde pública recomendadas”.

O efeito esperado pelos pesquisadores era de que o uso de máscara reduzisse as taxas de infecção pelo coronavírus em 50% entre os usuários de uma comunidade com “taxas de infecção modestas, algum grau de distanciamento social e uso incomum de máscara”.

Foram distribuídos kits com 50 máscaras cirúrgicas descartáveis de três camadas para adultos que não tinham sintomas, passavam mais de três horas por dia fora de casa e que não usavam máscara habitualmente em suas ocupações. Segundo os pesquisadores, 3.030 participantes foram designados aleatoriamente para a recomendação de usar máscaras e 2.994 foram designadas para o grupo controle, totalizando 6.024 pessoas. Destes, 4.862 completaram o estudo, sendo 2.392 pessoas com recomendação para uso de máscara e 2.470 do grupo controle.

O ensaio foi publicado em novembro de 2020 na revista científica Annals of Internal Medicine.

Quais as conclusões desse estudo?

Segundo os resultados publicados na revista científica, 95 das 4.862 pessoas que completaram o estudo foram infectadas pelo Sars-CoV-2. Destas, 42 participantes eram do grupo com recomendação do uso de máscara (1,8%) e 53 faziam parte do grupo controle (2,1%).

Os pesquisadores consideraram que, embora a diferença observada não tenha sido estatisticamente significativa, os resultados eram inconclusivos. Eles afirmam que não é possível descartar que o uso de máscara tenha reduzido o contágio em 46% das infecções ou aumentado em 23%, já que eles não mediram os efeitos do uso de máscara na origem do contágio, nem em locais onde outras medidas não estavam em vigor.

Eles também destacaram que, na época da realização do estudo, o governo dinamarquês não recomendava o uso de máscaras em outros ambientes que não os hospitalares – portanto, os participantes do estudo que usaram as máscaras estavam circulando em locais onde a grande maioria das pessoas não usavam a proteção.

Os estudiosos levaram em conta limitações para o estudo, como resultados inconclusivos, dados faltantes, adesão variável, resultados de exames relatados por pacientes a partir de testes caseiros, o fato de o estudo não ter sido cego (ou seja, os participantes sabiam em qual grupo estavam) e ausência de avaliação se as máscaras poderiam diminuir a transmissão de doenças de usuários de máscaras para outras pessoas.

Apesar dessas limitações, o estudo concluiu que “a recomendação de usar máscaras cirúrgicas para complementar outras medidas de saúde pública não reduziu a taxa de infecção de Sars-CoV-2 entre os usuários em mais de 50%”. Ou seja, há indícios de que houve uma redução, mas os resultados do ensaio não apontavam para o percentual de eficácia esperado pelos pesquisadores.

O que se fala sobre o Danmask-19?

Quando o estudo foi publicado, em novembro do ano passado, surgiram comentários na comunidade científica sobre o assunto. Em 26 de novembro, o editor-executivo do The BMJ – publicação da British Medical Association –, Kamram Abbasi, disse em um artigo que o resultado “negativo” do primeiro ensaio sobre o uso de máscaras durante a pandemia já era conhecido.

Segundo ele, antes da publicação do estudo, já se comentava nas redes sociais que os pesquisadores buscavam um periódico importante para a publicação, uma vez que muitos não estavam se mostrando “corajosos” para dar espaço ao estudo. No artigo, em que chama de “curioso” o caso do estudo dinamarquês, Abbasi afirma que os resultados não eram negativos, e sim inconclusivos. Ele acrescenta que, na verdade, apontavam para um “provável benefício do uso da máscara para o usuário”, diferentemente do que se comentava nas redes sociais.

Menos de uma semana antes, os pesquisadores Carl Heneghan e Tom Jefferson, ambos da Universidade de Oxford, publicaram um artigo na revista britânica The Spectator comentando os resultados do Danmask-19. Eles afirmaram que, no geral, havia uma “falta preocupante de evidências robustas sobre máscaras faciais e covid-19” e que estudos randomizados como o Danmask eram importantes para entender o impacto de medidas como aquela.

Também no dia 19 de novembro, o pesquisador Alison Chaves, PhD em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), publicou um artigo no site do Instituto Questão de Ciência, no qual considerou como “ineficaz” o estudo dinamarquês sobre a eficácia das máscaras.

Problemas do estudo

O Comprova, então, pediu que Chaves detalhasse mais sobre as razões pelas quais acredita que o estudo seja “ineficaz”. O grande problema do Danmask-19, segundo Alison Chaves, está no que ele chama de “efeito perseguido”: a redução de 50% nas infecções a partir do uso de máscaras associado a outras medidas, como o distanciamento. Alison explica que esse percentual não é um efeito realista em estudos científicos.

“Um dos grandes problemas desse estudo especificamente é que ele persegue um efeito muito grande para um tipo de intervenção que está sendo avaliada. Independente da intervenção, quando você tem um efeito entre 20% e 30%, até 15%, é um efeito realista. Tem alguns estudos que cometeram esse mesmo tipo de gafe, que perseguiram um efeito que, no final, é uma profecia auto-irrealizável, porque você não vai alcançar”, disse, em entrevista ao Comprova por telefone.

O pesquisador também aponta outras falhas. “Ele não é cego, ou seja, as pessoas sabem da intervenção. É muito difícil conseguir medir efetivamente o desfecho porque é um estudo de recomendação, ele não mede uma métrica que você consegue detectar objetivamente. A intervenção não é um tratamento, é uma recomendação e um composto. Para dizer que houve efeito, você precisa que as pessoas tenham seguido ambas as recomendações, que é se isolar e usar máscara. E a aderência foi extremamente variável. Ele tem falhas metodológicas, de planejamento, tem limitações reais para fazer alguma conclusão”, afirma.

No tuíte aqui verificado, o autor destaca que o Danmask é o maior ensaio clínico randomizado conduzido até o momento sobre o uso de máscaras. Para Chaves, o fato de o estudo ser grande – e o trabalho dinamarquês de fato é, pelo menos em número de participantes – não o isenta de problemas.

“Existem muitos estudos enormes, como o Surgisphere, que mostrava a ausência de efeito da hidroxicloroquina em covid-19 e os dados não foram abertos e o estudo foi retratado. E aquele é, sem dúvida, um dos maiores estudos já feitos. Nem por isso ele é um estudo que tem credibilidade hoje”, exemplifica.

Apesar dos problemas apontados, para ele, o Danmask não se encaixa num tipo de estudo que precise de uma retratação. “A gente tem estudos retratados quando existem erros que geram problemas nos resultados, tem um erro aqui que muda totalmente o resultado. No caso dele, foi mais um estudo mal desenhado”, aponta.

Para o pesquisador, independente do resultado do estudo, o uso de máscaras e sua eficácia se encaixam num princípio chamado por cientistas de “plausibilidade extrema”. “Se você tem uma doença cuja transmissão é respiratória, ou seja, exige gotículas, as únicas maneiras de barrar essa transmissão são se não tiver contato ou se houver uma barreira entre as pessoas. E a máscara é uma barreira. Esse tipo de estudo não faz muito sentido existir, porque é um caso de plausibilidade extrema, (usar a máscara) é algo que vale a pena fazer, porque não há risco”, afirma.

Recomendação do uso de máscaras no Brasil

Nas orientações sobre como se proteger do novo coronavírus, o Ministério da Saúde inclui o uso de máscara em serviços de saúde e na população em geral ao lado de outras medidas preventivas como o distanciamento social e a higienização das mãos.

Sobre os serviços de saúde, a pasta lembra que o uso de máscaras deve ser uma exigência em áreas clínicas, independentemente das atividades realizadas. “Em locais de assistência a pacientes com covid-19 em que são realizados procedimentos geradores de aerossóis, recomenda-se que os profissionais da saúde usem máscaras de proteção respiratória (padrão N95 ou PFF2 ou PFF3, ou equivalente), bem como demais equipamentos de proteção individual”, diz.

No caso da população, o Ministério da Saúde diz que o uso de máscara facial, inclusive a feita de tecido, é “fortemente recomendado” em ambientes coletivos “em especial no transporte público e em eventos e reuniões, como forma de proteção individual, reduzindo o risco potencial de exposição do vírus especialmente de indivíduos assintomáticos”. No caso de pessoas sintomáticas, o governo recomenda o uso específico de máscaras cirúrgicas, para controlar a fonte de transmissão.

A recomendação da pasta afirma ainda que as máscaras não devem ser usadas por crianças menores de 2 anos ou “pessoas que tenham dificuldade para respirar, estejam inconscientes, incapacitadas ou que tenham dificuldade de remover a máscara sem ajuda”. A orientação também é para que se lave a mão antes de colocar a proteção e que ela cubra o nariz e a boca, além de estar presa ao queixo.

No Brasil, a lei federal 14.019, de 2 de julho de 2020, permitiu que as autoridades de saúde federal, estadual e municipal exigissem a obrigação do uso de máscara para combater a emergência sanitária provocada pela covid-19. São citadas especificamente vias públicas; transportes públicos como táxis, ônibus, aeronaves e embarcações; estabelecimentos comerciais e industriais; templos religiosos; estabelecimentos de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas.

Base científica para o uso de máscaras

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço da OMS para as Américas, publicou desde abril de 2020 orientações sobre o uso de máscara para o enfrentamento do Sars-CoV-2. A última orientação foi feita em 1º de dezembro do ano passado e traz uma série de evidências sobre o papel que a proteção facial pode ter na prevenção do vírus.

A OMS analisou 43 estudos e metanálises (quando mais de uma pesquisa é comparada) sobre o efeito do uso protetor de máscaras na comunidade. A entidade reconhece que “são limitadas e variáveis” as evidências científicas sobre o uso de máscaras por pessoas saudáveis como prevenção à infecção por vírus respiratórios. Mas seis desses estudos apontaram uma redução no risco de infecção pelo Sars-CoV-2. Outros 18 sinalizam para uma diminuição no número de casos de covid-19 associada ao uso de máscara pelo público.

Seis apontam para evidências limitadas de que a máscara cirúrgica possa prevenir a infecção caso a pessoa compartilhe o mesmo domicílio de um paciente contaminado ou participe de eventos de massa em que há pessoas infectadas.

Por isso, as orientações são para o uso de máscaras em locais públicos fechados, com pouca ventilação ou que não seja possível manter o distanciamento; em ambientes domésticos internos quando houver visita que não resida no local; em ambientes externos ventilados em que não seja possível manter o distanciamento ou que tenham pessoas de grupo de risco.

No caso do Brasil, a Fiocruz divulgou o resultado de um estudo que reforça o papel das máscaras. Eles analisaram 45 proteções faciais (30 de tecido com duas camadas e 15 cirúrgicas) usadas por 28 pacientes com infecção confirmada para o Sars-CoV-2. Eles utilizaram essas máscaras por um período contínuo de duas a três horas, em situações da vida real. Os testes apontaram a presença do vírus apenas na camada interna das máscaras, indicando que elas podem barrar a transmissão da doença.

Matéria da IstoÉ é real

A matéria com o título “Vidente prevê ‘maior caos da história’, caso acabe obrigatoriedade do uso de máscaras” é real. Foi publicada no site da revista IstoÉ no dia 25 de agosto de 2021. Nela, o tarólogo Mestre José, que a revista diz ter ficado conhecido como “vidente dos famosos”, faz um apelo que as pessoas não parem de usar máscaras mesmo após o presidente Jair Bolsonaro ter anunciado que pediria ao Ministério da Saúde para avaliar o fim do uso obrigatório do equipamento como medida de proteção contra a covid-19.

O autor

Ricardo Ariel Zimerman é médico registrado no Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul. A especialidade dele é a infectologia. Ele é defensor do “tratamento precoce” contra a covid-19 e um vídeo em que fala sobre o tema já foi classificado como enganoso pelo Estadão Verifica.

Zimerman foi ouvido pela CPI da Pandemia do Senado no dia 18 de junho de 2021, ao lado do médico Francisco Eduardo Cardoso Alves, em uma audiência pública. Durante a sua fala na comissão, defendeu uso de hidroxicloroquina e ivermectina, dois medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre a pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que tenham atingido alto grau de viralização. A desinformação sobre a covid-19 é ainda mais grave porque pode levar pessoas a não se protegerem de maneira adequada ou a recusarem medidas de prevenção ao vírus. As postagens verificadas aqui tiveram 4,5 mil interações no Twitter e 8,9 mil curtidas no Instagram.

Desde o início da pandemia, o Comprova já mostrou o uso de estudos com falhas para alegar que máscaras são ineficazes contra a covid-19; que um estudo recomenda o uso de máscara contra o novo coronavírus, ao contrário do que sugere deputada; que um médico tirou de contexto dados de um estudo para sugerir que as máscaras não são eficazes; e que é falso que máscaras causem acúmulo de líquido nos pulmões e intoxicação.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Saúde

Investigado por: 2021-08-31

Estudo não traz evidências que comprovem eficácia da hidroxicloroquina na prevenção à covid-19

  • Enganoso
Enganoso
Um post na plataforma Substack engana ao afirmar que estudo norte-americano coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19. A metanálise não atesta isso, apenas sugere, e orienta que ensaios clínicos randomizados sejam conduzidos sobre o assunto. Além disso, especialistas ouvidos pelo Comprova alertaram para a baixa relevância científica do estudo.
  • Conteúdo verificado: Postagem no Substack, uma plataforma para publicação de boletins informativos (newsletters), afirma que estudo científico norte-americano, revisado por pares e publicado em “prestigiado periódico científico”, coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19.

É enganoso um post feito na plataforma Substack afirmando que uma meta-análise norte-americana revisada por pares e publicada em um periódico científico coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19. O artigo, na verdade, é de baixa relevância científica, segundo explicaram dois especialistas ouvidos pelo Comprova: o médico infectologista Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), e o virologista e coordenador do curso de Biomedicina do Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação (IBMR), Raphael Rangel.

A pesquisa também não comprova a eficácia do medicamento enquanto “tratamento precoce” para a covid-19, mas “sugere que a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) HCQ (hidroxicloroquina) semanal é segura e eficaz na prevenção da doença em um grupo de profissionais de saúde de alto risco”. A Profilaxia Pré-Exposição é o procedimento de saúde usado antes da exposição a um patógeno capaz de provocar uma doença.

O artigo analisou 11 pesquisas de caráter observacional com profissionais de saúde da Índia e o método de seleção dos estudos foi descrito de forma vaga. Conforme as diretrizes metodológicas para estudos observacionais do Ministério da Saúde, os principais problemas das meta-análises deste tipo de pesquisa são decorrentes das limitações do delineamento dos estudos primários (coortes e caso-controles). Basicamente, a presença de variáveis de confusão, ausentes ou controladas em ensaios clínicos randomizados, pode gerar medidas de associação enviesadas nos estudos observacionais.

Não foram levantados dados de estudo clínico randomizado controlado, conhecido pela sigla em inglês RCT. Neste tipo de estudo, os pacientes são separados em dois grupos de forma aleatória. Um deles recebe o tratamento a ser testado, enquanto o outro recebe o placebo. Nenhum paciente sabe qual recebeu para evitar influência nos resultados. Esse estudo é considerado o padrão-ouro para determinação de eficácia de um medicamento ou vacinas.

Procurados, os autores do estudo não responderam ao Comprova. A reportagem também entrou em contato com o autor da postagem, Filipe Rafaeli. Ele defendeu a pesquisa e afirmou já ter sido procurado anteriormente pelo Estadão Verifica. Conforme a publicação, ele ameaçou processar o autor da checagem.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações.

Como verificamos?

A partir da postagem no Substack, o Comprova verificou o conteúdo do texto compartilhado e chegou ao estudo, que foi conduzido por Raphael B. Stricker e Melissa C. Fesler, dois médicos de um grupo privado de São Francisco, nos Estados Unidos, chamado Union Square Medical Associates.

Acessamos checagens e estudos anteriormente publicados sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento contra a covid-19. Também conversamos com dois especialistas sobre a análise publicada e consultamos as recomendações das principais agências reguladoras do mundo e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Por fim, tentamos conversar com os autores do estudo e falamos com Filipe Rafaeli, responsável pela publicação no Substack.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 31 de agosto de 2021.

Verificação

Estudo não garante a eficácia da cloroquina

A pesquisa “Profilaxia pré-exposição de hidroxicloroquina para covid-19 em profissionais de saúde da Índia: uma meta-análise” foi publicada no Journal of Infection and Public Health, que possui Fator de Impacto 3.718, um método bibliométrico para avaliar a importância de periódicos científicos em suas respectivas áreas. A partir disso, está classificado na 60ª posição entre 203 revistas especializadas em saúde pública, ambiental e ocupacional.

O estudo foi conduzido por Raphael B. Stricker e Melissa C. Fesler, revisado por pares e indexado em outras plataformas médicas.

Foram analisadas 11 pesquisas de caráter observacional com profissionais de saúde da Índia e o método de seleção dos estudos foi descrito de forma vaga em apenas um parágrafo. Os autores afirmam terem utilizado mecanismos de busca da internet para identificar os estudos de caso-controle que envolveram 7.616 profissionais de saúde de alto risco testados para infecção por Sars-CoV-2 após Profilaxia Pré-Exposição com hidroxicloroquina semanal ou após nenhum tratamento.

Não foram levantados dados de estudo clínico randomizado controlado considerado bastante eficaz para testar se um medicamento funciona ou não, conforme explica essa reportagem da Superinteressante.

No texto publicado, Filipe Rafaeli afirma que a meta-análise colocou a hidroxicloroquina para prevenção da covid-19 no mais alto nível de evidência científica. A afirmação, contudo, contradiz a própria pesquisa, que não atesta a eficácia da hidroxicloroquina enquanto “tratamento precoce”, mas “sugere que a PrEP HCQ semanal é segura e eficaz na prevenção de covid-19 em um grupo de profissionais de saúde de alto risco”.

Os autores reconhecem, por exemplo, que os estudos de coorte selecionados têm limitações em termos de desenho retrospectivo, ou seja, a análise antes da exposição, quando se olha para o passado dos pacientes para a identificação de quem sofreu a exposição, e de homogeneidade. Acrescentam serem necessárias as conduções de ensaios clínicos randomizados para avaliar a utilização da substância como método de prevenção para covid-19.

A meta-análise, que é um método estatístico para agregar os resultados de dois ou mais estudos independentes sobre uma mesma questão de pesquisa, combinando os resultados em uma medida sumária, também destaca ser importante reconhecer que os estudos utilizados excluíram a profilaxia pós-exposição (PEP) com hidroxicloroquina ou o tratamento de indivíduos que foram infectados com SARS-CoV-2, ou seja, a administração de medicamentos com o intuito de tratar a doença já adquirida.

Especialistas apontam falhas

O Comprova pediu a dois especialistas que fizessem a análise do estudo e ambos apontaram problemas no artigo. O médico infectologista Leonardo Weissmann, da SBI, destaca que os autores do artigo não se esqueceram de falar em “preconceito” contra a hidroxicloroquina, mas deixaram de lado regras básicas de metodologia para a realização de uma revisão sistemática e meta-análise.

Os autores defendem, ao longo do texto, que a hidroxicloroquina “foi atacada e rejeitada com base em estudos falhos e controvérsias políticas que obscureceram o valor deste tratamento como profilaxia”.

Segundo o especialista, não há um objetivo definido de estudo, não foi citada a estratégia de busca dos artigos, com critérios de inclusão e exclusão, não se sabe se os autores avaliaram a qualidade dos estudos utilizados, pois nada foi descrito a respeito, e não existe um padrão definido para a extração de dados. “Como afirmar que não há vieses? Impossível!”, declara.

Conforme Leonardo, diante disso, não há como avaliar os achados da meta-análise com qualquer credibilidade, nem aplicá-los na prática diária. “Ainda usam ‘vacina’ como palavra-chave do estudo, sendo que o texto não tem nenhuma relação com imunização”, comentou.

O virologista Raphael Rangel tem opinião semelhante. “O artigo se trata de uma meta-análise com estudos observacionais, então os dados podem estar muito enviesados. Além disso, não é um estudo duplo-cego randomizado, portanto não há como medir de fato se houve uma eficiência de medicamento ou não. Outro fator é que esses resultados foram publicados em revistas de pouquíssima expressão”, disse, referindo-se às análises observacionais.

No estudo duplo-cego randomizado um grupo de interesse faz uso da terapia e é acompanhado por um grupo-controle, que não faz o uso da terapia. Já o estudo observacional de coorte se propõe a observar, em uma população previamente definida, qual será a incidência de determinada doença ou fenômeno relacionado à saúde ou doença.

Rangel destacou haver estudos aprofundados e publicados em revistas científicas de renome, como The Lancet e New England Journal Of Medicine, demonstrando que a hidroxicloroquina não tem nenhuma eficácia, nem voltada à pré-exposição e nem à pós-exposição. “Precisamos superar isso, já passou. Temos vacina, precisamos vacinar e é só com a vacina e com a utilização de máscaras mais eficazes que vamos sair dessa pandemia”, defende.

Autor se envolveu em polêmica científica

Conforme explicou o Estadão Verifica, que fez a checagem do mesmo conteúdo, um dos principais autores do estudo citado pelo blog, Raphael B. Stricker, se envolveu em uma polêmica em 1993, quando foi acusado de “má conduta científica” ao longo de outra pesquisa.

À época, uma investigação da Universidade da Califórnia em São Francisco apontou que o cientista teria falsificado dados enquanto pesquisava sobre Aids, suprimindo seletivamente aqueles que não sustentavam sua hipótese, e relatando dados consistentemente positivos, enquanto apenas um em quatro experimentos produziu resultados positivos. Na ocasião, a pesquisa afirmou que anticorpos para Aids eram encontrados apenas em homens homossexuais.

Stricker afirmou ao Estadão que as “alegações de 30 anos atrás são espúrias”. Ele não respondeu ao contato do Comprova.

Em relação a Melissa C. Fesler, não foram localizados artigos sobre doenças respiratórias até a pandemia, quando passou a fazê-los junto a Stricker, segundo dados do Research Gate.

Órgãos de regulação não recomendam o uso de hidroxicloroquina

Conforme o Comprova já mostrou anteriormente, o Grupo de Desenvolvimento de Diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), formado por especialistas de todo o mundo, concluiu em março deste ano que a hidroxicloroquina não deve ser usada para tratar a covid-19 de forma precoce.

| Fonte: Drugs to prevent COVID-19: A WHO living guideline (captura de tela feita em 31 de agosto de 2021)

Os especialistas realizaram seis ensaios clínicos randomizados, dos quais participaram 6 mil pessoas e o estudo mostrou que “a hidroxicloroquina não teve efeito significativo na morte e admissão ao hospital, enquanto a evidência de certeza moderada mostrou que a hidroxicloroquina não teve efeito significativo na infecção por covid-19 confirmada em laboratório e provavelmente aumentava o risco de efeitos adversos”. A pesquisa completa foi publicada no BMJ. No Brasil, o ensaio clínico Solidariedade (Solidarity) foi conduzido pela Fiocruz.

| Fonte: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public/myth-busters#chloroquine

A OMS interrompeu os ensaios clínicos com hidroxicloroquina como tratamento para covid-19 após o Solidariedade, um estudo do grupo colaborativo Recovery, do Reino Unido, e uma revisão da Cochrane evidenciarem que a hidroxicloroquina não reduziu as mortes entre pacientes com covid-19 hospitalizados.

Em agosto deste ano, a OMS anunciou a próxima fase do estudo Solidariedade: o Solidariedade PLUS, que envolverá pacientes hospitalizados para testar três novos medicamentos em pacientes hospitalizados com covid-19: artesunato, imatinibe e infliximabe. O primeiro é usado para malária grave; o segundo para certos tipos de câncer; e o terceiro para doenças do sistema imunológico.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também anunciou que os medicamentos não mostraram quaisquer efeitos benéficos no tratamento em grandes ensaios clínicos randomizados e alertando que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem causar certos efeitos colaterais, incluindo problemas de ritmo cardíaco.

O risco desses efeitos colaterais pode ser maior em pacientes que os recebem em doses superiores às recomendadas para as indicações autorizadas nas bulas e em combinação com outros medicamentos que têm efeitos semelhantes no coração, como o antibiótico azitromicina.

O Painel de Diretrizes de Tratamento para a covid-19 do Instituto Nacional de Saúde (NHI) dos Estados Unidos não recomendou o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina e/ou azitromicina para o tratamento da doença, após analisar avaliações de segurança e eficácia das drogas em ensaios clínicos randomizados, estudos observacionais e/ou estudos de braço único, onde todos os inscritos são tratados da mesma maneira.

Um estudo publicado na The New Journal of Medicine, feito utilizando o método de ensaio clínico multicêntrico (conduzido de acordo com um único protocolo, concomitantemente em vários centros de pesquisa, nacionais ou internacionais) e randomizado, concluiu que o uso da hidroxicloroquina, manipulada sozinha ou com azitromicina, feito por pacientes hospitalizados com covid-19 em casos de leve a moderado, não melhorou o estado clínico em 15 dias, em comparação com o tratamento padrão.

O resultado entra em convergência com os dados obtidos pela Nature. Uma meta-análise colaborativa internacional de ensaios clínicos randomizados mostrou que o tratamento com hidroxicloroquina está associado ao aumento da mortalidade em pacientes com covid-19, e não há benefício da cloroquina.

Responsável pelo post alterou texto original

Na aba em que se apresenta no site, Filipe Rafaeli afirma ser profissional de comunicação, cineasta e piloto de acrobacia. O primeiro conteúdo foi publicado em dezembro de 2020 e defendia que a hidroxicloroquina era cientificamente comprovada. A partir de então, todas as postagens são referentes ao “tratamento precoce” contra a covid-19, tratando, principalmente, do medicamento.

Quando o Comprova iniciou esta verificação, o texto publicado por ele afirmava que “um recente estudo científico revisado por pares e publicado no prestigiado periódico científico Journal of Infection and Public Health, de alto impacto, confirmou cientificamente a eficácia da hidroxicloroquina para prevenção da COVID-19.”

 

| Captura realizada pelo Comprova em 31 de agosto de 2021 a partir da página arquivada

Posteriormente, o texto foi alterado para: “Um recente estudo científico revisado por pares e publicado no prestigiado periódico científico Journal of Infection and Public Health, de alto impacto, colocou a hidroxicloroquina para prevenção da COVID-19 no mais alto nível de evidência científica.”

 

| Captura realizada pelo Comprova em 31 de agosto de 2021 a partir de texto publicado no Substack

Três dias antes da publicação deste texto, o autor comentou, na plataforma Substack, que a sua sugestão para as pessoas é que “todos tenham em mãos o telefone de algum médico que faça tratamento de covid-19. E, na primeira suspeita, ligar”, disse.

Em fevereiro deste ano, a agência Aos Fatos identificou como falsa postagem nas redes sociais que reproduziu um texto dele.

Ao ser procurado pelo Comprova, ele respondeu afirmando: “Esse (conteúdo) o Estadão já veio atrás (…). O Estadão ignorou estudos e pegou a opinião de um ‘especialista’ para rebater”. Conforme publicado pelo Estadão Verifica, Filipe ameaçou processar o autor da checagem “caso fosse publicado algo que ‘pichasse’ seu nome ou ‘censurasse’ a postagem”.

Sobre o artigo, afirmou que “meta-análise é meta-análise”, complementando que o estudo em questão não foi feito em padrão Prisma, um conjunto mínimo de itens com base em evidências para relatar em revisões sistemáticas e meta-análises.

Questionado pelo Comprova sobre a eficácia do artigo compartilhado, Filipe disse: “Então, partindo do princípio de ‘carimbo’ de burocrata de alguma entidade, sendo que a Europa ou os Estados Unidos não aceitam a Coronavac, você vai concluir que ela [a pesquisa] ‘não é comprovada cientificamente?”

Conforme explicou essa verificação do Comprova, um artigo encaminhado por cientistas do Butantan, em abril de 2021, para a revista científica The Lancet mostrou que a eficácia da Coronavac para casos sintomáticos atingiu 50,7% com 14 dias de intervalo entre as duas doses.

Outro estudo feito pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, vacinou cerca de 75% da população adulta e constatou queda de 80% nos casos sintomáticos e de 86% nas internações, além da redução de mortes em 95%. Uma pesquisa, feita no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, apontou queda de 80% nos casos de covid-19 entre os 22 mil funcionários vacinados com a Coronavac.

Trecho do conteúdo publicado no Substack foi printado e compartilhado no perfil “Médicos pela Vida” no Instagram, que afirma defender a relação médico-paciente, assistência primária e o “tratamento precoce”. Na página, contudo, a postagem foi definida como parcialmente falsa pela plataforma.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre políticas públicas do governo federal, eleições e pandemia, que viralizam nas redes, como é o caso da postagem aqui verificada, que teve mais de 16 mil interações no Facebook, 1.280 no Twitter e 1.145 no Instagram, conforme a ferramenta Crowdtangle. Esse conteúdo chegou até o Comprova por meio de um pedido realizado por Whatsapp por um leitor, que nos contactou através do número (11) 97045-4984. Os compartilhamentos ocorreram principalmente a partir de páginas bolsonaristas.

A disseminação de informações falsas ou enganosas sobre supostos tratamentos profiláticos para a covid-19 pode colocar a saúde das pessoas em risco, tanto pela exposição às substâncias não recomendadas para a doença, quanto pelo contato com o vírus ao se imaginarem protegidas.

Até o momento, as únicas formas comprovadas de se evitar a contaminação são o uso de máscaras, o distanciamento social e a higienização constante das mãos, assim como a vacinação.

Esse mesmo conteúdo foi analisado pelo Estadão Verifica e outros envolvendo a hidroxicloroquina já foram alvos de publicações do Comprova, como a que demonstrou que um médico engana ao afirmar que hidroxicloroquina é eficaz contra a covid, a que apontou que estudo com hidroxicloroquina não comprova eficácia do “tratamento precoce” e outra informando que estudos fraudados não deslegitimam artigos que comprovam ineficácia da cloroquina contra a covid.

Enganoso, para o Comprova, é conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Saúde

Investigado por: 2021-08-30

Deputada cita médico japonês para defender ivermectina, que não tem eficácia comprovada contra covid

  • Enganoso
Enganoso
Não há, até o momento, comprovação científica de que a ivermectina salve vidas de infectados pela covid-19, como afirma postagem de uma deputada no Instagram. Ela compartilha informação de que Haruo Ozaki, presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio, defende o uso da ivermectina, mas o medicamento não é recomendado para essa finalidade no Japão.
  • Conteúdo verificado: Montagem no Instagram da deputada federal Bia Kicis afirma que o presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio declarou que “chegou a hora da ivermectina”, referindo-se ao novo surto de covid-19 no Japão. Na legenda, a parlamentar sustenta que o “tratamento precoce também salva vidas”, mas substituindo as letras por números no termo “tratamento precoce”.

É enganosa a postagem feita pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) no Instagram afirmando que o tratamento precoce, um método que utiliza medicamentos sem eficácia comprovada cientificamente contra a covid-19, salva vidas.

A parlamentar postou uma montagem contendo print de um site afirmando que Haruo Ozaki, presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio, defende o uso da ivermectina para tratar a doença. Ele, de fato, fez afirmações neste sentido, mas o medicamento não é aprovado para tratar covid-19 no Japão.

As principais agências reguladoras do mundo não recomendam o uso da substância para outro fim que não aquele especificado em bula. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que a substância seja usada para tratar covid-19 apenas em ensaios clínicos.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirma que, até o momento, não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da covid-19.

A deputada foi procurada para falar sobre a postagem, mas não respondeu até a publicação desta reportagem. Para o Comprova, enganoso é um conteúdo que usa dados imprecisos.

Como verificamos?

O Comprova iniciou a verificação buscando o site em que o texto mostrado no print da deputada foi publicado. Em seguida, utilizou o Google para buscar o perfil do presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio em redes sociais e notícias de jornais japoneses, sendo usada também a grafia do nome dele na língua: はるお おざき.

Com o apoio da ferramenta de tradução do Google, analisou textos publicados após a coletiva, onde Haruo Ozaki fala sobre a ivermectina, além de postagens dele no Facebook. Não foi localizado vídeo com a entrevista original.

O Comprova consultou informações oficiais do governo japonês (1, 2 e 3) e dados relacionados à covid no país. Também procurou a lista de substâncias aprovadas para uso em pessoas infectadas e analisou outra, alimentada pelo Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão com pesquisas sobre a doença.

Pesquisou o que a comunidade científica apresenta até o momento em relação ao uso da ivermectina no combate à covid e também as recomendações da OMS e de agências reguladoras, além da orientação do fabricante do medicamento.

Também foram consultadas outras checagens sobre “tratamento precoce”, feitas pela Agência Lupa, Estadão Verifica e Comprova. Utilizando a ferramenta CrowdTangle foram conferidas as métricas de interações com o conteúdo publicado pela deputada.

O Comprova entrou em contato via e-mail com Bia Kicis, com o Ministério da Saúde japonês, com Haruo Ozaki e com a associação que ele representa, mas não teve qualquer retorno até a publicação deste texto.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 30 de agosto de 2021.

Verificação

O que defende Haruo Ozaki

O texto printado e compartilhado pela deputada federal foi publicado no dia 16 de agosto pelo Trial Site News, que veicula conteúdos defendendo o “tratamento precoce” com substâncias que não possuem eficácia comprovada contra a covid-19, como o antiparasitário ivermectina, além de criticar medidas de controle da pandemia impostas pelos governos, como o fechamento de estabelecimentos, e questionar a eficácia das vacinas.

Na publicação, o site afirma que Haruo Ozaki, presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio, concedeu entrevista coletiva no dia 13 de agosto, falando do aumento de infecções no Japão, mas reconhecendo que a contagem de mortes diminuiu em comparação com os picos anteriores.

A entidade representada por Ozaki ganhou evidência mundial ao pedir que os Jogos Olímpicos de Tóquio fossem cancelados, alegando que os hospitais estavam sobrecarregados poucos meses antes da realização do evento.

Ao longo das Olimpíadas, o presidente da entidade figurou em diversas reportagens, inclusive no Brasil, como esta do Globo Esporte, esta do Correio Braziliense e esta da IstoÉ. Ele também é frequentemente ouvido por importantes veículos de comunicação japoneses e foi citado pela governadora da Metrópole de Tóquio, Yuriko Koike.

O texto não fornece qualquer link à entrevista original e acrescenta que Haruo afirmou ser hora de dar sinal verde aos médicos para prescreverem ivermectina, com o consentimento do paciente, mesmo entendendo que os ensaios clínicos são importantes. Ainda conforme o site, Ozaki declarou que a ivermectina demonstrou benefícios significativos na redução de infecções e mortes em locais onde é administrada profilaticamente.

O Comprova localizou a entrevista a partir do site da associação, onde também foram disponibilizados os slides utilizados por Ozaki e onde consta a defesa do uso emergencial de agentes terapêuticos como a ivermectina para prevenção do agravamento do novo pico de infecções no Japão.

Para justificar essa defesa, o presidente da associação apresenta um quadro com informações, segundo ele baseadas em dados da OMS, sobre países que supostamente administram ivermectina para erradicar doenças tropicais. Em seguida, compara números da covid nesses países com os apresentados por países que não estariam utilizando o medicamento.

Acontece que não é feita qualquer especificação sobre que países estão sendo utilizados como base da análise. O slide apenas afirma que 32 países que somam 935 milhões de pessoas e administram o medicamento tiveram 21.259 mortes de covid, enquanto foram registradas 104.826 mortes em outros 22 países que não usam o medicamento e que juntos somam 358 milhões de habitantes. O quadro fica em evidência entre 12’57” e 15’21” do vídeo. Um print com o mesmo conteúdo foi publicado no Facebook de Ozaki.

O Comprova localizou publicações referentes a uma entrevista coletiva em 9 de fevereiro de 2021 onde Haruo Ozaki afirma ser permitido o uso off-label – quando o médico receita um medicamento para finalidades que ainda não constam na bula – de ivermectina e dexametasona (um corticoide com potente ação anti-inflamatória), afirmando querer que o governo considerasse a utilização emergencial por médicos da família.

Em outra entrevista no dia 13 de agosto de 2021, data que é citada no texto compartilhado pela deputada, ele afirmou ser necessário estudar exaustivamente os ensaios clínicos, mas disse acreditar que o país está em um estágio de contaminações em que seria normal o paciente obter permissão para usar o medicamento.

Seis dias depois, em 19 de agosto, compartilhou também no Facebook entrevista concedida ao jornal Yomiuri, na qual defende novamente o uso da ivermectina, declarando existirem muitas pesquisas apontando que a ivermectina é eficaz na prevenção e tratamento da doença.

Um dos estudos citados por ele, contudo, foi analisado por agências de checagem de fatos. No Brasil, tanto a Lupa quanto Aos Fatos abordaram a análise da FLCCC (Front Line Covid-19 Critical Care Alliance), um grupo de médicos americanos favoráveis ao “tratamento precoce”. O resultado defendeu que a ivermectina é eficaz contra o coronavírus, mas as verificações apontaram que a meta-análise não seguiu metodologia adequada.

Na mesma entrevista, Ozak cita também a segunda edição do Guia para o Tratamento da Infecção por Coronavírus (COVID-19) do Ministério da Saúde japonês, de 18 de maio de 2020, afirmando ter sido emitida uma notificação que aprova o tratamento como “off label”.

A quinta edição do guia médico, disponibilizada no site do Ministério de Saúde do governo japonês e elaborada com base nas informações de 29 de julho de 2021, possui uma seção destinada ao uso off-label de medicamentos disponíveis no Japão e informa uma lista de remédios cuja eficácia e segurança não foram estabelecidas para o tratamento de covid-19.

Entre eles, está a ivermectina, definida no documento como medicamento antiparasitário. Conforme o texto, atualmente, um ensaio clínico está sendo conduzido com a substância. O Comprova localizou um estudo duplo-cego sendo realizado no Japão em pacientes de covid-19 utilizando a ivermectina. Iniciada em outubro de 2020, a pesquisa está em fase de recrutamento de voluntários.

O guia médico cita, ainda, que uma meta-análise recente – com 10 ensaios clínicos randomizados onde o tratamento com ivermectina foi usado em pacientes leves em comparação com o tratamento padrão ou placebo – relatou não ter havido melhora da mortalidade, do tempo de internação e do tempo de desaparecimento do vírus.

Um homem que se identifica como médico comentou uma das publicações de Ozaki no Facebook, pedindo calma e criticando a entrevista, afirmando ser importante aguardar pelo menos a análise dos ensaios clínicos antes de falar da aplicação da ivermectina. Ozaki respondeu estar propondo isso como uma das medidas para o progresso simultâneo da situação. “É uma emergência, não um momento normal, então acho melhor aumentar o número de armas que podem lutar até mesmo um pouco (…) Obviamente, também pedimos ao PMDA (Agência Farmacêutica e de Dispositivos Médicos do Japão) que se preparasse para o ensaio clínico”.

O Comprova enviou uma mensagem para Ozaki via Facebook, solicitando uma entrevista, mas não recebeu resposta. Procurou, também, a Associação Médica Metropolitana de Tóquio e o Ministério da Saúde japonês, sem receber retorno até a publicação desta reportagem.

Covid-19 no Japão

No início de agosto, o Japão alertou que as infecções pelo novo coronavírus estavam aumentando em um ritmo sem precedentes no país, informando que a variante Delta estava levando a uma disseminação de infecções não vista antes.

Nesta semana, o governo expandiu o estado de emergência pela segunda semana seguida. O auge da nova onda de contágios coincidiu com a celebração dos Jogos Olímpicos. Atualmente, o Japão sedia também os Jogos Paralímpicos.

O número médio de novas infecções tem aumentado consistentemente, com uma média maior que 23 mil novas infecções relatadas diariamente. O número de mortes também voltou a subir, sendo registradas 45 no dia 25 de agosto, embora não alcance o pico anterior, em 3 de junho, quando 112 pessoas morreram pela doença.

 

| Fonte: Reuters Covid Tracker (captura de tela feita em 30 de agosto de 2021)

A versão de agosto de um documento mantido pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão e voltado à população com conhecimentos atualizados sobre a pandemia em nenhum momento recomenda tratamento precoce ou o uso da ivermectina para combater a doença.

O texto destaca que no caso leve de covid geralmente há melhora espontânea apenas com acompanhamento e, se necessário, é administrado tratamento sintomático, como antitérmico, por exemplo.

Se houver insuficiência respiratória, é recomendada a administração de oxigênio, drogas antivirais, drogas esteróides (que suprimem a inflamação) e imunomoduladores, podendo ser administrado anticorpo neutralizante (remdesivir, dexametasona, baricitinibe e ronaprida – aprovado em 19 de julho de 2021). Caso não haja melhora, a recomendação são os cuidados intensivos com respirador.

Conforme o documento, a porcentagem de pessoas que necessitam de cuidados intensivos ou morrem é de cerca de 1,6% (0,3% para os de 50 anos ou menos e 8,5% para os de 60 anos ou mais).

A Agência de Medicamentos do Japão (PMDA) mantém um quadro com produtos que foram aprovados para covid-19 pelo Ministério da Saúde japonês após março de 2020, com revisão científica prévia da agência de medicamentos. Nele constam o antiviral remdesivir e o baricitinib, um medicamento desenvolvido para o tratamento da artrite reumatóide.

| Fonte: PMDA – Pharmaceuticals and Medical Devices Agency (Captura de tela feita em 30 de agosto de 2021)

O site também apresenta uma página com artigos que são considerados úteis para medidas de saúde pública no Japão e que é atualizada uma vez por semana, ficando em destaque os publicados mais recentemente. O último listado em relação à ivermectina é uma metanálise de 14 estudos envolvendo a droga que concluiu não haver certeza sobre a eficácia e segurança da ivermectina usada para tratar ou prevenir covid-19.

Pandemia e informações falsas

Na postagem feita no Instagram, Bia Kicis grafou o termo “tratamento precoce” substituindo algumas letras por números (tr4t4m3nt0 pr3c0c3). Defensores de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 têm utilizado formas não convencionais para se referirem às substâncias ou ao assunto.

A prática atrapalha a vigilância de plataformas como Twitter, Facebook e Instagram, que removem ou sinalizam postagens que contenham informações falsas, e o monitoramento desses conteúdos por agências de checagem e verificação. O Comprova questionou a deputada sobre o motivo de ter feito a substituição, mas não recebeu resposta.

Ao buscar o termo no Google com a grafia utilizada por Bia Kicis foi possível encontrar a utilização dela em sites frequentemente associados à reprodução de informações falsas e enganosas, além de perfis no Twitter, Instagram e Facebook. Há uma variável também para o termo “tratamento preventivo” (tr4t4m3nt0 pr3v3nt1v0).

Na semana que passou, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes aceitou o pedido de senadores da CPI da Pandemia, instalada no Senado em abril deste ano para apurar ações e omissões do governo federal no enfrentamento da crise sanitária no Brasil, para compartilhar informações sobre o inquérito das fake news.

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, declarou que conteúdos falsos em relação à propagação de medicamentos que não foram comprovados cientificamente e contribuíram com a morte de brasileiros e brasileiras devem ser analisados pela comissão.

Eficácia da ivermectina contra a covid-19 não foi comprovada

O primeiro estudo voltado para testar a eficácia da ivermectina em casos de covid-19 foi publicado em março de 2020. O resultado foi satisfatório, no entanto os testes da pesquisa foram feitos in vitro, não podendo ser igualados aos resultados in vivo, ou seja, em seres humanos. De acordo com o estudo, para que o efeito em humanos seja semelhante ao encontrado in vitro, a dosagem do medicamento deveria ser 18 vezes maior.

Em junho, o Comprova checou informações sobre a alta dosagem do medicamento e entrou em contato com o hepatologista Raymundo Paraná, professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e coordenador do núcleo de pesquisa em Hepatologia do Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos (HUPES/UFBA). Na oportunidade, Raymundo reforçou que atendia pacientes com lesões no fígado por conta do uso indiscriminado da ivermectina, e alertava que a quantidade metabolizada no fígado ou filtrada nos rins não torna o medicamento seguro, ou mesmo eficaz, contra a covid.

Desde a publicação dessa primeira pesquisa, outros estudos foram publicados na intenção de avaliar o resultado da ivermectina em pessoas com covid. Nenhuma das pesquisas publicadas até o momento comprovaram a eficácia do medicamento no tratamento da doença.

Um estudo realizado em março deste ano pela Journal of the American Medical Association (JAMA) avaliou a eficácia da ivermectina em pacientes com sintomas leves e concluiu que “o uso do medicamento não melhorou significativamente o tempo de resolução dos sintomas. Os resultados não apoiam o uso de ivermectina para o tratamento de covid leve”.

Em fevereiro de 2021, a farmacêutica MSD (Merck Sharp and Dohme), que produz a ivermectina, afirmou que ainda não há evidências de que a medicação seja eficaz no tratamento da covid-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que a ivermectina seja usada para tratar covid-19 apenas em ensaios clínicos. Assim como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que em nota atualizada em abril deste ano informa que “até o momento, não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da covid-19 no Brasil. Nesse sentido, as indicações aprovadas para a ivermectina são aquelas constantes da bula do medicamento”.

Em março deste ano, o Governo Federal disponibilizou no portal uma nota técnica sobre o uso do antiparasitário no tratamento da doença. A conclusão apresentada no material é que “os resultados desta síntese não parecem ser suficientes para suportar recomendação de uso da ivermectina no tratamento de pacientes com covid-19, sendo que a recomendação da OMS para que a ivermectina seja utilizada, apenas, em protocolos de pesquisa clínica parece estar adequada”.

No último dia 21, a Food and Drug Administration, agência reguladora dos Estados Unidos, publicou um tuíte compartilhando a própria recomendação contra a utilização de ivermectina para tratar a covid acompanhada da legenda “Você não é um cavalo. Você não é uma vaca. Sério, pessoal. Pare com isso”.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Projeto Comprova checa conteúdos de redes sociais sobre políticas públicas do governo federal e sobre a pandemia que alcancem uma grande quantidade de visualizações, reações e compartilhamentos.

A publicação no Instagram da deputada Bia Kicis teve quase 96 mil curtidas até esta segunda-feira (30) e quase três mil comentários, de acordo com a plataforma CrowdTangle. Também no Twitter alguns usuários publicaram o link da postagem no Instagram em suas contas. Já a publicação original do site que aparece no print da deputada teve mais de três mil reações no Facebook e foi tuítada 84 vezes.

Conteúdos que promovem a ideia de que existe um tratamento precoce eficaz ou uma medicação específica para o combate à covid-19 podem levar a população a pôr a saúde em risco. Além disso, esses conteúdos tendem a enfraquecer a adesão à vacinação, principal forma de combate à pandemia.

A Agência Lupa publicou em março deste ano uma verificação que comprovou serem falsas pesquisas que diziam comprovar a eficácia da ivermectina no tratamento de pessoas com covid-19 ou como tratamento precoce da doença. Também em março o Estadão Verifica comprovou ser falsa análise enviesada e com erros técnicos feita por site para comprovar eficácia da ivermectina contra covid-19.

O Comprova também já esclareceu diversos conteúdos sobre o uso do antiparasitário como, por exemplo, que é enganoso estudo que afirma comprovar a eficácia do medicamento contra covid-19 e que é enganosa postagem que afirma que a ivermectina é segura quando tomada em altas doses.

Enganoso, para o Comprova, é um conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Saúde

Investigado por: 2021-08-27

Vacinas são eficazes contra variante delta, ao contrário do que diz médico

  • Enganoso
Enganoso
Em vídeo no Instagram, o médico Roberto Zeballos faz diversas afirmações incorretas sobre a covid-19. Entre elas, que as vacinas não funcionam contra a variante delta e que crianças não desenvolvem a doença nem a transmitem. Já há estudos mostrando que os imunizantes funcionam, sim, contra a cepa, e que crianças de todas as idades transmitem o vírus – menos, mas transmitem.
  • Conteúdo verificado: Vídeo postado pelo médico Roberto Zeballos no Instagram com informações enganosas sobre a pandemia, como a de que as vacinas não têm eficácia contra a variante delta.

São enganosas as afirmações do médico Roberto Zeballos em vídeo postado em seu perfil no Instagram em 10 de agosto sobre a covid-19. Já na legenda ele minimiza a importância da variante delta ao escrever que ela “é pouco agressiva”. Identificada no Brasil em maio, ela já matou ao menos 50 pessoas por aqui. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela circula em mais de 111 países e pesquisas mostram que ela tem nível de transmissibilidade cerca de 50% maior do que as variantes anteriores do Sars-CoV-2.

Ainda sobre a delta, Zeballos também erra ao dizer que as vacinas disponíveis até agora não funcionam contra ela. É verdade que os imunizantes foram desenvolvidos quando a variante ainda não circulava, mas eles são, sim, eficazes contra a delta. “É importante ressaltar que todos os agentes imunizantes disponíveis para aplicação no Brasil são eficazes contra a delta, principalmente nas formas mais graves da doença”, informa o Ministério da Saúde.

Outra desinformação dita pelo médico no vídeo é a de que crianças não desenvolvem a covid-19 e não a transmitem. Embora transmitam menos do que os adultos, elas transmitem – como informa o Centro de Controle de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, elas “podem ser infectadas, podem ficar doentes e podem espalhar o vírus para outras pessoas”.

Procurado, Zeballos afirmou ter sido “o primeiro brasileiro a entender o mecanismo da doença” e declarou que “não tem sentido você vacinar com uma vacina que não é livre de riscos – todo mundo sabe disso – nas pessoas que já tiveram a doença”, mas, completou que “talvez as pessoas tenham o benefício de ter uma doença mais leve”.

O Comprova considerou a publicação do médico enganosa porque ele usa dados incorretos ou imprecisos sobre a variante delta e sobre a vacinação.

Como verificamos?

Depois de assistir ao vídeo, o Comprova buscou informações a respeito da variante delta do coronavírus em órgãos reguladores oficiais, como o CDC, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial de Saúde (OMS) para as Américas, o Ministério da Saúde do Brasil, farmacêuticas e institutos produtores de vacina, além da imprensa.

Para verificar informações sobre a vacinação nos três países citados por Zeballos – Islândia, Itália e Alemanha –, foram consultadas informações sobre a aplicação dos imunizantes na plataforma Our World in Data, mantida por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e ainda nos sites oficiais de governo dos três países.

Também foram consultados documentos oficiais sobre a aplicação de vacinas em pessoas que já tiveram a covid-19 tanto na Itália quanto na Alemanha. Os ministérios da Saúde dos dois países foram consultados por e-mail.

Por fim, o Comprova entrou em contato com o médico Roberto Zeballos, autor do vídeo, por WhatsApp. Ele respondeu por áudio.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 27 de agosto de 2021.

Verificação

A variante delta

No vídeo, Zeballos declara que a delta “é menos agressiva do que a primeira (variante)” e que, por isso, “vai dar para tratar todo mundo em casa”. Ambas as afirmações são enganosas.

Segundo o CDC, “dados sugerem que a variante delta pode causar doenças mais graves do que as cepas anteriores em pessoas não vacinadas” e que “em dois estudos diferentes do Canadá e da Escócia, os pacientes infectados com essa variante eram mais propensos a serem hospitalizados do que os pacientes infectados com a alfa ou as cepas originais do vírus”.

O órgão ressalta que, diferentemente das cepas anteriores, que produziam menos vírus em pessoas totalmente vacinadas em relação às não imunizadas, a delta “parece produzir a mesma alta quantidade de vírus” nos dois casos – e, como as outras variantes, a quantidade de vírus da delta diminui mais rapidamente nos pacientes que se vacinaram.

Em 27 de junho, o Brasil registrou a primeira morte em decorrência dela e, em 20 de julho, o país já registrava cinco óbitos, segundo o Ministério da Saúde – ressaltando que a cepa foi identificada pela primeira vez por aqui em maio. Em 25 de agosto, já eram 50 óbitos, mas o número pode estar subestimado, já que a identificação desta variante depende de sequenciamento genético.

Sobre a afirmação de que “vai dar para tratar todo mundo em casa”, não é o que mostra documento de 8 de agosto divulgado pela Opas, da OMS. Nele, o órgão informa que “em nível global, se observam vários países com aumento de casos e de hospitalizações, com a emergência da variante de preocupação delta” e que “estudo recente no Reino Unido estimou que o risco de internação hospitalar foi aproximadamente dobrado naqueles com a delta quando comparado à alfa”. E, como escreveu o médico Drauzio Varella na Folha em 30 de junho, “a necessidade de hospitalização está diretamente ligada ao aumento da mortalidade”.

A variante e a vacina

Outra desinformação dita por Zeballos é quando ele questiona por que vacinar com um produto que é “para o primeiro vírus” e relaciona a imunização a enxugar gelo no caso da delta.

Os imunizantes realmente foram desenvolvidos quando a delta ainda não circulava, mas, diferentemente do que ele diz, a variante não é um segundo vírus, mas, sim, uma mutação do vírus original, como informa reportagem da Folha. Em resposta ao Comprova, o médico disse não ter dito que eram vírus diferentes.

Já está provado que as vacinas em uso em diversos locais, inclusive no Brasil, são eficazes contra essa variante. De acordo com o Instituto Butantan, que produz a Coronavac em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, por exemplo, a vacina “é eficaz contra casos graves de covid-19 causados pela delta”.

Na semana passada, um estudo da Universidade de Oxford, na Inglaterra, concluiu que as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca – que no Brasil tem parceria com a Fiocruz – são eficazes contra a variante delta, embora a proteção tenda a cair com o tempo, como mostrou essa matéria do Estadão.

Já um estudo feito na África do Sul, com resultados divulgados no início do mês, apontou que a vacina da Janssen, de dose única, reduziu em 71% as internações de pessoas infectadas com a variante delta e diminuiu as mortes em 95%.

As crianças

Como crianças “não evoluem com a doença” e “não são transmissoras”, “não tem sentido vacinar”, desinforma, novamente, Zeballos, no trecho final do vídeo.

É verdade que os estudos, até agora, indicam que elas transmitem menos, mas transmitem. A pesquisa “A dinâmica da infecção por Sars-CoV-2 em crianças e contatos domiciliares em uma favela no Rio de Janeiro”, da Fiocruz, da Universidade da Califórnia e da London School of Hygiene and Tropical Medicine, por exemplo, indica que elas mais frequentemente são infectadas por adultos do que atuam como transmissoras.

Já um outro estudo, publicado no dia 16 na revista científica Journal of the American Medical Association (Jama), revela que bebês de 0 a 3 anos apresentam mais chance de transmitir o Sars-CoV-2 em casa do que adolescentes de 14 a 17 anos.

Mas, como informa o CDC, elas “podem ser infectadas, podem ficar doentes e podem espalhar o vírus para outras pessoas”.

Dizer que elas não evoluem com a doença também é uma desinformação perigosa, pois não se pode generalizar. De acordo com documento da Unicef, “crianças de qualquer idade podem ficar doentes com covid-19” e, “embora crianças e adultos apresentem sintomas semelhantes, as crianças geralmente apresentam doenças menos graves do que os adultos”.

Elas podem, inclusive, e infelizmente, morrer da doença. Segundo o CDC, 271 óbitos entre pessoas de 5 a 17 anos e 120 entre aquelas de 0 a 4 anos foram relatados ao Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos Estados Unidos até 7 de julho de 2021.

Outro dado: levantamento do Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19 indica que houve mais de 10 mil casos graves da doença e 846 óbitos de crianças de até dois anos no Brasil entre março de 2020 e 11 de julho de 2021 – um terço dos bebês que morreram não tiveram acesso a tratamento adequado.

Sobre as vacinas, por ora, elas estão sendo aplicadas em adolescentes de 12 a 17 anos em vários países, inclusive no Brasil – o estado de São Paulo, por exemplo, começou a imunizar esta faixa etária neste mês com a Pfizer (cujo uso para menores de idade foi autorizado pela Anvisa).

Em crianças menores, apenas a China está aplicando. Por lá, estão sendo imunizadas com a Coronavac pessoas a partir de 3 anos, mas não há dados de quantas crianças já receberam as doses.

No Brasil, a Anvisa negou no dia 18 o aval para o uso da Coronavac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos – técnicos disseram que faltam dados para confirmar a segurança e eficácia nesta faixa etária, e a decisão pode ser revista.

Vacinação e novos casos na Islândia

No vídeo, Zeballos afirma que a Islândia “vacinou todo mundo” e que 77% dos novos casos no país são em pessoas vacinadas. Embora a Islândia já tenha vacinado um percentual elevado de sua população, não é possível dizer que o país tenha vacinado “todo mundo”.

Segundo dados da plataforma Our World in Data, a Islândia aplicou pelo menos uma das doses de vacina em 81,24% da população. Os dados foram atualizados no dia 26 de agosto. Também segundo a plataforma, 76,7% dos habitantes do país receberam as duas doses e 4,54% receberam apenas a primeira dose do imunizante.

Já os dados divulgados diretamente na página do governo da Islândia informam que, até o dia 27 de agosto, 72% de toda a população do país estava completamente vacinada. Quando considerados os habitantes maiores de 12 anos, esse percentual subiu para 84%.

Sobre a afirmação de que 77% dos novos casos de covid-19 na Islândia são de pessoas vacinadas, ele não informa uma data de referência para esse percentual. No dia 10 de agosto, quando o vídeo foi publicado, 84 novos casos foram registrados no país – 60,7% (51) eram de pessoas totalmente vacinadas, informa um painel estatístico alimentado pelo governo islandês.

Neste dia, não foram registrados casos em pessoas que tinham recebido apenas a primeira dose da vacina. Pessoas não vacinadas eram 39,2% (33) do total de novos casos neste mesmo dia.

Considerando todos os novos casos do mês de agosto até o dia 10, o percentual de diagnósticos em pessoas completamente vacinadas foi de 61,8%. Nesse período, o único dia em que a Islândia teve um percentual de 77% de novos casos em pessoas vacinadas foi no dia 1º de agosto (51 dos 66 novos casos).

Contudo, como o Comprova já mostrou em outra verificação, quando a maioria das pessoas em um determinado lugar já está vacinada, é esperado que a maior parte das infecções ocorra entre este público. Quem explica isso é Muge Cevik, professor clínico de doenças infecciosas e virologia médica na Universidade de St. Andrews.

Vacinação para quem já teve covid-19 na Itália e Alemanha

Ao falar sobre a vacinação de pessoas que já tiveram a doença, Zeballos recomenda que essas pessoas não busquem se vacinar imediatamente e cita os casos da Itália e da Alemanha, afirmando que, nestes dois países, só é recomendada a aplicação de uma dose da vacina para quem já foi infectado pelo coronavírus, entre seis e doze meses após a infecção. Antes disso, o médico afirma que há uma suspeita de que a resposta imunológica “pode estar fazendo mais mal do que bem”.

De fato, Itália e Alemanha recomendam a aplicação de uma só dose da vacina em pessoas que já tiveram covid-19, mas há uma diferença no prazo recomendado pelos alemães. Além disso, os dois países fazem uma ressalva nessa recomendação para casos de pessoas com imunodeficiência e nenhum deles afirma que a vacina pode ser prejudicial para quem já contraiu a doença.

A recomendação da Itália por uma única dose para pessoas que já tiveram covid-19 foi atualizada no dia 21 de julho. A informação consta em uma circular assinada pelo diretor-geral de prevenção do Ministério da Saúde italiano, o médico Giovanni Rezza. De acordo com o documento, a dose única deve ser tomada no mínimo seis meses após a infecção e no máximo 12 meses após a cura. O documento segue a mesma linha de outra recomendação feita pelo mesmo Ministério da Saúde no dia 3 de março de 2021, mas com uma alteração nos prazos. O documento anterior dizia que esta dose única deveria ser tomada entre três meses após a infecção e seis meses após a cura.

Em ambas as recomendações há um adendo: pessoas com imunodeficiência devem seguir normalmente o esquema vacinal e não se aplicam à recomendação de uma dose única do imunizante. A circular também informa que, assim como recomenda a OMS, a realização de testes sorológicos para contagem de anticorpos não devem ser usados como referencial para tomada de decisão sobre se vacinar.

No dia seguinte ao anúncio da Itália, a CNN ouviu o infectologista Marcelo Otsuka, vice-presidente do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), que atribuiu a decisão a uma escassez de vacinas, como uma tentativa de melhorar a cobertura vacinal.

O Comprova procurou o Ministério da Saúde da Itália para saber por que a aplicação de uma única dose foi adotada no país para pessoas que já tiveram covid e se há alguma relação com um eventual malefício provocado pela resposta imune, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Por e-mail, o Ministério da Saúde da Alemanha também confirmou que o país recomenda a aplicação de uma só dose do imunizante em pessoas que já tiveram a covid-19. Na Alemanha, as decisões a respeito da pandemia são tomadas pelo Instituto Robert Koch (RKI). Já as recomendações sobre vacinação ficam a cargo de um painel independente de especialistas chamado Comitê Permanente de Vacinação (STIKO).

Diferente dos prazos apontados pela Itália, os alemães com infecções sintomáticas podem tomar uma dose da vacina a partir de quatro semanas após o fim dos sintomas. Já aqueles com infecção assintomática podem se vacinar a partir de quatro semanas após o diagnóstico por laboratório. Quem já se vacinou e contraiu a covid-19 após a imunização deve, geralmente, tomar uma segunda dose da vacina seis meses após o fim dos sintomas ou do diagnóstico.

O Ministério da Saúde alemão explica por que considera que uma só dose é suficiente em quem já teve a doença: “Devido à imunidade existente após infecção anterior, uma dose é suficiente, pois já pode atingir altas concentrações de anticorpos, que não são ainda mais aumentadas por uma segunda dose de vacina”. Em nota, o ministério afirma que não é possível dizer, ainda, se duas doses não serão necessárias posteriormente. Sobre pessoas imunodeprimidas, afirma que é necessário analisar “caso a caso”.

O ministério negou que a decisão tenha a ver com um eventual malefício provocado pela resposta imunológica. “No geral, os resultados do estudo disponíveis até agora não indicam que a vacinação após uma infecção pelo Sars-CoV-2 seria problemática ou associada a perigos. Isso se aplica à segurança, eficácia e tolerabilidade da vacinação. Os estudos de aprovação das duas vacinas de mRNA [RNA mensageiro, como a Pfizer e a Moderna] também incluíram participantes que já haviam sido submetidos à infecção pelo Sars-CoV-2 com antecedência”, diz a nota.

O médico

Conteúdos divulgados por Zeballos já foram alvo de checagens do Comprova na pandemia. A mais recente é de 5 de agosto, sobre material enganoso que usava supostos dados do Ministério da Saúde de Israel para afirmar que pessoas infectadas pela covid-19 estão sete vezes mais protegidas do que aquelas que não tiveram a doença e foram imunizadas com a vacina da Pfizer.

Ele respondeu a reportagem com um áudio no WhatsApp reafirmando as falas do vídeo no Instagram. Citou a crise de Manaus, dizendo que, na época, “vacinados, não vacinados… eram casos graves”, mas o caos no estado amazonense começou em dezembro e se agravou em janeiro – os imunizantes só começaram a ser aplicados no Brasil em 19 de janeiro.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que viralizam nas redes. O vídeo verificado aqui teve mais de 189 mil curtidas no Instagram desde que foi postado, no dia 10 de agosto.

Conteúdos que tentam desacreditar as vacinas ou minimizar os riscos da pandemia são perigosos porque podem levar a população a colocar a saúde em risco.

O Comprova já publicou diversos conteúdos sobre imunização e variante delta, como, por exemplo, que é enganoso post que afirma que o CDC e Anthony Fauci não acreditam na vacina, que médica engana ao afirmar que vacinas são experimentais, que site antivacina inventa dado sobre efeito colateral em crianças imunizadas com Pfizer e que médica usa dados fora de contexto de hospital de Israel para acusar CDC de mentir sobre covid em pessoas não vacinadas.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações ou que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

Saúde

Investigado por: 2021-08-24

Médica engana ao dizer que vacinas contra covid são experimentais

  • Enganoso
Enganoso
São enganosas as declarações da médica Maria Emilia Gadelha Serra sobre as vacinas contra a covid-19 em vídeo publicado no YouTube. Ao contrário do que ela diz, o Brasil não tem a maioria dos pacientes graves por covid vacinada, não há relação comprovada de alumínio com o desenvolvimento de demência, os imunizantes não são substâncias experimentais e os benefícios superam os riscos da vacinação.
  • Conteúdo verificado: Médica afirma em live que a maioria dos casos graves de covid ocorre em pessoas vacinadas no Brasil, na Inglaterra e em Israel; declara haver 23% de notificações de óbito pós-Coronavac, chamada por ela de produto experimental; sustenta que o Butantan utilizou vacina de hepatite e de meningite como placebo; e, por fim, sugere que haverá aumento de casos de demência e Alzheimer por conta da utilização de alumínio.

São enganosas as afirmações sobre vacinas feitas por uma médica durante live transmitida no YouTube. Em um trecho que viralizou no TikTok, Maria Emilia Gadelha Serra tira dados de infecções entre vacinados de contexto, cita informações de efeitos adversos pós-vacinação sem que tenham sido confirmados por técnicos e afirma que componentes das vacinas causariam demência, o que não possui embasamento científico, segundo autoridades no assunto.

Os imunizantes que estão sendo aplicados na população não são experimentais, ao contrário do que diz a médica. Todas as substâncias utilizadas no Brasil foram autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após terem eficácia e segurança comprovadas ao serem aplicadas em milhares de voluntários durante os testes.

Ela sustenta que a maioria dos casos graves atuais da doença no Brasil ocorre em pessoas já vacinadas, o que não é verdadeiro, segundo um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Além disso, ela compara a realidade do Brasil com os dados da Inglaterra e de Israel. No entanto, é equivocado fazer esse tipo de comparação sem considerar muitas variáveis como momento epidemiológico, cobertura vacinal, características sociais e demográficas da população.

Ainda atacando as vacinas, a médica diz haver, no Brasil, 23% de notificações de óbitos pós-Coronavac, afirmando ter coletado os dados no Vigimed, o sistema disponibilizado pela Anvisa para cidadãos, profissionais de saúde, detentores de registro de medicamentos e patrocinadores de estudos relatarem suspeitas de eventos adversos aos medicamentos e às vacinas. No entanto, a plataforma contém um alerta de que aqueles dados são suspeitas e de que os eventos adversos só podem ser realmente associados às vacinas após análise técnica. A Anvisa informou ao Comprova que, até o momento, apenas 3 óbitos tiveram a causa relacionada com vacinas, mas não disse quais.

Sobre a declaração de que o Butantan utilizou hidróxido de alumínio, vacina de hepatite e de meningite como placebo, o Comprova identificou que a primeira substância é utilizada em vacinas desde a década de 30 e que não há evidência científica que comprove a associação entre ela e o desenvolvimento de Alzheimer. As duas outras substâncias citadas pela médica não foram utilizadas pelo instituto durante os testes da Coronavac.

Maria Emilia Gadelha foi procurada pela reportagem, mas não respondeu até a publicação. Para o Comprova, é enganoso o conteúdo que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

Como verificamos?

Consultamos o painel de farmacovigilância da Anvisa, chamado VigiMed, para ver os dados de efeitos adversos relacionados a vacinas. Como esta ferramenta não traz a conclusão dos técnicos sobre a relação (ou não) dos eventos com os imunizantes, entramos em contato com o órgão por e-mail para obter essa informação.

Os especialistas procurados para comentar sobre a segurança das vacinas atualmente em uso no Brasil foram Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, e Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas. Eles deram informações sobre o uso de alumínio em imunizantes. Para este fim, também foram consultados os sites do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, e da Alzheimer’s Society, do Reino Unido.

As informações sobre vacinados e infecções na Inglaterra foram obtidas por meio de consultas a reportagens da mídia local. As mesmas informações sobre Israel foram consultadas em duas checagens recentes do Comprova (esta e esta) que já haviam entrado em contato com o Ministério da Saúde de Israel. Foram verificados, ainda, dados oficiais de ambos os governos.

Solicitamos informações sobre vacinados e infectados ao Ministério da Saúde do Brasil e também acessamos publicações da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Entramos em contato com o Instituto Butantan, produtor no território nacional da Coronavac. Também consultamos o artigo do instituto com as informações sobre os estudos clínicos da vacina.

Por fim, a médica que fez as alegações foi procurada, mas não respondeu.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 24 de agosto de 2021.

Verificação

Vacinas usadas no Brasil não são experimentais

Durante a live, a médica se refere às vacinas contra a covid-19 tratando-as como experimentais. Dois dos imunizantes atualmente em uso no Brasil, da Pfizer e de Oxford-Astrazeneca, produzido no país pela Fiocruz, já receberam o registro definitivo da Anvisa e podem, inclusive, ser comercializados. As outras duas, Coronavac e Janssen, receberam autorização de uso emergencial para serem aplicadas em virtude da pandemia.

A Anvisa explica em seu site que este tipo de autorização serve para facilitar a disponibilização e o uso das vacinas numa emergência de saúde pública. Ainda segundo o órgão, elas não representam risco para a saúde, tendo em vista que a aprovação exige requisitos de segurança, qualidade e eficácia.

“O caráter temporário é a principal diferença entre o ‘uso emergencial’ e o ‘registro sanitário’. Enquanto o uso emergencial é uma autorização excepcional, o registro representa uma aprovação sem prazo determinado”, diz a Anvisa.

As quatro vacinas utilizadas no país tiveram eficácia comprovada em fase 3, na qual elas foram aplicadas em milhares de voluntários. Com isso, pode-se observar, por amostragem, qual é o resultado esperado para quando o imunizante for aplicado em massa. Antes disso, já haviam passado por duas fases de testes clínicos, em um número menor de pessoas.

O trabalho dos laboratórios e da Anvisa não para após a aprovação de um imunizante. Depois disso, vem a fase 4: monitoramento da população para averiguar se os efeitos adversos são consistentes com o observado nos testes. Isso é feito por uma questão de segurança.

No primeiro ano da pandemia, a principal preocupação era saber se os imunizantes eram eficazes em desacelerar contágios e diminuir a probabilidade de quadros graves e hospitalização dos doentes. Com isso, seria possível que os governos fornecessem a estrutura necessária e os hospitais não entrassem em colapso. Foi com esse enfoque que os estudos foram desenhados inicialmente e mostraram que as vacinas eram eficazes.

Agora, os estudos continuam para levantar outras informações. Os cientistas buscam compreender, por exemplo, qual a eficácia das vacinas contra variantes do coronavírus e por quanto tempo dura a proteção conferida por elas.

Pesquisa mostra que maior parte dos mortos no Brasil não foi vacinada

No vídeo, a médica alega que “a maioria dos casos graves, hoje em dia, são de vacinados no Brasil”. Segundo ela, isso seria uma percepção sua diante de “comunicados de médicos nos grupos de WhatsApp”.

Na contramão do que ela afirma, a plataforma de monitoramento Info Tracker, mantida por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp), realizou a análise de todas as mortes causadas por coronavírus entre janeiro e julho deste ano, apontando que a maioria dos óbitos por covid no Brasil foram de pessoas que não haviam sido vacinadas.

O estudo, divulgado pela imprensa, utilizou dados do Ministério da Saúde e concluiu que 9.878 pessoas que faleceram pela doença no período analisado estavam imunizadas, o equivalente a 3,68% das mortes neste período.

No último dia 20, o Brasil chegou à marca de 120 milhões de brasileiros vacinados com a primeira dose, o que corresponde a 75% da população adulta, segundo o Ministério da Saúde. O país tem mais de 53,2 milhões de pessoas acima dos 18 anos completamente imunizadas com a segunda dose ou dose única do imunizante.

O Comprova questionou ao Ministério da Saúde se houve aumento ou diminuição de pacientes em estado grave e de óbitos dentre os vacinados. O órgão respondeu terem sido notificados, em 2021, 792.596 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), somando tanto os casos confirmados para covid-19 quanto os casos sem determinação da causa da doença. Destes casos, 156.825 (19,8%) haviam recebido a primeira dose da vacina 14 dias, ou mais, antes do início dos sintomas, e 59.514 (7,5%) haviam recebido a segunda dose da vacina 14 dias, ou mais, antes da data do início dos sintomas.

Desde 2019, a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) passou a monitorar a SRAG decorrente de Influenza e outros vírus respiratórios, sendo incluída em 2020 a vigilância da covid-19, a infecção humana causada pelo novo coronavírus.

“Importante ressaltar que tais dados são preliminares e, para análise, é necessário levar em consideração o número de indivíduos imunizados, o momento epidêmico da vacinação e do uso de cada vacina, o tempo de observação decorrido para cada imunizante, entre outras covariáveis. As interpretações sobre a efetividade ou impacto da vacina não podem ser desprendidas destes dados da maneira como estão apresentados”, destacou o Ministério da Saúde, acrescentando que as vacinas não impedem a ocorrência de formas graves, apenas as reduzem substancialmente.

“Outro ponto a ser considerado é que já foram alcançadas coberturas vacinais superiores a 90% nos idosos, o que resultou em uma queda substancial na ocorrência de casos graves e óbitos por Covid-19 nesse público”.

O Ministério da Saúde cita um estudo feito em parceria com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e com a Universidade Harvard (EUA), cujo resultado evidencia que cerca de 43 mil brasileiros acima de 70 anos foram salvos pelos imunizantes em um período de 90 dias, ao analisarem o cenário epidemiológico de mais de 230 mil óbitos causados pela doença no país, entre 3 de janeiro a 27 de maio deste ano.

“Os resultados corroboram a elevada efetividade das vacinas covid-19 em reduzir formas graves e óbitos pela doença, o que vem sendo observado em estudos de efetividade após a implantação da vacinação”.

A edição do dia 19 de agosto do Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz informa que pela oitava semana consecutiva foi observada redução do número de casos, internações e óbitos no país. No decorrer das semanas anteriores, destaca, houve um alívio relativo nos hospitais, com a redução das taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS).

A exceção é o estado do Rio de Janeiro que apresenta aumento no indicador pela terceira semana consecutiva, voltando a atingir o patamar de 70%, o que não ocorria desde meados de junho, emitindo um alerta para a difusão da variante Delta, devido à alta transmissibilidade e à reduzida parcela da população com esquema de imunização completo.

Uma nota técnica do Observatório Covid-19 Fiocruz publicada em julho de 2021 mostra que, considerando as taxas de incidência das hospitalizações e mortes por covid-19 por faixas etárias e em cada região do país, é possível ver uma queda no número de casos a partir de março, principalmente nas faixas etárias 60-79 anos e 80+, ou seja, primeiros grupos a serem vacinados no país.

“Com os resultados de efetividade da vacinação aqui descritos e com a cobertura vacinal maior nestas faixas do que em outras no período, a vacinação foi um importante fator para redução do número de casos graves e óbitos”, diz o documento, que foi confeccionado utilizando as bases de dados do sistema do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e do Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe) com dados reportados até 7 de junho.

Delta aumenta hospitalizações na Inglaterra e em Israel, que têm alta cobertura vacinal

Embora a médica diga que a maioria dos casos graves na Inglaterra e em Israel são entre os vacinados, é equivocado comparar dados de países distintos. Muitas variáveis impactam nos resultados, como número de indivíduos imunizados, momento epidêmico da vacinação e estratégia adotada para a imunização – como foi dito acima.

O Comprova já publicou diversas verificações (1, 2 e 3) informando que a vacinação protege contra casos graves de covid-19 e, consequentemente, óbitos, mas estudos sugerem menor eficácia quando o imunizado entra em contato com a variante delta e de acordo com o tempo passado após a segunda dose da vacina.

A circulação da cepa em países como Israel e Inglaterra tem aumentado o número de internações hospitalares, mas os dados devem ser contextualizados. Ambos os países, por exemplo, têm ampla cobertura vacinal, sendo normal, portanto, que os casos positivados estejam associados a pessoas vacinadas em algum grau.

O governo de Israel registra aumento nas infecções como resultado da circulação da variante, inclusive com a hospitalização de pacientes totalmente vacinados, principalmente entre os grupos de risco.

Na semana passada, ao ser procurado pelo Comprova, o Ministério de Saúde israelense informou que a mais recente onda de contaminações no país se dá, além da aparição da Delta, por causa da diminuição na proteção das pessoas vacinadas em janeiro e fevereiro. Com base nisso, o órgão passou a recomendar uma terceira dose para os idosos, que já está sendo aplicada.

A plataforma de dados relacionados aos casos de covid no país apresenta o número de pacientes ativos e considerados em estado grave, aqueles hospitalizados, contendo, inclusive, a comparação entre a incidência de pacientes para cada 100 mil residentes em cada etapa de imunização: totalmente vacinado; parcialmente vacinado; e não vacinado.

Apesar de a maioria dos pacientes ter sido totalmente vacinada, segundo os números absolutos verificados pelo Comprova em 20 de agosto de 2021, quando a análise é feita a partir dos números relativos (coletados na mesma data), conforme orientou o Ministério da Saúde de Israel à reportagem, e considerando a taxa de 100 mil habitantes, é possível perceber mais hospitalizados dentre as pessoas não vacinadas no país.

A faixa etária entre 60 e mais de 90 anos foi a primeira a ser imunizada e é a mais coberta até o momento com primeira, segunda e terceira dose, que já é aplicada no país.

Na quinta-feira (18), o Reino Unido tinha 89,6% da população adulta vacinada com a primeira dose e 77,5% com a segunda dose, conforme os dados oficiais do Serviço Nacional de Saúde (NHS). O órgão relatou também aumento em 7,6% de casos positivos e 7,9% de mortes entre 12 e 18 de agosto, em relação aos sete dias anteriores, além de um crescimento de 4,3% em hospitalizações entre 8 e 14 de agosto, comparado à semana anterior.

A plataforma de dados do país não traz a especificação de quantas dessas pessoas hospitalizadas e mortas estavam vacinadas, mas o Reino Unido também relata preocupação com a circulação da variante delta e estuda a possibilidade de aplicação de uma terceira dose de vacina.

Uma checagem publicada pela Reuters explicou terem sido descontextualizadas informações sobre mortes de covid em pessoas vacinadas a partir de um relatório da agência de Saúde Pública da Inglaterra (PHE), publicado em 25 de junho. O post verificado pela agência sugeria que as mortes por covid-19 naquele país são significativamente maiores em pessoas que receberam pelo menos uma dose da vacina, com o maior número de mortes ocorrendo em pessoas totalmente vacinadas, referindo-se à tabela 4 da página 13 do documento.

A tabela em questão mostra o número total de 117 mortes em pessoas com teste positivo para a variante delta, entre 1º de fevereiro e 21 de junho. Dessas, 20 ocorreram em indivíduos que receberam uma dose de vacina e 50 em pessoas que receberam duas. Outras 44 pessoas não foram vacinadas e o estado de vacinação de três delas era desconhecido. A Reuters destaca a importância da análise destes dados junto à contextualização do cenário, sendo enganoso sugerir que os números provam uma correlação entre vacinação e morte.

A Reuters explica ser importante levar em conta, por exemplo, a demografia de indivíduos vacinados e não vacinados, especialmente porque o programa de vacinação da Grã-Bretanha priorizou pessoas mais velhas ou clinicamente vulneráveis.

O especialista Muge Cevik, professor clínico de doenças infecciosas e virologia médica na Universidade de St. Andrews, afirmou à publicação ser esperado, quando a maioria das pessoas for vacinada, que a maior parte das infecções e mortes ocorram entre este público.

É importante destacar que mesmo com o registro de pessoas internadas em estado grave que já foram vacinadas, o número de hospitalizações despencou desde janeiro deste ano (confira o gráfico, disponível aqui), após o início da vacinação no Reino Unido.

Eventos pós vacina

A médica afirma que houve quase 23% de notificações de óbito depois da aplicação da Coronavac no Brasil. Procurada pelo Comprova, a Anvisa declarou “que registra 3 óbitos com avaliação de causalidade como relacionada à vacina, decorrentes de Síndrome Trombótica com Trombocitopenia (TTS)”, o que reforça a segurança dos imunizantes, já que, até esta quinta-feira, 26, já haviam sido aplicadas mais de 175 milhões de doses. A Anvisa não detalhou qual vacina está relacionada aos óbitos.

(O parágrafo acima foi atualizado em 24.09.2021. Inicialmente, o órgão havia respondido que “Não existem óbitos notificados à Anvisa que estejam relacionados ao uso da vacina. Ou seja, até o momento, não existe nenhuma morte cuja causa tenha sido o uso de qualquer vacina contra Covid.” A reportagem entrou em contato para questionar este dado, tendo em vista um pedido de Lei de Acesso à Informação (LAI) respondido pelo Ministério da Saúde no qual a pasta afirmava haver 3 óbitos causados por vacinas. Em um segundo e-mail, a Anvisa corrigiu a informação.)

Até o momento, acrescenta, o caso com relação de causa mais forte aconteceu em maio de 2021. Conforme consta na recomendação sobre suspensão da vacinação de gestantes com a vacina Astrazeneca, no dia 7 daquele mês a Anvisa foi notificada pelo próprio fabricante, a Fiocruz, de uma suspeita de evento adverso grave de acidente vascular cerebral hemorrágico com plaquetopenia ocorrido em gestante que levou ao óbito do feto.

“A Anvisa iniciou imediatamente a avaliação do caso. O evento adverso grave de acidente vascular cerebral hemorrágico foi avaliado como possivelmente relacionado ao uso da vacina administrada na gestante. A análise levou em consideração diversos aspectos como dados sobre o(a) paciente, sua história clínica, dados de exames laboratoriais, bem como sinais e sintomas apresentados após a administração de um medicamento ou vacina”, explica.

A ocorrência de um tipo raro de trombose e queda no número de plaquetas foi determinada como um evento adverso raro que pode acometer entre 0,1% e 0,5% dos imunizados, informa a Anvisa. A probabilidade é tão baixa que o órgão decidiu manter a aplicação do imunizante na população em geral, tendo em vista que os benefícios com redução de casos graves e mortes superam o risco. A única exceção foram as grávidas, grupo no qual o uso das vacinas de vetor adenoviral – Oxford-Fiocruz e Janssen – deve ser evitado.

O órgão destaca, também, que casos de pessoas vacinadas sendo contaminadas por covid são esperados, considerando que nenhuma das vacinas em uso no mundo possui 100% de eficácia. “É justamente por esta razão que o objetivo é vacinar toda a população, o que efetivamente criará uma proteção coletiva”.

A médica que fez as declarações alvo desta checagem declara ter baseado as considerações em dados do sistema VigiMed, mas as informações que alimentam a plataforma são fornecidas por profissionais de saúde e fabricantes farmacêuticos mediante suspeitas de eventos adversos, conforme explica uma checagem do Estadão Verifica.

Na prática, a Anvisa utiliza esses dados para monitorar e avaliar o risco de uma substância, servindo apenas como sinalizadores. A própria plataforma mantém um comunicado alertando sobre os cuidados necessários na interpretação dos dados do sistema. De acordo com o texto, “embora os eventos tenham sido observados após a administração de determinado medicamento e vacina, não é possível ter certeza que relacionada ou resultado causado por estes”. Essa ligação só pode ser feita após a investigação por técnicos.

Alumínio é usado em vacinas há anos

O alumínio é um dos metais mais comuns na natureza e está presente no ar, na comida e na água. Ele é usado para incrementar a eficácia de algumas vacinas, explica Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas. “O alumínio é o adjuvante. Ele é usado nas vacinas de vírus atenuado porque sabemos que ela não produz resposta imunogênica muito grande. Eles colocam o alumínio para aumentar a resposta imunogênica.”

O elemento é atualmente utilizado nas vacinas Coronavac e Janssen.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, informa que os sais de alumínio são utilizados em algumas vacinas desde 1930 com segurança. “Pesquisas científicas comprovaram que a quantidade de alumínio a que as pessoas são expostas quando seguem o calendário recomendado de vacinação é baixa e não é absorvida de imediato pelo corpo”, informa o órgão.

Na live, a médica diz que os testes clínicos da Coronavac utilizaram “hidróxido de alumínio, vacina de meningite e de hepatite B” como placebo. Isso é falso, segundo o paper publicado pelo Instituto Butantan. Somente o hidróxido de alumínio foi realmente usado. Placebo é uma substância sem efeito no corpo, aplicada à metade dos voluntários de um teste clínico para se comparar com a outra metade que recebe o imunizante.

Pediatra com especialização em infectologia e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri explica que é comum utilizar componentes similares à vacina quando se deseja realizar um comparativo entre grupos. “Às vezes uma solução com hidróxido de alumínio serve para continuar escondendo se a pessoa está no grupo placebo. Então, substâncias inócuas são utilizadas sim”, disse.

Não há evidências sobre alumínio e Alzheimer

No vídeo, a médica alega que o uso de alumínio nas vacinas contra a covid-19 vai causar “aumento no número nos casos de demência”, incluindo de Alzheimer. No entanto, isso carece de embasamento científico. A Alzheimer’s Society, organização que atua em pesquisa e cuidado a pessoas com demência no Reino Unido, informa em seu site que “até o momento, nenhum estudo ou grupo de estudos confirmou que o alumínio esteja relacionado com o desenvolvimento da doença de Alzheimer”.

Também diz que o elemento está presente em um cérebro saudável e que, embora ele esteja nas placas amiloides (uma das principais características físicas deste tipo de demência), “ainda não foi estabelecida uma relação convincente entre a exposição a determinadas quantidades de alumínio no corpo e o desenvolvimento de Alzheimer”.

“O que é importante em todas as novas vacinas é o que a gente chama de farmacovigilância, que é continuar observando os efeitos”, diz Kfouri. Ele lembra que os casos adversos continuam sendo observados mesmo após a aplicação em massa, para identificar possíveis efeitos adversos muito raros. “Até o momento, a avaliação risco-benefício é boa. O número de vidas salvas com a prevenção de casos de covid-19 é considerado um benefício maior do que o risco de ter algum evento adverso raro.”

Quem é a médica cuja fala foi verificada?

Maria Emilia Gadelha Serra é médica otorrinolaringologista, com registro nº 63.451 no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp). Em seu perfil no Instagram, ela se apresenta como presidente da Sociedade Brasileira de Ozonioterapia Médica. A prática é contestada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), que em Resolução de 2018 a definiu como “procedimento de caráter experimental, cuja aplicação clínica não está liberada, devendo ocorrer apenas no ambiente de estudos científicos”.

Em seu Instagram, Serra tira de contexto dados sobre efeitos adversos de vacinas e faz postagens contrárias a uma eventual obrigatoriedade dos imunizantes. Também compartilha teoria da conspiração contra órgãos sanitários regulatórios dos Estados Unidos e contra a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Procurada pelo Comprova, ela não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Projeto Comprova checa conteúdos de redes sociais sobre políticas públicas do governo federal e sobre a pandemia que alcancem uma grande quantidade de visualizações, reações e compartilhamentos. A live completa já foi vista mais de 24 mil vezes no YouTube. O seu trecho recortado e compartilhado no TikTok – alvo dessa checagem – havia sido visualizado ao menos 135 mil vezes antes de ser deletado pela própria rede social.

Conteúdos imprecisos sobre vacinas diminuem a confiança da população nas autoridades sanitárias e enfraquecem os esforços de imunização que são a principal estratégia para controlar a pandemia e salvar vidas. O Projeto Comprova já mostrou que casos de celebridades vacinadas que se contaminaram – como Silvio Santos e Rodrigo Faro – não provam que os imunizantes seriam ineficazes. Também já comprovamos ser falso que as vacinas agravam a covid-19.

Enganoso, para o Comprova, conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

 

 

Saúde

Investigado por: 2021-08-24

Taxa de mortalidade por covid-19 na Suécia é mais do que o dobro da média mundial

  • Enganoso
Enganoso
Para deslegitimar a estratégia de lockdown, um tuíte do deputado federal Osmar Terra engana ao comparar o desempenho da Suécia, em termos de mortalidade por covid-19, com sete países escolhidos a dedo e “outros” que adotaram a medida.
  • Conteúdo verificado: Um tuíte de Osmar Terra (MDB-RS) afirmando que a Suécia, depois de um ano e meio “sem fazer lockdown”, tem mortalidade por covid-19 mais baixa que Reino Unido, França, Portugal, Espanha, Itália, Bélgica, Estados Unidos e outros países “que fizeram lockdown repetidas vezes”.

É enganoso o tuíte em que o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) compara as taxas de mortalidade da Suécia com outros sete países “que fizeram lockdown repetidas vezes”, de modo a sugerir que a estratégia liberal do primeiro seria eficiente para conter a pandemia e alegar que o bloqueio não ajuda a reduzir o contágio.

Dados mostram que a Suécia tem o maior número de mortes por covid-19 a cada 100 mil habitantes entre os países escandinavos (Noruega, Finlândia, Dinamarca e Islândia), que adotaram medidas mais rígidas desde o início, e apresenta uma taxa de mortalidade que é mais do que o dobro da média mundial. Pela mesma lógica utilizada no post, outros países que adotaram o lockdown, como China e Nova Zelândia, apresentam taxas muito mais baixas.

Além disso, a postagem do ex-ministro da Cidadania do governo de Jair Bolsonaro ignora o fato de que alguns dos países citados mudaram de abordagem durante a pandemia, a exemplo do Reino Unido, e que as medidas de confinamento são impostas e flexibilizadas em diferentes momentos. Estudos que estimam o impacto das políticas públicas em diferentes países levam em conta essas variáveis.

Embora não tenha aplicado o lockdown e tenha agido de forma menos restritiva que outros países da Europa, a Suécia chegou a adotar medidas de prevenção e incentivou o distanciamento entre a população. Em março de 2021, o país restringiu o número de pessoas em lojas e academias, assim como o horário de fechamento de bares e restaurantes, que deveria ser até as 20h30.

A postagem de Osmar Terra foi classificada como enganosa nesta checagem porque usa dados imprecisos e confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano. O deputado foi procurado pelo Comprova, mas não respondeu aos questionamentos.

Como verificamos?

O Comprova buscou informações sobre a prática de lockdown e a evolução da pandemia em reportagens jornalísticas e nos sites oficiais do governo sueco. O mesmo ocorreu em relação aos outros países citados no tuíte.

As taxas de mortalidade por covid-19 foram analisadas por meio de duas plataformas: o Our World In Data, mantido por pesquisadores da Universidade de Oxford, e o Coronavirus Resource Center, base de dados da Universidade Johns Hopkins.

Além disso, a reportagem conversou com o epidemiologista, professor da Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e coordenador do Epicovid-19, o maior estudo epidemiológico sobre coronavírus no Brasil, Pedro Hallal.

Autor da postagem enganosa, o deputado federal Osmar Terra foi procurado por meio de um assessor de imprensa. A reportagem perguntou qual foi o critério de escolha dos países que aparecem no tuíte e relatou o fato de que a Suécia apresenta taxas de mortalidade mais altas que os países vizinhos e a média mundial. Não houve resposta até a publicação desta checagem.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 24 de agosto de 2021.

Verificação

Taxas de mortalidade

A taxa de mortalidade da Suécia é realmente menor que a dos sete países mencionados pelo deputado em seu tuíte. Esse fato, no entanto, não quer dizer que o desempenho do país seja satisfatório ou que o lockdown não funcione para reduzir o número de mortes pelo novo coronavírus.

De acordo com o Coronavirus Resource Center da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, a Suécia era o 38º país com mais óbitos por habitante nesta segunda-feira, 23 de agosto, de um total de 182 países e territórios. A taxa de mortalidade era de 142,61 a cada 100 mil pessoas.

Esse número de fato está abaixo de Bélgica (220,48), Itália (213,53), Reino Unido (197,44), Estados Unidos (191,48), Espanha (176,60), Portugal (171,76) e França (169,21), como pode ser visto na tabela abaixo. Apesar de não ter sido citado, o Brasil aparece em quinto, com 272,22 mortes por 100 mil habitantes.

Porém, a situação é desfavorável para a Suécia quando a comparação é feita com os seus vizinhos da Escandinávia e com a média do planeta, como aponta o epidemiologista da UFPel Pedro Hallal. Ele sustenta que o caso da Suécia não deve servir de exemplo para ninguém.

Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em julho deste ano, Hallal já alertava para o fato de a Suécia ter o pior desempenho no combate à pandemia entre cinco países escandinavos, que incluem Dinamarca, Noruega, Finlândia e Islândia. O cenário é o mesmo até hoje.

Ao Comprova, Hallal criticou a comparação feita pelo deputado. De acordo com ele, a Suécia “é um país historicamente muito melhor do que a média mundial, em tudo, e deveria ter resultados parecidos com seus parceiros da região”, mas não é o que acontece.

Na realidade, a taxa de mortalidade por covid-19 do país (1.452 por milhão de habitantes) é mais que o dobro da média do planeta (567), como mostra uma consulta ao Our World In Data, plataforma mantida por pesquisadores da Universidade de Oxford. Os demais — Dinamarca (443), Noruega (149), Finlândia (160) e Islândia (87) — estão todos abaixo dessa média.

A reportagem questionou Hallal se faz sentido separar os países em dois grupos — os que fizeram e os que não fizeram lockdown em algum momento — e comparar as taxas de mortalidade para avaliar a política, considerando ainda o dinamismo da pandemia. Um exemplo é o Reino Unido, que apostou em uma estratégia mais flexível no começo de 2020 e depois mudou de ideia diante de previsões catastróficas e do contágio em alta, passando a adotar medidas mais restritivas.

De acordo com Pedro Hallal, “qualquer cientista que interprete os dados leva isso em consideração” e que ignorar esse tipo de questão constitui “erro primário”. Hallal alertou ainda que, da mesma forma, é preciso considerar que a Suécia promoveu restrições e orientou algumas práticas para diminuir a propagação do vírus ao longo do período.

Dois exemplos de estudos científicos nesse sentido foram publicados pela revista Nature Human Behaviour, em novembro de 2020, e pela revista Science, em fevereiro deste ano. Ambos aplicam métodos estatísticos para analisar as intervenções e interpretam os dados conforme o período específico em que as ações são aplicadas pelos governos. Outra diferença é que o impacto é medido a partir da taxa de transmissão do coronavírus, ou o “ritmo de contágio”, representado pelo termo Rt, e não pela mortalidade.

Seguindo o mesmo critério de Osmar Terra, é fácil elaborar uma comparação em que a Suécia tenha um desempenho mais de 200 vezes pior que outros países que fizeram “lockdown repetidas vezes”. A China, por exemplo, tem uma taxa de mortalidade de 0,35 a cada 100 mil habitantes, e a Nova Zelândia, de 0,53.

O site GZH informou neste mês que o epidemiologista Pedro Hallal cogita concorrer ao Senado no ano que vem. “Ainda estou analisando, mas se concorrer será por algum partido de esquerda ou de centro-esquerda, para contrapor as candidaturas de direita que estão postas”. Ele não está filiado a nenhum partido político no momento, de acordo com o sistema oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Sem lockdown

Até agora, a Suécia não fez lockdown, que é o bloqueio total de uma região. Embora não tenha uma definição única, o lockdown é, na prática, a medida mais radical imposta por governos para que haja distanciamento social e inclui o fechamento de vias e proibição de deslocamentos e viagens não essenciais. Evidências científicas mostram que a adoção de lockdown funciona contra a covid-19. Ele é diferente do isolamento social, que é, em princípio, uma sugestão preventiva para que as pessoas fiquem em casa.

Ao contrário da Suécia, os demais países citados pelo deputado Osmar Terra (Reino Unido, França, Portugal, Espanha, Itália, Bélgica e Estados Unidos) utilizaram lockdowns e toques de recolher como forma de reduzir o ritmo de contágio em algum momento durante a pandemia. Apesar disso, mesmo entre eles, existem diferenças em termos de duração, intensidade e adesão da população ao confinamento.

Os países vizinhos da Escandinávia também foram ágeis em aplicar restrições e conter o alastramento do vírus. Dinamarca e Noruega estiveram entre os primeiros países da Europa a promoverem confinamentos, ainda em março de 2020, que se repetiram em outras ondas de contaminação. A Finlândia e a Islândia, da mesma forma, fecharam restaurantes e outros estabelecimentos. Essas medidas vieram acompanhadas de outras estratégias de mitigação, como ampla testagem, rastreamento de contatos e isolamento de casos ativos.

Desde o início da pandemia de coronavírus, os suecos se tornaram um estudo de caso, renunciando a bloqueios e mandatos. Checagem do PolitiFact, de 6 de agosto de 2021, esclarece que, em contraste com alguns de seus vizinhos e os EUA, a sociedade sueca permaneceu amplamente aberta durante a pandemia, e o governo respondeu principalmente com orientações, não ordens de permanência em casa e quarentenas. Em geral, as máscaras também não foram recomendadas.

Reportagem da The New Yorker, de abril deste ano, traz o cenário do país ao longo da pandemia: “enquanto bloqueios, toques de recolher e proibições de viagens estavam sendo implementados no resto do mundo, restaurantes, lojas, bares, museus, creches e escolas primárias na Suécia permaneceram abertos. As pessoas foram incentivadas a trabalhar em casa e a reduzir as viagens, mas ambas eram opcionais. Máscaras não eram recomendadas e permaneceram raras”.

A pessoa por trás da resposta ao coronavírus da Suécia é Anders Tegnell, o epidemiologista chefe do país. A New Yorker destaca que a constituição sueca dá às agências governamentais uma independência extraordinária, então Tegnell e a agência de saúde pública lideraram grande parte da resposta ao coronavírus e, constitucionalmente, o governo tem pouco poder para impor restrições. Segundo a revista, Tegnell “costuma dizer que os bloqueios não são apoiados pela ciência e que as evidências do uso de máscaras são fracas”.

Em uma entrevista à revista científica Nature, publicada em abril de 2020, Tegnell detalhou a estratégia adotada pelo país: “Como sociedade, estamos mais focados em ‘dar um incentivo’, continuamente lembrando as pessoas de colocar em prática as medidas [contra covid-19], e melhorando-as onde vemos no dia a dia que elas precisam ser ajustadas. Não precisamos fechar tudo completamente porque seria contraproducente”, afirmou.

Tegnell introduziu a abordagem “light” do país à pandemia em março do ano passado, à medida que os casos aumentavam. Lena Hallengren, ministra da pasta de Health and Social Affairs (Saúde e Assuntos Sociais), deu uma entrevista à emissora Al Jazeera English, em 1 de agosto de 2020, e, quando perguntada sobre essa abordagem e a diferença com outros países que adotaram o lockdown, disse que:

“A estratégia vem sendo garantir que nós podemos prevenir o vírus de se espalhar na sociedade, proteger grupos vulneráveis, mas também garantir que a nossa sociedade está funcionando, porque todo o tempo nós precisamos de pessoas para trabalhar nos hospitais, precisamos de pessoas para trabalhar nas casas de repouso, nas farmácias, nas ambulâncias [..] Nós não achamos possível que todo mundo fique em casa por meses”.

Dessa forma, a estratégia do país para conter a disseminação do vírus tem como base a “responsabilidade individual” de seus cidadãos. “As leis suecas sobre doenças transmissíveis baseiam-se principalmente em medidas voluntárias – na responsabilidade individual. Afirma claramente que o cidadão tem a responsabilidade de não espalhar uma doença. Este é o centro de onde partimos, porque não há muita possibilidade legal de fechar cidades na Suécia usando as leis atuais. A quarentena pode ser contemplada para pessoas ou pequenas áreas, como uma escola ou um hotel. Mas [legalmente] não podemos bloquear uma área geográfica”, afirmou Tegnell, em abril do ano passado.

Isso pode ser notado na página da agência de saúde do país, onde não há citações a lockdowns. Na aba “diretrizes e recomendações para reduzir a disseminação de COVID-19”, há a indicação de medidas que cada cidadão pode tomar por conta própria: “todos têm a responsabilidade pessoal de prevenir a propagação da infecção. Você deve pensar em como pode evitar ser infectado, como deve manter distância e como pode evitar infectar outras pessoas. Mostre consideração, especialmente para as pessoas que pertencem a grupos de risco. Você deve manter distância de outras pessoas e evitar lugares lotados. Isso é especialmente importante quando você passa um longo período com alguém e quando você está dentro de casa”.

Críticas à estratégia da Suécia

Em junho do ano passado, diante de críticas crescentes sobre a posição da Suécia no combate à pandemia, Tegnell admitiu que o país deveria ter adotado medidas mais contundentes de isolamento social para conter a pandemia e que uma abordagem mais dura poderia ter evitado o alto número de mortes registrado no país.

A abordagem adotada pelo país europeu foi criticada por integrantes da comunidade científica. Em abril de 2020, em um artigo publicado no jornal sueco Dagens Nyheter, 22 pesquisadores afirmaram que as autoridades públicas de saúde haviam falhado no combate à pandemia e que os políticos deveriam interferir.

Matéria da Time, de outubro do ano passado, traz como título “a resposta sueca à covid-19 é um desastre. Não deveria ser um modelo para o resto do mundo”. A reportagem destaca que “os países que fecharam as portas precocemente e / ou usaram testes e rastreamento extensivos – incluindo Dinamarca, Finlândia, Noruega, Coreia do Sul, Japão, Taiwan, Vietnã e Nova Zelândia – salvaram vidas e limitaram os danos às suas economias. Países que bloquearam tarde, saíram do bloqueio muito cedo, não testaram e colocaram em quarentena de forma eficaz ou apenas usaram um bloqueio parcial – incluindo Brasil, México, Holanda, Peru, Espanha, Suécia, EUA e o Reino Unido – têm piorado quase que uniformemente nas taxas de infecção e morte”.

Artigo publicado na revista científica The Lancet destaca que “desde o início da pandemia, a Agência de Saúde Pública da Suécia, Folkhälsomyndigheten (FHM), embarcou em uma abordagem de imunidade de rebanho, permitindo que a transmissão da comunidade ocorresse relativamente sem controle” e que “muitas vozes críticas foram levantadas sobre a resposta nacional da Suécia à covid-19 e seu fracasso em atingir seus objetivos de nivelar e encurtar as curvas de casos, hospitalizações e mortes”.

Em entrevista à AFP, Julival Ribeiro, infectologista consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e diretor- geral do Hospital de Base do Distrito Federal disse que “[É possível concluir] que a estratégia [escolhida pela Suécia, de não implementar medidas mais rígidas] não foi a estratégia correta. E, além disso, a Suécia é um país pequeno e você pode até ter mais controle. [Mas] imagine países com milhões de pessoas. (…) Naquela época em que a Suécia adotou essas medidas nós sabíamos pouco em relação à covid-19. Mas o mundo mostrou que o caminho para combater essa pandemia é aliar vacina, medidas restritivas e medidas preventivas”.

Em dezembro, os casos e hospitalizações eram mais altos do que desde os primeiros dias da pandemia no país. As unidades de terapia intensiva em Estocolmo e Malmö, a terceira maior cidade sueca, estavam lotadas. “Era exatamente esse desenvolvimento que não queríamos ver”, disse Björn Eriksson, diretor de saúde e cuidados médicos de Estocolmo, durante uma coletiva de imprensa. A confiança na agência de saúde pública havia caído de 68% em outubro para 52% em dezembro.

Um relatório também apontou que a Suécia fracassou em proteger idosos contra a covid-19. A estratégia adotada pela Suécia foi chamada de “imprudente e cruel”. Hallengren, em entrevista à Al Jazeera English, afirmou que “não temos nenhuma prova de que se tivéssemos lockdown teríamos prevenido isso de acontecer”.

Reportagem da BBC de dezembro mostra que a Suécia sofria com uma pandemia fora de controle, UTIs lotadas e debandada de profissionais de saúde. O aumento exponencial no número de casos fez com que o governo sueco mudasse sua estratégia em novembro, introduzindo restrições mais duras às interações sociais. Foram proibidas reuniões de mais de oito pessoas em shows, palestras e apresentações teatrais. Houve também um veto nacional à venda de álcool a partir das 22h em bares e restaurantes. Em raro pronunciamento, até o rei sueco, Carl XVI Gustaf, criticou a estratégia adotada pelo país no combate à pandemia covid-19. “O povo sueco sofreu enormemente em condições difíceis”, disse o monarca à emissora estatal SVT. “Acho que falhamos.”

No dia 18 de dezembro, como os hospitais já estavam preparados para uma onda pós-Natal, Tegnell e a agência de saúde pública finalmente recomendaram o uso de máscaras, mas apenas no transporte público e durante a hora do rush.

Em 8 de janeiro, a Suécia mudou sua legislação para conceder temporariamente ao governo o poder de adotar medidas de restrição contra a covid-19 em áreas determinadas e aplicar sanções e multas caso elas sejam violadas, mas não estabeleceu que a população fique confinada em casa. Entre as medidas permitidas estavam fechar lojas, centros comerciais e o transporte público e limitar o número de pessoas em reuniões em locais públicos específicos.

Dessa forma, embora a Suécia tenha optado por não fechar as portas no início da pandemia, com bares, restaurantes e lojas permanecendo abertos, restrições foram impostas depois.

Em março de 2021, o país restringiu o número de pessoas em lojas e academias, assim como o horário de fechamento de bares e restaurantes, que deveria ser até as 20h30. Porém, em julho, o governo flexibilizou as medidas. Uma publicação do Ministério da Saúde e Assuntos Sociais da Suécia, de 26 de julho, traz uma lista de restrições que foram suavizadas no dia 15 do mesmo mês, incluindo o aumento da capacidade do transporte público e o fim da proibição de acesso a determinados espaços.

Apesar das críticas e das mudanças impostas, de modo geral, a estratégia do país permaneceu intacta. A Suécia fechou suas fronteiras internacionais, incluindo as da vizinha Noruega, e permitiu que a sociedade interna permanecesse aberta. Embora haja limites para o número máximo de pessoas em reuniões sociais, são na forma de “recomendações”, em vez de leis rígidas aplicáveis ​​por meio de multas.

Uma investigação de um professor da Swedish Defence University, publicada em junho deste ano, mostra que a avaliação de risco da agência de saúde sueca, a PHAS (Public Health Agency of Sweden), em relação à propagação geral do coronavírus no país era excessivamente otimista até 10 de março de 2020, sendo consideravelmente mais positiva do que as avaliações de risco globais da OMS (Organização Mundial da Saúde) e outros prognósticos de especialistas para Suécia.

Além disso, “havia uma recusa contínua da agência em mudar sua posição sobre as máscaras faciais ou recomendar seu uso em locais confinados e lotados para o público. Isso ocorreu apesar das evidências crescentes a favor desse equipamento de proteção. Como tal, a política de máscaras do PHAS divergia da postura da OMS, ECDC (European Centre for Disease Prevention and Control) e de outros grandes estudos científicos nesta área”.

A conclusão do estudo é que “no geral, essas descobertas podem explicar, pelo menos em parte, por que a pandemia teve um impacto tão adverso na Suécia, em comparação com muitos outros países desenvolvidos até agora”.

Segundo o portal Our World In Data, após o pico de novos casos na Suécia entre dezembro e janeiro, que chegou a 32.485 diagnósticos positivos registrados em um único dia, houve uma queda contínua até fevereiro, seguido de um novo período de alta. A partir do mês de abril, com o avanço da vacinação, o número de casos ativos e de mortes pela doença despencou.

Atualmente, 51% da população sueca está totalmente vacinada e 67% receberam ao menos a primeira dose. O país acumula 1,12 milhões de casos e 14.688 mortes desde o início da pandemia.

Quem é o autor?

Osmar Terra (MDB) exerce o sexto mandato na Câmara dos Deputados, representando o Rio Grande do Sul. Em 2016, foi Ministro do Desenvolvimento Social no governo de Michel Temer (MDB) e ocupou a pasta da Cidadania já na gestão de Jair Bolsonaro, em 2019.

O deputado federal é formado em medicina e foi presidente do Grupo Hospitalar Conceição entre 1986 e 1989. Também ocupou o cargo de secretário da Saúde do Rio Grande do Sul de 2003 a 2010, nas gestões de Germano Rigotto (MDB) e Yeda Crusius (PSDB).

Terra é um apoiador de Jair Bolsonaro e, seguindo o discurso do presidente, já negou a gravidade da pandemia em diversas ocasiões. Chegou a afirmar que o distanciamento social não tinha eficácia comprovada, que as mortes pelo novo coronavírus não Brasil não passariam o número de óbitos por H1N1 e declarou que a pandemia terminaria em junho. Já em agosto, compartilhou imagens antigas para criticar o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS).

A CPI da Covid apura se o deputado fez parte do chamado “gabinete paralelo”, um grupo externo ao Ministério da Saúde que teria orientado o presidente Jair Bolsonaro com medidas negacionistas no enfrentamento da pandemia. Ele aparece em destaque em uma reunião em que defensores de tratamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 sugerem um aconselhamento informal a Bolsonaro.

Durante o depoimento à CPI, em junho deste ano, Osmar Terra chegou a mencionar a Suécia como uma espécie de “case de sucesso” no controle da pandemia. Ele foi contestado pelos senadores e posteriormente teve frases desmentidas por agências de checagem.

O Comprova já verificou outros tuítes do deputado envolvendo a Suécia em outubro do ano passado. Na ocasião, ele defendeu que as pandemias acabam antes de as vacinas estarem disponíveis e sugeriu que a Suécia havia debelado a pandemia através da estratégia de “imunidade de rebanho”, o que não é verdade. O projeto ainda checou alegações enganosas de Osmar Terra em outras duas oportunidades.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que viralizam nas redes. O post verificado aqui teve mais de 6,5 mil interações no Twitter em menos de uma semana.

O post é danoso ao insinuar que a estratégia do lockdown, adotada pela maioria dos países para combater a pandemia, é ineficiente.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Saúde

Investigado por: 2021-08-20

Site antivacina inventa dado sobre efeito colateral em crianças imunizadas com Pfizer

  • Falso
Falso
É falso que dados da Pfizer revelem que 80% das crianças vacinadas desenvolvem efeitos adversos, como afirma uma publicação em um site. A farmacêutica não tem nenhum estudo sobre vacinação em crianças concluído e, até o momento, afirma, assim como órgãos como o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e a Anvisa, que os benefícios da imunização superam os riscos.
  • Conteúdo verificado: Texto em site afirma que vacinas das Pfizer produzem “efeitos adversos” em 80% das crianças e indica que a vacinação seria pior do que a covid-19.

É falsa a publicação no site antivacina Coletividade Evolutiva segundo a qual dados da farmacêutica Pfizer teriam mostrado que “80% das crianças vacinadas desenvolvem efeitos adversos”.

Um dos links do conteúdo falso leva a uma página em alemão, de onde o texto em português foi traduzido. Na versão estrangeira há um link para um documento da Food and Drug Administration (FDA), agência regulatória dos Estados Unidos, citado como fonte dos tais dados, mas ele é apenas uma ficha técnica para profissionais de saúde que aplicam vacinas. Neste relatório, há informações sobre reações adversas em públicos de idades diferentes, mas em nenhum momento cita os tais 80% de casos de crianças vacinadas que teriam desenvolvido efeitos adversos.

A Pfizer afirmou à reportagem que, em junho, anunciou o início do teste da vacina em um grupo de crianças com menos de 12 anos, mas ainda não há resultados disponíveis.

A empresa acrescentou que “os benefícios da vacinação superam em muito os potenciais eventos adversos”. É o mesmo que afirmam o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Comprova considerou o conteúdo falso porque ele foi inventado e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira. A reportagem tentou falar com o site que publicou o material, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.

Como verificamos?

O primeiro passo foi verificar para onde levavam os links incluídos no post verificado. O primeiro deles, logo no início do texto, sugeria que o leitor seria levado diretamente a um suposto relatório da Pfizer, de 37 páginas, onde constavam informações sobre reações adversas em 80% das crianças vacinadas.

O link, contudo, levava a um site austríaco, com texto escrito em alemão. Usando a ferramenta de tradução do Google, a reportagem percebeu que o conteúdo era similar, embora maior. Este, sim, fornecia um link direto ao suposto relatório que, na verdade, era uma ficha técnica destinada a profissionais responsáveis por aplicar as vacinas, disponibilizado pela FDA, mas sem os dados destacados por nenhum dos dois textos.

Foram realizadas pesquisas sobre a imunização de crianças e adolescentes no site da Pfizer e nas páginas de autoridades de saúde como CDC, FDA e Anvisa.

A reportagem contatou, por e-mail, a Pfizer, que respondeu com um comunicado. Também tentou falar com o Coletividade Evolutiva via e-mail e preenchendo o formulário de contato no site, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 20 de agosto de 2021.

Verificação

Pfizer em crianças

Segundo comunicado da farmacêutica enviado ao Comprova, ainda não há dados disponíveis sobre resultados da vacinação de crianças menores de 12 anos. Em junho, a empresa anunciou o início dos testes nesse grupo, mas não informou quando os resultados devem ser publicados.

“A fase 2/3 do ensaio contará com até 4,5 mil participantes com 11 anos ou menos nos Estados Unidos, Polônia e Espanha em mais de 90 locais de ensaios clínicos”, informa o documento.

Sobre o relatório

Citado como fonte dos dados do texto verificado aqui, o relatório da FDA é verdadeiro, mas não contém as informações alegadas pelo texto original e pela tradução publicada no Brasil. No documento, de 39 páginas, há informações sobre reações adversas em públicos de idades diferentes, mas também como acondicionar, diluir e aplicar uma dose da vacina.

A postagem aqui verificada afirma que 80% das crianças que receberam a vacina da Pfizer tiveram efeitos adversos e que pelo menos 80% podem esperar reações adversas “traumáticas”. O documento não traz este percentual, nem o de 79%, mencionado no texto original do site austríaco. Também não há qualquer menção a reações “traumáticas” ou a um relatório publicado pela Pfizer no dia 19 de maio.

Segundo o documento, que teve a última atualização no site em 12 de agosto de 2021, a reação adversa que atingiu o maior percentual de pessoas vacinadas pela Pfizer com idades entre 12 e 15 anos foi dor no local da injeção (86,2% após a primeira dose).

Nesta mesma faixa de idade, os eventos adversos considerados graves se manifestaram em 0,4% dos que receberam a vacina, após a segunda dose. No grupo placebo da mesma idade, essas reações ocorreram em 0,1% dos participantes. Dos 2.260 adolescentes de 12 a 15 anos que participaram do Estudo 2 da Pfizer nos Estados Unidos, 1.131 receberam a vacina e 1.129, o placebo.

Em um estudo clínico, as reações adversas em adolescentes de 12 a 15 anos de idade incluíram dor no local da injeção (90,5%), fadiga (77,5%), dor de cabeça (75,5%), calafrios (49,2%), dores musculares (42,2%), febre (24,3%), dores nas articulações (20,2%), inchaço no local da injeção (9,2%), vermelhidão no local da injeção (8,6%), linfadenopatia (0,8%) e náuseas (0,4%).

Casos de reações alérgicas graves, miocardite e pericardite foram relatados após a administração da vacina fora dos ensaios clínicos.

Estudo da Pfizer

Em estudo clínico com jovens de 12 a 15 anos, a vacina “demonstrou eficácia de 100%”, segundo a empresa informou à reportagem. “Os ensaios de fase 3 foram realizados em 2.260 adolescentes, nos Estados Unidos, e apresentou respostas robustas na produção de anticorpos e o perfil de segurança aceitável semelhante a outros grupos etários também foi estabelecido.”

Ainda de acordo com o documento, as reações adversas mais comuns, em 10% dos pacientes, e comuns (entre 1% e 10%) “podem incluir dor, inchaço ou vermelhidão no local de injeção, cansaço, dor de cabeça, diarreia, dor muscular, dor nas articulações, calafrios e febre, além de náusea e vômito”.

Pfizer em jovens

Ao contrário de outros imunizantes, o grupo mais jovem a receber a Pfizer na fase de ensaios clínicos foi entre 16 e 25 anos – o que possibilitou que a aprovação inicial do imunizante já considerasse os adolescentes mais velhos como aptos a receber as doses. Depois, graças a estudos divulgados no final de março, os órgãos reguladores ampliaram a possibilidade de aplicação da vacina.

A Pfizer é usada em maiores de 12 anos desde maio. O primeiro órgão a autorizar esse uso foi o CDC, em 12 de maio de 2021. Dias depois, a União Europeia também autorizou o uso do imunizante nesta faixa etária.

Israel também autorizou a vacinação de adolescentes em maio com as doses da Pfizer e, no Reino Unido, foi no começo de junho.

No Brasil

Por aqui, a Anvisa autorizou o uso em adolescentes, a partir de 12 anos, em 11 de junho. Como a própria agência sinaliza, este é o único imunizante aprovado para uso em menores de idade no país.

Por decisão do Ministério da Saúde, a vacinação dos adolescentes, entre 12 e 17 anos, deve ocorrer nos estados após o término da aplicação da primeira dose, por faixa etária, nos adultos.

Como o ritmo de vacinação não é o mesmo em todos os estados, o Comprova buscou informações sobre os 26 estados e o Distrito Federal e constatou que ao menos as seguintes localidades já começaram a imunização de adolescentes (até 20 de agosto): Acre; Amapá; Amazonas; Distrito Federal (no caso dos adolescentes com deficiência ou síndromes, e antes do término da vacinação dos adultos); Maranhão; Mato Grosso do Sul; Pernambuco; Rio Grande do Sul; Rondônia; Roraima e São Paulo.

Em Minas Gerais, a cidade de Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, e, no Pará, Ananindeua, na região metropolitana de Belém, também já começaram a vacinação de menores de idade.

O Site

Esta não é a primeira postagem do site Coletividade Evolutiva que contém informações falsas sobre a vacinação. Há, na página, uma editoria de “manipulação”, com textos sobre o suposto caráter experimental das vacinas contra a covid e sobre o efeito “magnético” do imunizante. O Comprova já considerou falsa uma postagem do site sobre os efeitos colaterais da CoronaVac.

O site austríaco Report24, que teve a postagem traduzida, também já publicou outros conteúdos conspiratórios e contrários à vacinação.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que viralizam nas redes. O texto verificado aqui entrou na lista de monitoramento do Comprova via pedidos de leitores pelo WhatsApp (se tiver dúvida sobre algum conteúdo, você pode enviá-lo para o telefone 11 97045-4984 ou clicando neste link).

Conteúdos que tentam desacreditar as vacinas são perigosos porque podem levar a população a colocar a saúde em risco.

O Comprova já esclareceu diversos conteúdos sobre imunização, como, por exemplo, que é falso que internação de Silvio Santos por covid indique ineficácia da Coronavac, que é enganoso post que afirma que o CDC e Anthony Fauci não acreditam na vacina, que o diagnóstico positivo de Doria não indica ineficácia da Coronavac e que é falso que imunizantes usados no Brasil não passaram por testes de segurança e eficácia.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Saúde

Investigado por: 2021-08-19

Médico americano engana ao dizer que vacinas ‘enlouquecem’ sistema imunológico e agravam covid-19

  • Enganoso
Enganoso
O discurso do médico Dan Stock, propagado em publicação viral no Twitter, é enganoso ao associar vacinas ao aumento no números de casos de covid-19 nos Estados Unidos. Ele sugere que os imunizantes provocam uma exacerbação da doença, mas não há evidências de que as vacinas estejam associadas ao fenômeno citado pelo médico. Stock também engana ao citar que máscaras são ineficazes para o controle da pandemia e ao recomendar um tratamento sem benefícios comprovados pela ciência. Em um compilado de documentos usados como evidências para sustentar sua afirmação, o médico lista estudos retratados, inconclusivos ou com conclusões que não corroboram com o seu discurso.
  • Conteúdo verificado: O vídeo mostra um discurso do médico americano Dan Stock em audiência a um conselho escolar, em Fortville, Indiana, nos Estados Unidos. Ele afirma que vacinas de covid confundem o sistema imunológico e fazem o organismo combater o vírus de uma maneira inadequada. O médico sugere que a vacinação pode provocar um fenômeno que exacerba a doença e associa os imunizantes ao recente aumento no número de infecções diárias no país. Stock ainda sugere que máscaras são inúteis para controlar a pandemia e que a vacina não oferece benefícios a pacientes recuperados da covid.

São enganosas as alegações do médico norte-americano Dan Stock de que vacinas de covid-19 confundem o sistema imunológico de pessoas imunizadas e as tornam suscetíveis a quadros mais severos da doença, em comparação com a infecção natural. Uma postagem que divulga o discurso do médico em audiência, na cidade de Fortville, Indiana, foi compartilhada mais de 10 mil vezes no Twitter. A plataforma adicionou um aviso ao conteúdo para alertar que o material é enganoso.

No vídeo, Stock cita um fenômeno conhecido, em inglês, como Antibody-Dependent Enhancement (ADE) que, segundo ele, agravaria casos de covid entre vacinados e poderia estar relacionado ao surto recente de casos da doença nos Estados Unidos. O país aplica os imunizantes da Pfizer/BioNtech (Comirnaty), Moderna e Janssen. Não há evidências, entretanto, que essa condição esteja associada com a doença, tampouco com as vacinas.

O médico ainda tira de contexto um estudo do Centro de Prevenção e Controle de Doenças Infecciosas (CDC) dos Estados Unidos que aponta a incidência de sintomas de covid em pessoas vacinadas em Barnstable, Massachusetts. O próprio estudo afirma que a pesquisa não deve sustentar conclusões sobre a efetividade das vacinas.

O vídeo também espalha desinformação ao sugerir que máscaras faciais são ineficazes para coibir a transmissão do novo coronavírus. As melhores evidências científicas indicam que a proteção é essencial para diminuir a exposição à doença. Por fim, Stock faz propaganda de um tratamento sem comprovação científica.

O Comprova considera enganosas as publicações cujos conteúdos confundem ou usam dados imprecisos, como faz Stock ao distorcer informações de estudos para atacar vacinas.

Como verificamos?

Para investigar o conteúdo, o Comprova apurou primeiramente a ocasião em que o discurso do médico foi gravado. A reportagem identificou que as alegações de Dan Stock ocorreram em 6 de agosto de 2021, durante uma audiência na Mount Vernon School Corporation, uma associação escolar que agrega instituições de ensino voltadas a crianças e adolescentes.

O passo seguinte foi investigar quem era o autor do discurso enganoso. O Comprova identificou que Dan Stock é um médico da família que diz praticar “medicina funcional”. Trata-se de um modelo alternativo baseado em uma visão holística dos sistemas biológicos do corpo humano e na individualidade do paciente. Stock é proprietário de uma loja de suplementos.

Ao buscar pelo vídeo e o nome de Dan Stock no Google, o Comprova encontrou uma série de verificações de veículos estrangeiros (1, 2, 3, 4). Segundo uma verificação do site americano Politifact, o médico indicou por correio de voz que os documentos por ele apresentados aos diretores da associação escolar foram publicados em um blog conservador.

O Comprova analisou os 22 artigos listados no site e identificou estudos retratados por inconsistências técnicas, análises não científicas e até trabalhos que contradizem os próprios apontamentos do médico na audiência. Também consultamos o epidemiologista formado pela Universidade de São Paulo (USP) Julio Ponce, bem como a imunologista da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) Cristina Bonorino para analisar as alegações de Stock na reunião.

A reportagem ainda recorreu a fontes documentais, como um editorial da revista Science que minimiza o risco de ADE em vacinas de covid, orientações do CDC e da Organização Mundial da Saúde (OMS) acerca de vacinas, bem como o painel de evidências de tratamentos para covid-19 dos Institutos Nacionais de Saúde americanos (NIH).

Contatamos o médico Dan Stock por um e-mail disponibilizado em seu perfil no Linkedin, mas não obtivemos resposta até o fechamento desta reportagem.

Verificação

Não há evidências de que vacinas causam ADE

Ao contrário do que sugere Stock, não há evidências de que vacinas de covid-19 favorecem uma exacerbação da doença mediada por anticorpos. Essa condição, mais conhecida na língua inglesa como Antibody-Dependent Enhancement, descreve um fenômeno em que anticorpos gerados anteriormente por uma infecção natural ou induzidos por vacinas não conseguem neutralizar o vírus em uma nova infecção, e podem facilitar o ataque do patógeno às células do hospedeiro.

Durante seu discurso, o médico sugere que o fenômeno poderia estar associado com aumentos recentes nos números de casos em algumas regiões dos Estados Unidos. Stock cita que foram observados sinais de ADE em estudos com animais durante o desenvolvimento de vacinas contra a Sars, outro coronavírus que foi pivô de uma epidemia em 2003, na China. De fato, a possibilidade de ocorrência dessa condição foi uma preocupação de cientistas no desenvolvimento de vacinas contra a covid, mas nem os estudos pré-clínicos com animais nem ensaios em humanos identificaram evidências do fenômeno, ressalta um editorial da revista Science sobre o assunto, publicado em fevereiro deste ano.

O artigo evidencia ainda que a hipótese levou cientistas a adotarem estratégias para minimizar os riscos de ADE no desenvolvimento das vacinas contra a covid.Também não há evidências de que novas variantes possam desencadear a condição, tampouco o monitoramento de efeitos adversos realizado por agências sanitárias indicou qualquer sinal do problema.

Outra evidência que torna a hipótese improvável é que experimentos com tratamentos baseados em plasma convalescente (com anticorpos contra covid-19) não provocaram exacerbação da doença em voluntários. Até o momento, as evidências da vacinação no ‘mundo real’ mostram que os imunizantes são eficazes em prevenir formas graves da doença. Cerca de 99% das mortes e hospitalizações por covid-19, nos Estados Unidos, ocorrem em pessoas não imunizadas.

Vale ressaltar que o compilado de evidências citado por Stock não contém nenhum estudo que prove a ocorrência de exacerbação de covid mediada por anticorpos. Uma das pesquisas analisou casos de covid em profissionais de saúde vacinados e apontou que a maioria teve sintomas leves ou quadros assintomáticos.

Aumento de casos não é consequência da vacina

Para atacar a vacinação, o médico cita que em Barnstable, cidade de aproximadamente 44 mil habitantes em Massachusetts, 75% dos novos casos de covid-19 ocorreram em pessoas vacinadas. A informação foi retirada de um estudo do CDC, divulgado no final de julho, que avaliou 469 ocorrências da doença na cidade americana.

Os autores da pesquisa, no entanto, destacam no próprio relatório que o levantamento é insuficiente para fornecer conclusões sobre a eficácia das vacinas de covid, incluindo a variante delta, que atualmente corresponde à cepa predominante no país.

“À medida que a cobertura vacinal a nível populacional aumenta, é esperado que as pessoas vacinadas representem uma proporção maior de casos de covid-19. Em segundo lugar, infecções assintomáticas podem estar subrepresentadas por causa do viés de detecção”, explicam os autores no texto.

Entre as pessoas completamente vacinadas, apenas quatro tiveram que ser hospitalizadas e nenhuma morte foi registrada. O estudo ainda afirma que a “vacinação é a estratégia mais importante para prevenir casos graves e óbitos” e recomenda a expansão de estratégias não farmacológicas, como o uso de máscaras em locais fechados, independentemente do grau de vacinação do indivíduo.

Como já explicou o Comprova, os imunizantes já aprovados por agências de saúde nos Estados Unidos e no Brasil foram desenvolvidos para prevenir casos sintomáticos da doença. Nenhuma vacina elimina totalmente o risco de contrair covid, embora reduzam significativamente as chances do paciente desenvolver formas graves. Segundo o CDC, as vacinas também reduzem o risco de pessoas espalharem o novo coronavírus para outras, mas não excluem completamente essa possibilidade.

Julio Ponce lembra que os recentes aumentos de hospitalizações por covid nos EUA estão associados a pessoas não vacinadas. “Mesmo que consideremos que alguns vacinados peguem a doença, eles têm um risco diminuído de agravamento. Em Indiana, onde o vídeo foi gravado, 96% dos novos casos são de pessoas que não se vacinaram”, afirma.

Alerta especial para variante delta

O CDC alerta, entretanto, para casos raros em que vacinados são infectados pela variante delta. Apesar das vacinas serem “altamente eficazes” em evitar o agravamento de infecções desta cepa do novo coronavírus, diferentemente de outras variantes, a delta parece produzir quantidades similares de vírus tanto em pessoas não vacinadas quanto em pessoas totalmente vacinadas.

Por outro lado, a carga viral produzida pelas infecções da variante delta em pessoas totalmente imunizadas diminui mais rapidamente do que as infecções naqueles que não tomaram esquema vacinal completo. “Isto significa que as pessoas totalmente vacinadas [transmitem o vírus] por menos tempo do que as pessoas não vacinadas.”, afirma o CDC.

Melhores evidências indicam que uso de máscaras é eficaz

Stock acerta ao afirmar que o novo coronavírus é propagado por meio de pequenas gotículas chamadas aerossóis. Ele desinforma, no entanto, ao sugerir que devido ao tamanho das partículas, o uso de máscaras não seria eficaz para coibir a transmissão da covid-19. Embora parte dos aerossóis possam escapar das máscaras, o equipamento ainda é essencial para controlar a pandemia.

Segundo o epidemiologista Julio Ponce, trabalhos científicos mostram que o uso da máscara promove uma redução bastante sensível de infectados em contexto de surtos de coronavírus. Ele cita um artigo publicado na conceituada revista de medicina JAMA, o qual afirma que antes da pandemia de covid, o uso comunitário de máscaras para reduzir a transmissão de vírus respiratórios era controverso devido a falta de evidências relevantes sobre a prática.

Ao longo da crise sanitária, entretanto, as evidências científicas cresceram. O artigo pontua que em trabalhos recentes, máscaras de pano de várias camadas bloquearam de 50% até 70% das gotículas pequenas exaladas por uma pessoa infectada. O relatório explica que as máscaras ainda servem como uma barreira contra as gotículas maiores.

O compilado de documentos de Stock contra o uso de máscaras reúne desde análises informais de postagens em blogs, estudos retratados por inconsistências técnicas (1, 2), trabalhos não conclusivos sobre a eficácia da medida (1), até mesmo pesquisas que, na verdade, sugerem benefícios das máscaras. É o caso, por exemplo, deste artigo que conclui que a análise mostra evidências de que estados americanos com regras para uso da proteção registraram uma maior queda nas taxas de diárias de covid, em comparação a outros que não adotaram a medida.

“O que pode ser colocado em contexto é que há máscaras que protegem mais do que outras. Os estudos que o médico menciona parecem ser aqueles feitos com máscaras cirúrgicas, que são adequadas para limitar a projeção de gotículas e aerossóis de quem as usa, mas não são tão eficazes para proteger de aerossóis possivelmente contaminados no ambiente”, afirma Ponce.

O especialista pontua que, por esse motivo, máscaras PFF2/N95 são mais recomendadas para locais de alta exposição, uma vez que os equipamentos são capazes de filtrar até 95% de partículas pequenas.

Vacinas são importantes mesmo para recuperados da covid

Outra informação enganosa do vídeo corresponde à alegação de Stock de que as vacinas de covid não promovem benefícios a quem já se recuperou da doença.

De acordo com o CDC, pesquisadores ainda não estabeleceram por quanto tempo dura a imunidade conferida pela infecção natural ou pelas vacinas. Por outro lado, a agência diz que estudos indicam que os imunizantes podem aprimorar a proteção de pessoas que já se recuperaram da infecção.

Já a OMS afirma que a “maioria das pessoas infectadas com Sars-CoV-2 desenvolvem uma resposta imune nas primeiras semanas, mas ainda estamos aprendendo o quão forte e duradoura é essa resposta imune, e como ela varia entre diferentes pessoas, acrescentando que “mesmo que você tenha tido uma infecção anterior, a vacina age como um reforço que fortalece a resposta imune.”

Em entrevista ao Comprova, a professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre Cristina Bonorino explica que, no caso da infecção natural, o microorganismo evolui para escapar das respostas imunes do hospedeiro, e por isso nem sempre a imunidade deixada após a infecção é eficaz e duradoura.

“As vacinas, por outro lado, focam em estimular mecanismos importantes para controlar a multiplicação do microorganismo no indivíduo, sem a desvantagem do que acontece na infecção natural. Vacinas, portanto, geram respostas mais eficazes que a infecção natural”, comenta a especialista.

A Agência Lupa fez uma verificação de boato semelhante

Tratamento divulgado pelo médico não tem comprovação científica

No vídeo, o médico faz propaganda de substâncias sem benefícios comprovados contra a covid-19 ao citar que tratou 15 pacientes com um protocolo de ivermectina, zinco e vitamina D. O relato de Stock, entretanto, não configura evidência de que o tratamento funcione.

Como já explicou o Comprova em outras verificações, para atestar a eficácia de um medicamento contra a covid, são necessários múltiplos ensaios clínicos randomizados com estrutura adequada e número extenso de participantes. O Painel de Diretrizes de Tratamentos para Covid, dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH), afirma que não há dados suficientes para recomendar a favor ou contra o uso da ivermectina para o tratamento da doença.

“São necessários resultados de ensaios clínicos adequadamente desenvolvidos, bem concebidos e bem conduzidos para fornecer orientações mais específicas e baseadas em evidências sobre o papel da ivermectina no tratamento da covid-19”, diz o documento

No compilado de documentos de Stock constam estudos que sugerem potenciais benefícios da vitamina D no tratamento da covid-19. As diretrizes do NIH, entretanto, informam que também faltam mais dados para recomendar contra ou a favor do uso da suplementação da substância como terapia contra o novo coronavírus.

O órgão emitiu a mesma recomendação para o uso do Zinco, porém, o painel alerta contra a suplementação acima dos níveis de dieta recomendados, uma vez que o consumo excessivo da substância pode ocasionar deficiência de cobre no sangue e outras doenças.

Quem é Stock

Daniel “Dan” Stock se define no Linkedin como um médico de família experiente e com formação em medicina funcional, um ramo alternativo cujos métodos não têm comprovação científica. De acordo com a rede social, ele se formou na Indiana University School of Medicine em 1988.

Segundo o breve perfil de Dan Stock no Top NPI, um site pensado para auxiliar moradores dos Estados Unidos a encontrarem médicos próximos de onde moram, o profissional tem 33 anos de experiência na medicina e é licenciado para exercer a profissão pelo conselho estadual de Indiana.

Após falar ao conselho escolar da Mount Vernon School Corporation, no condado de Hancock, em Indiana, Stock publicou um texto no Linkedin para agradecer o “apoio esmagador de todos”. O teor da mensagem sugere que as medidas adotadas no contexto do enfrentamento à covid-19 são atentatórias às liberdades individuais.

“Por favor, rezem por mim, por nossa própria liberdade que nosso próprio governo federal ameaça, mas como vocês, chamem vocês legisladores estaduais e locais e exijam que eles não sirvam aos especialistas selecionados pelos lobistas federais, mas a você”, ele escreveu.

O Projeto Comprova enviou questionamentos ao profissional no endereço de e-mail disponibilizado por ele no Linkedin, mas não obteve retorno até a publicação desta checagem.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova checa conteúdos suspeitos sobre o governo federal, eleições ou a pandemia que tenham atingido alto grau de viralização. A postagem verificada nesta matéria alcançou mais de 10 mil visualizações no Twitter. Segundo agências de checagem estrangeiras, o mesmo discurso enganoso de Dan Stock atingiu milhões de usuários em outros países.

As alegações do médico são perigosas ao espalhar informações falsas para atacar medidas essenciais para o combate à pandemia, como o uso de máscaras e a vacinação em massa. Essas práticas são recomendadas e defendidas pelas principais agências de saúde no Brasil e no exterior e têm respaldo em evidências científicas relevantes.

O mesmo conteúdo foi verificado por uma série de veículos estrangeiros, incluindo Politifact, Associated Press, Agência Reuters e Verify This. Conteúdos semelhantes já foram desmentidos por veículos brasileiros, como o Estadão Verifica, Aos Fatos e Agência Lupa.

O Comprova também já verificou outras afirmações equivocadas sobre a imunização em massa contra a covid. Um boato recente afirmava enganosamente que não há lógica por trás da vacinação para conter a pandemia. Outro conteúdo tirou de contexto uma entrevista de uma autoridade de saúde americana na tentativa de desqualificar a segurança dos imunizantes usados no país. Uma terceira postagem distorcia dados de efeitos adversos da vacina da Pfizer em adolescentes.

Enganoso, para o Comprova, são conteúdos retirados do contexto original e usados em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.