O Projeto Comprova reúne jornalistas de 33 diferentes veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas sobre políticas públicas, processo eleitoral e a pandemia de covid-19 compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Em julho de 2021, os participantes decidiram também iniciar a verificação da desinformação envolvendo possíveis candidatos à presidência da República. Desde então, o projeto tem monitorado nomes que vem sendo incluídos em pesquisas dos principais institutos. O Comprova é uma iniciativa sem fins lucrativos
Filtro:

Pandemia

Investigado por:2021-09-03

É enganoso que recomendação do uso de máscara contra covid siga palavras de vidente e não estudos científicos

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso o post de um médico no Twitter que compara o apelo de um vidente para que as pessoas não parem de usar máscara a um estudo científico que não teria sido capaz de apontar a eficácia desse tipo de proteção. O estudo em questão esperava que as máscaras reduzissem as infecções em mais de 50%, o que é considerado um percentual muito alto para estudos sobre intervenções - algo entre 15% e 30% estaria mais perto da realidade. A postagem também desconsidera outros estudos e recomendações de autoridades sanitárias do Brasil e do mundo, que defendem o uso da proteção facial.
  • Conteúdo verificado: Em mensagem no Twitter, médico compara pedido de um vidente para que as pessoas sigam usando máscara como meio de proteção contra a covid-19 com os resultados de um estudo da Dinamarca que não teria mostrado benefício para o uso de proteção facial.

É enganoso o conteúdo postado por um médico no Twitter, no qual ele sugere que não há benefício do uso comunitário de máscaras contra a covid-19. Na postagem, ele recorre ao resultado de um estudo feito em 2020 na Dinamarca, o Danmask, a fim de contrapor uma notícia em que a revista Istoé ouve um vidente. Os próprios autores do Danmask, contudo, consideram os resultados do estudo inconclusivos.

No texto publicado pela IstoÉ, o vidente conhecido como Mestre José pede que as pessoas não parem de usar máscaras e afirma que haverá o “maior caos da história” se acabar a obrigatoriedade. O médico Ricardo Ariel Zimerman, então, compartilha uma imagem com o título do texto da revista e uma foto do vidente. Ele comenta que “o maior ensaio clínico randomizado conduzido até o momento” não demonstrou “benefício com o uso comunitário de máscaras”, mas, o vidente, sim, ironiza.

O texto da IstoÉ não deixa claro se o vidente se baseia em evidências científicas ou em sua própria opinião. O estudo conduzido na Dinamarca e citado pelo médico, contudo, recebeu críticas da comunidade científica por ter falhas metodológicas e por perseguir um resultado fora da realidade – os pesquisadores esperavam que as máscaras reduzissem as infecções em 50%, mas, o especialista ouvido pelo Comprova explica que resultados são realistas quando uma intervenção produz um efeito de 15% a 30%.

Além disso, o uso de máscaras é recomendado por entidades nacionais e internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde.

O Comprova procurou o autor do post, mas ele não respondeu até a publicação desta reportagem.

Este conteúdo foi classificado como enganoso pelo Comprova porque usa dados imprecisos e confunde, mesmo que não tenha uma intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

Fizemos uma pesquisa no Google para saber o que era o estudo Danmask e quais as análises feitas pela comunidade científica sobre essa pesquisa. Encontramos um artigo do pesquisador do Instituto Butantan Alison Chaves, PhD em Microbiologia e Imunologia, e pedimos que ele conversasse conosco sobre o estudo e seus resultados.

Também levantamos as orientações de autoridades de saúde do Brasil e do exterior sobre o uso de máscaras, bem como procuramos a legislação brasileira sobre o enfrentamento à pandemia.

Procuramos o título da matéria que aparece no conteúdo verificado para identificar se ela era real e o que dizia o texto e, por fim, entramos em contato com o autor do post, mas não obtivemos resposta.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 3 de setembro de 2021.

Verificação

O que é o estudo Danmask?

O estudo que ficou conhecido como Danmask-19 foi um ensaio controlado randomizado feito em abril e maio de 2020 na Dinamarca por 22 pesquisadores, os autores principais. O objetivo do estudo era analisar “se a recomendação do uso de máscara cirúrgica fora de casa reduz o risco dos usuários de infecção por Sars-CoV-2 em um ambiente onde as máscaras eram incomuns e não estavam entre as medidas de saúde pública recomendadas”.

O efeito esperado pelos pesquisadores era de que o uso de máscara reduzisse as taxas de infecção pelo coronavírus em 50% entre os usuários de uma comunidade com “taxas de infecção modestas, algum grau de distanciamento social e uso incomum de máscara”.

Foram distribuídos kits com 50 máscaras cirúrgicas descartáveis de três camadas para adultos que não tinham sintomas, passavam mais de três horas por dia fora de casa e que não usavam máscara habitualmente em suas ocupações. Segundo os pesquisadores, 3.030 participantes foram designados aleatoriamente para a recomendação de usar máscaras e 2.994 foram designadas para o grupo controle, totalizando 6.024 pessoas. Destes, 4.862 completaram o estudo, sendo 2.392 pessoas com recomendação para uso de máscara e 2.470 do grupo controle.

O ensaio foi publicado em novembro de 2020 na revista científica Annals of Internal Medicine.

Quais as conclusões desse estudo?

Segundo os resultados publicados na revista científica, 95 das 4.862 pessoas que completaram o estudo foram infectadas pelo Sars-CoV-2. Destas, 42 participantes eram do grupo com recomendação do uso de máscara (1,8%) e 53 faziam parte do grupo controle (2,1%).

Os pesquisadores consideraram que, embora a diferença observada não tenha sido estatisticamente significativa, os resultados eram inconclusivos. Eles afirmam que não é possível descartar que o uso de máscara tenha reduzido o contágio em 46% das infecções ou aumentado em 23%, já que eles não mediram os efeitos do uso de máscara na origem do contágio, nem em locais onde outras medidas não estavam em vigor.

Eles também destacaram que, na época da realização do estudo, o governo dinamarquês não recomendava o uso de máscaras em outros ambientes que não os hospitalares – portanto, os participantes do estudo que usaram as máscaras estavam circulando em locais onde a grande maioria das pessoas não usavam a proteção.

Os estudiosos levaram em conta limitações para o estudo, como resultados inconclusivos, dados faltantes, adesão variável, resultados de exames relatados por pacientes a partir de testes caseiros, o fato de o estudo não ter sido cego (ou seja, os participantes sabiam em qual grupo estavam) e ausência de avaliação se as máscaras poderiam diminuir a transmissão de doenças de usuários de máscaras para outras pessoas.

Apesar dessas limitações, o estudo concluiu que “a recomendação de usar máscaras cirúrgicas para complementar outras medidas de saúde pública não reduziu a taxa de infecção de Sars-CoV-2 entre os usuários em mais de 50%”. Ou seja, há indícios de que houve uma redução, mas os resultados do ensaio não apontavam para o percentual de eficácia esperado pelos pesquisadores.

O que se fala sobre o Danmask-19?

Quando o estudo foi publicado, em novembro do ano passado, surgiram comentários na comunidade científica sobre o assunto. Em 26 de novembro, o editor-executivo do The BMJ – publicação da British Medical Association –, Kamram Abbasi, disse em um artigo que o resultado “negativo” do primeiro ensaio sobre o uso de máscaras durante a pandemia já era conhecido.

Segundo ele, antes da publicação do estudo, já se comentava nas redes sociais que os pesquisadores buscavam um periódico importante para a publicação, uma vez que muitos não estavam se mostrando “corajosos” para dar espaço ao estudo. No artigo, em que chama de “curioso” o caso do estudo dinamarquês, Abbasi afirma que os resultados não eram negativos, e sim inconclusivos. Ele acrescenta que, na verdade, apontavam para um “provável benefício do uso da máscara para o usuário”, diferentemente do que se comentava nas redes sociais.

Menos de uma semana antes, os pesquisadores Carl Heneghan e Tom Jefferson, ambos da Universidade de Oxford, publicaram um artigo na revista britânica The Spectator comentando os resultados do Danmask-19. Eles afirmaram que, no geral, havia uma “falta preocupante de evidências robustas sobre máscaras faciais e covid-19” e que estudos randomizados como o Danmask eram importantes para entender o impacto de medidas como aquela.

Também no dia 19 de novembro, o pesquisador Alison Chaves, PhD em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), publicou um artigo no site do Instituto Questão de Ciência, no qual considerou como “ineficaz” o estudo dinamarquês sobre a eficácia das máscaras.

Problemas do estudo

O Comprova, então, pediu que Chaves detalhasse mais sobre as razões pelas quais acredita que o estudo seja “ineficaz”. O grande problema do Danmask-19, segundo Alison Chaves, está no que ele chama de “efeito perseguido”: a redução de 50% nas infecções a partir do uso de máscaras associado a outras medidas, como o distanciamento. Alison explica que esse percentual não é um efeito realista em estudos científicos.

“Um dos grandes problemas desse estudo especificamente é que ele persegue um efeito muito grande para um tipo de intervenção que está sendo avaliada. Independente da intervenção, quando você tem um efeito entre 20% e 30%, até 15%, é um efeito realista. Tem alguns estudos que cometeram esse mesmo tipo de gafe, que perseguiram um efeito que, no final, é uma profecia auto-irrealizável, porque você não vai alcançar”, disse, em entrevista ao Comprova por telefone.

O pesquisador também aponta outras falhas. “Ele não é cego, ou seja, as pessoas sabem da intervenção. É muito difícil conseguir medir efetivamente o desfecho porque é um estudo de recomendação, ele não mede uma métrica que você consegue detectar objetivamente. A intervenção não é um tratamento, é uma recomendação e um composto. Para dizer que houve efeito, você precisa que as pessoas tenham seguido ambas as recomendações, que é se isolar e usar máscara. E a aderência foi extremamente variável. Ele tem falhas metodológicas, de planejamento, tem limitações reais para fazer alguma conclusão”, afirma.

No tuíte aqui verificado, o autor destaca que o Danmask é o maior ensaio clínico randomizado conduzido até o momento sobre o uso de máscaras. Para Chaves, o fato de o estudo ser grande – e o trabalho dinamarquês de fato é, pelo menos em número de participantes – não o isenta de problemas.

“Existem muitos estudos enormes, como o Surgisphere, que mostrava a ausência de efeito da hidroxicloroquina em covid-19 e os dados não foram abertos e o estudo foi retratado. E aquele é, sem dúvida, um dos maiores estudos já feitos. Nem por isso ele é um estudo que tem credibilidade hoje”, exemplifica.

Apesar dos problemas apontados, para ele, o Danmask não se encaixa num tipo de estudo que precise de uma retratação. “A gente tem estudos retratados quando existem erros que geram problemas nos resultados, tem um erro aqui que muda totalmente o resultado. No caso dele, foi mais um estudo mal desenhado”, aponta.

Para o pesquisador, independente do resultado do estudo, o uso de máscaras e sua eficácia se encaixam num princípio chamado por cientistas de “plausibilidade extrema”. “Se você tem uma doença cuja transmissão é respiratória, ou seja, exige gotículas, as únicas maneiras de barrar essa transmissão são se não tiver contato ou se houver uma barreira entre as pessoas. E a máscara é uma barreira. Esse tipo de estudo não faz muito sentido existir, porque é um caso de plausibilidade extrema, (usar a máscara) é algo que vale a pena fazer, porque não há risco”, afirma.

Recomendação do uso de máscaras no Brasil

Nas orientações sobre como se proteger do novo coronavírus, o Ministério da Saúde inclui o uso de máscara em serviços de saúde e na população em geral ao lado de outras medidas preventivas como o distanciamento social e a higienização das mãos.

Sobre os serviços de saúde, a pasta lembra que o uso de máscaras deve ser uma exigência em áreas clínicas, independentemente das atividades realizadas. “Em locais de assistência a pacientes com covid-19 em que são realizados procedimentos geradores de aerossóis, recomenda-se que os profissionais da saúde usem máscaras de proteção respiratória (padrão N95 ou PFF2 ou PFF3, ou equivalente), bem como demais equipamentos de proteção individual”, diz.

No caso da população, o Ministério da Saúde diz que o uso de máscara facial, inclusive a feita de tecido, é “fortemente recomendado” em ambientes coletivos “em especial no transporte público e em eventos e reuniões, como forma de proteção individual, reduzindo o risco potencial de exposição do vírus especialmente de indivíduos assintomáticos”. No caso de pessoas sintomáticas, o governo recomenda o uso específico de máscaras cirúrgicas, para controlar a fonte de transmissão.

A recomendação da pasta afirma ainda que as máscaras não devem ser usadas por crianças menores de 2 anos ou “pessoas que tenham dificuldade para respirar, estejam inconscientes, incapacitadas ou que tenham dificuldade de remover a máscara sem ajuda”. A orientação também é para que se lave a mão antes de colocar a proteção e que ela cubra o nariz e a boca, além de estar presa ao queixo.

No Brasil, a lei federal 14.019, de 2 de julho de 2020, permitiu que as autoridades de saúde federal, estadual e municipal exigissem a obrigação do uso de máscara para combater a emergência sanitária provocada pela covid-19. São citadas especificamente vias públicas; transportes públicos como táxis, ônibus, aeronaves e embarcações; estabelecimentos comerciais e industriais; templos religiosos; estabelecimentos de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas.

Base científica para o uso de máscaras

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço da OMS para as Américas, publicou desde abril de 2020 orientações sobre o uso de máscara para o enfrentamento do Sars-CoV-2. A última orientação foi feita em 1º de dezembro do ano passado e traz uma série de evidências sobre o papel que a proteção facial pode ter na prevenção do vírus.

A OMS analisou 43 estudos e metanálises (quando mais de uma pesquisa é comparada) sobre o efeito do uso protetor de máscaras na comunidade. A entidade reconhece que “são limitadas e variáveis” as evidências científicas sobre o uso de máscaras por pessoas saudáveis como prevenção à infecção por vírus respiratórios. Mas seis desses estudos apontaram uma redução no risco de infecção pelo Sars-CoV-2. Outros 18 sinalizam para uma diminuição no número de casos de covid-19 associada ao uso de máscara pelo público.

Seis apontam para evidências limitadas de que a máscara cirúrgica possa prevenir a infecção caso a pessoa compartilhe o mesmo domicílio de um paciente contaminado ou participe de eventos de massa em que há pessoas infectadas.

Por isso, as orientações são para o uso de máscaras em locais públicos fechados, com pouca ventilação ou que não seja possível manter o distanciamento; em ambientes domésticos internos quando houver visita que não resida no local; em ambientes externos ventilados em que não seja possível manter o distanciamento ou que tenham pessoas de grupo de risco.

No caso do Brasil, a Fiocruz divulgou o resultado de um estudo que reforça o papel das máscaras. Eles analisaram 45 proteções faciais (30 de tecido com duas camadas e 15 cirúrgicas) usadas por 28 pacientes com infecção confirmada para o Sars-CoV-2. Eles utilizaram essas máscaras por um período contínuo de duas a três horas, em situações da vida real. Os testes apontaram a presença do vírus apenas na camada interna das máscaras, indicando que elas podem barrar a transmissão da doença.

Matéria da IstoÉ é real

A matéria com o título “Vidente prevê ‘maior caos da história’, caso acabe obrigatoriedade do uso de máscaras” é real. Foi publicada no site da revista IstoÉ no dia 25 de agosto de 2021. Nela, o tarólogo Mestre José, que a revista diz ter ficado conhecido como “vidente dos famosos”, faz um apelo que as pessoas não parem de usar máscaras mesmo após o presidente Jair Bolsonaro ter anunciado que pediria ao Ministério da Saúde para avaliar o fim do uso obrigatório do equipamento como medida de proteção contra a covid-19.

O autor

Ricardo Ariel Zimerman é médico registrado no Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul. A especialidade dele é a infectologia. Ele é defensor do “tratamento precoce” contra a covid-19 e um vídeo em que fala sobre o tema já foi classificado como enganoso pelo Estadão Verifica.

Zimerman foi ouvido pela CPI da Pandemia do Senado no dia 18 de junho de 2021, ao lado do médico Francisco Eduardo Cardoso Alves, em uma audiência pública. Durante a sua fala na comissão, defendeu uso de hidroxicloroquina e ivermectina, dois medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre a pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que tenham atingido alto grau de viralização. A desinformação sobre a covid-19 é ainda mais grave porque pode levar pessoas a não se protegerem de maneira adequada ou a recusarem medidas de prevenção ao vírus. As postagens verificadas aqui tiveram 4,5 mil interações no Twitter e 8,9 mil curtidas no Instagram.

Desde o início da pandemia, o Comprova já mostrou o uso de estudos com falhas para alegar que máscaras são ineficazes contra a covid-19; que um estudo recomenda o uso de máscara contra o novo coronavírus, ao contrário do que sugere deputada; que um médico tirou de contexto dados de um estudo para sugerir que as máscaras não são eficazes; e que é falso que máscaras causem acúmulo de líquido nos pulmões e intoxicação.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Eleições

Investigado por:2021-09-02

É montagem vídeo em que Reinaldo Azevedo aparece fazendo duras críticas ‘na cara’ de Lula

  • Falso
Falso
É falso vídeo publicado no TikTok no qual aparecem o jornalista Reinaldo Azevedo e o ex-presidente Lula. As imagens foram editadas para dar a impressão de ser uma entrevista recente, mas pertencem a momentos diferentes. O trecho que mostra Lula é de uma conversa entre os dois ocorrida em abril deste ano, mas o que apresenta a fala do jornalista foi gravado em 2017.
  • Conteúdo verificado: Vídeo no TikTok traz Reinaldo Azevedo, do lado esquerdo, fazendo duras críticas a Lula e ao Partido dos Trabalhadores (PT) e o ex-presidente em silêncio do lado direito. Uma legenda sobre as imagens diz “a verdade sendo dita na cara do maior ladrão da história”. Embaixo, outra frase afirma se tratar de uma entrevista do programa “O É da Coisa Especial”, da Rádio BandNews FM. Na descrição, o autor da postagem utiliza hashtags a favor da reeleição de Bolsonaro (sem partido) e contra a esquerda.

É montagem um vídeo publicado no TikTok que apresenta o jornalista Reinaldo Azevedo fazendo duras críticas a Luiz Inácio Lula da Silva e ao Partido dos Trabalhadores (PT), enquanto o ex-presidente permanece em silêncio na tela ao lado.

O jornalista, procurado pelo Comprova, confirmou que o conteúdo é falso e que apresenta imagens de dois momentos distintos: a primeira de uma fala dele criticando Lula em 2017 e, a segunda, do presidente Lula durante uma entrevista concedida a ele em 2021. A assessoria de Lula também informou que o vídeo não é verdadeiro.

O tempo decorrido de quatro anos entre os dois vídeos utilizados na montagem foi verificado pela reportagem, que localizou os dois conteúdos publicados na conta da Rádio BandNews FM no YouTube, um em julho de 2017 e o outro em abril de 2021.

O autor da postagem no TikTok foi procurado, mas não respondeu.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

O Comprova analisou o vídeo publicado no TikTok e, com a utilização da ferramenta de buscas do Google, pesquisou se Lula havia concedido entrevista a Reinaldo Azevedo, localizando o conteúdo de abril de 2021 no YouTube.

A partir dele, foram comparadas as imagens do ex-presidente e comprovado, por meio da roupa, do cenário e de gestos, que esta entrevista foi utilizada na montagem.

As imagens do jornalista, contudo, não eram as mesmas da entrevista. O Comprova localizou, também no YouTube, a gravação original, que é de um trecho de programa de rádio veiculado em julho de 2017.

A reportagem entrou em contato com o jornalista e com a assessoria do ex-presidente, que confirmaram ser falso o vídeo postado no TikTok. Também procurou o responsável pela publicação do conteúdo, mas não recebeu resposta.

Verificação

Vídeo no TikTok mistura imagens de 2017 e 2021

A montagem do vídeo, de um minuto e vinte e cinco segundos, apresenta Reinaldo Azevedo do lado esquerdo, fazendo duras críticas ao governo de Lula e ao PT, e o ex-presidente do lado direito, em silêncio, durante um trecho e, sorrindo, em outro.

A fala de Azevedo, contudo, foi retirada de outro vídeo, este de sete minutos e dezoito segundos e postado há quatro anos, em 6 de julho de 2017, no canal Rádio BandNews FM no YouTube. O trecho utilizado na montagem inicia aos cinco minutos e vinte e dois segundos.

Na ocasião, o jornalista comentava uma fala do ex-presidente criticando o governo de Michel Temer (MDB) durante entrevista concedida um dia antes à Rádio Arapuan, da Paraíba.

Já as imagens de Lula que aparecem na montagem são de uma entrevista concedida pelo ex-presidente ao jornalista no programa “O É da Coisa Especial”, mas em 1º de abril deste ano. O vídeo tem duração de uma hora, vinte e cinco minutos e trinta e dois segundos e também está disponível no canal da Rádio BandNews FM no YouTube.

É possível associar claramente as imagens de Lula na entrevista de 2021 com as utilizadas na montagem junto ao vídeo de 2017, tanto pelas roupas e gestos dele, quanto pelo cenário.

 

| Captura de tela realizada pelo Comprova no dia 01/09/2021 a partir da montagem publicada no TikTok.

| Captura de tela feita pelo Comprova no dia 01/09/2021 a partir do vídeo original publicado no YouYube.

O tom adotado pelo jornalista durante a conversa em 2021 não é o mesmo de 2017, sendo inclusive descontraído, com direito a uma imitação de Lula. Azevedo também pergunta ao ex-presidente se a imitação dele é boa.

No dia seguinte à entrevista, o jornalista também publicou o vídeo em sua coluna no Uol com o título: “‘Histórica?’ Acho que sim!” e comentando que “Vale a pena assistir. O resultado parece muito bom, concorde-se ou não com o ex-presidente…”.

Conteúdo falso

O Comprova procurou o jornalista por e-mail, questionando se o vídeo postado no TikTok era verdadeiro, além de outras informações sobre o assunto. Ele respondeu se tratar de conteúdo falso e confirmou que a crítica ao PT foi feita por ele em 2017, acrescentando ter entrevistado Lula no dia 1° de abril de 2021. “Editaram os dois momentos, com intervalo de quatro anos, como se eu estivesse dizendo aquilo a Lula durante a entrevista”, declarou.

A assessoria de Lula também afirmou que o vídeo é falso, alegando que o ex-presidente é alvo de um ataque de desinformação inspirado pelo presidente Jair Bolsonaro: “Infelizmente grupos de apoiadores de Bolsonaro têm, inspirados por ele, divulgado mentiras sobre uma série de assuntos com objetivos políticos, até atrapalhando o enfrentamento da pandemia. Lamentamos tais práticas que devem ser coibidas e responsabilizadas pelas plataformas de redes sociais e autoridades competentes”.

Autor da postagem

O vídeo foi postado no TikTok no dia 13 de agosto pela conta @rogeriocpf, que possui como descrição o lema “Brasil acima de tudo! Deus acima de Todos!”, utilizado pelo presidente Bolsonaro, além da frase “Deus e Família, a base de tudo!”. A conta é destinada a conteúdos defendendo o presidente e críticas a Lula e ao PT.

Em um trecho do conteúdo é possível verificar uma espécie de assinatura de outra conta: @canal_patriota. O Comprova procurou por este usuário no próprio TikTok, encontrando-o e localizando a publicação da mesma montagem no dia 9 de agosto, mas sem a legenda “a verdade sendo dita na cara do maior ladrão da história”.

A conta, que tem número bem menor de seguidores, foi procurada por meio de comentário no vídeo, já que a caixa de mensagens é fechada para não seguidores, mas o Comprova não recebeu retorno até esta publicação. O mesmo aconteceu com o autor do post aqui verificado, procurado por mensagem privada em duas ocasiões.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre políticas públicas, pandemia de covid-19 e eleições que tenham atingido alto grau de viralização, como o caso do vídeo manipulado e postado no TikTok, que envolve o nome de um presidenciável. O conteúdo teve mais de 22 mil curtidas e 15 mil compartilhamentos na plataforma.

Com a aproximação das eleições de 2022, cresce o número de informações falsas e enganosas circulando nas redes sociais com o intuito de confundir o eleitor.

O Comprova vem publicando diversas verificações referentes ao assunto, como a que esclareceu que o inquérito da PF não investiga fraude no processo de votação, que pesquisa antiga foi usada para sugerir que Bolsonaro é aprovado por metade da população e que vídeos enganam ao atribuir obra no RN apenas à gestão de Bolsonaro, ao dizer que se trata de Lula em quadra poliesportiva e que o STF quer barrar cristãos na política.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Pandemia

Investigado por:2021-08-31

Estudo não traz evidências que comprovem eficácia da hidroxicloroquina na prevenção à covid-19

  • Enganoso
Enganoso
Um post na plataforma Substack engana ao afirmar que estudo norte-americano coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19. A metanálise não atesta isso, apenas sugere, e orienta que ensaios clínicos randomizados sejam conduzidos sobre o assunto. Além disso, especialistas ouvidos pelo Comprova alertaram para a baixa relevância científica do estudo.
  • Conteúdo verificado: Postagem no Substack, uma plataforma para publicação de boletins informativos (newsletters), afirma que estudo científico norte-americano, revisado por pares e publicado em “prestigiado periódico científico”, coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19.

É enganoso um post feito na plataforma Substack afirmando que uma meta-análise norte-americana revisada por pares e publicada em um periódico científico coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19. O artigo, na verdade, é de baixa relevância científica, segundo explicaram dois especialistas ouvidos pelo Comprova: o médico infectologista Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), e o virologista e coordenador do curso de Biomedicina do Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação (IBMR), Raphael Rangel.

A pesquisa também não comprova a eficácia do medicamento enquanto “tratamento precoce” para a covid-19, mas “sugere que a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) HCQ (hidroxicloroquina) semanal é segura e eficaz na prevenção da doença em um grupo de profissionais de saúde de alto risco”. A Profilaxia Pré-Exposição é o procedimento de saúde usado antes da exposição a um patógeno capaz de provocar uma doença.

O artigo analisou 11 pesquisas de caráter observacional com profissionais de saúde da Índia e o método de seleção dos estudos foi descrito de forma vaga. Conforme as diretrizes metodológicas para estudos observacionais do Ministério da Saúde, os principais problemas das meta-análises deste tipo de pesquisa são decorrentes das limitações do delineamento dos estudos primários (coortes e caso-controles). Basicamente, a presença de variáveis de confusão, ausentes ou controladas em ensaios clínicos randomizados, pode gerar medidas de associação enviesadas nos estudos observacionais.

Não foram levantados dados de estudo clínico randomizado controlado, conhecido pela sigla em inglês RCT. Neste tipo de estudo, os pacientes são separados em dois grupos de forma aleatória. Um deles recebe o tratamento a ser testado, enquanto o outro recebe o placebo. Nenhum paciente sabe qual recebeu para evitar influência nos resultados. Esse estudo é considerado o padrão-ouro para determinação de eficácia de um medicamento ou vacinas.

Procurados, os autores do estudo não responderam ao Comprova. A reportagem também entrou em contato com o autor da postagem, Filipe Rafaeli. Ele defendeu a pesquisa e afirmou já ter sido procurado anteriormente pelo Estadão Verifica. Conforme a publicação, ele ameaçou processar o autor da checagem.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações.

Como verificamos?

A partir da postagem no Substack, o Comprova verificou o conteúdo do texto compartilhado e chegou ao estudo, que foi conduzido por Raphael B. Stricker e Melissa C. Fesler, dois médicos de um grupo privado de São Francisco, nos Estados Unidos, chamado Union Square Medical Associates.

Acessamos checagens e estudos anteriormente publicados sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento contra a covid-19. Também conversamos com dois especialistas sobre a análise publicada e consultamos as recomendações das principais agências reguladoras do mundo e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Por fim, tentamos conversar com os autores do estudo e falamos com Filipe Rafaeli, responsável pela publicação no Substack.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 31 de agosto de 2021.

Verificação

Estudo não garante a eficácia da cloroquina

A pesquisa “Profilaxia pré-exposição de hidroxicloroquina para covid-19 em profissionais de saúde da Índia: uma meta-análise” foi publicada no Journal of Infection and Public Health, que possui Fator de Impacto 3.718, um método bibliométrico para avaliar a importância de periódicos científicos em suas respectivas áreas. A partir disso, está classificado na 60ª posição entre 203 revistas especializadas em saúde pública, ambiental e ocupacional.

O estudo foi conduzido por Raphael B. Stricker e Melissa C. Fesler, revisado por pares e indexado em outras plataformas médicas.

Foram analisadas 11 pesquisas de caráter observacional com profissionais de saúde da Índia e o método de seleção dos estudos foi descrito de forma vaga em apenas um parágrafo. Os autores afirmam terem utilizado mecanismos de busca da internet para identificar os estudos de caso-controle que envolveram 7.616 profissionais de saúde de alto risco testados para infecção por Sars-CoV-2 após Profilaxia Pré-Exposição com hidroxicloroquina semanal ou após nenhum tratamento.

Não foram levantados dados de estudo clínico randomizado controlado considerado bastante eficaz para testar se um medicamento funciona ou não, conforme explica essa reportagem da Superinteressante.

No texto publicado, Filipe Rafaeli afirma que a meta-análise colocou a hidroxicloroquina para prevenção da covid-19 no mais alto nível de evidência científica. A afirmação, contudo, contradiz a própria pesquisa, que não atesta a eficácia da hidroxicloroquina enquanto “tratamento precoce”, mas “sugere que a PrEP HCQ semanal é segura e eficaz na prevenção de covid-19 em um grupo de profissionais de saúde de alto risco”.

Os autores reconhecem, por exemplo, que os estudos de coorte selecionados têm limitações em termos de desenho retrospectivo, ou seja, a análise antes da exposição, quando se olha para o passado dos pacientes para a identificação de quem sofreu a exposição, e de homogeneidade. Acrescentam serem necessárias as conduções de ensaios clínicos randomizados para avaliar a utilização da substância como método de prevenção para covid-19.

A meta-análise, que é um método estatístico para agregar os resultados de dois ou mais estudos independentes sobre uma mesma questão de pesquisa, combinando os resultados em uma medida sumária, também destaca ser importante reconhecer que os estudos utilizados excluíram a profilaxia pós-exposição (PEP) com hidroxicloroquina ou o tratamento de indivíduos que foram infectados com SARS-CoV-2, ou seja, a administração de medicamentos com o intuito de tratar a doença já adquirida.

Especialistas apontam falhas

O Comprova pediu a dois especialistas que fizessem a análise do estudo e ambos apontaram problemas no artigo. O médico infectologista Leonardo Weissmann, da SBI, destaca que os autores do artigo não se esqueceram de falar em “preconceito” contra a hidroxicloroquina, mas deixaram de lado regras básicas de metodologia para a realização de uma revisão sistemática e meta-análise.

Os autores defendem, ao longo do texto, que a hidroxicloroquina “foi atacada e rejeitada com base em estudos falhos e controvérsias políticas que obscureceram o valor deste tratamento como profilaxia”.

Segundo o especialista, não há um objetivo definido de estudo, não foi citada a estratégia de busca dos artigos, com critérios de inclusão e exclusão, não se sabe se os autores avaliaram a qualidade dos estudos utilizados, pois nada foi descrito a respeito, e não existe um padrão definido para a extração de dados. “Como afirmar que não há vieses? Impossível!”, declara.

Conforme Leonardo, diante disso, não há como avaliar os achados da meta-análise com qualquer credibilidade, nem aplicá-los na prática diária. “Ainda usam ‘vacina’ como palavra-chave do estudo, sendo que o texto não tem nenhuma relação com imunização”, comentou.

O virologista Raphael Rangel tem opinião semelhante. “O artigo se trata de uma meta-análise com estudos observacionais, então os dados podem estar muito enviesados. Além disso, não é um estudo duplo-cego randomizado, portanto não há como medir de fato se houve uma eficiência de medicamento ou não. Outro fator é que esses resultados foram publicados em revistas de pouquíssima expressão”, disse, referindo-se às análises observacionais.

No estudo duplo-cego randomizado um grupo de interesse faz uso da terapia e é acompanhado por um grupo-controle, que não faz o uso da terapia. Já o estudo observacional de coorte se propõe a observar, em uma população previamente definida, qual será a incidência de determinada doença ou fenômeno relacionado à saúde ou doença.

Rangel destacou haver estudos aprofundados e publicados em revistas científicas de renome, como The Lancet e New England Journal Of Medicine, demonstrando que a hidroxicloroquina não tem nenhuma eficácia, nem voltada à pré-exposição e nem à pós-exposição. “Precisamos superar isso, já passou. Temos vacina, precisamos vacinar e é só com a vacina e com a utilização de máscaras mais eficazes que vamos sair dessa pandemia”, defende.

Autor se envolveu em polêmica científica

Conforme explicou o Estadão Verifica, que fez a checagem do mesmo conteúdo, um dos principais autores do estudo citado pelo blog, Raphael B. Stricker, se envolveu em uma polêmica em 1993, quando foi acusado de “má conduta científica” ao longo de outra pesquisa.

À época, uma investigação da Universidade da Califórnia em São Francisco apontou que o cientista teria falsificado dados enquanto pesquisava sobre Aids, suprimindo seletivamente aqueles que não sustentavam sua hipótese, e relatando dados consistentemente positivos, enquanto apenas um em quatro experimentos produziu resultados positivos. Na ocasião, a pesquisa afirmou que anticorpos para Aids eram encontrados apenas em homens homossexuais.

Stricker afirmou ao Estadão que as “alegações de 30 anos atrás são espúrias”. Ele não respondeu ao contato do Comprova.

Em relação a Melissa C. Fesler, não foram localizados artigos sobre doenças respiratórias até a pandemia, quando passou a fazê-los junto a Stricker, segundo dados do Research Gate.

Órgãos de regulação não recomendam o uso de hidroxicloroquina

Conforme o Comprova já mostrou anteriormente, o Grupo de Desenvolvimento de Diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), formado por especialistas de todo o mundo, concluiu em março deste ano que a hidroxicloroquina não deve ser usada para tratar a covid-19 de forma precoce.

| Fonte: Drugs to prevent COVID-19: A WHO living guideline (captura de tela feita em 31 de agosto de 2021)

Os especialistas realizaram seis ensaios clínicos randomizados, dos quais participaram 6 mil pessoas e o estudo mostrou que “a hidroxicloroquina não teve efeito significativo na morte e admissão ao hospital, enquanto a evidência de certeza moderada mostrou que a hidroxicloroquina não teve efeito significativo na infecção por covid-19 confirmada em laboratório e provavelmente aumentava o risco de efeitos adversos”. A pesquisa completa foi publicada no BMJ. No Brasil, o ensaio clínico Solidariedade (Solidarity) foi conduzido pela Fiocruz.

| Fonte: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public/myth-busters#chloroquine

A OMS interrompeu os ensaios clínicos com hidroxicloroquina como tratamento para covid-19 após o Solidariedade, um estudo do grupo colaborativo Recovery, do Reino Unido, e uma revisão da Cochrane evidenciarem que a hidroxicloroquina não reduziu as mortes entre pacientes com covid-19 hospitalizados.

Em agosto deste ano, a OMS anunciou a próxima fase do estudo Solidariedade: o Solidariedade PLUS, que envolverá pacientes hospitalizados para testar três novos medicamentos em pacientes hospitalizados com covid-19: artesunato, imatinibe e infliximabe. O primeiro é usado para malária grave; o segundo para certos tipos de câncer; e o terceiro para doenças do sistema imunológico.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também anunciou que os medicamentos não mostraram quaisquer efeitos benéficos no tratamento em grandes ensaios clínicos randomizados e alertando que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem causar certos efeitos colaterais, incluindo problemas de ritmo cardíaco.

O risco desses efeitos colaterais pode ser maior em pacientes que os recebem em doses superiores às recomendadas para as indicações autorizadas nas bulas e em combinação com outros medicamentos que têm efeitos semelhantes no coração, como o antibiótico azitromicina.

O Painel de Diretrizes de Tratamento para a covid-19 do Instituto Nacional de Saúde (NHI) dos Estados Unidos não recomendou o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina e/ou azitromicina para o tratamento da doença, após analisar avaliações de segurança e eficácia das drogas em ensaios clínicos randomizados, estudos observacionais e/ou estudos de braço único, onde todos os inscritos são tratados da mesma maneira.

Um estudo publicado na The New Journal of Medicine, feito utilizando o método de ensaio clínico multicêntrico (conduzido de acordo com um único protocolo, concomitantemente em vários centros de pesquisa, nacionais ou internacionais) e randomizado, concluiu que o uso da hidroxicloroquina, manipulada sozinha ou com azitromicina, feito por pacientes hospitalizados com covid-19 em casos de leve a moderado, não melhorou o estado clínico em 15 dias, em comparação com o tratamento padrão.

O resultado entra em convergência com os dados obtidos pela Nature. Uma meta-análise colaborativa internacional de ensaios clínicos randomizados mostrou que o tratamento com hidroxicloroquina está associado ao aumento da mortalidade em pacientes com covid-19, e não há benefício da cloroquina.

Responsável pelo post alterou texto original

Na aba em que se apresenta no site, Filipe Rafaeli afirma ser profissional de comunicação, cineasta e piloto de acrobacia. O primeiro conteúdo foi publicado em dezembro de 2020 e defendia que a hidroxicloroquina era cientificamente comprovada. A partir de então, todas as postagens são referentes ao “tratamento precoce” contra a covid-19, tratando, principalmente, do medicamento.

Quando o Comprova iniciou esta verificação, o texto publicado por ele afirmava que “um recente estudo científico revisado por pares e publicado no prestigiado periódico científico Journal of Infection and Public Health, de alto impacto, confirmou cientificamente a eficácia da hidroxicloroquina para prevenção da COVID-19.”

 

| Captura realizada pelo Comprova em 31 de agosto de 2021 a partir da página arquivada

Posteriormente, o texto foi alterado para: “Um recente estudo científico revisado por pares e publicado no prestigiado periódico científico Journal of Infection and Public Health, de alto impacto, colocou a hidroxicloroquina para prevenção da COVID-19 no mais alto nível de evidência científica.”

 

| Captura realizada pelo Comprova em 31 de agosto de 2021 a partir de texto publicado no Substack

Três dias antes da publicação deste texto, o autor comentou, na plataforma Substack, que a sua sugestão para as pessoas é que “todos tenham em mãos o telefone de algum médico que faça tratamento de covid-19. E, na primeira suspeita, ligar”, disse.

Em fevereiro deste ano, a agência Aos Fatos identificou como falsa postagem nas redes sociais que reproduziu um texto dele.

Ao ser procurado pelo Comprova, ele respondeu afirmando: “Esse (conteúdo) o Estadão já veio atrás (…). O Estadão ignorou estudos e pegou a opinião de um ‘especialista’ para rebater”. Conforme publicado pelo Estadão Verifica, Filipe ameaçou processar o autor da checagem “caso fosse publicado algo que ‘pichasse’ seu nome ou ‘censurasse’ a postagem”.

Sobre o artigo, afirmou que “meta-análise é meta-análise”, complementando que o estudo em questão não foi feito em padrão Prisma, um conjunto mínimo de itens com base em evidências para relatar em revisões sistemáticas e meta-análises.

Questionado pelo Comprova sobre a eficácia do artigo compartilhado, Filipe disse: “Então, partindo do princípio de ‘carimbo’ de burocrata de alguma entidade, sendo que a Europa ou os Estados Unidos não aceitam a Coronavac, você vai concluir que ela [a pesquisa] ‘não é comprovada cientificamente?”

Conforme explicou essa verificação do Comprova, um artigo encaminhado por cientistas do Butantan, em abril de 2021, para a revista científica The Lancet mostrou que a eficácia da Coronavac para casos sintomáticos atingiu 50,7% com 14 dias de intervalo entre as duas doses.

Outro estudo feito pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, vacinou cerca de 75% da população adulta e constatou queda de 80% nos casos sintomáticos e de 86% nas internações, além da redução de mortes em 95%. Uma pesquisa, feita no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, apontou queda de 80% nos casos de covid-19 entre os 22 mil funcionários vacinados com a Coronavac.

Trecho do conteúdo publicado no Substack foi printado e compartilhado no perfil “Médicos pela Vida” no Instagram, que afirma defender a relação médico-paciente, assistência primária e o “tratamento precoce”. Na página, contudo, a postagem foi definida como parcialmente falsa pela plataforma.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre políticas públicas do governo federal, eleições e pandemia, que viralizam nas redes, como é o caso da postagem aqui verificada, que teve mais de 16 mil interações no Facebook, 1.280 no Twitter e 1.145 no Instagram, conforme a ferramenta Crowdtangle. Esse conteúdo chegou até o Comprova por meio de um pedido realizado por Whatsapp por um leitor, que nos contactou através do número (11) 97045-4984. Os compartilhamentos ocorreram principalmente a partir de páginas bolsonaristas.

A disseminação de informações falsas ou enganosas sobre supostos tratamentos profiláticos para a covid-19 pode colocar a saúde das pessoas em risco, tanto pela exposição às substâncias não recomendadas para a doença, quanto pelo contato com o vírus ao se imaginarem protegidas.

Até o momento, as únicas formas comprovadas de se evitar a contaminação são o uso de máscaras, o distanciamento social e a higienização constante das mãos, assim como a vacinação.

Esse mesmo conteúdo foi analisado pelo Estadão Verifica e outros envolvendo a hidroxicloroquina já foram alvos de publicações do Comprova, como a que demonstrou que um médico engana ao afirmar que hidroxicloroquina é eficaz contra a covid, a que apontou que estudo com hidroxicloroquina não comprova eficácia do “tratamento precoce” e outra informando que estudos fraudados não deslegitimam artigos que comprovam ineficácia da cloroquina contra a covid.

Enganoso, para o Comprova, é conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Pandemia

Investigado por:2021-08-30

Deputada cita médico japonês para defender ivermectina, que não tem eficácia comprovada contra covid

  • Enganoso
Enganoso
Não há, até o momento, comprovação científica de que a ivermectina salve vidas de infectados pela covid-19, como afirma postagem de uma deputada no Instagram. Ela compartilha informação de que Haruo Ozaki, presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio, defende o uso da ivermectina, mas o medicamento não é recomendado para essa finalidade no Japão.
  • Conteúdo verificado: Montagem no Instagram da deputada federal Bia Kicis afirma que o presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio declarou que “chegou a hora da ivermectina”, referindo-se ao novo surto de covid-19 no Japão. Na legenda, a parlamentar sustenta que o “tratamento precoce também salva vidas”, mas substituindo as letras por números no termo “tratamento precoce”.

É enganosa a postagem feita pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) no Instagram afirmando que o tratamento precoce, um método que utiliza medicamentos sem eficácia comprovada cientificamente contra a covid-19, salva vidas.

A parlamentar postou uma montagem contendo print de um site afirmando que Haruo Ozaki, presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio, defende o uso da ivermectina para tratar a doença. Ele, de fato, fez afirmações neste sentido, mas o medicamento não é aprovado para tratar covid-19 no Japão.

As principais agências reguladoras do mundo não recomendam o uso da substância para outro fim que não aquele especificado em bula. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que a substância seja usada para tratar covid-19 apenas em ensaios clínicos.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirma que, até o momento, não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da covid-19.

A deputada foi procurada para falar sobre a postagem, mas não respondeu até a publicação desta reportagem. Para o Comprova, enganoso é um conteúdo que usa dados imprecisos.

Como verificamos?

O Comprova iniciou a verificação buscando o site em que o texto mostrado no print da deputada foi publicado. Em seguida, utilizou o Google para buscar o perfil do presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio em redes sociais e notícias de jornais japoneses, sendo usada também a grafia do nome dele na língua: はるお おざき.

Com o apoio da ferramenta de tradução do Google, analisou textos publicados após a coletiva, onde Haruo Ozaki fala sobre a ivermectina, além de postagens dele no Facebook. Não foi localizado vídeo com a entrevista original.

O Comprova consultou informações oficiais do governo japonês (1, 2 e 3) e dados relacionados à covid no país. Também procurou a lista de substâncias aprovadas para uso em pessoas infectadas e analisou outra, alimentada pelo Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão com pesquisas sobre a doença.

Pesquisou o que a comunidade científica apresenta até o momento em relação ao uso da ivermectina no combate à covid e também as recomendações da OMS e de agências reguladoras, além da orientação do fabricante do medicamento.

Também foram consultadas outras checagens sobre “tratamento precoce”, feitas pela Agência Lupa, Estadão Verifica e Comprova. Utilizando a ferramenta CrowdTangle foram conferidas as métricas de interações com o conteúdo publicado pela deputada.

O Comprova entrou em contato via e-mail com Bia Kicis, com o Ministério da Saúde japonês, com Haruo Ozaki e com a associação que ele representa, mas não teve qualquer retorno até a publicação deste texto.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 30 de agosto de 2021.

Verificação

O que defende Haruo Ozaki

O texto printado e compartilhado pela deputada federal foi publicado no dia 16 de agosto pelo Trial Site News, que veicula conteúdos defendendo o “tratamento precoce” com substâncias que não possuem eficácia comprovada contra a covid-19, como o antiparasitário ivermectina, além de criticar medidas de controle da pandemia impostas pelos governos, como o fechamento de estabelecimentos, e questionar a eficácia das vacinas.

Na publicação, o site afirma que Haruo Ozaki, presidente da Associação Médica Metropolitana de Tóquio, concedeu entrevista coletiva no dia 13 de agosto, falando do aumento de infecções no Japão, mas reconhecendo que a contagem de mortes diminuiu em comparação com os picos anteriores.

A entidade representada por Ozaki ganhou evidência mundial ao pedir que os Jogos Olímpicos de Tóquio fossem cancelados, alegando que os hospitais estavam sobrecarregados poucos meses antes da realização do evento.

Ao longo das Olimpíadas, o presidente da entidade figurou em diversas reportagens, inclusive no Brasil, como esta do Globo Esporte, esta do Correio Braziliense e esta da IstoÉ. Ele também é frequentemente ouvido por importantes veículos de comunicação japoneses e foi citado pela governadora da Metrópole de Tóquio, Yuriko Koike.

O texto não fornece qualquer link à entrevista original e acrescenta que Haruo afirmou ser hora de dar sinal verde aos médicos para prescreverem ivermectina, com o consentimento do paciente, mesmo entendendo que os ensaios clínicos são importantes. Ainda conforme o site, Ozaki declarou que a ivermectina demonstrou benefícios significativos na redução de infecções e mortes em locais onde é administrada profilaticamente.

O Comprova localizou a entrevista a partir do site da associação, onde também foram disponibilizados os slides utilizados por Ozaki e onde consta a defesa do uso emergencial de agentes terapêuticos como a ivermectina para prevenção do agravamento do novo pico de infecções no Japão.

Para justificar essa defesa, o presidente da associação apresenta um quadro com informações, segundo ele baseadas em dados da OMS, sobre países que supostamente administram ivermectina para erradicar doenças tropicais. Em seguida, compara números da covid nesses países com os apresentados por países que não estariam utilizando o medicamento.

Acontece que não é feita qualquer especificação sobre que países estão sendo utilizados como base da análise. O slide apenas afirma que 32 países que somam 935 milhões de pessoas e administram o medicamento tiveram 21.259 mortes de covid, enquanto foram registradas 104.826 mortes em outros 22 países que não usam o medicamento e que juntos somam 358 milhões de habitantes. O quadro fica em evidência entre 12’57” e 15’21” do vídeo. Um print com o mesmo conteúdo foi publicado no Facebook de Ozaki.

O Comprova localizou publicações referentes a uma entrevista coletiva em 9 de fevereiro de 2021 onde Haruo Ozaki afirma ser permitido o uso off-label – quando o médico receita um medicamento para finalidades que ainda não constam na bula – de ivermectina e dexametasona (um corticoide com potente ação anti-inflamatória), afirmando querer que o governo considerasse a utilização emergencial por médicos da família.

Em outra entrevista no dia 13 de agosto de 2021, data que é citada no texto compartilhado pela deputada, ele afirmou ser necessário estudar exaustivamente os ensaios clínicos, mas disse acreditar que o país está em um estágio de contaminações em que seria normal o paciente obter permissão para usar o medicamento.

Seis dias depois, em 19 de agosto, compartilhou também no Facebook entrevista concedida ao jornal Yomiuri, na qual defende novamente o uso da ivermectina, declarando existirem muitas pesquisas apontando que a ivermectina é eficaz na prevenção e tratamento da doença.

Um dos estudos citados por ele, contudo, foi analisado por agências de checagem de fatos. No Brasil, tanto a Lupa quanto Aos Fatos abordaram a análise da FLCCC (Front Line Covid-19 Critical Care Alliance), um grupo de médicos americanos favoráveis ao “tratamento precoce”. O resultado defendeu que a ivermectina é eficaz contra o coronavírus, mas as verificações apontaram que a meta-análise não seguiu metodologia adequada.

Na mesma entrevista, Ozak cita também a segunda edição do Guia para o Tratamento da Infecção por Coronavírus (COVID-19) do Ministério da Saúde japonês, de 18 de maio de 2020, afirmando ter sido emitida uma notificação que aprova o tratamento como “off label”.

A quinta edição do guia médico, disponibilizada no site do Ministério de Saúde do governo japonês e elaborada com base nas informações de 29 de julho de 2021, possui uma seção destinada ao uso off-label de medicamentos disponíveis no Japão e informa uma lista de remédios cuja eficácia e segurança não foram estabelecidas para o tratamento de covid-19.

Entre eles, está a ivermectina, definida no documento como medicamento antiparasitário. Conforme o texto, atualmente, um ensaio clínico está sendo conduzido com a substância. O Comprova localizou um estudo duplo-cego sendo realizado no Japão em pacientes de covid-19 utilizando a ivermectina. Iniciada em outubro de 2020, a pesquisa está em fase de recrutamento de voluntários.

O guia médico cita, ainda, que uma meta-análise recente – com 10 ensaios clínicos randomizados onde o tratamento com ivermectina foi usado em pacientes leves em comparação com o tratamento padrão ou placebo – relatou não ter havido melhora da mortalidade, do tempo de internação e do tempo de desaparecimento do vírus.

Um homem que se identifica como médico comentou uma das publicações de Ozaki no Facebook, pedindo calma e criticando a entrevista, afirmando ser importante aguardar pelo menos a análise dos ensaios clínicos antes de falar da aplicação da ivermectina. Ozaki respondeu estar propondo isso como uma das medidas para o progresso simultâneo da situação. “É uma emergência, não um momento normal, então acho melhor aumentar o número de armas que podem lutar até mesmo um pouco (…) Obviamente, também pedimos ao PMDA (Agência Farmacêutica e de Dispositivos Médicos do Japão) que se preparasse para o ensaio clínico”.

O Comprova enviou uma mensagem para Ozaki via Facebook, solicitando uma entrevista, mas não recebeu resposta. Procurou, também, a Associação Médica Metropolitana de Tóquio e o Ministério da Saúde japonês, sem receber retorno até a publicação desta reportagem.

Covid-19 no Japão

No início de agosto, o Japão alertou que as infecções pelo novo coronavírus estavam aumentando em um ritmo sem precedentes no país, informando que a variante Delta estava levando a uma disseminação de infecções não vista antes.

Nesta semana, o governo expandiu o estado de emergência pela segunda semana seguida. O auge da nova onda de contágios coincidiu com a celebração dos Jogos Olímpicos. Atualmente, o Japão sedia também os Jogos Paralímpicos.

O número médio de novas infecções tem aumentado consistentemente, com uma média maior que 23 mil novas infecções relatadas diariamente. O número de mortes também voltou a subir, sendo registradas 45 no dia 25 de agosto, embora não alcance o pico anterior, em 3 de junho, quando 112 pessoas morreram pela doença.

 

| Fonte: Reuters Covid Tracker (captura de tela feita em 30 de agosto de 2021)

A versão de agosto de um documento mantido pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão e voltado à população com conhecimentos atualizados sobre a pandemia em nenhum momento recomenda tratamento precoce ou o uso da ivermectina para combater a doença.

O texto destaca que no caso leve de covid geralmente há melhora espontânea apenas com acompanhamento e, se necessário, é administrado tratamento sintomático, como antitérmico, por exemplo.

Se houver insuficiência respiratória, é recomendada a administração de oxigênio, drogas antivirais, drogas esteróides (que suprimem a inflamação) e imunomoduladores, podendo ser administrado anticorpo neutralizante (remdesivir, dexametasona, baricitinibe e ronaprida – aprovado em 19 de julho de 2021). Caso não haja melhora, a recomendação são os cuidados intensivos com respirador.

Conforme o documento, a porcentagem de pessoas que necessitam de cuidados intensivos ou morrem é de cerca de 1,6% (0,3% para os de 50 anos ou menos e 8,5% para os de 60 anos ou mais).

A Agência de Medicamentos do Japão (PMDA) mantém um quadro com produtos que foram aprovados para covid-19 pelo Ministério da Saúde japonês após março de 2020, com revisão científica prévia da agência de medicamentos. Nele constam o antiviral remdesivir e o baricitinib, um medicamento desenvolvido para o tratamento da artrite reumatóide.

| Fonte: PMDA – Pharmaceuticals and Medical Devices Agency (Captura de tela feita em 30 de agosto de 2021)

O site também apresenta uma página com artigos que são considerados úteis para medidas de saúde pública no Japão e que é atualizada uma vez por semana, ficando em destaque os publicados mais recentemente. O último listado em relação à ivermectina é uma metanálise de 14 estudos envolvendo a droga que concluiu não haver certeza sobre a eficácia e segurança da ivermectina usada para tratar ou prevenir covid-19.

Pandemia e informações falsas

Na postagem feita no Instagram, Bia Kicis grafou o termo “tratamento precoce” substituindo algumas letras por números (tr4t4m3nt0 pr3c0c3). Defensores de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 têm utilizado formas não convencionais para se referirem às substâncias ou ao assunto.

A prática atrapalha a vigilância de plataformas como Twitter, Facebook e Instagram, que removem ou sinalizam postagens que contenham informações falsas, e o monitoramento desses conteúdos por agências de checagem e verificação. O Comprova questionou a deputada sobre o motivo de ter feito a substituição, mas não recebeu resposta.

Ao buscar o termo no Google com a grafia utilizada por Bia Kicis foi possível encontrar a utilização dela em sites frequentemente associados à reprodução de informações falsas e enganosas, além de perfis no Twitter, Instagram e Facebook. Há uma variável também para o termo “tratamento preventivo” (tr4t4m3nt0 pr3v3nt1v0).

Na semana que passou, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes aceitou o pedido de senadores da CPI da Pandemia, instalada no Senado em abril deste ano para apurar ações e omissões do governo federal no enfrentamento da crise sanitária no Brasil, para compartilhar informações sobre o inquérito das fake news.

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, declarou que conteúdos falsos em relação à propagação de medicamentos que não foram comprovados cientificamente e contribuíram com a morte de brasileiros e brasileiras devem ser analisados pela comissão.

Eficácia da ivermectina contra a covid-19 não foi comprovada

O primeiro estudo voltado para testar a eficácia da ivermectina em casos de covid-19 foi publicado em março de 2020. O resultado foi satisfatório, no entanto os testes da pesquisa foram feitos in vitro, não podendo ser igualados aos resultados in vivo, ou seja, em seres humanos. De acordo com o estudo, para que o efeito em humanos seja semelhante ao encontrado in vitro, a dosagem do medicamento deveria ser 18 vezes maior.

Em junho, o Comprova checou informações sobre a alta dosagem do medicamento e entrou em contato com o hepatologista Raymundo Paraná, professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e coordenador do núcleo de pesquisa em Hepatologia do Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos (HUPES/UFBA). Na oportunidade, Raymundo reforçou que atendia pacientes com lesões no fígado por conta do uso indiscriminado da ivermectina, e alertava que a quantidade metabolizada no fígado ou filtrada nos rins não torna o medicamento seguro, ou mesmo eficaz, contra a covid.

Desde a publicação dessa primeira pesquisa, outros estudos foram publicados na intenção de avaliar o resultado da ivermectina em pessoas com covid. Nenhuma das pesquisas publicadas até o momento comprovaram a eficácia do medicamento no tratamento da doença.

Um estudo realizado em março deste ano pela Journal of the American Medical Association (JAMA) avaliou a eficácia da ivermectina em pacientes com sintomas leves e concluiu que “o uso do medicamento não melhorou significativamente o tempo de resolução dos sintomas. Os resultados não apoiam o uso de ivermectina para o tratamento de covid leve”.

Em fevereiro de 2021, a farmacêutica MSD (Merck Sharp and Dohme), que produz a ivermectina, afirmou que ainda não há evidências de que a medicação seja eficaz no tratamento da covid-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que a ivermectina seja usada para tratar covid-19 apenas em ensaios clínicos. Assim como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que em nota atualizada em abril deste ano informa que “até o momento, não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da covid-19 no Brasil. Nesse sentido, as indicações aprovadas para a ivermectina são aquelas constantes da bula do medicamento”.

Em março deste ano, o Governo Federal disponibilizou no portal uma nota técnica sobre o uso do antiparasitário no tratamento da doença. A conclusão apresentada no material é que “os resultados desta síntese não parecem ser suficientes para suportar recomendação de uso da ivermectina no tratamento de pacientes com covid-19, sendo que a recomendação da OMS para que a ivermectina seja utilizada, apenas, em protocolos de pesquisa clínica parece estar adequada”.

No último dia 21, a Food and Drug Administration, agência reguladora dos Estados Unidos, publicou um tuíte compartilhando a própria recomendação contra a utilização de ivermectina para tratar a covid acompanhada da legenda “Você não é um cavalo. Você não é uma vaca. Sério, pessoal. Pare com isso”.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Projeto Comprova checa conteúdos de redes sociais sobre políticas públicas do governo federal e sobre a pandemia que alcancem uma grande quantidade de visualizações, reações e compartilhamentos.

A publicação no Instagram da deputada Bia Kicis teve quase 96 mil curtidas até esta segunda-feira (30) e quase três mil comentários, de acordo com a plataforma CrowdTangle. Também no Twitter alguns usuários publicaram o link da postagem no Instagram em suas contas. Já a publicação original do site que aparece no print da deputada teve mais de três mil reações no Facebook e foi tuítada 84 vezes.

Conteúdos que promovem a ideia de que existe um tratamento precoce eficaz ou uma medicação específica para o combate à covid-19 podem levar a população a pôr a saúde em risco. Além disso, esses conteúdos tendem a enfraquecer a adesão à vacinação, principal forma de combate à pandemia.

A Agência Lupa publicou em março deste ano uma verificação que comprovou serem falsas pesquisas que diziam comprovar a eficácia da ivermectina no tratamento de pessoas com covid-19 ou como tratamento precoce da doença. Também em março o Estadão Verifica comprovou ser falsa análise enviesada e com erros técnicos feita por site para comprovar eficácia da ivermectina contra covid-19.

O Comprova também já esclareceu diversos conteúdos sobre o uso do antiparasitário como, por exemplo, que é enganoso estudo que afirma comprovar a eficácia do medicamento contra covid-19 e que é enganosa postagem que afirma que a ivermectina é segura quando tomada em altas doses.

Enganoso, para o Comprova, é um conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Eleições

Investigado por:2021-08-27

Vídeo mostra prefeito de Tianguá em quadra poliesportiva, e não Lula

  • Falso
Falso
É falso um vídeo que mostra um homem tentando chutar uma bola de futebol em uma quadra como sendo o ex-presidente Lula sob efeito de álcool. Na verdade, o registro mostra Luiz Menezes, prefeito do município de Tianguá, no Ceará, durante a inauguração do espaço esportivo.
  • Conteúdo verificado: Vídeo que circula no Twitter mostra um homem tentando chutar uma bola de futebol em uma quadra com crianças, mas acertando um círculo branco no chão. A legenda que acompanha o vídeo diz “O líder das pesquisas com o c* cheio de cachaça”, dando a entender que o homem é o ex-presidente Lula.

É falso que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenha sido gravado em uma quadra poliesportiva jogando futebol de salão com crianças. O vídeo viral foi compartilhado no Twitter de modo que dá a entender que o líder petista estava sob efeito de álcool. Contudo, não é ele quem aparece na filmagem, e sim Luiz Menezes (PSD), prefeito de Tianguá, município do interior do Ceará.

O Comprova considera falsos conteúdos inventados ou que tenham sofrido edições para mudar o seu significado original.

Como verificamos?

O primeiro passo foi observar as mensagens escritas por leitores no vídeo compartilhado. Um dos comentários feitos no retuíte com as imagens faz menção ao prefeito de Tianguá. A partir desse indício, o Comprova foi às redes sociais de Luiz Menezes com o objetivo de localizar registros do prefeito na quadra vista no vídeo.

Também consultamos o site da Prefeitura de Tianguá. Outra estratégia foi buscar informações na conta Fortaleza Ordinária – o vídeo compartilhado carrega o selo desta página humorística.

Verificação

Circula no Twitter um vídeo que sugere que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estava embriagado em uma quadra esportiva no interior do Ceará. A legenda do post diz: “o líder das pesquisas com o c… cheio de cachaça.” A publicação foi feita pela conta @Evandropontes2 e tinha mais de 87 mil visualizações até a publicação desta checagem. O vídeo foi originalmente publicado no TikTok, mas, nesta rede social, não há qualquer menção ao líder petista.

Embora Lula não esteja nominalmente citado na publicação do Twitter, ele é o pré-candidato à Presidência da República que aparece na dianteira das últimas pesquisas de intenção de voto.

De acordo com o último levantamento Datafolha, publicado em 9 de julho deste ano, o petista lidera todos os cenários de primeiro e segundo turnos. Foram entrevistadas 2.074 pessoas, em 146 municípios de todo o país. A margem de erro foi de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O tuíte de @Evandropontes2 foi compartilhado pelo influenciador bolsonarista Kim D. Paim, ganhando ainda mais alcance, com mais de 6,2 mil curtidas e 1,4 mil compartilhamentos até o momento desta publicação. “Lula está ficando cego ou é impressão minha?”, ele escreveu.

No Instagram de Luiz Menezes, há um post do dia 22 de julho com informações sobre a inauguração da quadra poliesportiva da Escola de Ensino Infantil e Fundamental Maria Vilanir de Jesus, no distrito de Bom Jesus. O prefeito, inclusive, aparece trocando passes com o deputado federal e aliado político Domingos Neto (PSD-CE). O site da Prefeitura de Tianguá publicou a informação dois dias depois, em 24 de julho deste ano, citando a data da inauguração: 22 de julho.

A conta no Twitter do Fortaleza Ordinária publicou o vídeo na data da inauguração acompanhado da legenda “O prefeito de Tianguá achou que a tinta na quadra era a bola”. A página Fortaleza Ordinária atua reproduzindo situações potencialmente cômicas da vida cotidiana cearense, sejam pessoas públicas, sejam anônimas.

Lula no Ceará

Entre os dias 20 e 23 de agosto, Lula cumpriu agenda no Ceará como parte do roteiro pré-eleitoral de conversas e negociações com diversos atores políticos pelo país – os últimos dias foram dedicados ao Nordeste. A postagem do perfil @Evandropontes2 foi feita justamente durante a estadia do ex-presidente no Ceará, em 23 de agosto, dando a entender que teria sido feita enquanto Lula estava no estado. No entanto, o vídeo original, com o prefeito Menezes, foi gravado um mês antes, em 22 de julho.

Desinformação sobre Lula bêbado

É comum a circulação de peças que contenham desinformação sobre Lula e embriaguez, um meio usado por adversários políticos e pessoas que não têm simpatia pelo ex-presidente para atacar a imagem do petista. Outros conteúdos semelhantes já foram objeto de checagem da AFP, da Agência Lupa, do Aos Fatos, do Estadão Verifica, do Fato ou Fake do G1 e do UOL Confere.

Quem é Luiz Menezes

O prefeito Luiz Menezes (PSD), 75 anos, teve sua primeira experiência no Executivo municipal em 2000. Ele retornou ao cargo em 2016. Mas, em 2018, teve o diploma cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE).

Menezes havia sido cassado em 2008 por abuso de poder durante a eleição e ficou inelegível por oito anos. Como se elegeu em 2016 sem que o tempo de inelegibilidade tivesse sido cumprido, ele teve o diploma cassado. Curiosamente, retomou o poder quando foi realizada eleição suplementar em Tianguá, em 2019.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova checa conteúdos enviados por leitores que falem da pandemia de covid-19, de políticas públicas ou eleições, e que tenham atingido um alto grau de viralização. O vídeo verificado foi uma sugestão de leitores enviada pelo WhatsApp do Comprova (11 97045-4984) e teve 88,8 mil visualizações no Twitter.

O Projeto Comprova já mostrou ser falso o tuíte lido pela jornalista Leda Nagle, que atribuía ao diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, denúncia de que ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) tramavam juntamente com Lula o assassinato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A conta no Twitter não é de Maiurino e o conteúdo do tuíte não tem correspondência com a realidade. Em dois inquéritos, a Polícia Federal já concluiu, por exemplo, que Adélio Bispo agiu sozinho ao dar uma facada em Bolsonaro.

O Comprova também checou e concluiu ser falso um pedido de prisão de Lula pelo surfista Italo Ferreira ao receber a medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio.

Falso, para o Comprova, é um conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Pandemia

Investigado por:2021-08-27

Vacinas são eficazes contra variante delta, ao contrário do que diz médico

  • Enganoso
Enganoso
Em vídeo no Instagram, o médico Roberto Zeballos faz diversas afirmações incorretas sobre a covid-19. Entre elas, que as vacinas não funcionam contra a variante delta e que crianças não desenvolvem a doença nem a transmitem. Já há estudos mostrando que os imunizantes funcionam, sim, contra a cepa, e que crianças de todas as idades transmitem o vírus – menos, mas transmitem.
  • Conteúdo verificado: Vídeo postado pelo médico Roberto Zeballos no Instagram com informações enganosas sobre a pandemia, como a de que as vacinas não têm eficácia contra a variante delta.

São enganosas as afirmações do médico Roberto Zeballos em vídeo postado em seu perfil no Instagram em 10 de agosto sobre a covid-19. Já na legenda ele minimiza a importância da variante delta ao escrever que ela “é pouco agressiva”. Identificada no Brasil em maio, ela já matou ao menos 50 pessoas por aqui. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela circula em mais de 111 países e pesquisas mostram que ela tem nível de transmissibilidade cerca de 50% maior do que as variantes anteriores do Sars-CoV-2.

Ainda sobre a delta, Zeballos também erra ao dizer que as vacinas disponíveis até agora não funcionam contra ela. É verdade que os imunizantes foram desenvolvidos quando a variante ainda não circulava, mas eles são, sim, eficazes contra a delta. “É importante ressaltar que todos os agentes imunizantes disponíveis para aplicação no Brasil são eficazes contra a delta, principalmente nas formas mais graves da doença”, informa o Ministério da Saúde.

Outra desinformação dita pelo médico no vídeo é a de que crianças não desenvolvem a covid-19 e não a transmitem. Embora transmitam menos do que os adultos, elas transmitem – como informa o Centro de Controle de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, elas “podem ser infectadas, podem ficar doentes e podem espalhar o vírus para outras pessoas”.

Procurado, Zeballos afirmou ter sido “o primeiro brasileiro a entender o mecanismo da doença” e declarou que “não tem sentido você vacinar com uma vacina que não é livre de riscos – todo mundo sabe disso – nas pessoas que já tiveram a doença”, mas, completou que “talvez as pessoas tenham o benefício de ter uma doença mais leve”.

O Comprova considerou a publicação do médico enganosa porque ele usa dados incorretos ou imprecisos sobre a variante delta e sobre a vacinação.

Como verificamos?

Depois de assistir ao vídeo, o Comprova buscou informações a respeito da variante delta do coronavírus em órgãos reguladores oficiais, como o CDC, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial de Saúde (OMS) para as Américas, o Ministério da Saúde do Brasil, farmacêuticas e institutos produtores de vacina, além da imprensa.

Para verificar informações sobre a vacinação nos três países citados por Zeballos – Islândia, Itália e Alemanha –, foram consultadas informações sobre a aplicação dos imunizantes na plataforma Our World in Data, mantida por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e ainda nos sites oficiais de governo dos três países.

Também foram consultados documentos oficiais sobre a aplicação de vacinas em pessoas que já tiveram a covid-19 tanto na Itália quanto na Alemanha. Os ministérios da Saúde dos dois países foram consultados por e-mail.

Por fim, o Comprova entrou em contato com o médico Roberto Zeballos, autor do vídeo, por WhatsApp. Ele respondeu por áudio.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 27 de agosto de 2021.

Verificação

A variante delta

No vídeo, Zeballos declara que a delta “é menos agressiva do que a primeira (variante)” e que, por isso, “vai dar para tratar todo mundo em casa”. Ambas as afirmações são enganosas.

Segundo o CDC, “dados sugerem que a variante delta pode causar doenças mais graves do que as cepas anteriores em pessoas não vacinadas” e que “em dois estudos diferentes do Canadá e da Escócia, os pacientes infectados com essa variante eram mais propensos a serem hospitalizados do que os pacientes infectados com a alfa ou as cepas originais do vírus”.

O órgão ressalta que, diferentemente das cepas anteriores, que produziam menos vírus em pessoas totalmente vacinadas em relação às não imunizadas, a delta “parece produzir a mesma alta quantidade de vírus” nos dois casos – e, como as outras variantes, a quantidade de vírus da delta diminui mais rapidamente nos pacientes que se vacinaram.

Em 27 de junho, o Brasil registrou a primeira morte em decorrência dela e, em 20 de julho, o país já registrava cinco óbitos, segundo o Ministério da Saúde – ressaltando que a cepa foi identificada pela primeira vez por aqui em maio. Em 25 de agosto, já eram 50 óbitos, mas o número pode estar subestimado, já que a identificação desta variante depende de sequenciamento genético.

Sobre a afirmação de que “vai dar para tratar todo mundo em casa”, não é o que mostra documento de 8 de agosto divulgado pela Opas, da OMS. Nele, o órgão informa que “em nível global, se observam vários países com aumento de casos e de hospitalizações, com a emergência da variante de preocupação delta” e que “estudo recente no Reino Unido estimou que o risco de internação hospitalar foi aproximadamente dobrado naqueles com a delta quando comparado à alfa”. E, como escreveu o médico Drauzio Varella na Folha em 30 de junho, “a necessidade de hospitalização está diretamente ligada ao aumento da mortalidade”.

A variante e a vacina

Outra desinformação dita por Zeballos é quando ele questiona por que vacinar com um produto que é “para o primeiro vírus” e relaciona a imunização a enxugar gelo no caso da delta.

Os imunizantes realmente foram desenvolvidos quando a delta ainda não circulava, mas, diferentemente do que ele diz, a variante não é um segundo vírus, mas, sim, uma mutação do vírus original, como informa reportagem da Folha. Em resposta ao Comprova, o médico disse não ter dito que eram vírus diferentes.

Já está provado que as vacinas em uso em diversos locais, inclusive no Brasil, são eficazes contra essa variante. De acordo com o Instituto Butantan, que produz a Coronavac em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, por exemplo, a vacina “é eficaz contra casos graves de covid-19 causados pela delta”.

Na semana passada, um estudo da Universidade de Oxford, na Inglaterra, concluiu que as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca – que no Brasil tem parceria com a Fiocruz – são eficazes contra a variante delta, embora a proteção tenda a cair com o tempo, como mostrou essa matéria do Estadão.

Já um estudo feito na África do Sul, com resultados divulgados no início do mês, apontou que a vacina da Janssen, de dose única, reduziu em 71% as internações de pessoas infectadas com a variante delta e diminuiu as mortes em 95%.

As crianças

Como crianças “não evoluem com a doença” e “não são transmissoras”, “não tem sentido vacinar”, desinforma, novamente, Zeballos, no trecho final do vídeo.

É verdade que os estudos, até agora, indicam que elas transmitem menos, mas transmitem. A pesquisa “A dinâmica da infecção por Sars-CoV-2 em crianças e contatos domiciliares em uma favela no Rio de Janeiro”, da Fiocruz, da Universidade da Califórnia e da London School of Hygiene and Tropical Medicine, por exemplo, indica que elas mais frequentemente são infectadas por adultos do que atuam como transmissoras.

Já um outro estudo, publicado no dia 16 na revista científica Journal of the American Medical Association (Jama), revela que bebês de 0 a 3 anos apresentam mais chance de transmitir o Sars-CoV-2 em casa do que adolescentes de 14 a 17 anos.

Mas, como informa o CDC, elas “podem ser infectadas, podem ficar doentes e podem espalhar o vírus para outras pessoas”.

Dizer que elas não evoluem com a doença também é uma desinformação perigosa, pois não se pode generalizar. De acordo com documento da Unicef, “crianças de qualquer idade podem ficar doentes com covid-19” e, “embora crianças e adultos apresentem sintomas semelhantes, as crianças geralmente apresentam doenças menos graves do que os adultos”.

Elas podem, inclusive, e infelizmente, morrer da doença. Segundo o CDC, 271 óbitos entre pessoas de 5 a 17 anos e 120 entre aquelas de 0 a 4 anos foram relatados ao Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos Estados Unidos até 7 de julho de 2021.

Outro dado: levantamento do Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19 indica que houve mais de 10 mil casos graves da doença e 846 óbitos de crianças de até dois anos no Brasil entre março de 2020 e 11 de julho de 2021 – um terço dos bebês que morreram não tiveram acesso a tratamento adequado.

Sobre as vacinas, por ora, elas estão sendo aplicadas em adolescentes de 12 a 17 anos em vários países, inclusive no Brasil – o estado de São Paulo, por exemplo, começou a imunizar esta faixa etária neste mês com a Pfizer (cujo uso para menores de idade foi autorizado pela Anvisa).

Em crianças menores, apenas a China está aplicando. Por lá, estão sendo imunizadas com a Coronavac pessoas a partir de 3 anos, mas não há dados de quantas crianças já receberam as doses.

No Brasil, a Anvisa negou no dia 18 o aval para o uso da Coronavac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos – técnicos disseram que faltam dados para confirmar a segurança e eficácia nesta faixa etária, e a decisão pode ser revista.

Vacinação e novos casos na Islândia

No vídeo, Zeballos afirma que a Islândia “vacinou todo mundo” e que 77% dos novos casos no país são em pessoas vacinadas. Embora a Islândia já tenha vacinado um percentual elevado de sua população, não é possível dizer que o país tenha vacinado “todo mundo”.

Segundo dados da plataforma Our World in Data, a Islândia aplicou pelo menos uma das doses de vacina em 81,24% da população. Os dados foram atualizados no dia 26 de agosto. Também segundo a plataforma, 76,7% dos habitantes do país receberam as duas doses e 4,54% receberam apenas a primeira dose do imunizante.

Já os dados divulgados diretamente na página do governo da Islândia informam que, até o dia 27 de agosto, 72% de toda a população do país estava completamente vacinada. Quando considerados os habitantes maiores de 12 anos, esse percentual subiu para 84%.

Sobre a afirmação de que 77% dos novos casos de covid-19 na Islândia são de pessoas vacinadas, ele não informa uma data de referência para esse percentual. No dia 10 de agosto, quando o vídeo foi publicado, 84 novos casos foram registrados no país – 60,7% (51) eram de pessoas totalmente vacinadas, informa um painel estatístico alimentado pelo governo islandês.

Neste dia, não foram registrados casos em pessoas que tinham recebido apenas a primeira dose da vacina. Pessoas não vacinadas eram 39,2% (33) do total de novos casos neste mesmo dia.

Considerando todos os novos casos do mês de agosto até o dia 10, o percentual de diagnósticos em pessoas completamente vacinadas foi de 61,8%. Nesse período, o único dia em que a Islândia teve um percentual de 77% de novos casos em pessoas vacinadas foi no dia 1º de agosto (51 dos 66 novos casos).

Contudo, como o Comprova já mostrou em outra verificação, quando a maioria das pessoas em um determinado lugar já está vacinada, é esperado que a maior parte das infecções ocorra entre este público. Quem explica isso é Muge Cevik, professor clínico de doenças infecciosas e virologia médica na Universidade de St. Andrews.

Vacinação para quem já teve covid-19 na Itália e Alemanha

Ao falar sobre a vacinação de pessoas que já tiveram a doença, Zeballos recomenda que essas pessoas não busquem se vacinar imediatamente e cita os casos da Itália e da Alemanha, afirmando que, nestes dois países, só é recomendada a aplicação de uma dose da vacina para quem já foi infectado pelo coronavírus, entre seis e doze meses após a infecção. Antes disso, o médico afirma que há uma suspeita de que a resposta imunológica “pode estar fazendo mais mal do que bem”.

De fato, Itália e Alemanha recomendam a aplicação de uma só dose da vacina em pessoas que já tiveram covid-19, mas há uma diferença no prazo recomendado pelos alemães. Além disso, os dois países fazem uma ressalva nessa recomendação para casos de pessoas com imunodeficiência e nenhum deles afirma que a vacina pode ser prejudicial para quem já contraiu a doença.

A recomendação da Itália por uma única dose para pessoas que já tiveram covid-19 foi atualizada no dia 21 de julho. A informação consta em uma circular assinada pelo diretor-geral de prevenção do Ministério da Saúde italiano, o médico Giovanni Rezza. De acordo com o documento, a dose única deve ser tomada no mínimo seis meses após a infecção e no máximo 12 meses após a cura. O documento segue a mesma linha de outra recomendação feita pelo mesmo Ministério da Saúde no dia 3 de março de 2021, mas com uma alteração nos prazos. O documento anterior dizia que esta dose única deveria ser tomada entre três meses após a infecção e seis meses após a cura.

Em ambas as recomendações há um adendo: pessoas com imunodeficiência devem seguir normalmente o esquema vacinal e não se aplicam à recomendação de uma dose única do imunizante. A circular também informa que, assim como recomenda a OMS, a realização de testes sorológicos para contagem de anticorpos não devem ser usados como referencial para tomada de decisão sobre se vacinar.

No dia seguinte ao anúncio da Itália, a CNN ouviu o infectologista Marcelo Otsuka, vice-presidente do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), que atribuiu a decisão a uma escassez de vacinas, como uma tentativa de melhorar a cobertura vacinal.

O Comprova procurou o Ministério da Saúde da Itália para saber por que a aplicação de uma única dose foi adotada no país para pessoas que já tiveram covid e se há alguma relação com um eventual malefício provocado pela resposta imune, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Por e-mail, o Ministério da Saúde da Alemanha também confirmou que o país recomenda a aplicação de uma só dose do imunizante em pessoas que já tiveram a covid-19. Na Alemanha, as decisões a respeito da pandemia são tomadas pelo Instituto Robert Koch (RKI). Já as recomendações sobre vacinação ficam a cargo de um painel independente de especialistas chamado Comitê Permanente de Vacinação (STIKO).

Diferente dos prazos apontados pela Itália, os alemães com infecções sintomáticas podem tomar uma dose da vacina a partir de quatro semanas após o fim dos sintomas. Já aqueles com infecção assintomática podem se vacinar a partir de quatro semanas após o diagnóstico por laboratório. Quem já se vacinou e contraiu a covid-19 após a imunização deve, geralmente, tomar uma segunda dose da vacina seis meses após o fim dos sintomas ou do diagnóstico.

O Ministério da Saúde alemão explica por que considera que uma só dose é suficiente em quem já teve a doença: “Devido à imunidade existente após infecção anterior, uma dose é suficiente, pois já pode atingir altas concentrações de anticorpos, que não são ainda mais aumentadas por uma segunda dose de vacina”. Em nota, o ministério afirma que não é possível dizer, ainda, se duas doses não serão necessárias posteriormente. Sobre pessoas imunodeprimidas, afirma que é necessário analisar “caso a caso”.

O ministério negou que a decisão tenha a ver com um eventual malefício provocado pela resposta imunológica. “No geral, os resultados do estudo disponíveis até agora não indicam que a vacinação após uma infecção pelo Sars-CoV-2 seria problemática ou associada a perigos. Isso se aplica à segurança, eficácia e tolerabilidade da vacinação. Os estudos de aprovação das duas vacinas de mRNA [RNA mensageiro, como a Pfizer e a Moderna] também incluíram participantes que já haviam sido submetidos à infecção pelo Sars-CoV-2 com antecedência”, diz a nota.

O médico

Conteúdos divulgados por Zeballos já foram alvo de checagens do Comprova na pandemia. A mais recente é de 5 de agosto, sobre material enganoso que usava supostos dados do Ministério da Saúde de Israel para afirmar que pessoas infectadas pela covid-19 estão sete vezes mais protegidas do que aquelas que não tiveram a doença e foram imunizadas com a vacina da Pfizer.

Ele respondeu a reportagem com um áudio no WhatsApp reafirmando as falas do vídeo no Instagram. Citou a crise de Manaus, dizendo que, na época, “vacinados, não vacinados… eram casos graves”, mas o caos no estado amazonense começou em dezembro e se agravou em janeiro – os imunizantes só começaram a ser aplicados no Brasil em 19 de janeiro.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que viralizam nas redes. O vídeo verificado aqui teve mais de 189 mil curtidas no Instagram desde que foi postado, no dia 10 de agosto.

Conteúdos que tentam desacreditar as vacinas ou minimizar os riscos da pandemia são perigosos porque podem levar a população a colocar a saúde em risco.

O Comprova já publicou diversos conteúdos sobre imunização e variante delta, como, por exemplo, que é enganoso post que afirma que o CDC e Anthony Fauci não acreditam na vacina, que médica engana ao afirmar que vacinas são experimentais, que site antivacina inventa dado sobre efeito colateral em crianças imunizadas com Pfizer e que médica usa dados fora de contexto de hospital de Israel para acusar CDC de mentir sobre covid em pessoas não vacinadas.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações ou que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

Políticas públicas

Investigado por:2021-08-26

Vídeo de acampamento em Brasília mostra mobilização indígena, não preparação para 7 de Setembro

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso vídeo que mostra acampamento na Esplanada dos Ministérios como sendo de manifestantes reunidos para os protestos de 7 de Setembro. Na verdade, as barracas mostradas no vídeo são do Acampamento Luta pela Vida, uma manifestação de indígenas que começou no domingo (22) e vai até o próximo sábado (28).
  • Conteúdo verificado: Post compartilhado no Facebook mostra um vídeo de um acampamento na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, com a legenda: “7 de Setembro já começou e vai ser inesquecível”, dando a entender que as pessoas estão reunidas ali para manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

É enganoso um post no Facebook, compartilhado pelo advogado e suplente de deputado federal João Barros (PSL-BA), que relaciona um acampamento na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, com uma suposta mobilização de manifestantes pró-governo que estariam reunidos para ato do dia 7 de Setembro. O vídeo, na verdade, é do acampamento indígena Luta pela Vida, organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), que visa fazer pressão contra o que classifica como “agenda anti-indígena” do governo federal e do Congresso Nacional.

Procurado por telefone, o autor da postagem enganosa, apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou que o material não é de sua autoria, e que compartilhou um vídeo que está circulando nas redes sociais. Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações, e que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

Como verificamos?

Buscamos no Google pelo local exato em que foi gravado o vídeo. Isso nos levou ao mesmo ponto em que está concentrado o acampamento indígena Luta pela Vida, que terá atividades até o próximo sábado (28). O ato é organizado pela Apib. Também analisamos as imagens do vídeo e fotos divulgadas pelo movimento indígena.

Para entender o que é o acampamento, entramos em contato com a associação e consultamos notícias na mídia. Por fim, falamos com o autor do post.

Verificação

Vídeo mostra acampamento indígena

O vídeo compartilhado nas redes sociais mostra o acampamento Luta pela Vida. Os indígenas começaram a chegar a Brasília no domingo (22) e devem permanecer na capital até sábado (28). Os manifestantes estão instalados na Praça da Cidadania, na Esplanada dos Ministérios. No vídeo, é possível ver que a filmagem foi feita exatamente no mesmo local do acampamento indígena. No fundo, aparecem prédios compatíveis com a localização, como o Teatro Nacional Cláudio Santoro e a sede da CNN Brasil em Brasília (imagens abaixo). Além disso, é possível ver um ônibus, nas cores verde e branco, similar a um que aparece em imagens divulgadas pelo Centro de Trabalho Indigenista (CTI), porém, de outro ângulo.

O acampamento Luta pela Vida

Povos indígenas de todo o país estão reunidos em Brasília desde domingo (22). A movimentação acontece na semana do julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a demarcação de terras indígenas (RE 1017365). O Supremo vai se debruçar sobre a tese do “marco temporal” que, se referendada, só permitiria aos indígenas reivindicar terras que ocupavam antes da promulgação da Constituição de 1988. A tese é considerada um golpe contra o movimento indígena, o que gerou a mobilização.

De acordo com informações da Apib, aproximadamente 6 mil indígenas, de 170 etnias, estão acampados em Brasília. Para a entidade, esta é a maior mobilização deste grupo desde os atos realizados na época da elaboração da Constituição Federal.

Ao Comprova, a entidade afirmou que “esse vídeo é mais uma mentira que está circulando sobre a mobilização indígena em Brasília. O movimento também disse não ter informações sobre as manifestações do dia 7 de Setembro. “As declarações são mentirosas e devem ser desconsideradas por não possuir qualquer credibilidade.”

Atos de 7 de Setembro

Apoiadores de Bolsonaro têm convocado a população para atos a favor do governo em várias cidades do país no dia 7 de Setembro. O próprio presidente confirmou que irá discursar nos atos em Brasília e em São Paulo. As convocatórias para o 7 de setembro ganharam força nos últimos dias, especialmente depois da tensão entre os Poderes. Também foi um fator para as movimentações a prisão do presidente do PTB, Roberto Jefferson, e os mandados de busca e apreensão contra o cantor Sérgio Reis, o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ), e outras oito pessoas – alvos do STF em uma ação que investiga a convocação de atos violentos contra a Corte.

Quem é João Barros

Advogado e suplente de deputado federal pelo Partido Social Liberal da Bahia (PSL-BA), em 2020, Barros se candidatou a prefeito de Ilhéus, na Bahia, pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), mas não venceu a eleição. Atualmente, a cidade baiana é governada por Mário Alexandre Correa de Sousa, do Partido Social Democrático (PSD). Conhecido como “João Bolsonaro”, por ser um forte apoiador do presidente, o deputado realizou sua campanha para ocupar o cargo na prefeitura baseado em alguém que “luta contra bandeiras defendidas por partidos de esquerda, como o MST [Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra] e falsos índios”.

Em entrevista por telefone ao Comprova, Barros disse que não gravou o vídeo e somente compartilhou o conteúdo. Está circulando e recebi em vários grupos do Whatsapp. Eu vi esse vídeo em várias outras páginas também.” O advogado também afirmou que, quando falou em mobilização para o 7 de Setembro, foi uma forma de expressão. “O 7 de Setembro não especificamente, mas o que ele significa de independência.”

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova checa conteúdos enviados por leitores que falem da pandemia de covid-19, de políticas públicas ou eleições. Só checamos conteúdos que tenham atingido um alto grau de viralização. O vídeo aqui verificado teve mais de 895 mil visualizações e 38 mil compartilhamentos até esta quinta-feira (26).

Este conteúdo também foi checado pela Agência Lupa e foi marcado como falso pelo Facebook.

O Comprova também já mostrou que é enganoso que o voto impresso já estaria previsto em lei e que é falso que urnas brasileiras teriam sido hackeadas nos Estados Unidos.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Eleições

Investigado por:2021-08-25

Vídeo engana ao dizer que STF quer barrar cristãos na política

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso o vídeo que sugere que o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) querem impedir a eleição de candidatos cristãos ao criar o “abuso de poder religioso”. O vídeo interpreta de maneira equivocada uma tese proposta pelo ministro do STF Edson Fachin, que foi rejeitada pelo plenário do TSE há mais de um ano, em agosto de 2020. Os outros dois ministros do Supremo que participaram da decisão, Luis Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, votaram contra a ideia.
  • Conteúdo verificado: Vídeo postado no TikTok mostra uma advogada afirmando que o STF e o TSE querem “impedir que o povo cristão seja representado por seus irmãos na fé”. Antes, dois apresentadores afirmam que há um projeto para “criminalizar aqueles que propagam a palavra de Deus”.

É enganoso um vídeo que circula nas redes sociais que afirma que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) teria “acabado de inventar o crime de abuso de poder religioso” e que, com isso, poderia “cassar todos os candidatos cristãos que forem eleitos”. Essas alegações são feitas na gravação por uma advogada e ex-candidata a vereadora, mas contêm imprecisões.

A tese, aventada pelo ministro Edson Fachin durante um julgamento do TSE em agosto de 2020, não visava impedir a presença de pessoas de nenhuma crença na política. Ela pretendia incluir o abuso de poder religioso entre os tipos de conduta que podem afetar a igualdade entre candidatos numa eleição – atualmente, são considerados os abusos econômico e de autoridade, além do uso indevido dos meios de comunicação. Sem nenhum indicativo de data, o vídeo dá a entender que o tema é atual.

O conteúdo também é enganoso porque introduz um trecho de um programa jornalístico fora de contexto. Nele, os apresentadores falam de uma “nova lei que entrará em vigor” e que poderia ser “uma caçada aos cristãos”, como se eles se referissem à discussão no TSE. No entanto, eles falavam de uma legislação na Bolívia.

O responsável pela publicação do vídeo no TikTok foi procurado pelo Comprova e afirmou não ter dito que o projeto ainda estava em discussão, mas que apenas quis abrir os olhos dos cristãos para o que os magistrados querem fazer. A advogada que aparece no vídeo, Lenice Moura, também foi procurada, mas não respondeu. Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações, e que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

Como verificamos?

Buscamos no Google pelo material original a partir de palavras-chave ditas pelas pessoas no vídeo. Isso nos levou a duas checagens, do Boatos.org e do Coletivo Bereia, que já indicavam os links originais.

Para compreender o contexto original das discussões sobre o abuso de poder religioso, consultamos notícias no site da justiça eleitoral (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui).

Consultamos informações sobre Lenice Moura na página DivulgaCandContas, do TSE. Também buscamos o seu contato por meio do seu registro na OAB do Rio Grande do Sul. Entramos em contato com ela por meio de sua página no Facebook.

No perfil do Tik Tok, encontramos o perfil do Instagram do homem que compartilhou o vídeo com maior viralização. No Instagram, ele divulga o próprio telefone. O Comprova o procurou usando o WhatsApp e ele respondeu por mensagem de áudio.

Verificação

Tese de abuso de poder religioso foi rejeitada

Em junho de 2020, o TSE começou a julgar um recurso do Ministério Público Eleitoral que pedia a cassação do mandato de uma vereadora de Luziânia (GO), eleita em 2016. No pedido, a promotoria narrava que ela teria cometido abuso de poder religioso ao se reunir com pastores na catedral da Assembleia de Deus da cidade para pedir votos. A acusação é de que ela teria usado sua condição de autoridade religiosa para influenciar a escolha dos eleitores. Quem organizou o evento foi o pai dela, pastor e dirigente da igreja no município.

No caso específico da vereadora, o ministro-relator do caso, Edson Fachin, avaliou que não se deveria cassar o mandato porque não havia provas suficientes de que ela teria cometido abuso de poder. No entanto, frisou que a Justiça Eleitoral deve impedir que “qualquer força política” possa coagir moral ou espiritualmente os cidadãos e propôs a inclusão de investigação do abuso de poder de autoridade religiosa no âmbito das Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aijes).

“A imposição de limites às atividades eclesiásticas representa uma medida necessária à proteção da liberdade de voto e da própria legitimidade do processo eleitoral, dada a ascendência incorporada pelos expoentes das igrejas em setores específicos da comunidade”, defendeu Fachin. Ele argumentou que há jurisprudência internacional para isso e que princípios constitucionais já garantiriam a pluralidade política e a liberdade religiosa.

Atualmente, os três tipos de abuso de poder presentes na Lei das Inelegibilidades (64/90) são o abuso de poder econômico, de autoridade (político) ou a utilização indevida de veículos ou meios de comunicação social. São condutas que se considera que possam afetar a igualdade na disputa entre candidatos em uma eleição, segundo o TSE. A proposta de Fachin não era de proibir a candidatura de pessoas ligadas a uma fé específica, mas, sim, coibir o que ele acreditava poder ser configurado como um tipo a mais de abuso.

O tema atraiu a atenção e a mobilização de grupos evangélicos. O ministro Fachin chegou a debater virtualmente o assunto com parlamentares da bancada evangélica e com o Instituto Brasileiro de Direito e Religião.

Em agosto do mesmo ano, os demais ministros do TSE concordaram com a absolvição da vereadora. Quanto à possibilidade de punir o abuso de poder religioso, todos divergiram do relator. O ministro Alexandre de Moraes contestou que “não se pode transformar religiões em movimentos absolutamente neutros sem participação política e sem legítimos interesses políticos na defesa de seus interesses, assim como os demais grupos que atuam nas eleições”. Como exemplo, citou grupos sindicais e empresariais.

O presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que a legislação eleitoral já proíbe o abuso de poder religioso ao vedar doações a candidatos e partidos por instituições religiosas e propaganda política em templos. No entanto, considerou que o caso julgado não possuía ligação com essas condutas.

Vídeo sobre a Bolívia

O vídeo verificado aqui começa com dois apresentadores de um telejornal falando sobre uma proposta que seria “uma verdadeira caçada aos cristãos”. O conteúdo tem um corte antes e depois, que torna difícil saber a que projeto eles estão se referindo. Usando a busca reversa de imagens do Google, porém, foi possível encontrar o vídeo completo postado em um canal do YouTube em janeiro de 2018. A reportagem de 2 minutos e 48 segundos não trata do Brasil, mas de uma tentativa de reforma no código penal da Bolívia, que considerava como análogo ao tráfico de pessoas o “recrutamento para a participação em conflitos armados ou organizações religiosas ou cultos”.

Naquele mesmo mês, o governo boliviano voltou atrás sobre o artigo que foi alvo de polêmicas. Como o Boatos.org mostrou, a reportagem já havia ressurgido em julho de 2020 como peça de desinformação.

Como o vídeo completo tem a entrevista de um pastor brasileiro que atua na Bolívia, Eder Luís, da Igreja Internacional da Graça de Deus, buscamos no Google o nome dele associado a palavras-chave como “Bolívia” e “código penal”. Encontramos o site Gospel+, que numa postagem de janeiro de 2018 traz o mesmo vídeo. Segundo o site, a entrevista do pastor foi dada ao “Jornal da RIT TV”.

Assim, descobrimos que se trata do “Jornal das 22”, que vai ao ar pela RIT TV de segunda à sexta-feira, às 22h30. Os apresentadores são Alexandre Giachetto e Beatriz Do Vale (Aqui, é possível ver o print do vídeo verificado e o material promocional do jornal).

Quem é Lenice Moura?

Segundo o coletivo Bereia, o vídeo que está no TikTok foi originalmente postado no canal da própria Lenice Moura. O link publicado pelo site, porém, mostra que o conteúdo não está mais disponível. Pesquisando o nome dela no YouTube, achamos um canal com apenas dois vídeos; ambos com críticas aos ministros do STF.

A pesquisa no YouTube também retornou o link de uma live feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com candidatos a vereador nas eleições de 2020. No vídeo, o parlamentar apresenta Lenice como candidata por Natal (RN).

Consultamos então o DivulgaCandContas, aplicativo da Justiça Eleitoral. Lenice Silveira Moreira de Moura é advogada, natural de Campinas (SP), e nascida em 29 de dezembro de 1972. Ela se declarou branca e casada ao registrar sua candidatura. Não indicou nenhum bem no seu nome. Ao todo, arrecadou R$ 20.210,92 ao longo da campanha de 2020, tendo doado, ela própria, R$ 2.900,47 desse valor. Lenice era filiada ao PRTB, teve 1.088 votos e acabou não sendo eleita. Como o PRTB não elegeu nenhum vereador, também não ficou na suplência.

Em seu perfil no Facebook, ela defende Bolsonaro, o voto impresso e já tirou foto abraçando a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, quando esta esteve em Natal. No Cadastro Nacional de Advogados (CNA), mantido pela OAB Nacional, ela aparece com o registro 39459/RS.

Segundo o currículo Lattes, Lenice se formou em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul. Pela mesma instituição, fez um mestrado em Integração Latino-Americana. Depois, concluiu o doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Ela diz que atua nas áreas tributária e empresarial. Até a última atualização do currículo, em setembro de 2018, era professora do Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNIRN) e da Faculdade Estácio de Natal.

Vídeo da advogada também é antigo

Na página do Facebook de Lenice, encontramos o vídeo original, publicado em 1º de julho de 2020. Na época, o TSE discutia a adoção do “abuso de poder religioso”. Ele tem 55 segundos e não inclui o trecho do telejornal.

Ela repostou o mesmo vídeo três dias depois, comemorando que ele estava viralizando. Essa segunda versão tem um minuto e sete segundos, já incluindo o trecho do programa da RIT TV. Na legenda, ela afirma “Vejam esse telejornal”. Nessa data, o caso ainda não havia sido decidido pelo TSE.

Em 23 de agosto de 2021, mais de um ano após o tema ter sido rejeitado pelo TSE, ela voltou a republicar o vídeo, dessa vez com uma convocação para que os seguidores participem dos atos convocados para o dia 7 de setembro.

Justificativa

No TikTok, um homem chamado Allan Fernandes publicou o conteúdo verificado aqui. Ele se descreve como “polêmico” e “patriota”. A partir dele, o conteúdo foi parar novamente no Facebook e no YouTube. A conta dele na rede social de vídeo remete para o perfil do próprio no Instagram, onde conseguimos achar o seu número de celular.

Por áudio, ele disse ter informado nos comentários que o debate era antigo e explicou porque compartilhou o vídeo mesmo assim. “Se você analisar direitinho, esse vídeo eu coloquei não dizendo que é um projeto que está em aberto. Foi simplesmente para abrir os olhos da população desse pessoal que quer mandar em tudo, entendeu? Foi só um alerta para abrir os olhos para o que eles querem fazer, o que eles propõem fazer para gente, principalmente o povo cristão”, disse.

“E se você analisar direitinho todo o histórico de comentário, você vai ver lá que eu coloquei que foi em aprovação, mas ele não foi aprovado. Mas é um alerta para abrir os olhos da população. Não coloquei dizendo que é um projeto que vai ser votado”, prosseguiu.

Procurando pelos comentários da publicação verificada, achamos uma mensagem em que Allan diz que a proposta de Fachin “Graças a Deus foi prorrogada, para melhor análise, mas nosso Deus não vai deixar, ser aprovada!”. Ele completa: “Postei aqui para abrir os olhos do povo cristão”. O comentário foi feito no dia 18 de agosto; antes, portanto, de o Comprova entrar em contato com Allan.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova checa conteúdos enviados por leitores que falem da pandemia de covid-19, de políticas públicas ou eleições. Só checamos conteúdos que tenham atingido um alto grau de viralização. O vídeo com alegações enganosas sobre a discussão do abuso de poder religioso teve ao menos 29.583 reações no TikTok.

Este conteúdo também já foi checado pelo Coletivo Bereia.

A desinformação sobre eleições mina a confiança da população e desencoraja a participação no processo democrático. O Comprova já mostrou que é enganoso que o voto impresso já estaria previsto em lei e que é falso que urnas brasileiras teriam sido hackeadas nos Estados Unidos.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Pandemia

Investigado por:2021-08-24

Médica engana ao dizer que vacinas contra covid são experimentais

  • Enganoso
Enganoso
São enganosas as declarações da médica Maria Emilia Gadelha Serra sobre as vacinas contra a covid-19 em vídeo publicado no YouTube. Ao contrário do que ela diz, o Brasil não tem a maioria dos pacientes graves por covid vacinada, não há relação comprovada de alumínio com o desenvolvimento de demência, os imunizantes não são substâncias experimentais e os benefícios superam os riscos da vacinação.
  • Conteúdo verificado: Médica afirma em live que a maioria dos casos graves de covid ocorre em pessoas vacinadas no Brasil, na Inglaterra e em Israel; declara haver 23% de notificações de óbito pós-Coronavac, chamada por ela de produto experimental; sustenta que o Butantan utilizou vacina de hepatite e de meningite como placebo; e, por fim, sugere que haverá aumento de casos de demência e Alzheimer por conta da utilização de alumínio.

São enganosas as afirmações sobre vacinas feitas por uma médica durante live transmitida no YouTube. Em um trecho que viralizou no TikTok, Maria Emilia Gadelha Serra tira dados de infecções entre vacinados de contexto, cita informações de efeitos adversos pós-vacinação sem que tenham sido confirmados por técnicos e afirma que componentes das vacinas causariam demência, o que não possui embasamento científico, segundo autoridades no assunto.

Os imunizantes que estão sendo aplicados na população não são experimentais, ao contrário do que diz a médica. Todas as substâncias utilizadas no Brasil foram autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após terem eficácia e segurança comprovadas ao serem aplicadas em milhares de voluntários durante os testes.

Ela sustenta que a maioria dos casos graves atuais da doença no Brasil ocorre em pessoas já vacinadas, o que não é verdadeiro, segundo um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Além disso, ela compara a realidade do Brasil com os dados da Inglaterra e de Israel. No entanto, é equivocado fazer esse tipo de comparação sem considerar muitas variáveis como momento epidemiológico, cobertura vacinal, características sociais e demográficas da população.

Ainda atacando as vacinas, a médica diz haver, no Brasil, 23% de notificações de óbitos pós-Coronavac, afirmando ter coletado os dados no Vigimed, o sistema disponibilizado pela Anvisa para cidadãos, profissionais de saúde, detentores de registro de medicamentos e patrocinadores de estudos relatarem suspeitas de eventos adversos aos medicamentos e às vacinas. No entanto, a plataforma contém um alerta de que aqueles dados são suspeitas e de que os eventos adversos só podem ser realmente associados às vacinas após análise técnica. A Anvisa informou ao Comprova que, até o momento, apenas 3 óbitos tiveram a causa relacionada com vacinas, mas não disse quais.

Sobre a declaração de que o Butantan utilizou hidróxido de alumínio, vacina de hepatite e de meningite como placebo, o Comprova identificou que a primeira substância é utilizada em vacinas desde a década de 30 e que não há evidência científica que comprove a associação entre ela e o desenvolvimento de Alzheimer. As duas outras substâncias citadas pela médica não foram utilizadas pelo instituto durante os testes da Coronavac.

Maria Emilia Gadelha foi procurada pela reportagem, mas não respondeu até a publicação. Para o Comprova, é enganoso o conteúdo que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

Como verificamos?

Consultamos o painel de farmacovigilância da Anvisa, chamado VigiMed, para ver os dados de efeitos adversos relacionados a vacinas. Como esta ferramenta não traz a conclusão dos técnicos sobre a relação (ou não) dos eventos com os imunizantes, entramos em contato com o órgão por e-mail para obter essa informação.

Os especialistas procurados para comentar sobre a segurança das vacinas atualmente em uso no Brasil foram Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, e Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas. Eles deram informações sobre o uso de alumínio em imunizantes. Para este fim, também foram consultados os sites do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, e da Alzheimer’s Society, do Reino Unido.

As informações sobre vacinados e infecções na Inglaterra foram obtidas por meio de consultas a reportagens da mídia local. As mesmas informações sobre Israel foram consultadas em duas checagens recentes do Comprova (esta e esta) que já haviam entrado em contato com o Ministério da Saúde de Israel. Foram verificados, ainda, dados oficiais de ambos os governos.

Solicitamos informações sobre vacinados e infectados ao Ministério da Saúde do Brasil e também acessamos publicações da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Entramos em contato com o Instituto Butantan, produtor no território nacional da Coronavac. Também consultamos o artigo do instituto com as informações sobre os estudos clínicos da vacina.

Por fim, a médica que fez as alegações foi procurada, mas não respondeu.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 24 de agosto de 2021.

Verificação

Vacinas usadas no Brasil não são experimentais

Durante a live, a médica se refere às vacinas contra a covid-19 tratando-as como experimentais. Dois dos imunizantes atualmente em uso no Brasil, da Pfizer e de Oxford-Astrazeneca, produzido no país pela Fiocruz, já receberam o registro definitivo da Anvisa e podem, inclusive, ser comercializados. As outras duas, Coronavac e Janssen, receberam autorização de uso emergencial para serem aplicadas em virtude da pandemia.

A Anvisa explica em seu site que este tipo de autorização serve para facilitar a disponibilização e o uso das vacinas numa emergência de saúde pública. Ainda segundo o órgão, elas não representam risco para a saúde, tendo em vista que a aprovação exige requisitos de segurança, qualidade e eficácia.

“O caráter temporário é a principal diferença entre o ‘uso emergencial’ e o ‘registro sanitário’. Enquanto o uso emergencial é uma autorização excepcional, o registro representa uma aprovação sem prazo determinado”, diz a Anvisa.

As quatro vacinas utilizadas no país tiveram eficácia comprovada em fase 3, na qual elas foram aplicadas em milhares de voluntários. Com isso, pode-se observar, por amostragem, qual é o resultado esperado para quando o imunizante for aplicado em massa. Antes disso, já haviam passado por duas fases de testes clínicos, em um número menor de pessoas.

O trabalho dos laboratórios e da Anvisa não para após a aprovação de um imunizante. Depois disso, vem a fase 4: monitoramento da população para averiguar se os efeitos adversos são consistentes com o observado nos testes. Isso é feito por uma questão de segurança.

No primeiro ano da pandemia, a principal preocupação era saber se os imunizantes eram eficazes em desacelerar contágios e diminuir a probabilidade de quadros graves e hospitalização dos doentes. Com isso, seria possível que os governos fornecessem a estrutura necessária e os hospitais não entrassem em colapso. Foi com esse enfoque que os estudos foram desenhados inicialmente e mostraram que as vacinas eram eficazes.

Agora, os estudos continuam para levantar outras informações. Os cientistas buscam compreender, por exemplo, qual a eficácia das vacinas contra variantes do coronavírus e por quanto tempo dura a proteção conferida por elas.

Pesquisa mostra que maior parte dos mortos no Brasil não foi vacinada

No vídeo, a médica alega que “a maioria dos casos graves, hoje em dia, são de vacinados no Brasil”. Segundo ela, isso seria uma percepção sua diante de “comunicados de médicos nos grupos de WhatsApp”.

Na contramão do que ela afirma, a plataforma de monitoramento Info Tracker, mantida por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp), realizou a análise de todas as mortes causadas por coronavírus entre janeiro e julho deste ano, apontando que a maioria dos óbitos por covid no Brasil foram de pessoas que não haviam sido vacinadas.

O estudo, divulgado pela imprensa, utilizou dados do Ministério da Saúde e concluiu que 9.878 pessoas que faleceram pela doença no período analisado estavam imunizadas, o equivalente a 3,68% das mortes neste período.

No último dia 20, o Brasil chegou à marca de 120 milhões de brasileiros vacinados com a primeira dose, o que corresponde a 75% da população adulta, segundo o Ministério da Saúde. O país tem mais de 53,2 milhões de pessoas acima dos 18 anos completamente imunizadas com a segunda dose ou dose única do imunizante.

O Comprova questionou ao Ministério da Saúde se houve aumento ou diminuição de pacientes em estado grave e de óbitos dentre os vacinados. O órgão respondeu terem sido notificados, em 2021, 792.596 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), somando tanto os casos confirmados para covid-19 quanto os casos sem determinação da causa da doença. Destes casos, 156.825 (19,8%) haviam recebido a primeira dose da vacina 14 dias, ou mais, antes do início dos sintomas, e 59.514 (7,5%) haviam recebido a segunda dose da vacina 14 dias, ou mais, antes da data do início dos sintomas.

Desde 2019, a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) passou a monitorar a SRAG decorrente de Influenza e outros vírus respiratórios, sendo incluída em 2020 a vigilância da covid-19, a infecção humana causada pelo novo coronavírus.

“Importante ressaltar que tais dados são preliminares e, para análise, é necessário levar em consideração o número de indivíduos imunizados, o momento epidêmico da vacinação e do uso de cada vacina, o tempo de observação decorrido para cada imunizante, entre outras covariáveis. As interpretações sobre a efetividade ou impacto da vacina não podem ser desprendidas destes dados da maneira como estão apresentados”, destacou o Ministério da Saúde, acrescentando que as vacinas não impedem a ocorrência de formas graves, apenas as reduzem substancialmente.

“Outro ponto a ser considerado é que já foram alcançadas coberturas vacinais superiores a 90% nos idosos, o que resultou em uma queda substancial na ocorrência de casos graves e óbitos por Covid-19 nesse público”.

O Ministério da Saúde cita um estudo feito em parceria com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e com a Universidade Harvard (EUA), cujo resultado evidencia que cerca de 43 mil brasileiros acima de 70 anos foram salvos pelos imunizantes em um período de 90 dias, ao analisarem o cenário epidemiológico de mais de 230 mil óbitos causados pela doença no país, entre 3 de janeiro a 27 de maio deste ano.

“Os resultados corroboram a elevada efetividade das vacinas covid-19 em reduzir formas graves e óbitos pela doença, o que vem sendo observado em estudos de efetividade após a implantação da vacinação”.

A edição do dia 19 de agosto do Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz informa que pela oitava semana consecutiva foi observada redução do número de casos, internações e óbitos no país. No decorrer das semanas anteriores, destaca, houve um alívio relativo nos hospitais, com a redução das taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS).

A exceção é o estado do Rio de Janeiro que apresenta aumento no indicador pela terceira semana consecutiva, voltando a atingir o patamar de 70%, o que não ocorria desde meados de junho, emitindo um alerta para a difusão da variante Delta, devido à alta transmissibilidade e à reduzida parcela da população com esquema de imunização completo.

Uma nota técnica do Observatório Covid-19 Fiocruz publicada em julho de 2021 mostra que, considerando as taxas de incidência das hospitalizações e mortes por covid-19 por faixas etárias e em cada região do país, é possível ver uma queda no número de casos a partir de março, principalmente nas faixas etárias 60-79 anos e 80+, ou seja, primeiros grupos a serem vacinados no país.

“Com os resultados de efetividade da vacinação aqui descritos e com a cobertura vacinal maior nestas faixas do que em outras no período, a vacinação foi um importante fator para redução do número de casos graves e óbitos”, diz o documento, que foi confeccionado utilizando as bases de dados do sistema do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e do Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe) com dados reportados até 7 de junho.

Delta aumenta hospitalizações na Inglaterra e em Israel, que têm alta cobertura vacinal

Embora a médica diga que a maioria dos casos graves na Inglaterra e em Israel são entre os vacinados, é equivocado comparar dados de países distintos. Muitas variáveis impactam nos resultados, como número de indivíduos imunizados, momento epidêmico da vacinação e estratégia adotada para a imunização – como foi dito acima.

O Comprova já publicou diversas verificações (1, 2 e 3) informando que a vacinação protege contra casos graves de covid-19 e, consequentemente, óbitos, mas estudos sugerem menor eficácia quando o imunizado entra em contato com a variante delta e de acordo com o tempo passado após a segunda dose da vacina.

A circulação da cepa em países como Israel e Inglaterra tem aumentado o número de internações hospitalares, mas os dados devem ser contextualizados. Ambos os países, por exemplo, têm ampla cobertura vacinal, sendo normal, portanto, que os casos positivados estejam associados a pessoas vacinadas em algum grau.

O governo de Israel registra aumento nas infecções como resultado da circulação da variante, inclusive com a hospitalização de pacientes totalmente vacinados, principalmente entre os grupos de risco.

Na semana passada, ao ser procurado pelo Comprova, o Ministério de Saúde israelense informou que a mais recente onda de contaminações no país se dá, além da aparição da Delta, por causa da diminuição na proteção das pessoas vacinadas em janeiro e fevereiro. Com base nisso, o órgão passou a recomendar uma terceira dose para os idosos, que já está sendo aplicada.

A plataforma de dados relacionados aos casos de covid no país apresenta o número de pacientes ativos e considerados em estado grave, aqueles hospitalizados, contendo, inclusive, a comparação entre a incidência de pacientes para cada 100 mil residentes em cada etapa de imunização: totalmente vacinado; parcialmente vacinado; e não vacinado.

Apesar de a maioria dos pacientes ter sido totalmente vacinada, segundo os números absolutos verificados pelo Comprova em 20 de agosto de 2021, quando a análise é feita a partir dos números relativos (coletados na mesma data), conforme orientou o Ministério da Saúde de Israel à reportagem, e considerando a taxa de 100 mil habitantes, é possível perceber mais hospitalizados dentre as pessoas não vacinadas no país.

A faixa etária entre 60 e mais de 90 anos foi a primeira a ser imunizada e é a mais coberta até o momento com primeira, segunda e terceira dose, que já é aplicada no país.

Na quinta-feira (18), o Reino Unido tinha 89,6% da população adulta vacinada com a primeira dose e 77,5% com a segunda dose, conforme os dados oficiais do Serviço Nacional de Saúde (NHS). O órgão relatou também aumento em 7,6% de casos positivos e 7,9% de mortes entre 12 e 18 de agosto, em relação aos sete dias anteriores, além de um crescimento de 4,3% em hospitalizações entre 8 e 14 de agosto, comparado à semana anterior.

A plataforma de dados do país não traz a especificação de quantas dessas pessoas hospitalizadas e mortas estavam vacinadas, mas o Reino Unido também relata preocupação com a circulação da variante delta e estuda a possibilidade de aplicação de uma terceira dose de vacina.

Uma checagem publicada pela Reuters explicou terem sido descontextualizadas informações sobre mortes de covid em pessoas vacinadas a partir de um relatório da agência de Saúde Pública da Inglaterra (PHE), publicado em 25 de junho. O post verificado pela agência sugeria que as mortes por covid-19 naquele país são significativamente maiores em pessoas que receberam pelo menos uma dose da vacina, com o maior número de mortes ocorrendo em pessoas totalmente vacinadas, referindo-se à tabela 4 da página 13 do documento.

A tabela em questão mostra o número total de 117 mortes em pessoas com teste positivo para a variante delta, entre 1º de fevereiro e 21 de junho. Dessas, 20 ocorreram em indivíduos que receberam uma dose de vacina e 50 em pessoas que receberam duas. Outras 44 pessoas não foram vacinadas e o estado de vacinação de três delas era desconhecido. A Reuters destaca a importância da análise destes dados junto à contextualização do cenário, sendo enganoso sugerir que os números provam uma correlação entre vacinação e morte.

A Reuters explica ser importante levar em conta, por exemplo, a demografia de indivíduos vacinados e não vacinados, especialmente porque o programa de vacinação da Grã-Bretanha priorizou pessoas mais velhas ou clinicamente vulneráveis.

O especialista Muge Cevik, professor clínico de doenças infecciosas e virologia médica na Universidade de St. Andrews, afirmou à publicação ser esperado, quando a maioria das pessoas for vacinada, que a maior parte das infecções e mortes ocorram entre este público.

É importante destacar que mesmo com o registro de pessoas internadas em estado grave que já foram vacinadas, o número de hospitalizações despencou desde janeiro deste ano (confira o gráfico, disponível aqui), após o início da vacinação no Reino Unido.

Eventos pós vacina

A médica afirma que houve quase 23% de notificações de óbito depois da aplicação da Coronavac no Brasil. Procurada pelo Comprova, a Anvisa declarou “que registra 3 óbitos com avaliação de causalidade como relacionada à vacina, decorrentes de Síndrome Trombótica com Trombocitopenia (TTS)”, o que reforça a segurança dos imunizantes, já que, até esta quinta-feira, 26, já haviam sido aplicadas mais de 175 milhões de doses. A Anvisa não detalhou qual vacina está relacionada aos óbitos.

(O parágrafo acima foi atualizado em 24.09.2021. Inicialmente, o órgão havia respondido que “Não existem óbitos notificados à Anvisa que estejam relacionados ao uso da vacina. Ou seja, até o momento, não existe nenhuma morte cuja causa tenha sido o uso de qualquer vacina contra Covid.” A reportagem entrou em contato para questionar este dado, tendo em vista um pedido de Lei de Acesso à Informação (LAI) respondido pelo Ministério da Saúde no qual a pasta afirmava haver 3 óbitos causados por vacinas. Em um segundo e-mail, a Anvisa corrigiu a informação.)

Até o momento, acrescenta, o caso com relação de causa mais forte aconteceu em maio de 2021. Conforme consta na recomendação sobre suspensão da vacinação de gestantes com a vacina Astrazeneca, no dia 7 daquele mês a Anvisa foi notificada pelo próprio fabricante, a Fiocruz, de uma suspeita de evento adverso grave de acidente vascular cerebral hemorrágico com plaquetopenia ocorrido em gestante que levou ao óbito do feto.

“A Anvisa iniciou imediatamente a avaliação do caso. O evento adverso grave de acidente vascular cerebral hemorrágico foi avaliado como possivelmente relacionado ao uso da vacina administrada na gestante. A análise levou em consideração diversos aspectos como dados sobre o(a) paciente, sua história clínica, dados de exames laboratoriais, bem como sinais e sintomas apresentados após a administração de um medicamento ou vacina”, explica.

A ocorrência de um tipo raro de trombose e queda no número de plaquetas foi determinada como um evento adverso raro que pode acometer entre 0,1% e 0,5% dos imunizados, informa a Anvisa. A probabilidade é tão baixa que o órgão decidiu manter a aplicação do imunizante na população em geral, tendo em vista que os benefícios com redução de casos graves e mortes superam o risco. A única exceção foram as grávidas, grupo no qual o uso das vacinas de vetor adenoviral – Oxford-Fiocruz e Janssen – deve ser evitado.

O órgão destaca, também, que casos de pessoas vacinadas sendo contaminadas por covid são esperados, considerando que nenhuma das vacinas em uso no mundo possui 100% de eficácia. “É justamente por esta razão que o objetivo é vacinar toda a população, o que efetivamente criará uma proteção coletiva”.

A médica que fez as declarações alvo desta checagem declara ter baseado as considerações em dados do sistema VigiMed, mas as informações que alimentam a plataforma são fornecidas por profissionais de saúde e fabricantes farmacêuticos mediante suspeitas de eventos adversos, conforme explica uma checagem do Estadão Verifica.

Na prática, a Anvisa utiliza esses dados para monitorar e avaliar o risco de uma substância, servindo apenas como sinalizadores. A própria plataforma mantém um comunicado alertando sobre os cuidados necessários na interpretação dos dados do sistema. De acordo com o texto, “embora os eventos tenham sido observados após a administração de determinado medicamento e vacina, não é possível ter certeza que relacionada ou resultado causado por estes”. Essa ligação só pode ser feita após a investigação por técnicos.

Alumínio é usado em vacinas há anos

O alumínio é um dos metais mais comuns na natureza e está presente no ar, na comida e na água. Ele é usado para incrementar a eficácia de algumas vacinas, explica Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas. “O alumínio é o adjuvante. Ele é usado nas vacinas de vírus atenuado porque sabemos que ela não produz resposta imunogênica muito grande. Eles colocam o alumínio para aumentar a resposta imunogênica.”

O elemento é atualmente utilizado nas vacinas Coronavac e Janssen.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, informa que os sais de alumínio são utilizados em algumas vacinas desde 1930 com segurança. “Pesquisas científicas comprovaram que a quantidade de alumínio a que as pessoas são expostas quando seguem o calendário recomendado de vacinação é baixa e não é absorvida de imediato pelo corpo”, informa o órgão.

Na live, a médica diz que os testes clínicos da Coronavac utilizaram “hidróxido de alumínio, vacina de meningite e de hepatite B” como placebo. Isso é falso, segundo o paper publicado pelo Instituto Butantan. Somente o hidróxido de alumínio foi realmente usado. Placebo é uma substância sem efeito no corpo, aplicada à metade dos voluntários de um teste clínico para se comparar com a outra metade que recebe o imunizante.

Pediatra com especialização em infectologia e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri explica que é comum utilizar componentes similares à vacina quando se deseja realizar um comparativo entre grupos. “Às vezes uma solução com hidróxido de alumínio serve para continuar escondendo se a pessoa está no grupo placebo. Então, substâncias inócuas são utilizadas sim”, disse.

Não há evidências sobre alumínio e Alzheimer

No vídeo, a médica alega que o uso de alumínio nas vacinas contra a covid-19 vai causar “aumento no número nos casos de demência”, incluindo de Alzheimer. No entanto, isso carece de embasamento científico. A Alzheimer’s Society, organização que atua em pesquisa e cuidado a pessoas com demência no Reino Unido, informa em seu site que “até o momento, nenhum estudo ou grupo de estudos confirmou que o alumínio esteja relacionado com o desenvolvimento da doença de Alzheimer”.

Também diz que o elemento está presente em um cérebro saudável e que, embora ele esteja nas placas amiloides (uma das principais características físicas deste tipo de demência), “ainda não foi estabelecida uma relação convincente entre a exposição a determinadas quantidades de alumínio no corpo e o desenvolvimento de Alzheimer”.

“O que é importante em todas as novas vacinas é o que a gente chama de farmacovigilância, que é continuar observando os efeitos”, diz Kfouri. Ele lembra que os casos adversos continuam sendo observados mesmo após a aplicação em massa, para identificar possíveis efeitos adversos muito raros. “Até o momento, a avaliação risco-benefício é boa. O número de vidas salvas com a prevenção de casos de covid-19 é considerado um benefício maior do que o risco de ter algum evento adverso raro.”

Quem é a médica cuja fala foi verificada?

Maria Emilia Gadelha Serra é médica otorrinolaringologista, com registro nº 63.451 no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp). Em seu perfil no Instagram, ela se apresenta como presidente da Sociedade Brasileira de Ozonioterapia Médica. A prática é contestada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), que em Resolução de 2018 a definiu como “procedimento de caráter experimental, cuja aplicação clínica não está liberada, devendo ocorrer apenas no ambiente de estudos científicos”.

Em seu Instagram, Serra tira de contexto dados sobre efeitos adversos de vacinas e faz postagens contrárias a uma eventual obrigatoriedade dos imunizantes. Também compartilha teoria da conspiração contra órgãos sanitários regulatórios dos Estados Unidos e contra a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Procurada pelo Comprova, ela não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Projeto Comprova checa conteúdos de redes sociais sobre políticas públicas do governo federal e sobre a pandemia que alcancem uma grande quantidade de visualizações, reações e compartilhamentos. A live completa já foi vista mais de 24 mil vezes no YouTube. O seu trecho recortado e compartilhado no TikTok – alvo dessa checagem – havia sido visualizado ao menos 135 mil vezes antes de ser deletado pela própria rede social.

Conteúdos imprecisos sobre vacinas diminuem a confiança da população nas autoridades sanitárias e enfraquecem os esforços de imunização que são a principal estratégia para controlar a pandemia e salvar vidas. O Projeto Comprova já mostrou que casos de celebridades vacinadas que se contaminaram – como Silvio Santos e Rodrigo Faro – não provam que os imunizantes seriam ineficazes. Também já comprovamos ser falso que as vacinas agravam a covid-19.

Enganoso, para o Comprova, conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

 

 

Eleições

Investigado por:2021-08-24

É falso que diretor da PF tenha denunciado participação de Lula e STF em trama para matar Bolsonaro

  • Falso
Falso
É falso que o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Paulo Maiurino, tenha denunciado no Twitter um conluio entre ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para assassinar o atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Propagado em live pela jornalista Leda Nagle, o boato foi desmentido pela PF em abril deste ano e a própria jornalista também se desculpou em vídeo, admitindo o erro. Um perfil falso havia sido usado para fazer a divulgação usando o nome do delegado.
  • Conteúdo verificado: Vídeo no TikTok mostra a jornalista Leda Nagle lendo um tuíte falsamente atribuído ao diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, sobre um suposto esquema entre o STF e o ex-presidente Lula para matar Bolsonaro. Material originalmente divulgado em abril, voltou a viralizar neste mês.

É falso que o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Paulo Maiurino, tenha denunciado no Twitter um conluio entre ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para assassinar o atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

No boato propagado em live pela jornalista Leda Nagle, são quase dois minutos de vídeo em que ela lê o falso tuíte. Na mensagem, o perfil promete descrever com mais detalhes o plano para matar o presidente da República.

Apesar de não ser recente, o vídeo voltou a ser compartilhado no TikTok, com mais de 80 mil visualizações. A conta de Twitter que apresentava a suposta denúncia não é de Maiurino.

A verdadeira conta do delegado na rede social é @PMaiurino. A conta falsa (@d_delegado) não existe mais. A ex-apresentadora do Sem Censura, da TV Brasil, reconheceu o erro dois dias após a live, em 19 de abril de 2021.

Polícia Federal, STF e Lula se manifestaram mais uma vez sobre o caso, negando o conteúdo. A reportagem do Comprova tentou contato com Leda Nagle, mas não obteve resposta. A conta @adamilsonkorban no TikTok também não respondeu às perguntas enviadas no espaço para troca de mensagens.

O Comprova considerou o conteúdo falso porque ele foi inventado e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira. A equipe tentou falar com o perfil que publicou o vídeo, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.

Como verificamos?

O Comprova fez uma busca avançada pela conta do delegado Paulo Gustavo Maiurino no Twitter associada ao nome de Lula, de Bolsonaro e também ao STF. E não há resultado relacionado a nenhum dos três. Essa consulta foi motivada pelo fato de que, embora a verificação seja de uma publicação no TikTok, o conteúdo fazia referência a uma suposta postagem do policial no Twitter.

Ao fazer uma pesquisa convencional com o nome do delegado, no entanto, apareceram vários compartilhamentos do conteúdo suspeito e ainda outras verificações sobre o assunto, como a da Boatos.org, que o classifica como falso.

A reportagem do Comprova também consultou outras checagens sobre o tema, feitas pela Agência Lupa, Aos fatos, Uol Confere e Estadão Verifica. Também usou a ferramenta Wayback Machine para conferir posts da conta atribuída a Maiurino.

O Comprova entrou em contato com o Departamento de Polícia Federal (DPF) para questionar sobre a veracidade das informações imputadas ao chefe da instituição.

Além disso, procurou pelas redes sociais a jornalista Leda Nagle, que aparece no vídeo lendo o texto atribuído a Maiurino, e ainda pela seção “contato”, disponibilizada em seu site para interação com seguidores.

Também foram consultados Lula e o STF, mencionados na publicação, bem como o Twitter, que foi questionado sobre a conta atribuída ao delegado federal, mas não deu um retorno conclusivo. O autor da publicação (@adamilsonkorban) foi procurado por meio de sua conta no TikTok, mas, até a publicação deste texto, não se manifestou.

Verificação

O vídeo

Leda Nagle aparece no vídeo recém-divulgado no TikTok fazendo a leitura de um tuíte no Clube da Notícia, um quadro do seu canal no YouTube em que repercute assuntos do dia. A live é do dia 17 de abril deste ano e atribui ao delegado federal Paulo Maiurino o conteúdo sobre uma suposta armação para matar Bolsonaro.

Em um dos trechos, mostrando a fachada do Supremo, o perfil falso diz que partiu dali, em conjunto com Lula e outros, a ideia do atentado contra o presidente. Dois dias depois, em nota, Leda Nagle pede desculpas pelo erro.

“Algum membro do grupo, por má-fé, ou porque ficou impactado pela notícia, pinçou um trecho de 2 minutos de uma live de 47 minutos e viralizou antes mesmo que eu tivesse voltado com a checagem completa da informação, até porque não tem live no domingo e isto só aconteceria às 20 horas de hoje na live aberta de toda segunda-feira. Lamento o ocorrido”, escreveu a jornalista. Novamente procurada sobre o caso, Leda Nagle não se manifestou.

O vídeo, porém, voltou a viralizar no TikTok há poucos dias, após ter sido publicado pelo perfil @adamilsonkorban. A postagem é acompanhada de hashtags como “#bolsomito”, “#bolsonarotemrazao” e “#fechadocombolsonaro”. As demais publicações do dono da conta sugerem que ele é apoiador de Bolsonaro, pois são reproduções de falas do presidente, de aliados ou de influenciadores bolsonaristas.

Conta verificada

A Polícia Federal desmentiu, em nota enviada ao Projeto Comprova, todo o teor da denúncia lida por Leda, ressaltando que o boato já havia sido refutado em abril. A conta correta que Paulo Maiurino mantém no Twitter é @PMaiurino e tem o selo de verificação da rede social.

Segundo o Twitter, o selo “informa às pessoas que uma conta de interesse público é autêntica”. A rede social também esclarece que, para receber a verificação, o perfil deve ser autêntico, notável e ativo. O perfil @d_delegado não continha a marca.

A reportagem ainda consultou outras checagens sobre o tema, feitas pela Agência Lupa, Aos fatos, Boatos.org, Uol Confere e Estadão Verifica.

Com o auxílio do Wayback Machine, a reportagem da Lupa verificou uma série de tuítes do perfil @d_delegado, que vão de “curtidas” em tuítes de Jair Bolsonaro e do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) a ofensas contra petistas. Chegam até mesmo a uma tentativa de golpe em apoiadores do presidente. O Comprova confirmou a existência dos posts a partir da mesma ferramenta.

“Preciso de parceiros que possam ajudar financeiramente a entrega de mais de 2,5 mil cestas básicas, as cestas já temos precisamos da doação financeira para podermos pagar o transporte, será entregue em 6 estados para mais de 1,5 mil famílias, se você puder ajudar me chame no privado!”, escreve o perfil fraudulento.

A Polícia Federal é uma instituição de estado, e não de governo. Isto é, embora seja do presidente da República a prerrogativa de nomear o diretor-geral da instituição, os policiais federais têm autonomia para executar quaisquer investigações, inclusive contra membros do governo federal. O Ministério da Justiça está diretamente acima da Polícia Federal na cadeia de comando, mas não tem poder para interferir na atuação da instituição, de modo a cessar ou estimular investigações.

Dessa forma, falas a favor de um governante de turno (“vocês querendo ou não, eu sou a favor do @jairbolsonaro”) ou contrárias a políticos, ou organizações partidárias (“petistas vagabundos”) soam suspeitas, vez que os gestos maculam a credibilidade de agentes federais que podem, eventualmente, conduzir investigações contra os alvos destes comentários.

O que dizem STF e Lula

Em abril passado, o STF publicou um texto no site oficial para alertar sobre o conteúdo falso relacionando a instituição à suposta armação para matar Bolsonaro. Em um dos trechos, ressaltava “a importância da checagem de informações suspeitas, como forma de evitar a propagação de fake news com o nome de autoridades e membros da Suprema Corte”. Questionado sobre o assunto pelo Comprova, o STF compartilhou o link do mesmo alerta para responder à nova viralização do conteúdo falso.

O ex-presidente Lula também foi procurado e, segundo reforçou a assessoria, a própria jornalista Leda Nagle já pediu desculpas por divulgar o boato.

“Infelizmente, grupos bolsonaristas têm usado fake news com fins políticos contra a democracia, o combate à covid-19 e o povo brasileiro. As autoridades e as plataformas de redes sociais ainda não têm conseguido impedir que grupos de profissionais de fake news atuem na política”, acrescentou, em nota.

Atentado contra Bolsonaro

Durante a campanha presidencial, em 6 de setembro de 2018, Bolsonaro sofreu um atentado em Juiz de Fora, Minas Gerais. Ele levou uma facada no abdômen, golpe desferido por Adélio Bispo de Oliveira – diagnosticado, posteriormente, com uma doença mental e, portanto, inimputável.

Após o crime, várias teorias conspiratórias passaram a circular nas redes sociais, e alimentadas pelo próprio presidente Bolsonaro, de que o atentado teria o envolvimento de opositores. Adélio Bispo já havia sido filiado ao PSOL, mas tinha deixado o partido quatro anos antes do ataque. Na ocasião, Juliano Medeiros, presidente nacional do PSOL, afirmou que o partido não deveria responder pelo ex-filiado, mas repudiou o ato. Em nota, declarou se tratar de “um grave atentado à normalidade democrática e ao processo eleitoral.”

Na resposta da Polícia Federal sobre o post atribuído a Paulo Maiurino, a instituição faz referência ao atentado sofrido por Bolsonaro no período de campanha eleitoral. “Sobre as investigações relativas ao atentado ao então candidato à Presidência, foram abertos dois inquéritos, os quais foram concluídos e encaminhados à Justiça.” Nos dois documentos, a conclusão da polícia foi que Adélio Bispo agiu sozinho.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova checa conteúdos suspeitos sobre governo federal, pandemia e eleições que tenham atingido alto grau de viralização. O vídeo aqui verificado teve mais de 80 mil visualizações e 6,5 mil curtidas.

Neste conteúdo estão citados dois prováveis candidatos à Presidência da República nas eleições de 2022 – Jair Bolsonaro e Lula –, criando uma situação falsa de enfrentamento fora das disputas democráticas do sistema eleitoral. Além disso, lança suspeita sobre o STF, órgão que tem sido constantemente atacado por grupos bolsonaristas e pelo próprio presidente.

Desde que iniciou a verificação relacionada às eleições, o Comprova já mostrou que inquérito da Polícia Federal não investiga fraude em votação, que pesquisa antiga engana ao ser usada para sugerir que Bolsonaro é aprovado por metade da população e que frase de ministra do STF é retirada de contexto para dizer que Lula não poderá se candidatar em 2022.

Sobre o conteúdo verificado, a página Boatos.org o classificou como falso, assim como o Uol Confere, Agência Lupa e o Estadão Verifica. O STF também emitiu um alerta sobre a postagem falsa, como já informado.

Falso, para o Comprova, é conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.