O Projeto Comprova reúne jornalistas de 24 diferentes veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas sobre coronavírus compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. O Comprova é uma iniciativa sem fins lucrativos
Filtro:

Verificação

Investigado por:2020-04-24

Pesquisa brasileira não usou doses letais para matar pacientes e atacar cloroquina

  • Enganoso
Enganoso
Publicações nas redes sociais usam dados de uma pesquisa brasileira para acusar pesquisadores de tramarem contra o uso de cloroquina no tratamento de pacientes com a covid-19. Algumas postagens acusam pesquisador de ser ligado ao PT

É falso que um grupo de pesquisadores brasileiros tenha aplicado uma dosagem letal de cloroquina em pacientes com covid-19 para causar má-impressão sobre o medicamento no tratamento contra a doença causada pelo novo coronavírus.

Tal alegação foi feita pelo empresário americano Mike Coudrey em sua página no Twitter, em 14 de abril, e reproduzida um dia depois pelo canal Papo Conservador com Gustavo Gayer, no Youtube. O vídeo tinha mais de 55 mil visualizações até a publicação deste texto e seu conteúdo foi amplamente compartilhado nas redes sociais.

O empresário norte-americano Mike Coudrey é dono da empresa de comunicação digital Yuko Social, que ele define como “um time de milennials especialistas em redes sociais prontos a te ajudar com suas necessidades”.

Postagens acusam diretamente o médico Marcus Vinícius Guimarães Lacerda, da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado, de Manaus, e especialista em Saúde Pública da Fiocruz-Amazonas, de ter matado intencionalmente pacientes com covid-19 com doses altas de cloroquina.

Algumas postagens também afirmavam que o pesquisador é militante petista e traziam uma imagem dele com apoio à candidatura de Fernando Haddad à presidência em 2018. Outras ainda traziam sua foto com uma indicação de apoio ao candidato derrotado Ciro Gomes. As publicações relacionavam sua suposta militância com a tentativa de tirar o mérito da cloroquina.

Marcus Lacerda confirmou que ambas as fotos são verídicas e que refletem seu posicionamento nas urnas em 2018. Ressaltou, porém, que não é militante petista e que não votou em Haddad no primeiro turno. O Comprova confirmou que ele não é filiado a nenhum partido político.

Por que checamos isto?

Embora não existam ainda evidências conclusivas sobre a eficácia da cloroquina na cura da covid-19, alguns trabalhos indicam que o medicamento pode aliviar quadros graves da doença. A partir do momento que esses estudos começaram a vir a público – com destaque para estudo do francês Didier Raoult, que chamou a atenção de lideranças globais, como o presidente norte-americano Donald Trump – a cloroquina passou a ser usada em debates polarizados.

O microbiologista francês Didier Raoul publicou um estudo segundo o qual a cloroquina teria curado 75% dos pacientes em 6 dias. No entanto, Raoul excluiu dos resultados finais 6 dos 26 pacientes testados porque não completaram o tratamento. Desses, um morreu, 3 foram parar na UTI, outro desistiu por sentir náuseas e o último decidiu deixar o hospital. O estudo de Didier também é alvo de críticas por ter avaliado um número pequeno de pessoas.

No Brasil, a discussão se intensificou no início de março, depois que o presidente Jair Bolsonaro começou a defender o uso da cloroquina para o tratamento da doença. Porém, o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, apresentou resistência na recomendação do medicamento uma vez que a OMS (Organização Mundial da Saúde) informa que ainda não há cura ou remédio para a covid-19.

O mal estar gerado pela divergência entre Bolsonaro e Mandetta culminou na demissão do ministro e serviu para aflorar debates na internet sobre a cloroquina. Esses debates ganharam mais tração nas redes sociais quando a pesquisa brasileira foi divulgada pela imprensa e, sobretudo, quando começaram a circular imagens de um dos pesquisadores relacionando-o à candidatura de Fernando Haddad, adversário de Jair Bolsonaro no segundo turno da eleição presidencial de 2018.

O Comprova entendeu que pela gravidade das acusações e pelo alcance das postagens deveria investigar esses conteúdos.

Enganoso para o Comprova é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado.

Como verificamos?

O Comprova recebeu pelo site a sugestão de verificação sobre o vídeo do canal Papo Conservador publicado no YouTube. O vídeo reproduz alguns comentários de Twitter do perfil @pauloeneas que, por sua vez, citam o norte-americano Mike Coudrey como fonte.

Ao procurar o nome de Coudrey na rede social, identificamos o seu perfil de usuário. Ele tomou conhecimento da pesquisa de Manaus por meio de uma reportagem do jornal The New York Times que comentava a suspensão da pesquisa. Coudrey, então, teceu críticas ao estudo que, por sua vez, foram reproduzidas por perfis brasileiros nas redes sociais.

Fazendo uma busca por essas publicações, identificamos o nome da pesquisa e também o seu pesquisador principal, Marcus Vinícius Guimarães Lacerda. Ele era alvo de muitos ataques das publicações.

Ao buscar o título do artigo foi possível conferir que o estudo estava de fato publicado na plataforma MedRxiv. Com o estudo em mãos, pudemos analisar o seu conteúdo e a forma como a pesquisa foi conduzida. Procuramos a presença de aspectos formais de legitimação do estudo, como número de aprovação pelo Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

No estudo encontramos os contatos de Marcus Lacerda e mandamos mensagem por e-mail. Fizemos contato em duas ocasiões e tivemos resposta por e-mail. Marcus Lacerda explicou algumas decisões que sua equipe fez para conduzir o estudo e também negou militância política. Checamos suas informações na plataforma cruza.dados.org.

Por fim, entrevistamos dois médicos infectologistas que comentaram os aspectos técnicos da pesquisa. Também procuramos as notas técnicas do Ministério da Saúde sobre a aplicação de cloroquina no tratamento da covid-19.

Você pode refazer o caminho da verificação acessando os links para sites e documentos.

Que resultados a pesquisa pretendia encontrar?

A pesquisa “Cloroquina em Duas Dosagens Diferentes como Terapia Adjuvante de Hospitalizados com Síndrome Respiratória Grave no Contexto de Coronavírus” foi aprovada no dia 20 de março pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e começou no dia 23. O órgão é ligado ao governo federal e responsável pela regulamentação ética de protocolos de pesquisas envolvendo seres humanos no país.

A pesquisa foi estruturada como um estudo de fase II. Isso quer dizer que o foco são diferentes dosagens e a segurança dos pacientes. De 81 pacientes infectados, 11 morreram enquanto eram monitorados pela equipe de Lacerda. Sete deles foram submetidos às dosagens mais altas de cloroquina.

Além de a metodologia do estudo ter passado pelo crivo do Conep, a Fundação de Medicina Tropical conduziu as pesquisas. Ela é um centro de referência mundial para o tratamento de enfermidades tropicais, explica Jaime Rocha, médico responsável pela Unimed Laboratório, diretor de Prevenção e Promoção à Saúde da Unimed Curitiba e vice-presidente da Sociedade Paranaense de Infectologia.

“Eles sabem usar cloroquina em função da malária, doença comum na região amazônica. Por essa experiência, ninguém melhor do que eles para tentar responder se a cloroquina é eficiente no caso da covid-19”, disse. No Brasil, o medicamento tem autorização da Anvisa para ser usado no tratamento da malária e de lúpus.

Inicialmente, o estudo previa a inclusão de 440 pacientes hospitalizados já em estado grave, no Hospital Delphina Aziz, referência para covid-19 no estado do Amazonas. O Governo do Estado do Amazonas, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) são os patrocinadores oficiais do estudo.

Rocha explica ainda que para colocar em prática um estudo como esse, o comitê de ética avalia se a pesquisa traz uma resposta cientificamente válida para a sociedade e se deve prosseguir. “Essa decisão é tomada em conjunto por cientistas familiarizados com o tema e também por pessoas que não são especialistas, para ‘verem com outros olhos’, e enxergar se há questões religiosas, raciais ou outro tipo de interesse escuso”, disse.

Como foi realizado o estudo

O levantamento reuniu 70 profissionais, entre pesquisadores, estudantes de pós-graduação e colaboradores de instituições com tradição em pesquisa, como Fiocruz, Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado, Universidade do Estado do Amazonas e Universidade de São Paulo.

No Twitter, o empresário Mike Coudrey ainda havia acusado a pesquisa de usar o difosfato de cloroquina, medicamento supostamente menos seguro que a hidroxicloroquina. Mas Lacerda rebate esse argumento: “No curto prazo, não há qualquer diferença de toxicidade entre as duas apresentações da medicação (hidroxicloroquina e difosfato de cloroquina). A toxicidade da forma difosfato de cloroquina só é maior por períodos prolongados de uso, como em lúpus e artrite reumatoide.”

O Ministério da Saúde considera seguro o uso tanto do difosfato de cloroquina quanto de hidroxicloroquina, desde que sejam respeitadas regras restritas e uma janela terapêutica.

Fonte: Comissão Nacional de Ética em Pesquisa

1º grupo de pacientes – 40 pessoas

Receberam 450 mg diárias ao longo de cinco dias, sendo que no primeiro dia a medicação foi administrada duas vezes, totalizando 2,7 g. Esta é a dose que o Ministério da Saúde, junto à Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCETIE), indicou para o tratamento de pacientes com quadro clínico grave. A cloroquina deve ser aplicada como terapia paralela ao tratamento e não deve ter outras terapias preteridas a seu favor.

2º grupo de pacientes – 41 pessoas

Foram medicados com a maior dose de cloroquina. Eles receberam 600 mg do medicamento duas vezes ao dia durante dez dias (num total de 12g ao longo de todo o tratamento).

Sobre a escolha da maior dosagem, os pesquisadores informaram os seguintes motivos:

  1. Doses mais altas têm maior atividade antiviral in vitro, ou seja, em laboratório, realmente mais altas do que a dose usada para malária, por exemplo;
  2. É a mesma dose, por peso dos pacientes, usada na China, e que consta atualmente no Consenso Chinês de Tratamento de covid-19;
  3. Uso em pacientes com choque, ou seja, com baixa perfusão intestinal, e que, portanto, absorvem menos a medicação, que só tem apresentação em comprimidos;
  4. Em uma doença que se revelou, no mundo ocidental, muito letal, o risco de benefício da eficácia x de efeitos colaterais, de diferentes doses, precisava ser avaliado e conhecido dentro de parâmetros científicos;
  5. Boa segurança dessa mesma dose alta em pacientes com câncer, em vários estudos publicados, que usaram por períodos ainda mais longos, de 28 dias.

O Consenso Chinês de Tratamento a que se refere Lacerda foi publicado em estudo por especialistas chineses do Departamento de Ciência e Tecnologia e da Comissão de Saúde da Província de Guangdong. Eles recomendaram a aplicação de 500 mg de cloroquina duas vezes ao dia, por 10 dias, em casos leves, moderados e graves de covid-19.

A equipe liderada por Lacerda aplicou 200 mg a mais por dia do que o indicado pelo Consenso Chinês de Tratamento. Ao Comprova, Lacerda justificou: “A nossa [dosagem] foi ainda maior, porque tínhamos pacientes mais obesos e sabemos que a droga só mata o vírus em doses muito altas.”

Os dados da mortalidade no grupo da maior dosagem foram analisados no 6º dia. Após identificar um risco maior para a saúde dos participantes, esse braço da pesquisa foi cancelado. Todos os participantes passaram a utilizar a menor dosagem. “A primeira conclusão do estudo, portanto, foi que pacientes graves com covid-19 não deveriam mais usar a dose recomendada no Consenso Chinês de Tratamento, fato que até o momento não se tinha qualquer evidência, uma vez que nenhum estudo realizou adequadamente a avaliação de segurança”, esclareceu Lacerda.

“A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) foi comunicada oficialmente do acontecido [da interrupção da aplicação da maior dosagem por conta da toxicidade] no dia 11 de abril, por meio da Plataforma Brasil, e os dados, para maior transparência e visibilidade internacional, foram divulgados no site MedRxiv.

A intenção foi advertir demais pesquisadores do mundo sobre a toxicidade de uma dose alta, que apesar de teoricamente parecer mais eficaz, estava causando mais danos do que benefícios, disse Lacerda.

Sobre o site estrangeiro medRxiv, o médico Jaime Rocha, responsável pela Unimed Laboratório, lembra que é uma plataforma dedicada a divulgar trabalhos incompletos ou que ainda aguardam revisões. “A plataforma destaca em sua página inicial, inclusive, que não recomenda o uso dos estudos ali, pois são análises preliminares”, explica o infectologista.

Vale ressaltar que, para serem publicados nessa plataforma, todos os manuscritos passam por um processo de triagem de conteúdo ofensivo e/ou não científico e de material que possa representar um risco à saúde. Os textos também são verificados quanto ao plágio.

O estudo de Lacerda não permite concluir se a cloroquina em doses baixas funciona ou não para o tratamento da covid-19, pois não tem o grupo de controle, isto é, o grupo que não recebeu o medicamento e serviria como parâmetro para comparar os resultados no grupo submetido à droga.

Eficácia da cloroquina

Normalmente usada no tratamento de doenças como malária, artrite e lúpus, a cloroquina passou a ganhar evidência após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizer em 19 de março que o medicamento era um “agente de mudança de jogo”.

Dois dias depois, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, anunciou o aumento da produção da droga no país. Esse posicionamento acabou virando um dos pontos de desentendimento entre Bolsonaro e o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, não recomendava o uso indiscriminado do medicamento.

O Ministério da Saúde passou a oferecer, em 27 de março, cloroquina a médicos da rede pública que queiram usar no tratamento de casos graves de covid-19 como terapia auxiliar.

No documento, o ministério destaca que não existem terapias farmacológicas e imunobiológicas específicas para a covid-19, mas considera publicações científicas que apontam possível capacidade de inibição da reprodução viral do novo coronavírus. A pasta ainda lembra que há dezenas de outros estudos clínicos nacionais e internacionais em andamento, avaliando a eficácia e a segurança dos medicamentos. “Portanto, essa medida poderá ser modificada a qualquer momento, a depender de novas evidências científicas”, afirma a Nota Informativa.

Enquanto isso, a cloroquina segue sendo objeto de estudos pelo mundo, mas nenhum deles provou até agora a sua eficácia no tratamento da covid-19.

Viralização

Desde a sua publicação, em 15 de abril, até o dia 23, o vídeo de Gustavo Gayer no canal Papo Conservador já teve 55.951visualizações. As acusações contra o médico Marcus Lacerda tiveram maior divulgação, sendo que uma delas, compartilhada pelo site Gazeta Brasil, teve 760,9 mil visualizações em menos de 24 horas.

Verificação

Investigado por:2020-04-22

Ainda não há cura oficial para a covid-19; tratamento com corticoides não tem estudo publicado

  • Falso
Falso
Médico que aparece em entrevista à TV Record diz ter resultados animadores, mas ele próprio rejeita a tese de que o método já possa ser considerado uma cura

É falso que infectologistas e imunologistas tenham descoberto a “cura oficial” da covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus –, ao contrário do que afirma um post viral no Facebook. A publicação na rede social usa um vídeo de entrevista do médico Roberto Zeballos à TV Record.

O clínico geral e imunologista afirma ter obtido resultados animadores em tratamento realizado com pacientes do hospital Vila Nova Star, em São Paulo, baseado em estudos anteriores. Zeballos também diz que a evidência clínica motivou estudo apoiado pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) e que os resultados ainda não foram publicados. Tanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto o Ministério da Saúde informam que ainda não existe tratamento oficial comprovadamente eficaz no combate à covid-19.

Portanto, ainda não é possível afirmar que o tratamento desenvolvido por Zeballos seja aplicável a outras pessoas infectadas pelo vírus. “Eu só posso falar da minha experiência e não tem nada concluído ainda, nada documentado”, esclareceu o médico imunologista ao Comprova. “Na hora em que tiver algo concluído e documentado, aí sim, poderemos fazer uma contribuição muito boa para as pessoas que se infectam com o coronavírus”.

O médico informou que está recrutando pacientes para participar da pesquisa. Terminada essa fase, ele estima demorar até 40 dias para obter conclusões. Não há previsão para publicação do estudo. O IDOR informou, em nota, que desenvolve dez projetos de pesquisa sobre a covid-19. “Em todos esses casos, os resultados serão divulgados conforme o andamento das pesquisas”, comunicou a instituição.

Por que checamos isto?

O Comprova monitora conteúdos duvidosos sobre o novo coronavírus publicados nas redes sociais e que tenham grande viralização. Informações enganosas sobre curas milagrosas ou medicamentos e terapias cuja eficácia tenha sido comprovada têm sido comuns nas redes sociais. Essas informações têm potencial de causar danos à saúde e contam com a esperança das pessoas para ganharem tração nas redes.

Na entrevista de Zeballos à TV Record, o médico conta ter obtido resultados positivos no tratamento clínico de pacientes da covid-19, mas ressalta ainda não ter um estudo publicado sobre o assunto. O post que republica o vídeo no Facebook, no entanto, afirma que o imunologista já teria encontrado a “cura oficial”, o que não é verdade. Apesar de a própria entrevista do médico desmentir essa alegação, a postagem obteve mais de 40 mil compartilhamentos.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

Checamos o vídeo da entrevista de Zeballos no canal oficial de YouTube da TV Record. Apesar de a gravação ser mais longa do que a publicada no Facebook, não há grandes diferenças de conteúdo entre as duas versões do vídeo.

Entramos em contato com a assessoria de imprensa do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino. Também falamos com Zeballos por meio da assessoria da editora Peirópolis, que publicou um livro do médico.

Qual é o tratamento praticado por Zeballos

O imunologista Roberto Zeballos tem tratado pacientes da covid-19 com corticoides. Na entrevista à Record, ele cita combinar esse medicamento com o uso dos antibióticos azitromicina ou claritromicina. “Haviam estudos com coronavírus anteriores que mostravam que o uso de corticoides aumentava a replicação viral. Mesmo assim, vimos que [entre os pacientes da covid-19] quem tomou corticoide teve uma evolução um pouco menos deletéria”, afirmou o médico.

Zeballos ressaltou que, apesar de ter obtido resultados animadores, ainda não tem uma estatística muito grande. Segundo ele, foram tratados 30 pacientes, dos quais oito apresentaram quadros graves. Nenhum deles precisou ser entubado, afirmou o imunologista.

O médico reforçou que ainda não tem uma cura para o novo coronavírus; disse que essa afirmação só poderá ser feita após a publicação do estudo. Por enquanto, as evidências obtidas são da experiência clínica de médicos que testaram o tratamento.

Viralização

O vídeo com legenda enganosa obteve 40 mil compartilhamentos no Facebook de 13 a 22 de abril.

Verificação

Investigado por:2020-04-22

É falso áudio atribuído ao general Braga Netto que pede intervenção militar

  • Falso
Falso
Casa Civil nega que a voz em um áudio atribuído ao general Walter Souza Braga Netto seja dele. O Comprova também encontrou uma postagem de um homem que reivindica a autoria da gravação e fez comparações entre a voz do ministro e a que se escuta no áudio que viralizou nas redes sociais

A voz em um áudio atribuído ao ministro-chefe da Casa Civil que defende a intervenção militar e pede para que as pessoas confiem nas Forças Armadas, não é do general Walter Souza Braga Netto.

A gravação circula nas redes sociais ao menos desde o dia 15 de abril, quatro dias antes das manifestações ocorridas em diversas cidades brasileiras no último domingo (19). A data comemora o dia do Exército. Entre os pedidos dos manifestantes estavam a intervenção militar, um novo AI-5, o fim do isolamento social, o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal.

O Comprova fez a transcrição do áudio e a enviou para a Casa Civil, que negou que a voz que se escuta na gravação seja do ministro-chefe da Casa Civil.

O Comprova também encontrou um perfil no Facebook de um militante intervencionista que dizia ser o autor do áudio viralizado.

Aqui estão dois trechos para comparação. O primeiro deles é do falso áudio que viralizou; o segundo, é de uma entrevista de Braga Netto para a TV Aparecida em 17 de janeiro de 2019.

O porquê da checagem

O Comprova recebeu a sugestão de verificação pelo WhatsApp no dia 14 de abril. No dia 16, encontramos o mesmo conteúdo no Canal Nação Patriota no YouTube. Um vídeo neste canal, com o título “Vaza áudio do general Braga Netto, prontos para intervenção militar no Brasil”, reproduzia o áudio e já contava com 400 mil visualizações num período de 24 horas. Além da desconfiança sobre a autoria do áudio, pela diferença no tom de voz, muitos comentários questionavam a veracidade da gravação.

O Comprova verifica conteúdos suspeitos compartilhados nas redes sociais que obtenham grande alcance.

Falso para o Comprova é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

Depois de receber a sugestão de checagem, O Comprova fez buscas nas redes sociais, usando um aplicativo de monitoramento chamado CrowdTangle para detectar publicações similares ou com o mesmo conteúdo. Usando a funcionalidade busca avançada no YouTube e fazendo buscas no Google também encontrou perfis e páginas em que o áudio havia sido compartilhado.

O Comprova ainda transcreveu o áudio e enviou a transcrição para a Casa Civil. A checagem fez contato com pessoas que publicaram o áudio nas redes sociais, mas não obteve resposta de nenhuma delas até a publicação desta reportagem.

A voz do áudio não é de Braga Netto

Além de obter a negativa da Casa Civil, o Comprova procurou o dono do canal do Youtube e, além dele, uma outra pessoa que declarou em seu perfil no Facebook ser o verdadeiro autor do áudio, mas nenhum dos dois respondeu às mensagens.

O suposto autor da gravação, Joe Patriota, é um ativista pela intervenção militar no seu perfil pessoal. Em alguns compartilhamentos do áudio no Facebook, Joe foi apontado em comentários como o autor original. No dia 15 de abril, publicou um comunicado em sua página do Facebook, mesmo dia em que a gravação foi divulgada no Youtube, com o seguinte conteúdo:

“No dia 31 de março de 2020 tive uma conversa em áudio privado vazado de um grupo do qual eu faço parte, a Liga Cristã Mundial. Ao compartilharem meu áudio na rede minha voz foi erroneamente atribuída ao general Braga Netto e editada sobre imagens do referido ministro. Venho a público esclarecer que o general Braga Netto não gravou o áudio em questão e que tal vazamento da minha voz se deu sem o meu consentimento, conhecimento ou vontade”, dizia o comunicado.

O Comprova não conseguiu contato com o autor do post e, portanto, não pode verificar a veracidade dessa informação.

Contexto

A gravação foi divulgada às vésperas dos protestos de apoiadores de Jair Bolsonaro com pedidos de intervenção militar. O canal no YouTube Nação Patriota, que publicou o áudio, divulgou a programação da última manifestação, que ocorreu no dia 19 de abril. Os protestos pediam o fechamento do Congresso e o retorno do Ato Institucional Número 5, decretado pelo presidente Artur da Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968, durante a ditadura militar.

Um dos trechos da gravação pede que a população exija intervenção militar. “As Forças Armadas jamais irão agir sem a força do povo, jamais. Não vão agir sem o apoio do povo e não vão agir sem que o povo peça. (…) A atitude do brasileiro tem que ser outra, tem que ir com ódio, tem que entrar e pedir Forças Armadas com clareza. Não adianta pedir fora corrupção porque ela é totalmente impessoal”, diz o áudio

O presidente Bolsonaro participou de uma dessas manifestações contra o Congresso e o STF. O protesto foi realizado em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília, e provocou um “enorme desconforto” na cúpula militar.

Viralização

O áudio foi reproduzido no Canal Nação Patriota, no último dia 15 no YouTube, e alcançou 1,2 milhão de visualizações até o dia 22 de abril. Também postado no canal BR NOTÍCIAS, no dia 20, possuía mais de 337 mil reproduções até o dia 22 de abril. Este último foi compartilhado por Olavo de Carvalho no Facebook.

Os sites Aos Fatos e o Boatos.org também verificaram o áudio.

Verificação

Investigado por:2020-04-17

Vídeo é usado fora de contexto para relacionar ação da PM em São Paulo à pandemia de covid-19

  • Enganoso
Enganoso
Imagens foram gravadas em dezembro de 2019 e mostram abordagem da PM a homem que agrediu companheira, e não investida contra idoso que caminhava na rua

É enganoso o vídeo que circula nas redes sociais acompanhado de um texto sobre um idoso que estaria sendo agredido por policiais militares de São Paulo por estar apenas caminhando na rua. O conteúdo, que viralizou em 14 de abril, foi retirado de contexto. As imagens foram captadas e publicadas no Facebook pela primeira vez no dia 3 de dezembro de 2019, antes do primeiro caso de covid-19 no Brasil. Não há qualquer relação do vídeo com a pandemia, ao contrário do que diz o texto que acompanha as postagens sobre essa ser uma medida adotada pela “Ditadura TraiDoria”. O governador João Doria (PSDB) defende o isolamento social e já cogitou prender aqueles que desobedecerem as regras.

O Comprova confirmou a data da publicação com a responsável pela filmagem. A gravação do vídeo foi feita na Avenida Pedro Machado, na cidade de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, as imagens foram feitas quando dois policiais militares tentavam deter um homem acusado de agredir a companheira em um posto de combustível. Um Inquérito Policial Militar (IPM) foi Instaurado para apurar a conduta dos profissionais no ato da prisão. A investigação foi finalizada, e o inquérito foi encaminhado ao Tribunal de Justiça Militar (TJM).

Enganoso para o Comprova é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado; que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos

O Comprova entrou em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. O órgão afirmou, em nota, que o homem havia sido encontrado em casa, depois de agredir a esposa, e reagido à prisão.

Para buscar a publicação original do vídeo, o Comprova usou a ferramenta InVID e extraiu um frame do vídeo postado em uma página do Facebook no último dia 14 de abril. Com ele, realizando uma busca reversa no Google, a equipe chegou a outro material, publicado na página Plantão Cariri em 3 de dezembro de 2019. A postagem estava acompanhada do texto: “aconteceu na Av Pedro Machado.!!! PM…. a saga continua.!!!”.

A partir da localização, por meio do Google Street View, foi identificada a residência de onde as cenas foram gravadas. No portão do imóvel, havia um banner – que também aparece no vídeo – com um telefone para serviços de manicure e pedicure. O Comprova entrou em contato com a proprietária do número.

Em uma conversa no Whatsapp, ela confirmou a autoria da gravação e disse que postou o vídeo em seu perfil do Facebook em 3 de dezembro de 2019. Segundo a autora, o material permaneceu no ar por uma semana, mas foi retirado depois da repercussão negativa.

Contexto: Doria falou em “medidas rígidas”

O vídeo passou a circular novamente nas redes sociais, nos últimos dias, com legendas enganosas afirmando que os policiais militares teriam agredido um idoso que caminhava na rua em São Paulo. O boato é motivado por declarações recentes do governador João Doria, de que poderia tomar medidas mais rigorosas, como aplicação de multa e até prisão, caso a população não cumprisse as regras do isolamento social no feriado de Páscoa e na semana seguinte.

“Se não elevarmos esse nível, que hoje é de 50%, para mais de 60% e caminharmos para 70%, na próxima semana, não apenas o governo do Estado, como também a prefeitura de São Paulo, tomarão medidas mais rígidas”, disse em entrevista à Rede Globo, no dia 9 de abril.

Doria adotou tom mais ameno na segunda-feira (13), ao falar em “corrente de amor” e ações educativas em uma entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes. Ao longo da semana, afirmou ainda que o eventual aumento das restrições à circulação de pessoas só ocorreria a partir do próximo dia 22 e que as multas e prisões para quem descumprir a quarentena são encaradas como “última alternativa” pelo governo.

São Paulo é o Estado brasileiro que mais registra casos de covid-19 no país. Também foi o primeiro a confirmar uma infecção pelo novo coronavírus no Brasil, em 26 de fevereiro. Desde então, foram registradas 853 mortes e 11.568 casos, segundo informações divulgadas pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (16), às 14h —quase o triplo do segundo colocado, o Rio de Janeiro, com 3.944 confirmações e 300 óbitos.

No Brasil, o número de pessoas infectadas é de 30.425 e o de mortes, 1.924, de acordo com o mesmo balanço. Além disso, a estimativa do governo paulista é de que todos os 3,5 mil leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da rede pública estejam lotados até maio.

São Paulo está em quarentena desde 24 de março, em razão de decreto assinado por Doria como medida de controle da pandemia. A medida foi prorrogada pela 2ª vez nesta 6ª feira. A quarentena será mantida até 10 de maio.. O governo determinou o fechamento do comércio e de serviços não essenciais, como bares, restaurantes, cafés, casas noturnas e academias. A decisão abrange todos os 645 municípios paulistas.

Rivalidade com Bolsonaro

Mesmo depois de firmar a aliança “Bolsodoria” no segundo turno das eleições de 2018, o governador de São Paulo tem rivalizado com o presidente Jair Bolsonaro durante a gestão — embate que foi ampliado diante da crise do novo coronavírus no Brasil. No dia da publicação do primeiro decreto de isolamento social em São Paulo, Bolsonaro fez pronunciamento em rede nacional em que defendeu que autoridades deveriam “abandonar o conceito de terra arrasada” e criticou os líderes estaduais.

Os dois entraram em conflito em teleconferência no dia seguinte: Doria disse que o presidente “deveria dar exemplo para o país”, e Bolsonaro pediu que o governador “Saisse do palanque”. O governador ainda pediu, publicamente, no dia 30, que as pessoas “não sigam as orientações do presidente da República”. Foram registrados protestos de grupos bolsonaristas nos dias 5 e 11 de abril, na capital paulista, e ataques virtuais.

O ponto mais recente de atrito envolveu a demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que protagonizou disputa com Bolsonaro sobre a política nacional de combate à pandemia em pontos como o isolamento horizontal e a eficácia da cloroquina no tratamento da doença. Dória apoiou Mandetta e chegou a afirmar que a saída do ministro seria um “desastre”. A demissão foi confirmada ontem (16). O substituto é Nelson Teich.

Viralização

O vídeo havia sido publicado em um perfil pessoal, no Facebook, e chegou a alcançar 16 mil visualizações até o dia 15. O material foi apagado. Desde o dia 4 de dezembro, quando foi postado na página Realidade Cruel, o material teve 8,6 mil comentários e 22 mil compartilhamentos (dados até o dia 17 de dezembro, às 11h37).

Este boato também foi verificado pelo G1, pela Agência Lupa e pelo Boatos.org.

Verificação

Investigado por:2020-04-16

Liberação de uso da cloroquina pela agência reguladora de alimentos e drogas dos EUA não é para todos os pacientes

  • Falso
Falso
Ao contrário do que afirma um texto que viralizou no WhatsApp e no Facebook, a agência reguladora de alimentos e drogas dos Estados Unidos (FDA), não liberou o uso de cloroquina e hidroxicloroquina em todos os pacientes com covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. E também é falso que a Novartis tenha anunciado a existência de estudos que comprovam que esses dois medicamentos “matam” o vírus

Não é verdade que a agência reguladora de alimentos e drogas dos Estados Unidos tenha liberado o uso de cloroquina e hidroxicloroquina em todos os pacientes com covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Também é falso que a empresa farmacêutica Novartis tenha anunciado a existência de estudos que comprovam que esses dois medicamentos “matam” o vírus. Essas alegações estão em um texto que viralizou em grupos de WhatsApp e no Facebook.

Em 28 de março, a Food and Drug Administration (FDA) emitiu uma autorização de uso emergencial de sulfato de hidroxicloroquina e fosfato de cloroquina em alguns pacientes hospitalizados com a covid-19. A agência permitiu a distribuição desses medicamentos para prescrição para adultos e adolescentes com peso acima de 50 quilos “conforme seja apropriado, enquanto um experimento clínico não estiver disponível ou não for viável”. A indicação de uso deve ser feita por um prestador de serviços médicos licenciado pela agência. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda não há remédio ou vacina comprovadamente eficaz contra a covid-19.

Em um documento de perguntas e respostas sobre o assunto, a FDA esclarece que o uso de cloroquina e hidroxicloroquina não é aprovado para tratar infecções pelo novo coronavírus. Até agora, o uso aprovado para esses medicamentos é no tratamento de malária, lúpus e artrite reumatoide. A OMS faz a mesma recomendação.

A autorização de uso emergencial dos dois remédios permanecia válida até a publicação desta checagem.

O texto compartilhado nas redes sociais afirma ainda que o CEO da farmacêutica Novartis, Vasant Narasimhan, “anunciou que já tem em mãos os resultados de pesquisas que comprovam que a hidroxicloroquina mata o vírus”. A assessoria de imprensa informou ao Comprova por e-mail que a informação está distorcida. A Novartis esclareceu que Narasimhan “comentou que em estudos pré-clínicos o resultado foi promissor, mas não afirmou sobre o resultado final sobre os estudos de hidroxicloroquina”.

A companhia anunciou a doação de 130 milhões de doses de hidroxicloroquina “para apoiar a resposta global à pandemia da covid-19”. A farmacêutica informou estar desenvolvendo um protocolo para um estudo clínico avaliar a segurança e eficácia do uso do medicamento em pacientes da doença.

O Comprova verificou um conteúdo recebido por WhatsApp e compartilhado também em diversos perfis pessoais e páginas no Facebook e no Twitter,.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

O Comprova consultou a página oficial da FDA e entrou em contato com a assessoria de imprensa da Novartis no Brasil. A reportagem também acessou o site oficial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O que significa a autorização de uso emergencial da FDA

De acordo com a FDA, o uso emergencial permite a facilitação do acesso a “medicamentos, produtos biológicos, vacinas e dispositivos médicos” que podem ser usados para “diagnosticar, tratar ou prevenir uma doença ou condição grave durante uma emergência de saúde pública”.

Os produtos autorizados não necessariamente são aprovados pela FDA para uso. ”Esta autorização é reservada para situações de emergência e NÃO é o mesmo que aprovação ou licenciamento da FDA”, informa a agência. Para decidir sobre o uso emergencial, a FDA considera que os benefícios conhecidos e potenciais do remédio superam seus riscos.

O que a Novartis anunciou sobre hidroxicloroquina

A empresa farmacêutica anunciou a doação de 130 milhões de doses do medicamento, e informou cooperar com governos e autoridades, inclusive a OMS , “para usar protocolos de tratamento padrão para pacientes hospitalizados”. De acordo com a companhia, a hidroxicloroquina é administrada como parte de um “regime terapêutico”, para evitar a “deterioração” de pacientes com a covid-19.

Em comunicado, a Novartis ressaltou que “embora os resultados iniciais dos estudos da utilização da droga em casos de covid-19 tenham sido promissores, ainda não há nenhum tratamento aprovado disponível e não endossamos o uso de nenhum de nossos produtos fora das especificações de seus respectivos registros”.

Qual o preço da cloroquina e da hidroxicloroquina

O texto cita o baixo custo como uma das vantagens dessa medicação. Segundo tabela da Anvisa, o preço máximo de venda de remédios com princípio ativo de hidroxicloroquina varia entre R$ 22,93 (caixa com 10 comprimidos fabricada pela EMS com alíquota de ICMS a 12%) e R$ R$ 180,15 (caixa com 60 comprimidos fabricada pela EMS com alíquota de ICMS a 20%).

Em remédios com princípio ativo de difosfato de cloroquina, o valor da caixa com 10 comprimidos produzida pela Cristália Químico vai de R$ 186,95 a R$ 205,64, dependendo da alíquota de ICMS em cada Estado.

Esses valores são superiores ao preço citado no texto, de US$ 4,65 por mês (R$ 24,37, em cotação do dia 15 de abril de 2020).

Quem é o autor do texto

O texto foi originalmente publicado pela página de Facebook “jornalista Elisa Robson” no dia 30 de março. Nesse perfil, ela se identifica como “jornalista da direita clássica, defensora do liberalismo econômico e conservadora nos valores da família, educação e cultura.”

No post original, Elisa cita como fontes os sites da FDA, da Novartis, e reportagens da Reuters, Forbes, Money Invest e Economic Times. No dia 11 de abril, ela editou a postagem para modificar a frase que falava que a FDA liberou a cloroquina para todos os pacientes da covid-19.

Em uma transmissão ao vivo no dia 13 de abril, ela comentou sobre a viralização do texto em grupos de WhatsApp e reclamou da cobertura da “imprensa fúnebre” sobre o novo coronavírus.

O nome completo de Elisa Robson é Elisângela Machado dos Santos de Freitas. Ela se candidatou a deputada federal nas eleições de 2018 pelo PRP. No ano passado, a Folha de S. Paulo revelou que Elisângela repassou ao próprio marido 59% dos recursos que recebeu do fundo eleitoral, um montante de R$ 14,9 mil.

Na época em que a reportagem foi publicada, ela era assessora parlamentar do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro. A jornalista foi exonerada após a repercussão do caso.

Viralização

Leitores do Comprova solicitaram a checagem deste conteúdo por WhatsApp (11 97795-0022). O post de Elisa Robson, feito no Facebook no dia 30 de março, teve 738 compartilhamentos. Dezenas de páginas também compartilharam essa informação no Facebook.

Aos Fatos e Agência Lupa também checaram esse conteúdo.

Verificação

Investigado por:2020-04-15

É falso que pesquisadores de Harvard concluíram que isolamento pode piorar a situação

  • Falso
Falso
Segundo o estudo em questão, a rápida implementação de medidas duras de distanciamento social é essencial para ajudar a controlar a epidemia do novo coronavírus

É falso que pesquisadores de Harvard teriam concluído que as medidas de distanciamento social impostas na maior parte do mundo contra o novo coronavírus podem “piorar a situação” da pandemia, como é dito em um texto publicado em sites e redes sociais. Também não é verdade que os mesmos pesquisadores teriam referendado as medidas aplicadas na Suécia, consideradas mais leves que as da maioria dos países.

Ao contrário do que diz o texto investigado, os pesquisadores de Harvard afirmam que as simulações realizadas por eles vão ao encontro de outros estudos que concluem que a rápida implementação de regras duras para o distanciamento social é essencial para ajudar a controlar a epidemia do novo coronavírus. O estudo em questão também conclui que, sob as atuais condições, a implantação de medidas de distanciamento social em períodos intermitentes pode ser a melhor maneira de evitar que hospitais esgotem a sua capacidade de atendimento.

A pesquisa foi publicada no site científico MedRxiv, uma plataforma dedicada a divulgar trabalhos que ainda aguardam “revisão por pares” — termo que se refere ao processo de validação dos métodos e conclusões das publicações científicas por outros especialistas da área. Trata-se, portanto, de um relatório preliminar que não pode orientar práticas clínicas, destaca o Cold Spring Harbor Laboratory (CSHL). A instituição gerencia a plataforma com a Universidade de Yale e o periódico BMJ.

Ao jornal The New York Times, John Inglis, co-fundador do MedRxiv, afirmou que audiência da plataforma aumentou mais de 100 vezes desde dezembro. Isso gera preocupação porque o site, que tem como objetivo facilitar a troca de informações entre pesquisadores diante de emergências de saúde como a atual, tem sido utilizado como base para a propagação de rumores e falsidades, aumentando a desinformação a respeito da pandemia.

O Comprova verificou informações contidas em um texto publicado no site Mix Misturado e republicado posteriormente pelo site Agora Notícias Brasil.

Falso para o Comprova é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

O Comprova apurou a origem do boato ao pesquisar diferentes trechos do texto no Google. O resultado indica que o site “Mix Misturado” foi o primeiro a espalhar conclusões equivocadas sobre o estudo e envolver a Suécia. A investigação prosseguiu com a verificação do conteúdo do artigo usado como base pelo site “Mix Misturado”. O link do estudo original leva para um arquivo em formato PDF publicado na página do programa Dash, mantido pela biblioteca da Universidade Harvard.

Ao buscar o título do artigo – “Social distancing strategies for curbing the COVID-19 epidemic” – é possível conferir que o estudo está de fato publicado na página. Ao buscar o título no Google, encontramos o mesmo texto no MedRxiv.

Na sequência, o Comprova realizou uma leitura do estudo e constatou diversas discrepâncias entre o que concluem os pesquisadores e o que diz o site Mix Misturado. Não há, por exemplo, nenhuma referência à Suécia no artigo, ao contrário do que afirma o site.

Também verificamos as medidas aplicadas pela Suécia no controle da epidemia por meio de página oficial do governo local, disponível em inglês. Regras para prevenção foram adotadas — ainda que em “baixa-escala”, como defenderam as autoridades locais — desde 11 de março. Também comparamos estatísticas de casos e mortes por Covid-19 na Suécia com as de outros países da Escandinávia.

O Projeto Comprova entrou em contato com a autora do texto, Cilene Bonfim, pelo Twitter, na terça-feira, 14, para buscar esclarecimentos sobre o conteúdo, mas não recebeu retorno.

Nota de atualização (17/4) — A autora do texto entrou em contato com a reportagem após a publicação desta notícia e respondeu a perguntas do Comprova. Por e-mail, foi questionada a respeito das diferenças entre o que é relatado pelos pesquisadores de Harvard em artigo e o que consta no material do site Mix Misturado. Cilene Bonfim afirma que fez uma “contextualização” do relatório da pesquisa e insistiu em suas conclusões. “Não existe nenhuma informação falsa no meu artigo”, escreve. “Eu nem disse o que eu penso sobre o assunto, apenas relatei os fatos e não fatos falsos, como vocês publicaram”. O Comprova também notou uma série de edições no texto do site Mix Misturado após a publicação desta verificação, incluindo título, URL e citações checadas pela equipe.

Quem são os autores do estudo?

O estudo é assinado por quatro pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard. São eles Stephen Kissler, doutor em Matemática Aplicada pela Universidade de Cambridge e pesquisador no Departamento de Imunologia e Doenças Infecciosas; Christine Tedijanto, estudante de doutorado na área de Epidemiologia de Doenças Infecciosas; Marc Lipsitch, professor nos departamentos de Epidemiologia e Imunologia e Doenças Infecciosas; e Yonatan Grad, professor do Departamento de Imunologia e Doenças Infecciosas da instituição.

Quais são os objetivos do estudo?

O estudo destaca que alguns locais, como Cingapura e Hong Kong, conseguiram controlar a epidemia por meio de uma estratégia que envolveu testes intensivos, rastreamento dos infectados e isolamento. Outro países, no entanto, não têm bons sistemas de saúde e capacidade de testar. Entre esses dois polos na capacidade de mobilização, muitos governos estão adotando como alternativa o distanciamento social: o objetivo aqui é “achatar a curva” do contágio, evitando a lotação dos sistemas de saúde e ganhando tempo para a descoberta de uma vacina.

O estudo parte de duas preocupações. A primeira é que essas medidas de distanciamento social podem permanecer ativas por um longo período. Assim, é necessário estimar cenários futuros. Os pesquisadores destacam, também, que ainda não se sabe se o novo coronavírus está sujeito, assim como outros vírus respiratórios, a variações sazonais. Se estiver, dizem eles, deve ser mais difícil achatar a curva no inverno do que no verão.

Outra preocupação gira em torno da capacidade dos governos de proverem cuidados intensivos. A pesquisa tenta avaliar o impacto, na trajetória geral da pandemia, do aumento desta capacidade.

Como o estudo foi feito?

O estudo tem como base modelos matemáticos capazes de projetar tanto o número de infecções quanto a capacidade dos hospitais. Os cálculos levam em conta um cenário em que 95,6% dos pacientes são assintomáticos ou têm efeitos considerados leves; 3,08% requerem internação, mas não em UTIs, e que 1,32% precisarão deste cuidado crítico.

Além disso, assumem o valor de 0,89 leito livre a cada 10 mil habitantes como o mínimo para garantir o atendimento hospitalar para a população. Esse número reflete a situação atual dos Estados Unidos.

Os pesquisadores alertam, ainda, que os resultados devem ser entendidos como o “pior cenário” possível, pois o modelo leva em conta que cada pessoa tem a mesma possibilidade de ser infectada. Na realidade, os cenários reais contêm diferença na estrutura da população, com alguns grupos mais propensos a serem infectados e outros, menos.

A partir desses números, simulações são realizadas em diversos cenários, modificados conforme os dados usados pelos cientistas e as estimativas de variação sazonal.

Quais os resultados do estudo?

O estudo chegou a vários resultados conforme o cenário simulado. Nos testes sem influência sazonal, os pesquisadores estimam que um período único de distanciamento social de fato reduz o pico da epidemia, mas que a infecção tem alta quando tais medidas são relaxadas.

Outra conclusão é de que períodos mais longos com medidas duras de distanciamento social nem sempre geram reduções grandes no pico de infecção. No caso de uma “quarentena” de 20 semanas com redução de 60% no “número básico de reprodução”, o pico após o fim do distanciamento social poderia ser quase o mesmo de um cenário sem nenhuma medida. Isso ocorreria, diz o estudo, porque um distanciamento social tão rigoroso protegeria tanto a população que poucos adquiririam imunidade.

Nos cenários em que as estações do ano influenciam a epidemia, o pico ressurgente (após o fim das medidas de distanciamento social) poderia ser ainda maior que o pico caso nada fosse feito. Isso porque, neste cenário, as medidas da distanciamento social seriam encerradas no fim do outono e começo do inverno, justamente quando as síndromes respiratórias se espalham mais.

O que significa tudo isso?

É neste ponto que o site “Mix Misturado” afirma, equivocadamente, que os pesquisadores teriam concluído que o isolamento pode piorar a situação. Não é essa a conclusão.

Em primeiro lugar, cabe destacar que ainda não se sabe se o contágio pelo novo coronavírus é influenciado pela sazonalidade. Em segundo lugar, os pesquisadores são claros ao dizer que o distanciamento social é, sim, efetivo para conter a epidemia em seu início. O que o estudo discute é a duração dessas medidas e o possível impacto delas conforme os vários cenários analisados.

De acordo com os pesquisadores, mais que longos períodos de distanciamento social, é uma estratégia intermitente com diversos períodos de distanciamento social que pode evitar que a capacidade hospitalar seja superada. A distância entre esses períodos aumentaria à medida que mais pessoas adquirissem imunidade nos intervalos das “quarentenas”.

O estudo alerta ainda que, sob as condições atuais do sistema hospitalar dos Estados Unidos, essa estratégia de períodos intermitentes de distanciamento social teria de durar até 2022. Assim, os pesquisadores indicam que se os Estados Unidos aumentarem sua capacidade de prover cuidados hospitalares intensivos, a população poderá acumular imunidade mais rapidamente e tanto a duração da epidemia quanto os períodos de distanciamento social tendem a ser menores.

Quais as conclusões do estudo?

Os pesquisadores afirmam que as simulações realizadas estão de acordo com outros estudos, segundo os quais a rápida implementação de medidas duras de distanciamento social é essencial para controlar a epidemia do novo coronavírus.

Ao mesmo tempo, afirmam que, “na ausência do desenvolvimento de novas terapias ou medidas preventivas, como uma busca ativa pelos casos [infectados] e quarentena, medidas intermitentes de distanciamento devem ser a única forma de não sobrecarregar a capacidade hospitalar enquanto a população adquire imunidade ao vírus”.

O estudo destaca que a estratégia de impor períodos intermitentes de distanciamento social só pode ser colocada em prática se houver uma forma sofisticada de medir a prevalência da infecção na população. Na ausência dessa capacidade, a disponibilidade de leitos hospitalares pode ser usada como uma variável substituta, mas como a doença não se manifesta imediatamente após o contágio, os hospitais podem acabar sobrecarregados.

Qual a realidade da Suécia?

Ainda que o país não seja citado no artigo dos pesquisadores de Harvard, o Comprova verificou informações quanto ao cenário da pandemia na Suécia e às medidas governamentais adotadas, denominadas de “baixa-escala,” pelas autoridades locais.

Essa abordagem vem sendo criticada por especialistas de fora do governo. Em 14 de abril, 22 especialistas publicaram uma carta aberta no jornal Dagens Nyheter afirmando que as “autoridades de saúde pública falharam” e pedindo medidas mais duras.

Na comparação com os vizinhos da Escandinávia, os números suecos são piores. Para verificar isso, o Comprova utilizou estatísticas populacionais do Eurostat, o departamento oficial de estatísticas da União Europeia, e a base de dados sobre casos e mortes provocadas pelo novo coronavírus montada pela Universidade Johns Hopkins, dos EUA.

A Suécia é o maior país da Escandinávia, com uma população de 10,2 milhões de pessoas, quase o dobro de Dinamarca (5,8 milhões), Finlândia (5,5 milhões) e Noruega (5,3 milhões). O país registrou 1.203 mortes até 15 de abril, 3,8 vezes mais que a Dinamarca (309 mortes), oito vezes mais que a Noruega (72 mortes) e quase 17 vezes mais que a Finlândia (72 mortes).

A Suécia tem diversas medidas restritivas em prática. O texto do site “Mix Misturado”, também desinforma ao afirmar que os suecos “não fecharam nada e não proibiram nada” diante da pandemia do novo coronavírus, o que não é verdade. Informações retiradas de site oficial do governo da Suécia mostram que o país aplica medidas de prevenção ao menos desde 11 de março, quando decidiu proibir aglomerações e eventos públicos com mais de 500 pessoas.

A restrição foi ampliada no dia 29, quando aglomerações e eventos de 50 pessoas ou mais passaram a ser banidas. A punição para quem organizar esse tipo de encontro vai de multa até 6 meses de prisão, e a polícia está autorizada a dispersar os indivíduos.

Ainda em março, a Agência de Saúde Pública da Suécia recomendou aulas a distância para escolas secundárias e de educação para adultos, faculdades e universidades — afetando estudantes com mais de 16 anos. Escolas primárias (6 a 16 anos) e pré-escolas não foram incluídas na medida e podem operar normalmente.

O governo também sugeriu a adoção de home office aos trabalhadores, principalmente na região de Estocolmo, e proibiu aglomerações em restaurantes, bares e cafés — os clientes precisam comer e beber sentados, mantendo distância uns dos outros, ou levar as mercadorias para casa. Autoridades locais podem fechar estabelecimentos que não cumprirem as regras desde o dia 25 de março.

As viagens pelo território sueco foram desaconselhadas pelos órgãos de saúde, sobretudo em zonas metropolitanas. Já para os cidadãos com sintomas de Covid-19, a orientação do governo é de que não viajem de qualquer maneira. Atualmente, vigoram ainda proibições de viagens não essenciais da Suécia para alguns países da União Europeia e de países de fora da Europa para o território nacional.

No início de abril, o governo da Suécia determinou a proibição de visitas às casas de repousos de idosos, considerado grupo de risco para o novo coronavírus. Diversas localidades do país já haviam introduzido algum tipo de medida restritiva semelhante na ocasião. Pessoas com mais de 70 anos também foram orientadas a evitar farmácias, mercados e eventos sociais.

No último dia 7, diante da escalada do número de infectados no país, o primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, encaminhou proposta para que o legislativo autorize medidas mais restritivas de controle do novo coronavírus. O governo afirma considerar limitações temporárias de aglomerações, fechamento de shopping centers e outros estabelecimentos comerciais e suspensão de transporte, entre outras ações, caso a proposta seja aprovada. A ampliação dos poderes seria aplicada durante três meses, entre 18 de abril e 30 de junho.

Viralização

Desde a publicação, o link do site Mix Misturado teve mais de 21 mil interações no Facebook e 11,5 mil no Twitter, de acordo com a ferramenta de monitoramento de redes sociais CrowdTangle. O link para o texto foi compartilhado no Twitter por perfis como @leandroruschel e o do Agora Notícias Brasil pelo perfil @rosedbarros.

Esse conteúdo também foi verificado pelo site Boatos.org.

Verificação

Investigado por:2020-04-15

Desembargador e advogados não acionaram Forças Armadas contra STF e governadores

  • Falso
Falso
Forças Armadas não foram chamadas para prender ministros do Supremo Tribunal Federal. Desembargador e advogado negam autoria de petição citada em um vídeo publicado no YouTube

É falsa a informação veiculada em vídeo no YouTube de que as Forças Armadas foram chamadas às pressas para prender ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em função de uma decisão que retiraria poderes e competências do presidente da República.

Publicado em 11 de abril, o vídeo afirma que o jurista Modesto Carvalhosa, o desembargador aposentado Laércio Laurelli e o advogado Luís Carlos Crema acionaram as Forças Armadas contra o STF e governadores. O vídeo atingiu rapidamente 430 mil visualizações.

O conteúdo do vídeo é mais uma versão de boatos que circularam nas redes sociais e aplicativos de mensagem e que citam Laurelli e Carvalhosa como co-autores de uma petição elaborada pela equipe do advogado Luís Carlos Crema para pedir que a União garanta, mediante ação das Forças Armadas, a execução unificada em todo o território nacional de medidas contra os impactos da pandemia do novo coronavírus. A petição foi elaborada no dia 6 de abril.

Já no dia 7 de abril, os juristas em questão fizeram declarações públicas em seus respectivos perfis nas redes sociais negando que tenham entrado em conjunto com a petição. O próprio Crema negou a participação dos juristas em uma postagem em sua página no Facebook. Ele também reafirma que “o objetivo (da petição) é tão-somente que todos os brasileiros tenham tratamento igualitário em todo o território nacional”.

O Comprova verificou o conteúdo de um vídeo publicado no canal Notícias da Hora, no YouTube e postagens no blog do Edgar Ribeiro, no site NBO e em um perfil pessoal no Facebook.

Falso para o Comprova é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

O Comprova entrou em contato com os três juristas citados. Carvalhosa e Laércio Laurelli já haviam se posicionado em suas redes sociais e negado assinatura da peça. O próprio advogado Luis Carlos Crema escreveu em sua página no Facebook que os outros dois não faziam parte da equipe que redigiu a petição.

O Comprova ainda entrou em contato com o escritório do advogado que confirmou o protocolo da petição junto à Presidência da República.

O que dizem os juristas

Modesto Carvalhosa publicou em seu perfil oficial no Facebook: “Soube que tem circulado uma petição eletrônica, com minha assinatura, que requer ao Presidente da República a intervenção das Forças Armadas em decorrência da pandemia do novo Coronavírus. Não redigi essa petição, não assinei essa petição, não autorizei que ninguém apusesse minha assinatura em tão rematado absurdo.”

Carvalhosa é professor aposentado da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Participou da Comissão Especial de Investigação criada pelo então presidente Itamar Franco para apurar o escândalo dos Anões do Orçamento.

No mesmo dia, Luís Carlos Crema confirmou, também em seu Facebook, que a petição não teve o apoio e nem a assinatura de Carvalhosa ou do desembargador Laercio Laurelli. Posteriormente, em entrevista sobre o tema, Crema disse que defende uma intervenção pontual e não que os militares assumam o poder. Crema é advogado e autor de ao menos cinco pedidos de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

O terceiro jurista mencionado no vídeo, Laércio Laurelli, é desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo. Foi o primeiro secretário-geral do Grupo de Apoio à Justiça e membro do Conselho Consultivo da Comissão de Direito Penal Militar da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo.

Carvalhosa, Laurelli e Crema já compartilharam a autoria de várias petições, incluindo pedido de impeachment contra o presidente do STF, Dias Toffoli, e os ministros Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes. Os pedidos, no entanto, são anteriores à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Todos foram engavetados pelo Senado. O trio também já pediu o cancelamento do registro de nove partidos acusados na Operação Lava Jato.

Decisão do STF

Respondendo a um pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu no dia 8 de abril que estados e municípios podem estabelecer políticas de isolamento social no combate ao avanço do novo coronavírus. Isso significa que o governo federal não pode interferir nessas medidas.

A OAB havia pedido ao STF que obrigasse o presidente Jair Bolsonaro a respeitar as decisões dos governadores; não interferir no trabalho técnico do Ministério da Saúde; e seguir o protocolo da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em sua decisão, o ministro cita a existência de “grave divergência de posicionamentos entre autoridades de níveis federativos diversos e, inclusive, entre autoridades federais componentes do mesmo nível de governo, acarretando insegurança, intranquilidade e justificado receio em toda a sociedade”.

Moraes diz ainda que “Não compete ao Poder Executivo federal afastar, unilateralmente, as decisões dos governos estaduais, distrital e municipais que, no exercício de suas competências constitucionais, adotaram ou venham a adotar, no âmbito de seus respectivos territórios, importantes medidas restritivas (…) reconhecidamente eficazes para a redução do número de infectados e de óbitos, como demonstram a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) e vários estudos técnicos científicos”.

Divergências com governadores

As divergências entre os poderes Executivos federal e estadual começaram no início de fevereiro, quando Bolsonaro desafiou os chefes dos entes a zerar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), dizendo que estava preparado para zerar os impostos federais sobre os combustíveis como resposta.

O pano de fundo do comentário do presidente envolvia pressões para que o preço da gasolina nos postos caísse, acompanhando os cortes anunciados pela Petrobras no valor do combustível às refinarias.

Foi uma questão de dias até que o clima de tensão entre Bolsonaro e os governadores atingisse um novo pico, mas, desta vez, relacionado às estratégias de combate à disseminação da Covid-19 no país.

“Estão tomando medidas, no meu entender, exageradas. Fecharam o aeroporto do Rio de Janeiro. Não compete a ele, meu Deus do céu! Parece que o Rio de Janeiro é um outro país.”, disse Bolsonaro, no dia 20 de março, diante da intenção do governador Wilson Witzel de isolar o Rio para transportes de passageiros.

Bolsonaro já se posicionou diversas vezes contra o isolamento social e entrou em atrito com governadores que adotaram medidas de restrição aos transportes e ao comércio. Ele foi alvo de críticas de seu ex-aliado Ronaldo Caiado (DEM), governador de Goiás, e trocou acusações com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), durante uma reunião com os governadores do Sudeste.

Artigo 142

O vídeo também sugere que uma eventual intervenção militar seria sustentada pelo artigo 142 da Constituição, o que também é falso, já que a lei brasileira não permite que uma decisão desse tipo seja tomada somente pelo Executivo, sem o aval do Congresso.

Não é a primeira vez que esse artigo surge de forma distorcida em conteúdos virais. Ele diz o seguinte: “As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”. Em outras palavras, o que a lei quer dizer é que o presidente da República é o chefe maior das Forças Armadas.

Viralização

O vídeo publicado no canal Notícias da Hora YouTube tinha 466 mil visualizações no dia 15 de abril. O post do site NBO teve 55 mil interações no Facebook e 733 no Twitter. informação também foi replicada em um perfil pessoal no Facebook, que teve mais de 15 mil compartilhamentos.

A verificação desse conteúdo também foi feita pelo site Boatos.org e pela Agência Lupa.

Verificação

Investigado por:2020-04-14

Acusação de que China contaminou máscaras com coronavírus foi inventada por autor de áudio

  • Falso
Falso
Em contato com o Comprova, o responsável por uma gravação que viralizou no WhatsApp disse que a fonte de suas alegações era “ele mesmo” e que a prova era “o próprio áudio”

Circula em grupos de WhatsApp um áudio em que um homem afirma que as máscaras de proteção exportadas pela China estão infectadas com o novo coronavírus. A alegação é falsa. O Comprova entrou em contato com o autor da gravação, que não ofereceu nenhuma evidência de que isso seja verdade. Ele também não citou fontes que corroborassem sua teoria.

A reportagem também consultou o médico infectologista Jean Gorinchteyn, do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, que classificou o boato como “bobagem”. O especialista afirmou ser impossível que as máscaras chegassem infectadas da China. “Pelo tempo que demoraria a produção e o transporte da máscara, o vírus não sobreviveria”, explicou ele.

Um estudo publicado na revista científica The New England Journal of Medicine aponta que o SARS-CoV-19 (nome oficial do novo coronavírus) pode ser detectado por até 72 horas em superfícies de plástico e até 24 horas em papelão. Os pesquisadores concluíram que a quantidade de vírus cai exponencialmente ao longo do tempo.

No dia 8 de abril, o Ministério da Saúde anunciou ter comprado da China 240 milhões de máscaras para proteger profissionais de saúde que atendem pacientes com a covid-19. A encomenda tem 960 toneladas, que serão transportadas em quarenta voos que chegarão ao Brasil em duas semanas. Desde o anúncio, boatos sobre contaminação de máscaras têm circulado em aplicativos de mensagens e em perfis, páginas e grupos de redes sociais.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

O autor do áudio fala seu nome e diz ser cantor, compositor e estudante de Medicina. O Comprova encontrou um canal do YouTube que atendia à descrição feita no áudio e entrou em contato com o número de telefone divulgado na página.

O Comprova também consultou o médico infectologista Jean Gorinchteyn, do Hospital Emílio Ribas, para saber da possibilidade de contaminação de máscaras por coronavírus.

Quem é o autor do áudio

A voz no áudio se identifica como Rodrigues Filho. Por telefone, ele afirmou que a fonte de suas alegações sobre máscaras importadas da China era “ele mesmo” e que a prova era “o próprio áudio”.

O cantor disse ainda que todas as pessoas que estão com coronavírus foram infectadas por máscaras chinesas. A reportagem perguntou se ele tinha realizado testes em máscaras ou se ele mesmo tinha sido infectado, mas Rodrigues negou.

Por WhatsApp, o Comprova voltou a pedir provas ao cantor, mas ele não ofereceu nenhuma evidência de qualquer tipo.

Viralização

O áudio foi distribuído em 43 grupos de WhatsApp monitorados pelo Monitor de WhatsApp da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) nos dias 10 e 11 de abril. Conteúdo semelhante foi encontrado em dezenas de páginas e grupos no Facebook e em publicações no Twitter.

Verificação

Investigado por:2020-04-09

Hospital nega que tenha tratado o “primo Antonio Carlos”

  • Falso
Falso
Hospital Unimed-Rio nega que tenha atendido paciente chamado Antonio Carlos, de 67 anos, curado da covid-19 com cloroquina, características descritas em um tuíte que viralizou.

O Hospital Unimed-Rio nega que um paciente com as características descritas em um tuíte que viralizou nas redes sociais tenha sido tratado na instituição. O paciente seria um homem chamado Antonio Carlos, de 67 anos, primo do autor do tuíte, e que teria sido curado da covid-19 com o uso do medicamento cloroquina no hospital localizado na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

O autor do post afirma que tinha acabado de sair do Hospital Unimed da Barra, onde o “primo Antonio Carlos de 67 anos”, detectado há 16 dias com covid-19, havia sido curado após tratamento com cloroquina.

A mensagem viralizou e foi copiada por uma série de perfis no Twitter e também no Facebook. Muitas pessoas reuniram os posts de diferentes contas das redes sociais para ironizar a quantidade de primos que Antonio Carlos possuiria.

Alguns perfis perguntaram ao autor do post original se ele tinha parentesco com outras pessoas que publicaram o mesmo post, dizendo ser primas de “Antonio Carlos”.

O Comprova verificou a veracidade do conteúdo publicado no Twitter pelo perfil @marcelloneves72 no dia 7 de abril. O perfil tinha 45 mil seguidores na tarde do dia 9 de abril.

Nesta quarta-feira, 8 de abril, Marcello voltou a afirmar, em resposta a uma publicação do presidente Jair Bolsonaro no Twitter a respeito do uso de hidroxicloroquina, que seu primo havia sido curado pelo medicamento.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

Para verificar o conteúdo da mensagem, o Comprova entrou em contato com a Unimed-Rio. Por email, a Instituição informou desconhecer “o referido atendimento ao paciente Antonio Carlos, de 67 anos, diagnosticado com a covid-19”. Questionada se algum paciente tinha sido curado ou tratado com cloroquina na unidade, a Unimed-Rio disse que “segue todas as orientações do Ministério da Saúde para o tratamento dos casos suspeitos ou confirmados da doença”.

O Comprova também tentou falar com Marcello Neves para saber sobre o “primo Antonio Carlos”. A equipe encaminhou mensagens pelo Twitter, que não foram respondidas. Logo em seguida, Marcello restringiu o acesso à sua conta na rede social.

A cloroquina tem sido alvo de debate no país para o tratamento da covid-19. O presidente Jair Bolsonaro tem tratado o medicamento como uma possibilidade de cura da doença e incentivado o uso pelos médicos para acabar com o isolamento social.

A substância, juntamente com a hidroxicloroquina, tem sido administrada em pacientes infectados pelo novo coronavírus por instituições brasileiras e internacionais, mas ainda não há elementos científicos suficientes que assegurem a sua eficácia. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem alertado para os efeitos colaterais do uso indiscriminado do medicamento, como arritmia cardíaca.

Viralização

A mensagem publicada no Twitter tinha 12,5 mil curtidas e 3,7 mil retuítes na tarde da quinta-feira, 9 de abril.

A verificação desse conteúdo também foi feita pelo site Catraca Livre.

Verificação

Investigado por:2020-04-09

É falso que o Hospital das Clínicas de São Paulo não tenha pacientes com covid-19

  • Falso
Falso
Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra imagens de outro hospital, que fica em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Ele também tem pacientes internados com a covid-19

É falsa a alegação que circula em vídeos compartilhados no Facebook e em canais no YouTube de que o Hospital das Clínicas de São Paulo não tem nenhum paciente infectado pela covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus – internado na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo). Até 7 de abril, a instituição já tinha recebido 256 pacientes com covid-19, sendo que 120 deles estavam internados na UTI.

As imagens que circulam como sendo do HC de São Paulo foram feitas em 3 de abril, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, a 310 quilômetros da capital. No dia da gravação, 11 pacientes infectados pela covid-19 estavam internados no HC-FMRP, todos em estado grave.

O Comprova verificou o conteúdo do vídeo em postagens em um perfil pessoal e na página Eu sou mais Brasil, no Facebook, e no canal Paulo Pavesi no Brasil, no YouTube.

Falso para o Comprova é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

O Comprova entrou em contato com a assessoria de imprensa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, maior hospital público da América Latina, que sugeriu que as imagens poderiam ser do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Também fizemos contato com a assessoria de imprensa do HC-FMRP. Ambas instituições são administradas pela Universidade de São Paulo.

Também tentamos entrar em contato com as pessoas que publicaram o vídeo com informações falsas nas redes sociais.

Quem é o autor da publicação?

O Comprova conversou com autor da postagem no Facebook que trazia o vídeo que mais teve compartilhamentos. Trata-se de um homem, de Cuiabá. Ele afirmou que recebeu o conteúdo pelo WhatsApp e resolveu postar em seu perfil. Disse que não sabia quem era o autor das imagens.

O vídeo mais antigo que o Comprova encontrou foi postado no YouTube em 5 de abril. O autor também postou as imagens no Facebook. Ele não respondeu às nossas tentativas de contato.

A assessoria de imprensa do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto informou ao Comprova que conseguiu identificar o homem responsável pela gravação das imagens, mas não quis informar de quem se trata. Segundo o hospital, ele não conversou com nenhuma funcionária da instituição, ao contrário do que afirma no vídeo. O departamento do jurídico do HC-FMRP estuda tomar providências contra a pessoa que fez a gravação.

Onde as imagens foram feitas?

A pessoa que gravou o vídeo afirma que está “no balcão 5 do Hospital das Clínicas de São Paulo”, mas não esclarece que as imagens foram feitas no HC de Ribeirão Preto, e não no da capital paulista. Até a quarta-feira, 08 de abril, havia 4946 casos confirmados de covid-19 na cidade de São Paulo e apenas 36 em Ribeirão Preto, como informa um balanço do governo do Estado.

O “balcão 5” é um corredor de acesso ao ambulatório geral do HC-FMRP. O movimento nesta área é baixo atualmente porque apenas os doentes graves estão sendo atendidos. Casos de menor complexidade estão sendo reagendados para priorizar o combate ao novo coronavírus.

Com isso, o número de consultas caiu de 3.000 para 500 por dia. “As medidas foram tomadas para proteger os pacientes que fazem parte dos grupos mais vulneráveis ao coronavírus”, afirmou, por e-mail, a assessoria de imprensa do HC-FMRP Até o momento da checagem, no dia 08 de abril, 11 pacientes infectados com a covid-19 permaneciam internados no hospital.

O diretor do HC-FMRP, Antonio Pazin Filho, publicou um vídeo em que esclarece como funciona a triagem dos pacientes que chegam ao hospital. “Nós estamos, com isso, demonstrando que estamos nos preparando para enfrentar essa pandemia e tudo que não precisamos neste momento são fake news divulgadas da forma irresponsável como foram feitas nessa última vez”, afirma.

Viralização

A postagem no Facebook com o vídeo e que mais viralizou foi compartilhada, 2,2 mil. No YouTube, o vídeo mais antigo foi postado em 5 de abril, dois dias depois que as imagens foram captadas, e teve 10.704 visualizações até a quarta-feira 8 de abril. O homem que publicou o vídeo no YouTube também postou as imagens no Facebook, mas elas foram compartilhadas apenas 35 vezes até a data.

O conteúdo verificado pelo Comprova também foi publicado em outras contas de Twitter, Facebook e YouTube, todas com menos de 100 compartilhamentos até o dia 8 de abril. Entre o dia 5 e o dia 7 também foram publicados no YouTube ao menos dez vídeos com o mesmo tom alarmista denunciando hospitais vazios em Juiz de Fora (MG), Maringá (PR), Taguatinga (DF), além de outro vídeo que visitava unidades de atendimento de saúde menores em Ribeirão Preto.