O Projeto Comprova é uma iniciativa colaborativa e sem fins lucrativos que reúne jornalistas de 42 veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações suspeitas sobre políticas públicas, eleições presidenciais e a pandemia de covid-19 que foram compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens.
Filtro:

Eleições

Investigado por: 2021-10-29

Publicações falsas inventam que jogadores de times europeus dedicaram gols a Bolsonaro

  • Falso
Falso
São falsas duas publicações virais no Facebook que falam que jogadores internacionais homenagearam Jair Bolsonaro (sem partido). Não existem registros de que Mohamad Salah, do Liverpool, e Ciro Immobile, da Lazio, tenham se manifestado a favor do presidente brasileiro.
  • Conteúdo verificado: Post inventa que Mohamed Salah, atacante egípcio do Liverpool, dedicou três gols a Jair Bolsonaro (sem partido). Publicação semelhante que começou a circular antes cita outro jogador internacional, o italiano Ciro Immobile, da Lazio.

São inventadas as informações de posts virais no Facebook com homenagens de jogadores de futebol internacionais ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após gols e vitórias de suas equipes.

Na publicação mais recente aparece o egípcio Mohamed Salah, atacante do time inglês Liverpool, com uma frase falsa enaltecendo Bolsonaro após supostamente ter ouvido boas referências de brasileiros companheiros de clube. Na semana passada, circulava uma montagem semelhante com foto do atleta italiano Ciro Immobile, que joga na equipe também italiana do Lazio.

Apontado como fonte de uma das histórias, o jornalista Jorge Nicola não fez publicação sobre a suposta homenagem de Salah a Bolsonaro. “Não escrevi nada daquilo”, ele afirmou ao Comprova.

No post com Immobile, a alegação é que a origem da história seria um jornal esportivo italiano, mas não há nenhuma reportagem com esse conteúdo.

A reportagem escreveu para as páginas que publicaram os conteúdos. O perfil Bolsonaro Presidente no Facebook não respondeu até a publicação deste texto. Já o grupo Bolsonaro 2022 BR não foi possível contatar porque não há opção de envio de mensagem.

O Comprova considerou os conteúdos falsos porque foram inventados.

Como verificamos?

Para verificar o caso de Salah, a reportagem checou o blog e todas as redes sociais de Jorge Nicola, jornalista citado como fonte da história, e não encontrou nenhuma referência ao caso no YouTube, Twitter, Facebook e Instagram. Houve contato com o próprio Nicola por mensagens no WhatsApp e ele negou ter publicado o conteúdo.

O Comprova também fez contato com o assessor de imprensa de Alisson Becker, um dos jogadores brasileiros citados em um dos posts.

Sobre o caso que circulou na semana anterior, de Immobile, a equipe entrou em contato com a assessoria de imprensa do jogador pelo Instagram e LinkedIn e fez buscas em sites de jornais esportivos da Itália, para verificar se algum deles seria a fonte citada no post, e não havia nenhuma informação sobre a homenagem. Também foram checadas as redes sociais do jogador italiano e não havia nenhuma manifestação sobre Bolsonaro. Até o momento, a assessoria do jogador não respondeu às mensagens.

Verificação

Mohamed Salah

No dia 24 de outubro, o Liverpool goleou o rival Manchester United por 5 a 0, com três gols de Mohamed Salah, um dos 30 melhores jogadores do mundo na atualidade, segundo lista do prêmio Bola de Ouro da revista francesa France Football. Tentando aproveitar a popularidade do egípcio, um post afirma falsamente que ele admira Jair Bolsonaro pelo que escuta em conversas com jogadores brasileiros do clube, como o goleiro Alisson, o volante Fabinho e o atacante Roberto Firmino.

A assessoria de imprensa do goleiro Alisson Becker afirmou que a situação narrada na postagem é falsa.

A fonte citada na publicação é “Jorge Nicolas”, grafia errada do nome do jornalista Jorge Nicola, que mantém blog no Yahoo e negou que tenha feito qualquer reportagem sobre o tema. “Nunca”, foi o que respondeu categoricamente ao ser questionado se já divulgou entrevista com esse conteúdo.

Ciro Immobile

A fonte citada no post sobre Immobile é “Jornal esportivo italiano”, sem especificar qual veículo de imprensa teria feito reportagem sobre o assunto.

No La Gazzeta dello Sport, nenhuma matéria foi publicada com os nomes de Immobile e Bolsonaro no mesmo texto.

No Corriere dello Sport, houve uma história com os dois envolvidos, mas não está relacionada ao assunto. A reportagem é 26 de março de 2020 e repercute a entrevista que Lucas Leiva, jogador brasileiro da Lazio, deu ao Globo Esporte com alerta para sua terra natal sobre o perigo do coronavírus. Até aquele dia, a covid-19 tinha matado 77 pessoas no Brasil, mas já afetava com maior intensidade a Itália, onde haviam falecido 8.215 cidadãos. Leiva relatava a rotina da quarentena no país. A matéria fala da postura negacionista do presidente brasileiro que desdenhava do perigo e descartava a necessidade de isolamento.

O nome de Immobile aparece na página em galeria de fotos que mostra jogadores que publicaram em redes sociais com a hashtag em italiano “iostoacasa”, que, em português, significa “eu fico em casa”, postura diferente da que foi defendida por Bolsonaro desde o início da pandemia.

O jogador italiano usou a mesma hashtag ou semelhantes em outras publicações. Ele também doou uma camisa de futebol para leilão com a renda revertida para um hospital que tratava vítimas da covid-19. Quando recebeu agradecimento pelo gesto, retribuiu chamando os profissionais da saúde de “verdadeiros campeões”.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O post falso sobre homenagens de Salah a Bolsonaro teve cerca de 3,9 mil reações e mais de 1,7 mil compartilhamentos até não poder ser mais visualizado no Facebook. A publicação com Immobile teve 2 mil reações e mais de 500 compartilhamentos até 28 de outubro, quando também foi bloqueada.

Qualquer cidadão tem o direito de apoiar o político que quiser, mas é perigoso para a democracia quando a opinião é formada com base em conteúdos falsos, como estes verificados aqui.

Conteúdos iguais ou similares foram considerados falsos pelas agências de checagem Estadão Verifica, LupaAos Fatos e Boatos.org.

O Comprova já classificou como falso outros conteúdos que associavam os nomes de atletas a apoio a Bolsonaro, como o que inventava que o surfista Italo Ferreira teria pedido a prisão do ex-presidente Lula (PT) durante as Olimpíadas de Tóquio e o que dizia que a trilha usada em apresentação da ginasta Rebeca Andrade no mesmo evento seria uma homenagem a Bolsonaro.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Pandemia

Investigado por: 2021-10-29

CDC não disse que imunidade natural é superior à das vacinas, como sugere empresário indiciado pela CPI

  • Falso
Falso
É falso que o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos tenha admitido que a imunidade de quem já foi infectado pela covid-19 seja superior a de quem se vacinou. Tuíte de um empresário brasileiro reproduz o conteúdo de uma publicação em inglês escrita após uma troca de emails com o CDC. Embora o autor insista que a “imunidade natural” é superior aos imunizantes, o órgão americano não sustenta essa tese nas mensagens. Na verdade, o CDC defende que mesmo quem já teve a doença deve se imunizar, para evitar reinfecções. Um estudo publicado pelo órgão diz ainda que as vacinas melhoram resposta imune em pessoas que tiveram a doença.
  • Conteúdo verificado: Tuíte afirma que o “CDC americano teve que admitir, em uma troca formal de emails, que a imunidade natural é superior à imunidade da vacina”. O link que acompanha o tuíte mostra uma troca de emails entre um escritório de advocacia e integrantes do CDC, mas, em nenhum momento, o CDC faz tal admissão.

É falso um tuíte do empresário Otávio Fakhoury segundo o qual o CDC, órgão de controle de doenças americano, teria admitido que a imunidade de quem já teve covid-19 é superior a de quem se vacinou. Ele se baseia em uma publicação em inglês que trocou emails com o CDC. Nas mensagens publicadas em anexo pelo site, o CDC, na verdade, reitera sua política de que mesmo as pessoas que já se recuperaram do novo coronavírus devem buscar ser imunizadas.

Além disso, no site da instituição, há um estudo defendendo que as vacinas melhoram a resposta imune em pessoas que já tiveram a doença.

Autoridades de saúde do Brasil, como a Anvisa, a Sociedade Brasileira de Imunizações, a Fiocruz e o Instituto Butantan também defendem que mesmo os recuperados devem buscar se vacinar para se proteger contra novas variantes e porque a imunidade natural tende a cair com o tempo.

Essa necessidade de reforço dos anticorpos também foi explicada ao Comprova pelo imunologista João Bosco, do Hospital Albert Einstein. Após analisar o conteúdo original, o médico ainda criticou o fato de o estudo citado pelo site em inglês, no qual Fakhoury se baseou, estar em um repositório de pré-publicações e, portanto, nunca ter tido seus resultados revisados por outros cientistas.

Indiciado pela CPI da Pandemia por supostamente financiar sites que difundem desinformação sobre a covid-19, o empresário disse ao Comprova, por telefone, que apenas reproduziu em português o que estava dito na página em inglês, não emitindo nenhuma opinião nova e, por isso, não deveria ser alvo de uma verificação.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

Inicialmente, o Comprova contatou o CDC questionando se a troca de e-mails é real e aguardamos um retorno. Além disso, foram realizadas buscas na internet para saber quem é Otávio Fakhoury.

Verificamos que ele atua como líder do PTB em São Paulo e foi indiciado por incitação ao crime (artigo 286 do Código Penal) pela CPI da Covid, no Senado Federal, que apura as ações e omissões do governo federal e seus aliados no combate à pandemia.

Encaminhamos um e-mail ao diretório estadual da sigla em que ele atua para saber se ele gostaria de se manifestar sobre o posicionamento compartilhado no Twitter. Em retorno, a assessoria política do PTB informou que Fakhoury estava disponível para esclarecer pontos via ligação.

Na sequência, a reportagem foi em busca de estudos do próprio órgão de saúde norte-americano que mostrassem seu posicionamento científico a respeito da imunidade contra a covid-19. Encontramos pesquisas que asseguram que a vacina é a melhor alternativa contra o vírus por reduzir as chances de reinfecção e desenvolvimento de quadros graves da doença.

Através dos sites dessas instituições, também consultamos a posição da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan sobre a necessidade de imunizar pessoas que já se recuperaram da covid-19.

A reportagem contatou ainda o médico imunologista João Bosco, diretor de genética do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, que analisou o conteúdo da publicação.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 29 de outubro de 2021.

Verificação

Vacinas melhoram resposta imune em pessoas que tiveram a doença, sugere estudo do CDC

Diferentemente do que sugere a publicação compartilhada no Twitter, o CDC afirma em um estudo divulgado em agosto deste ano que as vacinas trazem uma proteção maior a pessoas que tiveram infecção prévia por covid-19. A pesquisa desenvolvida em Kentucky, nos Estados Unidos, avaliou a imunidade de pessoas que já tinham sido infectadas com o Sars-COV-2.

Centenas de moradores da região, que haviam contraído o vírus até junho de 2021 e não foram vacinados, tiveram 2,34 vezes mais chances de reinfecção em comparação com os totalmente imunizados.

Segundo o CDC, os resultados sugerem que, entre as pessoas que tiveram covid-19 anteriormente, a vacinação completa fornece proteção adicional contra a reinfecção.

As vacinas também evitaram hospitalizações ligadas à covid-19 entre os grupos de maior risco, como idosos acima dos 65 anos e pessoas com comorbidades. “À medida que os casos, hospitalizações e mortes aumentam, os dados do relatório semanal sobre a doença reforçam que as vacinas são a melhor forma de prevenir a covid-19″, explica o CDC.

O autor da publicação em inglês na qual o tuíte se baseou apresentou uma petição ao CDC pedindo que revisse a política de vacinação de quem já teve a covid-19. O pedido foi rejeitado por uma questão formal. Ainda assim, o órgão faz questão de reiterar a necessidade de vacinação para quem já foi infectado, como uma forma de prevenir a reinfecção pelo novo coronavírus. O CDC argumenta que os dados atuais mostram que contrair novamente a doença é mais provável para quem não recebeu os imunizantes.

No email, o CDC diz ainda que não vai oferecer uma resposta detalhada a todas as “incorreções” presentes no email. O autor, então, diz que o órgão “falhou em rebater de forma clara, consistente e irrefutável” os argumentos. Ao contrário do que afirma o post em inglês e, em seguida, o tuíte do empresário brasileiro, no entanto, o CDC nunca admitiu que a “imunidade natural” é superior à conquistada pelas vacinas.

Categorias de imunidade contra a covid-19

O centro de monitoramento de doenças norte-americano detalha quais são os tipos de imunidades geradas contra a covid-19 e pontua que existem dois grupos: o de imunidade ativa e outro de imunidade passiva.

O primeiro ocorre quando há a exposição ao vírus e o sistema imunológico precisa reagir com a produção de anticorpos contra a doença, o que pode ocorrer por imunidade natural — quando há um quadro infeccioso — ou por imunidade induzida pela vacina.

Já os casos de imunidade passiva ocorrem quando um bebê recém-nascido adquire anticorpos por meio da placenta ou do leite materno.

“A principal vantagem da imunidade passiva é a proteção ser imediata, enquanto a imunidade ativa leva tempo (geralmente várias semanas) para se desenvolver”, detalha o CDC.

Autoridades no Brasil

Como o Comprova mostrou recentemente, a Anvisa já argumentou que testes de anticorpos não substituem a imunização e servem tão somente para indicar se as pessoas já foram infectadas pelo Sars-CoV-2.

“Não existe, até o momento, a definição da quantidade mínima de anticorpos neutralizantes necessária para conferir proteção imunológica contra a infecção pelo Sars-CoV-2, uma reinfecção, as formas graves da doença e nem contra as novas variantes circulantes”, diz a agência brasileira, na nota técnica 33/2021.

A Sociedade Brasileira de Imunizações também defende que pessoas que já tiveram a doença devem se vacinar. “Como a duração da proteção natural gerada pela própria doença é desconhecida e por existir a possibilidade de reinfecção, ainda que pouco frequente, a vacinação é indicada, independentemente de histórico de covid-19”, argumenta a entidade. A única recomendação é esperar quatro semanas após o início dos sintomas para se vacinar ou, no caso de assintomáticos, após receber o resultado positivo no teste de RT-PCR.

A mesma posição é defendida pela Fiocruz e pelo Instituto Butantan, centros de pesquisa responsáveis pela produção da AstraZeneca e da CoronaVac. “Mesmo quem já teve covid-19 deve ser imunizado”, defende a Fiocruz.

“Isso porque, mesmo com anticorpos, nem sempre o organismo cria a chamada ‘memória imunológica’, que é a capacidade de reconhecer e se proteger contra uma segunda invasão. E uma pessoa pode contrair novamente a covid-19, ainda mais por conta das variantes que circulam por aí”, explica o Butantan.

Especialista reforça que mesmo quem teve covid deve se vacinar

A pedido do Comprova, o imunologista João Bosco analisou o conteúdo verificado. Segundo ele, mesmo quem já foi infectado pelo coronavírus deve se vacinar.

“A gente sabe que a infecção natural claramente induz proteção. Ninguém está dizendo que não. Quem teve infecção passada está mais protegido do que quem nunca se vacinou ou nunca foi infectado. Porque o nosso organismo produz anticorpos. Só que os níveis de proteção alcançados pela infecção natural são inferiores a quem toma duas doses de uma boa vacina. Principalmente agora que muitos de nós estão tomando uma dose extra de reforço”, afirmou.

Segundo ele, isso acontece porque os imunizantes estimulam mais produção de anticorpos do que no caso de uma infecção comum. “A gente já sabe que quanto mais anticorpos, mais difícil é de você ser infectado ou que essa infecção seja mais grave”, lembra o médico. Além disso, o especialista afirma que, para quem já se recuperou da covid-19, a vacinação pode funcionar como uma dose de reforço dessa imunidade.

“Independente de como você adquirir a proteção, pelo que a gente tem visto da covid, o nível dessa proteção tende a cair com o tempo. Inclusive por causa do surgimento de novas variantes. Tanto que nós já estamos trabalhando com uma janela de aplicação de uma dose de reforço do imunizante de seis a oito meses em alguns grupos mais vulneráveis. É possível que a gente entre num ciclo como o influenza, o vírus da gripe, que todo ano a gente tem uma vacina nova por causa do surgimento de novas variantes. Por isso eu me vacino mesmo depois de ter sido infectado”, projeta o imunologista.

Ele lembra ainda que a imunização ajuda a proteger outras pessoas, como crianças, que não puderam se proteger e, com menos vírus circulando, a chance de surgirem novas variantes diminui.

Por fim, Bosco questiona o artigo citado como argumento pela publicação, dizendo ser errado afirmar que os anticorpos produzidos por uma infecção natural não permitem a transmissão do vírus. “Tanto o vacinado quanto quem foi infectado podem ter infecção por Delta, por exemplo”, afirma. Ele cita que o texto está disponível apenas num repositório de pré-publicação e, portanto, não foi sequer revisado e confirmado pela comunidade acadêmica.

O autor

Otávio Fakhoury é um empresário que se descreve em sua conta verificada no Twitter como “conservador, antiglobalista, anticomunista”, além de presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em São Paulo. Essa informação pode ser confirmada no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ele foi indiciado por incitação ao crime (artigo 286 do Código Penal) pela CPI da Covid no Senado Federal por suspeita de disseminar fake news. Segundo o relatório final, ele teria financiado diversos grupos e sites que propagaram desinformação durante a pandemia, investindo mais de R$ 310,2 mil ao longo dos anos de 2020 e 2021, além de transferências financeiras para o blogueiro Allan dos Santos.

Ainda de acordo com o documento, ele também teria feito postagens em suas próprias redes sociais com críticas à vacinação e defendendo o uso de medicamentos sem eficácia para tratar a covid-19.

“Com essa conduta, Otávio Fakhoury contribuiu para que um número significativo de brasileiros não aceitasse a vacinação com a CoronaVac”, afirma o relatório.

Fakhoury depôs à CPI no dia 30 de setembro. Disse que suas conclusões seriam uma opinião pessoal e que a emitiu com base no direito à liberdade de expressão.

O que diz Fakhoury

Em entrevista ao Comprova via ligação pelo WhatsApp, na presença do assessor de comunicação, Otávio Fakhoury afirmou que a postagem do Twitter não tinha cunho opinativo, com exceção da última linha, em que ele escreveu: “Leia a troca formal com o CDC e julgue você mesmo”.

De acordo com ele, o restante do tuíte seria uma transcrição resumida do que havia na suposta troca de mensagens entre o colunista norte-americano e o CDC.

“No meu texto deixei claro ali [que não opinei]. Até escrevi que não emiti opinião minha. Coloquei no final que gostaria que todo mundo formasse a sua opinião”, disse o líder do PTB. Fakhoury também disse não ser apto a debater sobre a imunização e que apenas leu o “texto inteiro” e achou “a troca de emails interessante”.

O líder do PTB alega não ser contra a vacinação, mas declara abertamente que não concorda com o uso obrigatório dos imunizantes contra a covid-19 e o passaporte vacinal.

“Eu até coloquei num segundo tuíte agora, como você está falando comigo, onde eu digo: (sic) ‘Antes q qquer um venha taxar o tweet acima de ‘fake news’, já deixo claro q o q escrevi foi um resumo em português do q foi escrito nos parágrafos iniciais pelo autor do artigo. Não sou jornalista, não faço notícias, e o q compartilho são matérias q podem ser de interesse geral'”.

Por telefone, o político disse que o texto é apenas uma tradução e que a veracidade do texto deve ser checada com o autor do mesmo. Mais uma vez, ele voltou a afirmar que apenas “reproduziu a tradução”.

“Eu não sou técnico, mas gosto de ler coisas de gente técnica. Cresço quando assisto gente técnica debater, a gente não cresce vendo senador debater. Sou leigo, então como posso formar uma opinião? Vendo os técnicos falarem, vendo o CDC falar”, reforçou.

Ao ser questionado sobre a leitura de um estudo recente do centro de controle da saúde norte-americana, que aponta para a melhor resposta imune em pessoas já tiveram covid-19 e se vacinaram, Fakhoury afirmou não saber da existência dele.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos que tenham viralizado sobre a pandemia, as políticas públicas do governo federal e as eleições. O tuíte em questão teve mais de 3 mil interações.

Publicações que envolvem a covid-19, especialmente as vacinas, são importantes de serem verificadas porque podem afetar a confiança da população nos imunizantes que, até aqui, são a principal arma defendida por autoridades de saúde para combater a doença. Além disso, pessoas desinformadas sobre a pandemia podem colocar suas vidas em risco.

Recentemente, o Comprova mostrou que os testes de anticorpos não devem substituir a vacina contra a covid-19, como sugeria um deputado do Paraná; que uma deputada distorceu entrevista de uma diretora do CDC para criticar as vacinas e a adoção de “passaportes sanitários”; e que um infectologista fez uma publicação enganosa ao comparar a imunidade gerada por doenças como sarampo, febre amarela e hepatite B àquela gerada pela covid-19.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Pandemia

Investigado por: 2021-10-29

É falso que órfãos da Polônia são usados em experimentos de vacina da Pfizer e Moderna

  • Falso
Falso
São falsas as afirmações compartilhadas por uma apresentadora brasileira que vive nos Estados Unidos sobre médicos poloneses terem denunciado a utilização de bebês órfãos em experimentos ilegais de “vacinas de engenharia genética” contra a covid-19, desenvolvidas pela Pfizer e Moderna. A partir de mentiras, a publicação nociva induz a população a evitar os imunizantes, ainda que os insumos sejam comprovadamente eficazes e seguros, de acordo com órgãos nacionais e internacionais de vigilância em saúde.
  • Conteúdo verificado: Texto que circula nas redes sociais diz que médicos poloneses denunciaram supostos “experimentos ilegais realizados com bebês órfãos na Polônia, Espanha, Finlândia e Estados Unidos”. Os experimentos, diz o texto, visam “testar suas novas vacinas de engenharia genética“.

É falso que médicos poloneses denunciaram a utilização de bebês órfãos em experimentos ilegais de “vacinas de engenharia genética” contra a covid-19. A autora da postagem é Karina Michelin, já verificada em checagens anteriores do Comprova, e na publicação verificada utiliza argumentos sem comprovação, desmentidos pelo Ministério da Saúde polonês e pela fabricante dos imunizantes.

Procurada pelo Comprova, a primeira conselheira de Missão da Embaixada da República da Polônia em Brasília, Renata Siuda-Ambroziak, afirmou que todos os estudos sobre o imunizante contra o coronavírus obtiveram autorização legal exigida pelas entidades de saúde e ética locais.

Além disso, um infectologista e professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) esclareceu que “engenharia genética” é o antigo nome dado à biologia molecular, utilizada tanto na fabricação de vacinas quanto de medicações, como a insulina.

Diferentemente da indução que o texto de Karina Michelin faz sobre o uso dessa técnica ser algo prejudicial, o especialista afirma que ela é utilizada por mais de 50 anos, sem prejuízos aos usuários dos fármacos.

A reportagem contatou a autora da postagem, para saber quais eram suas fontes e verificar a procedência das informações. Até o momento, não houve retorno.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

O Comprova contactou as farmacêuticas Pfizer e Moderna para checar se as informações citadas na publicação verificada procediam. Apenas a primeira retornou até o momento, com explicações sobre a não procedência das informações.

Em seguida, pesquisamos na internet sobre quem é Grzegorz Braun, o político citado na postagem. O Comprova pesquisou o perfil de Braun no Twitter para descobrir se, realmente, ele compartilhou informações a respeito de supostos experimentos ilegais com crianças órfãs polonesas, como divulgaram Karina Michelin, em sua página, e o grupo Médicos pela Vida, pelo Telegram.

Na sequência, a reportagem recorreu às checagens anteriores sobre publicações feitas por Michelin, para consultar as informações que haviam sido levantadas sobre ela. Buscas na internet também foram realizadas para conseguir dados sobre quem seria a jornalista e apresentadora, além do contato com ela. Até o momento, não houve retorno.

Depois, fez contato com o político Grzegorz Braun por meio do perfil dele no Twitter, na página pessoal que ele mantém na internet e, também, com o partido que ele diz presidir.

O passo seguinte consistiu em buscar respostas junto ao governo polonês procurando a Embaixada da Polônia em Brasília, a fim de confirmar a existência de tal pesquisa e saber se ela estaria sendo feita com crianças órfãs da covid-19 no país.

Por último, foi consultado Daniel Mansur, infectologista e professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), para que uma explicação científica sobre o assunto pudesse contextualizar e dizer se procedia ou não o uso de “engenharia genética” para a produção de vacinas.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 29 de outubro de 2021.

Verificação

O que diz o governo polonês

A equipe do Comprova contatou o Ministério da Saúde da Polônia, e também a Embaixada da Polônia em Brasília. Nos dois casos, enviamos o link do post do político Grzegorz Braun sobre a pesquisa realizada no país com crianças, e também o da postagem de Karina Michelin.

Em resposta, Renata Siuda-Ambroziak, primeira conselheira/vice-chefe da Missão da Embaixada da República da Polônia em Brasília confirmou que um ensaio clínico patrocinado pela BioNTech com a vacina Comirnaty está em andamento no país e que todos os protocolos legais foram cumpridos.

“O estudo é justificado cientificamente, descrito no protocolo do ensaio clínico e conduzido por pesquisadores – médicos com qualificação profissional adequada, conhecimento científico e experiência no trabalho com pacientes”. Além disso, o pesquisador é responsável pela obtenção do consentimento consciente de cada participante do estudo.

A vice-chefe da missão acrescentou que, em abril deste ano, “o estudo obteve a autorização legalmente exigida junto ao Gabinete de Registo do PLWMiPB e o parecer favorável da comissão de ética, após cumprir os requisitos estabelecidos no regulamento que rege os ensaios clínicos de medicamentos”.

A pesquisa tem três fases e o objetivo é determinar a dose e avaliar a segurança, a tolerabilidade e a imunogenicidade. O estudo de fase II/III é cego para observador controlado por placebo para determinar a segurança, a tolerabilidade e a imunogenicidade da vacina candidata de RNA Sars-CoV-2 contra covid-19 em crianças saudáveis ​menores de 12 anos. Siuda-Ambroziak ressalta que a fase I da pesquisa já foi realizada nos Estados Unidos.

Quanto ao procedimento adotado para as pesquisas com crianças, a chefe da Missão explica que, os regulamentos poloneses preveem a necessidade de consentimento do representante legal da criança menor de 13 anos.

Quanto ao questionamento se Grzegorz Braun oficializou alguma denúncia, a representante da embaixada da Polônia em Brasília informou que, “até ao momento, o Gabinete não recebeu qualquer informação sobre quaisquer irregularidades a este respeito. (…) Braun emitiu perguntas e notificações oficiais. Na opinião do Instituto, as dúvidas decorrem do desconhecimento das disposições legais sobre ensaios clínicos de medicamentos.”

Quem é Grzegorz Braun?

Grzegorz Michał Braun é um político conservador do Sejm, a Câmara baixa do parlamento polonês. Concorreu nas eleições municipais de Gdansk, logo após o assassinato do então prefeito Pawel Adamowicz, ocorrido em 2019. Segundo reportagem da RFI, a plataforma de Braun foi “a defesa da Polônia da invasão migratória e das ordens da União Europeia”.

No site que leva seu nome, ele diz ser graduado em Estudos Poloneses pela Universidade de Wrocław, onde também foi professor de jornalismo até 2007. Em 2015, concorreu ao cargo de presidente da República da Polônia.

No que consiste a denúncia?

O Comprova pesquisou o perfil de Grzegorz Michał Braun no Twitter para descobrir se, realmente, ele tuitou sobre supostos experimentos ilegais com crianças órfãs polonesas, como divulgaram Karina Michelin e o grupo Médicos pela Vida.

Localizamos o post e, usando a ferramenta do Google Tradutor, identificamos que, o post, ele publica a imagem de um documento e cita o presidente do Escritório de Registro de Medicamentos, Dispositivos Médicos e Produtos Biocidas, Grzegorz Cessak, afirmando que, desde 27 de de abril, havia uma decisão do órgão “que permite a vacinação experimental ‘anti covid’ de crianças e bebês saudáveis — a sentença de “partes” é suficiente para toda a justificativa”.

Após encontrar o documento postado pelo político, o Comprova recorreu ao Google Tradutor para descobrir como se escreve “crianças órfãs”, “órfãs” ou “órfãos” em polonês e encontrou os seguintes termos: “osierocone dzieci”, “sierota” e “sieroty”. Não há nenhuma dessas palavras no post de Braun nem no documento postado por ele. Há, tão somente, a afirmação de que as autoridades autorizaram “a vacinação experimental anti covid de crianças e bebês saudáveis”.

O Comprova quis saber de Braun qual era a crítica dele à pesquisa e se o documento postado fazia menção a crianças órfãs da covid. Os contatos foram feitos por meio de mensagens enviadas em seu perfil do Twitter e também para o Kon Federacja, partido do qual ele se apresenta como presidente. Além disso, nossa equipe enviou e-mail para a seção “contato” da página que ele mantém na internet. Até o fechamento desta matéria não houve retorno.

O que diz o infectologista

Diante da confirmação do governo polonês sobre a existência da pesquisa de vacina contra a covid-19 com crianças menores de 12 anos, o Comprova quis saber de um infectologista como são os protocolos de testes.

Daniel Mansur explica que é fundamental apresentar evidências dos ensaios de segurança durante o pedido de uso emergencial de vacina, capazes de assegurar que os imunizantes são seguros e eficazes.

O cientista descreveu ainda que esses mesmos ensaios costumam ser testados em grupos diversos de pessoas, iniciando a testagem — em linhas gerais — em pessoas a partir dos 18 anos e, à medida em que se apresentam indícios seguros e eficientes, outra faixa de idade é testada.

Ao ser questionado se era possível que crianças órfãs estejam sendo submetidas aos testes, como afirma a publicação de Karina Michelin, o infectologista afirma que a ação, caso estivesse de fato ocorrendo, não seria ética.

Terapia de “engenharia genética”

Diante dos questionamentos feitos na publicação sobre os imunizantes, o professor da UFSC disse que as vacinas são seguras e que, até agora, os efeitos colaterais que aparecem na maioria das pessoas são rápidos.

A engenharia genética faz parte da constituição de diversas vacinas, segundo explica o infectologista. Mansur diz ainda que este termo foi substituído por “biologia molecular”.

“Pessoas mais de antigamente chamariam isso de engenharia genética [esse método de produzir imunizantes]. Isso não quer dizer que existe um problema. É uma técnica estabelecida há 40, 50 anos. Então, sim, a maioria delas é feita por engenharia genética, mas não existe nenhum problema relacionado”.

A insulina e os anticorpos utilizados para tratar o câncer são exemplos que ilustram a utilização da biologia molecular no cotidiano, de acordo com o infectologista.

Quem é a autora do post verificado

A autora do post, replicado também no grupo do Telegram ‘Médicos pela Vida’, se apresenta no Linkedin como produtora e apresentadora de um programa de TV na Flórida, voltado para brasileiros interessados em compras e baladas em Miami.

Outras publicações de Karina já foram alvos de checagens do Comprova. No caso do vídeo postado por ela para dizer que a imprensa dá destaque para pesquisadores irrelevantes. Além de usar o índice-H — métrica que avalia a quantidade de citações de artigos científicos de um determinado pesquisador — de cientistas que estudam o novo coronavírus de forma equivocada, ela errou ao dizer que pesquisadores da Organização Mundial de Saúde (OMS) não têm citações acadêmicas.

O Comprova contatou a autora da postagem, para saber quais eram suas fontes e verificar a procedência das informações. Até o momento, não houve retorno.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O post verificado alcançou 1.500 curtidas e mais de 500 compartilhamentos no Twitter.

Publicações falsas, como a que foi aqui verificada, colocam a saúde da população em risco ao afirmar que a vacinação contra a covid-19 voltada para crianças é dispensável. Já foi comprovada em estudos de órgãos nacionais a eficácia das vacinas disponíveis atualmente contra a doença.

Isso fica claro na reação dos seguidores de Karina Michelin ao comentarem o post. “Querem destruir a todo custo quem não tem como se defender… literalmente”, tuitou uma mulher que se apresenta como pastora.

Outro seguidor escreve: “Eugenia in progress”, com o emoji da lupa.

O Comprova já verificou outros boatos como esse relacionados à vacina, como um tuíte que engana ao dizer que a vacina da Pfizer tem partículas contaminantes e a publicação que engana ao dizer que dados oficiais sobre a covid-19 em 2020 e 2021 apresentados pelo G1 comprovam a ineficácia das vacinas

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Pandemia

Investigado por: 2021-10-27

Frase de Nobel de Medicina, de 2007, é tirada de contexto para defender “tratamento precoce”

  • Enganoso
Enganoso
Post viral no Facebook engana ao associar comentário do vencedor do prêmio Nobel de Medicina de 1993, Richard J. Roberts, ao "tratamento precoce" contra a covid-19, comprovadamente ineficaz. O post sugere que não há interesse da indústria farmacêutica em produzir medicamentos para tratamento de doenças, mas a frase foi tirada de contexto. Ao Comprova, Roberts desmentiu a relação entre a frase que disse em 2007 e a pandemia.
  • Conteúdo verificado: Post no Facebook usa foto e comentário de Richard J. Roberts, vencedor do prêmio Nobel de Medicina de 1993, fora de contexto para promover o “tratamento precoce” contra a covid-19.

É enganosa a publicação viral no Facebook que usa uma fala de Richard J. Roberts, vencedor do Prêmio Nobel de Medicina, para promover o “tratamento precoce” contra a covid-19.

O autor do post usa a seguinte frase creditada a Roberts, acompanhada de foto do cientista: “Medicamentos que curam não são rentáveis, portanto, não são produzidos. A indústria farmacêutica, na realidade, não quer curar ninguém, e por um motivo muito simples e direto: a cura é menos rentável que a doença”. Na legenda, o autor do post enganoso escreve: “Por isso não queriam autorizar o tratamento precoce”, associando a reputação de um conceituado cientista a um tratamento sem eficácia comprovada.

O comentário foi feito por Roberts em 2007, mas nada tinha a ver com o novo coronavírus, que estava longe de ser descoberto. Ao Comprova, o cientista afirmou ter dado a declaração sobre “antibióticos e em relação à motivação do lucro que impulsiona a indústria farmacêutica” e descartou relação com a pandemia.

A reportagem contatou o perfil do grupo Bolsonaro 2022, um dos primeiros a publicar o conteúdo, mas não recebeu resposta. O Comprova considerou enganoso o conteúdo porque a frase foi tirada do contexto original e usada para induzir a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

Como verificamos?

A reportagem buscou informações sobre Richard J. Roberts e sobre seu trabalho com biologia molecular no processamento de genes que lhe rendeu o Nobel. Por meio de pesquisa no Google, verificou-se que o comentário dele sobre a indústria farmacêutica foi feito em entrevista publicada na página 64 da edição de 27 de julho de 2007 do jornal La Vanguardia, da Espanha.

Em seguida, o Comprova procurou também a Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas e o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo para comentarem a alegação de que não haveria interesse em produzir medicamentos contra a covid-19, o que foi refutado por ambas as instituições.

O próximo passo foi contatar o cientista pelo e-mail informado na página da Universidade Northeastern, onde ele aparece como docente. Para saber mais sobre a pesquisa de novos medicamentos, a reportagem entrevistou, por WhatsApp, Lucindo Quintanas, diretor da Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas (ABCF) e pró-reitor de pós-graduação e pesquisa da Universidade Federal de Sergipe, além de representantes do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma).

A equipe também procurou o autor de uma das primeiras publicações feitas utilizando a montagem no Facebook e o usuário que compartilhou o post relacionando-o ao “tratamento precoce”, mas eles não responderam até a publicação deste texto.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 27 de outubro de 2021.

Verificação

A origem da frase

A fala de Roberts é verdadeira, mas foi tirada de contexto. A afirmação é de 27 de julho de 2007, portanto 13 anos antes da pandemia, e está publicada no jornal espanhol La Vanguardia.

“Os antibióticos foram interrompidos porque eles são muito eficazes e curam completamente. Como nenhum novo antibiótico foi desenvolvido, os microrganismos infecciosos se tornaram resistentes e, hoje, a tuberculose, que havia sido derrotada na minha infância, está ressurgindo e matou 1 milhão de pessoas no ano passado”, diz o cientista no texto.

Questionado pelo jornalista do La Vanguardia se estaria se referindo ao Terceiro Mundo, Richard responde: “Esse é outro triste capítulo: apenas se investigam as doenças do Terceiro Mundo, mas os medicamentos que as combateriam não são rentáveis. Mas estou te falando do nosso Primeiro Mundo: o medicamento que cura completamente não é rentável e por isso não o pesquisam”.

Nenhuma referência à covid-19

O Comprova entrou em contato com Richard J. Roberts para esclarecer o contexto em que a fala sobre a indústria farmacêutica foi dita e questionou se ele mantém o mesmo entendimento quando trata-se da busca por novos medicamentos para a covid-19.

O cientista afirmou ter feito a declaração usada no post verificado aqui, “mas no contexto dos antibióticos e em relação à motivação do lucro que impulsiona a indústria farmacêutica”. À reportagem, ele explicou: “A premissa é simples. Se eu comprar um medicamento que me cura, só preciso de uma dose. Se eu comprar um medicamento que apenas atenua os sintomas temporariamente, preciso continuar a tomá-lo regularmente, talvez pelo resto da minha vida. Os lucros do último excedem em muito os do primeiro, mesmo que o custo de uma dose seja bastante alto”.

Quando questionado se a frase usada no post poderia ser aplicada em relação à pesquisa e ao desenvolvimento de remédios contra a covid-19, Richard afirmou que a situação é diferente também por aspectos econômicos. “É muito diferente. Em parte, devido ao número de casos em todo o mundo e à probabilidade de se tornar endêmica como a gripe. Em um caso como este, as consequências econômicas da doença são muito diferentes das de uma infecção bacteriana que ocorre com pouca frequência.”

Além do posicionamento enviado ao Comprova, Richard já havia se manifestado a favor da Ciência em outras ocasiões. Em um bate-papo com o pesquisador Johan Rockström e com a vice-presidente de Ciência e Programa do Museu do Prêmio Nobel, Anna Sjöström, publicado no canal oficial do Prêmio Nobel no YouTube, há sete meses, ele disse: “Sinto que os países que se saíram melhor na crise da covid foram aqueles nos quais os políticos realmente reconheceram que os cientistas eram as pessoas que precisavam fazer a comunicação, e não eles”. Na ocasião, o Nobel também afirmou que “o valor da Ciência realmente cresceu muito dentro de um ano nesta terrível pandemia” e defendeu os imunizantes, que costumam ser criticados por quem apoia o “tratamento precoce”. “A vacina foi desenvolvida em tempo recorde, o que foi realmente bom”, disse.

Sem comprovação científica

Desde os primeiros meses da pandemia, o governo federal defendia o uso de medicamentos sem comprovação científica para o tratamento da doença, algo que o presidente continua fazendo. Em 20 de maio de 2020, foi publicado documento com orientações para o manuseio de medicamentos incluídos no chamado “tratamento precoce” contra a covid-19.

Há menções ao tratamento precoce em boletins informativos disponibilizados no site do poder executivo entre 2020 e 2021, sendo que a última menção clara foi feita no dia 11 de janeiro de 2021, nos posts “Em visita a Manaus, ministro Pazuello diz que programa de vacinação do Brasil será ‘o maior do mundo’” e “Ministério da Saúde levanta situação da atenção primária em Manaus”.

No dia 25 do mesmo mês, a Folha noticiou que a Saúde apagou um texto que orientava o ‘tratamento’ de seu site oficial. Em maio, conforme a Piauí, a recomendação para o uso de cloroquina também foi deletada do site do Ministério da Saúde, às vésperas do início da CPI da Pandemia.

Sem nenhuma comprovação científica contra a covid e não recomendado por autoridades de saúde, o ‘tratamento’ continua sendo defendido por Jair Bolsonaro (sem partido), aliados e seguidores como uma forma de enfrentamento da pandemia. As ações do presidente em relação aos medicamentos foram alvo de investigação da CPI da Pandemia no Senado.

No relatório final da CPI consta trecho de uma nota técnica enviada pelo Ministério de Saúde com entendimento de que os medicamentos defendidos não têm eficácia comprovada e não devem ser usados no tratamento da doença. “Alguns medicamentos foram testados e não mostraram benefícios clínicos na população de pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados, sendo eles: hidroxicloroquina ou cloroquina, azitromicina, lopinavir/ritonavir, colchicina e plasma convalescente. A ivermectina e a associação de casirivimabe + imdevimabe não possuem evidência que justifiquem seu uso em pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados nessa população”, descreve o documento.

Entretanto, o presidente Jair Bolsonaro continua defendendo o tratamento precoce. Em 21 de setembro, quando participou da 76ª Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU), ele disse que “desde o início da pandemia, apoiamos a autonomia do médico na busca do ‘tratamento precoce‘”.

Novos medicamentos

Lucindo Quintanas, diretor da Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas, reforçou que a aspa destacada no post verificado aqui foi tirada de contexto. “Em nenhum momento ele (Richards) afirma que o setor farmacêutico esteja trabalhando para o não desenvolvimento de drogas contra a covid-19. Pelo contrário, indústrias de biotecnologia, startups e o setor farmacêutico, chamado de big pharma, têm trabalhado incansavelmente no desenvolvimento das vacinas”, afirmou.

Segundo Quintanas, “algumas medicações estão sendo desenvolvidas para pacientes que vão ter a covid-19, alguns já estão na fase 3 de testes, e o setor farmacêutico é um grande parceiro e financiador de parte deste trabalho”.

Ele destacou ainda que “nesse momento, a covid é uma das áreas de maior interesse para o setor, que tem investido muito para desenvolver tratamentos de eficácia clínica para os pacientes e imunizantes para reduzir a possibilidade de que as pessoas cheguem a desenvolver as formas graves da doença”.

Em nota oficial enviada à reportagem, o Sindusfarma também destacou o empenho do setor para o desenvolvimento de imunizantes e de medicações. “A pandemia reafirmou o papel fundamental da indústria farmacêutica para a prevenção e a cura de doenças. Até a manhã do dia 22 de outubro, mais de 3,8 bilhões de pessoas – 50% da população mundial – foram vacinadas e protegidas. Uma grande conquista da indústria farmacêutica em benefício da Humanidade”, afirmou a entidade.

Quem é Richard J. Roberts?

Um dos vencedores do prêmio Nobel de Medicina de 1993, Richard J. Roberts é formado em Química e doutor em Química Orgânica pela Universidade de Sheffield, na Inglaterra. Atualmente, é diretor científico da New England Biolabs, empresa que trabalha na descoberta e produção de enzimas para aplicações em biologia molecular. Também está no quadro de docentes da Universidade Northeastern, em Boston, nos Estados Unidos.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O post que associa a fala de Richard Roberts ao tratamento precoce teve mais de 2,6 mil compartilhamentos e 3,8 mil curtidas no Facebook até 27 de outubro.

Comentários na postagem, como “Sim, muitas doenças já têm cura e outras são provocadas pelos medicamentos contínuos que nos oferecem, quando lemos a bula vemos os interesses exclusos (sic). A vacina também é um jeito de deixá-los mais ricos do que já são” e “Fizemos aqui em casa o tratamento precoce e estamos todos bem, queremos saber também sobre as pessoas que tomaram a segunda dose da vacina e morreram de covid. Exemplo Tarcísio Meira e outros”, reforçam a ideia de que medicamentos e vacinas com segurança e eficácia comprovadas cientificamente não funcionam, contribuindo para a desinformação.

Outros conteúdos que tentam questionar a segurança das vacinas contra o coronavírus já foram publicados recentemente pelo Comprova, como a comparação enganosa entre a imunidade gerada pelas vacinas contra o sarampo, a febre amarela e a hepatite B com a da covid-19, a associação, também enganosa, entre partículas contaminantes e a vacina da Pfizer, e a suposição de que vacinados estariam se tornando transumanos.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou ainda aquele que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Pandemia

Investigado por: 2021-10-26

Comparar número de mortes por covid em 2020 e 2021 não indica ineficácia da vacinação

  • Enganoso
Enganoso
Publicação feita no Twitter engana ao relacionar o número de vacinados e o avanço de mortes por covid-19 entre 2020 e 2021. O post compara cenários diferentes da pandemia, da evolução de casos e da cobertura vacinal no Brasil. Ele descontextualiza matérias jornalísticas utilizadas como base dos argumentos apresentados no Twitter. Entidades de saúde brasileiras e internacionais reforçam que a vacina tem sido eficaz no combate e na redução de casos graves e mortes pela doença.
  • Conteúdo verificado: Publicação feita pelo economista e comentarista da Jovem Pan Rodrigo Constantino, no Twitter, distorce dados oficiais sobre a covid-19 apresentados pelo G1 para contestar a eficácia das vacinas.

É enganosa a publicação compartilhada no Twitter pelo economista e comentarista da Jovem Pan Rodrigo Constantino contestando a eficácia das vacinas contra a covid-19, porque descontextualiza matérias jornalísticas utilizadas como base dos argumentos apresentados.

No tuíte verificado, Constantino utiliza dados divulgados pelo portal G1 em 1º de janeiro e em 15 de outubro de 2021. Na primeira data, o Brasil registrava 195 mil mortes pela doença, enquanto, na segunda, havia ultrapassado 600 mil mortes.

Diante disso, o comentarista escreveu: “Em 2020, sem vacinas, o Brasil não chegou a 200 mil mortes com covid; em 2021, com mais de 100 milhões de pessoas vacinadas com 2 doses, até agora mais de 400 mil pessoas morreram, ou seja, o dobro”.

A construção narrativa feita por Constantino descredibiliza os imunizantes contra a covid-19 por uma comparação sem fundamento, visto que os números de mortes e casos da doença têm caído desde o início da vacinação. Além disso, a publicação não considera o ritmo da imunização do país, distorcendo a realidade.

Diante disso, o Comprova considerou o conteúdo enganoso porque se baseia em dados imprecisos e confunde os internautas sobre os efeitos gerados pela vacina contra o coronavírus, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

O Comprova buscou informações sobre o caso em matérias jornalísticas e no site oficial da OMS (Organização Mundial da Saúde), da Universidade Johns Hopkins e do Ministério da Saúde brasileiro.

Entrevistamos, por WhatsApp, o autor da publicação, Rodrigo Constantino. Procuramos Sabine Righetti, pesquisadora de Política Científica associada à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e fundadora da Agência Bori, com trabalho voltado para a covid-19.

Também conversamos por WhatsApp com Leonardo Weissmann, infectologista do instituto Emílio Ribas e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, além do infectologista da Sociedade Mineira de Infectologia, Carlos Starling.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 26 de outubro de 2021.

Verificação

A relação estabelecida pelo comentarista da Jovem Pan Rodrigo Constantino entre o número de vacinados e o avanço de mortes por covid-19 entre 2020 e 2021 não tem fundamento, porque compara cenários diferentes da pandemia, da evolução de casos e da cobertura vacinal no Brasil. Ele descontextualiza matérias jornalísticas utilizadas como base dos argumentos apresentados no Twitter.

Não é cabível utilizar como parâmetro as métricas citadas por Constantino devido a uma série de fatores. O colunista errou ao afirmar que o ano de 2020 tinha menos mortes devido à ausência de vacinas.

Em entrevista ao Comprova, o infectologista Leonardo Weissmann, analisou a publicação de Constantino.

Segundo Weissmann, a informação citada na postagem está “fora de contexto” e é “sem sentido”. Ele explicou o motivo em 6 pontos:

  • A primeira pessoa foi vacinada no Brasil no dia 17 de janeiro e é de conhecimento geral que a vacinação no país demorou a engrenar, por falta de organização e de vacinas.
  • Em 10 de abril de 2021, o país registrou 2.616 óbitos em um único dia, segundo dados oficiais do Ministério da Saúde. O número de óbitos acumulados já passava de 351 mil. Nessa mesma data, de acordo com o site Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford, na Inglaterra, 9,7% da população brasileira havia tomado a primeira dose da vacina e apenas 2,8% tinha imunização completa.
  • Com o aumento de vacinados no país, a curva de hospitalização e óbitos assumiu uma tendência de queda, demonstrando que o imunizante está cumprindo com o seu papel de proteção contra formas graves da covid-19. Os números demonstram isso claramente.
  • Estudo realizado pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, e divulgado recentemente, com 1.174 pacientes internados de janeiro a setembro de 2021, demonstrou que aproximadamente 88% não tinham imunização completa, ou seja, quase 9 em cada 10 pacientes. Desses, 274 morreram, sendo que 237 não estavam vacinados e apenas 16 pessoas tinham recebido duas doses, isto é, quase 15 vezes mais óbitos entre os não vacinados.
  • Outro estudo, realizado por pesquisadores da Fiocruz, com dados oficiais de 1º a 26 de setembro, demonstrou que, dos indivíduos entre 0 e 59 anos que morreram nesse período, 85% tinham vacinação incompleta.

Também contatado pelo Comprova, o ex-presidente da Sociedade Mineira de Infectologia Carlos Starling, que é um dos integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de Belo Horizonte, criticou a colocação do tuíte e a chamou de ingênua “do ponto de vista epidemiológico”, além de “contaminada por ideologia política”.

“Vacinas não são mágicas. O fato de termos as doses não significa que tenham sido aplicadas”, respondeu o infectologista à reportagem. Na avaliação dele, a capacidade vacinal do SUS poderia ter salvado muito mais vidas no começo do ano, caso os imunizantes tivessem sido adquiridos antes.

Starling lembrou ainda que o país teve, no começo de 2021, a disseminação da variante Gama (P1), mais transmissível e virulenta do que a Alpha, até então predominante.

“Somente agora, no segundo semestre de 2021 podemos ver o efeito real da vacinação nos indicadores epidemiológicos. Estudos de vida real publicados pelo Reino Unido, Israel, Uruguai, Chile, etc; mostram que as vacinas – todas elas – reduziram em mais de 90% o risco de morte por covid”, completou.

Pesquisadora de Política Científica associada à Unicamp, com trabalho voltado para a covid-19, Sabine Righetti afirmou ao Comprova que a análise tem de ser feita a partir do início da vacinação no país.

“Em abril a gente chegou a 4 mil mortos por dia, com uma média móvel aí de mais de 3,5 mil. De lá pra cá, com a aceleração da vacinação, a tendência de queda de mortos tem se mantido, nunca foi revertida, mesmo com as variantes”, disse a pesquisadora, fundadora da Agência Bori.

O mês de abril de 2021 foi o mais letal da pandemia no Brasil. Foi encerrado com média móvel de mortos superior a 2,5 mil, com 82.401 óbitos. A média móvel é o cálculo por meio do qual é possível analisar com mais precisão os movimentos da curva de infectados ou mortos, se ascendente ou decrescente.

Consiste na soma do número de casos ou de mortos dos sete dias anteriores. O resultado da soma deve ser dividido por sete. Não são os óbitos ocorridos na semana os que entram na operação matemática, mas os que foram registrados no sistema no decorrer da semana.

Em 30 de abril, o esquema vacinal havia sido completado em 15.677.543 pessoas, isto é, em 7,40% da população brasileira.

Para que um resultado coletivo favorável contra o vírus seja atingido, especialistas citam uma cobertura vacinal entre 80% e 90%, como mostra esta reportagem do UOL. “Só assim a gente terá uma prevenção de casos moderados e graves, o que tornará a doença algo possível de conviver”, projetou em janeiro Melissa Palmieri, diretora da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) em São Paulo.

As vacinas funcionam

Números do Consórcio de Veículos de Imprensa e do site Our World in Data mostram que a curva de mortos pela covid-19 caiu na medida em que a vacinação avançou no Brasil. É uma relação de causa e consequência possível de ser estabelecida, como afirmou Leonardo Weissmann e ao contrário do que sugeriu Constantino.

Em 25 de outubro, a média móvel de mortes diárias por covid-19 no país estava em 338, segundo dados do Consórcio de Veículos de Imprensa. Já o Our World in Data demonstra que a taxa de vacinação contra a covid estava, em 24 de outubro (último dado disponibilizado, até a publicação desta checagem), em 53,97%. Outros 20,08% da população tomaram uma dose do imunizante.

No país, onde há maior recusa de aplicação das vacinas, o número de internados por covid-19 tem sido elevado. Em uma matéria publicada em 30 de setembro, o UOL mostrou que, no Rio de Janeiro, 94,5% dos internados em um hospital de referência eram pessoas não vacinadas.

Um total de 206 pessoas entre os 218 internados com o vírus no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla não foram imunizados. Desse grupo, 12 hospitalizados haviam tomado ao menos uma dose da vacina. As informações foram repassadas ao portal de notícias pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

O cenário se repete nos Estados Unidos: o número de casos e mortes tem aumentado nos estados com as menores taxas de vacinação.

Como mostrou uma verificação anterior, feita pelo UOL Confere, dados da Universidade Johns Hopkins utilizados pelo monitoramento do site Our World in Data sobre o avanço da covid-19 entre março de 2020 e outubro de 2021 nos Estados Unidos comprovam que o avanço da imunização gerou queda no número de mortes pela doença entre janeiro — que foi o pico de casos no país — e julho deste ano.

O autor

O Comprova entrou em contato com Rodrigo Constantino. O economista respondeu que “publicou um dado oficial” e que “deixou perguntas sobre qual a explicação para tal fenômeno no ar”.

Em seguida, o comentarista da Jovem Pan expôs a repórter do Comprova no Twitter, por meio do compartilhamento das mensagens trocadas na apuração das informações aqui checadas, mas sem incluir a íntegra da mensagem enviada.

100 milhões de vacinados no Brasil

O Brasil alcançou a marca de 100 milhões de pessoas totalmente vacinadas em 13 de outubro deste ano, de acordo com dados levantados pelo consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL, a Folha de S. Paulo, o Estadão, o G1, o O Globo e o Extra fazem parte.

Naquela altura, o país passou a integrar a lista de nações mais populosas a ultrapassar a marca. Os Estados Unidos, a Índia e a China também haviam completado o esquema de vacinação em mais de 100 milhões de pessoas, segundo dados do Our World in Data e de veículos internacionais de imprensa.

O número foi alcançado 58 dias após a marca de 50 milhões de pessoas com o esquema de imunização completo, que ocorreu no dia 16 de agosto.

No dia em que o país atingiu a marca de imunizados, 201 novas mortes por covid-19 foram registradas. Ao todo, o Brasil notificou 605.884 óbitos por conta da doença desde o início da pandemia até o dia 25 de outubro de 2021.

São Paulo registrava mais de 100 mortes diárias e na data em que houve o recorde foram notificados apenas nove. No mesmo momento, os estados do Acre, Amapá, Ceará, Rondônia e Roraima não registraram nenhum óbito.

Ao todo, 18 estados apresentam queda e sete, alta. O Distrito Federal e o Ceará apresentaram estabilidade. O dado foi comparado com o mesmo índice de 14 dias anteriores.

A variação do Brasil está pelo quarto dia seguido em queda: o índice ficou em -41%. Se ficar abaixo de -15%, indica tendência de queda; acima de 15%, aceleração; entre esses dois valores, estabilidade.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O post verificado foi compartilhado originalmente no Twitter e alcançou mais de 15,4 mil interações, entre curtidas, comentários e compartilhamentos.

Publicações enganosas como esta colocam a saúde da população em risco ao sugerir que a vacinação contra a covid-19 é dispensável. A eficácia e a segurança dos imunizantes já foram comprovadas em estudos de órgãos nacionais, como a.Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e internacionais.

É por meio da imunização que os números de casos e óbitos da doença têm caído. Além da repercussão, a postagem torna-se nociva por partir de uma pessoa de visibilidade, capaz de formar opinião de outras pessoas sobre assuntos diversos. Dessa maneira, o tuíte acaba sendo considerado por pessoas que o têm como autoridade.

Outras verificações desmentem boatos da internet como essa, ligada à vacina, como a de um deputado do Paraná que afirma que teste de anticorpos podem substituir os imunizantes e a de um tuíte que engana ao dizer que a vacina da Pfizer tem partículas contaminantes.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Pandemia

Investigado por: 2021-10-25

Antiviral em teste da Pfizer não tem ivermectina na fórmula

  • Falso
Falso
São falsas as alegações feitas em vídeo de que a Pfizer estaria desenvolvendo um remédio para covid-19 que contém, entre seus componentes, a ivermectina. A farmacêutica está, sim, produzindo um medicamento via oral contra a doença, mas, como a empresa informou ao Comprova, sua fórmula não contém o antiparasitário, comprovadamente ineficaz contra o coronavírus.
  • Conteúdo verificado: Um vídeo que circula no TikTok afirma que a Pfizer está desenvolvendo um remédio para covid-19 com ivermectina na composição.

É falso o conteúdo de um vídeo que circula no TikTok afirmando que a Pfizer está desenvolvendo um medicamento contra a covid-19 com ivermectina em sua fórmula. O PF-07321332 (nome provisório do medicamento em teste) é uma terapia antiviral projetada especificamente para ser administrada por via oral.

Como a farmacêutica informou ao Comprova, o remédio é um “inibidor de protease”, enzima presente no novo coronavírus necessária para que ele se replique, e não tem nenhuma semelhança com a ivermectina ou com “qualquer composição” dela.

Naylson Ribeiro, farmacêutico clínico formado pelo Instituto de Ciência e Tecnologia da Qualidade (ICTQ) do Piauí, explica que a ivermectina é um antiparasitário, enquanto o medicamento desenvolvido pela Pfizer é um antiretroviral. “São mecanismos de ação diferentes”, disse.

A reportagem tentou contato com o autor do vídeo, mas não obteve retorno até a conclusão desta verificação. O Comprova considerou o conteúdo falso porque foi inventado.

Como verificamos?

A reportagem buscou informações sobre o autor do vídeo em redes sociais como TikTok, Facebook e LinkedIn.

Para saber sobre o remédio em desenvolvimento, levantamos informações no site da farmacêutica Pfizer e contatamos a assessoria de imprensa da empresapor e-mail. Além disso, buscamos sua composição química nos sites DrugBank, PubChem e Chemical & Engineering News.

No site da Abbott Laboratories, fabricante da ivermectina, encontramos informações sobre o antiparasitário, inclusive sua fórmula molecular.

Também entrevistamos Naylson Ribeiro e o professor doutor em Farmacologia da Universidade Federal de Campina Grande Sávio Benvindo Ferreira.

Verificação

O medicamento em teste

Em março deste ano, a Pfizer iniciou um estudo clínico de fase 1 de um antiviral contra a covid-19 via oral em adultos saudáveis para verificar sua segurança, tolerabilidade e farmacocinética. Chamado inicialmente de PF-07321332, o medicamento atua como um inibidor que impede a replicação do vírus causador da doença nas células.

Em julho, a farmacêutica anunciou em seu site o progresso dos estudos e a evolução para testes nas fases 2 e 3 com o intuito de avaliar a eficácia e a segurança do medicamento, administrado com uma baixa dose de ritonavir (antirretroviral prescrito no tratamento do HIV) em pacientes diagnosticados com o coronavírus e com alto risco de ter o quadro piorado.

Segundo explica reportagem da Galileu, “a droga foi desenvolvida para se conectar à estrutura do Sars-CoV-2, impedindo que ela realize o seu papel: ‘cortar’ o material genético do patógeno e dar origem a novos vírus”. E, como informou a farmacêutica ao Comprova, no passado, o mecanismo dos inibidores de protease revolucionaram o tratamento de HIV e hepatite C, outras doenças virais.

O medicamento em teste e a ivermectina

Diferente do que o autor do vídeo afirma, o remédio que a Pfizer está testando não leva ivermectina em sua fórmula. No vídeo, ele diz que quando a farmacêutica “precisava vender vacina, a ivermectina não tinha comprovação científica” e que, “agora, ela pode ser usada”, o que é uma informação falsa, segundo a checagem feita pela reportagem.

A Pfizer está pesquisando medicamentos contra a covid desde o início da pandemia, como afirma em seu site. E, como afirma mensagem enviada ao Comprova, o PF-07321332 não tem relação nenhuma com o antiparasitário.

O mesmo já havia sido informado pela empresa anteriormente. Conforme a Folha noticiou em agosto, “em ofício enviado ao senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, que solicitou informações sobre o medicamento à empresa”, a Pfizer afirmou que o antiviral estudado “é composto de estruturas químicas e mecanismos de ação totalmente diferentes da hidroxicloroquina, da azitromicina e da ivermectina”.

Entrevistado pela reportagem, Naylson Ribeiro, farmacêutico do ICTQ do Piauí, diz que os dois remédios são de classes farmacológicas totalmente diferentes. “A ivermectina é um antiparasitário de amplo espectro, enquanto que o PF-07321332 atua na inibição da protease, enzima que o vírus precisa para se replicar e infectar novas células”, diz ele.

Sobre o uso do antiparasitário contra a covid, o Ministério da Saúde do Brasil afirmou em março que “o uso da ivermectina para covid-19 não está previsto em bula e a utilização off label [fora do que a bula prescreve], até o momento, não teve o respaldo das agências reguladoras, bem como do fabricante do medicamento”. Mesma opinião da Organização Mundial da Saúde (OMS), que não recomenda a utilização “para quaisquer outros propósitos diferentes daqueles para os quais seu uso está devidamente autorizado, como para tratamento de oncocercose e sarna”.

O vídeo

O autor do vídeo usa como fundo de tela uma ampliação de um texto do site Zero Hedge intitulado “Pfizer lança estudo final para medicamento covid que é supostamente semelhante a ‘pasta de cavalo'” e, logo após ler o título, aponta no conteúdo do texto a palavra “ivermectina”.

O Zero Hedge afirma em um manifesto no site que uma de suas missões é “liberar o conhecimento oprimido”. A página é conhecida por compartilhar informações de extrema-direita.

O link do texto citado no vídeo está com um aviso no Twitter dizendo que ele pode ser inseguro.

Em uma reportagem da ABC News, divulgada em fevereiro deste ano e intitulada “​Os super espalhadores por trás das principais teorias da conspiração covid-19​”, o Zero Hedge é citado por republicar um texto de um site ligado a teorias da conspiração.

No ano passado, o Zero Hedge foi banido do Twitter por relacionar um cientista chinês à pandemia.

O autor do vídeo

No Linkedin, Luciano Raul Mazeo – que usa o perfil @lucianomazeo no TikTok – se denomina jornalista, estudante de História e autodidata e afirma ter experiência como “coordenador de mídias sociais no partido Patriotas”.

A reportagem enviou e-mail para o grupo Anhanguera Educacional, que aparece no LinkedIn de Mazeo, para confirmar se ele estuda ou já estudou na instituição – a faculdade respondeu que ele “não é mais aluno da instituição”.

Já em sua página no Facebook, Mazeo se apresenta como empreendedor.

O Comprova tentou falar Mazeo via WhatsApp e mensagem privada no Facebook e no Instagram, mas ele não respondeu em nenhum dos canais. Após a tentativa de contato, o post verificado aqui passou a aparecer como “vídeo indisponível” no TikTok.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O post verificado aqui foi visualizado 31,7 mil vezes no TikTok até 18 de outubro — depois, foi retirado do ar.

Ao defender a ivermectina contra a covid-19, o autor do vídeo vai contra as evidências científicas e coloca a saúde da população em risco ao indicar um medicamento que até o momento não possui eficácia comprovada contra a doença. Além disso, ele menospreza a vacina, dizendo que não se imunizou, sendo que o produto é a ferramenta mais eficaz contra o coronavírus no momento.

UOL Confere, Boatos.org, AFP Checamos, Associated Press e Politifact checaram conteúdos semelhantes.

O Comprova já publicou outras verificações relacionadas à pandemia, como a que informa ser falso que documento da Suprema Corte dos Estados Unidos afirma que vacinados se tornam transumanos e a reportagem que mostra que deputada distorce entrevista de diretora do CDC para criticar vacinas e “passaporte sanitário“.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Políticas públicas

Investigado por: 2021-10-22

Polícia não tem indícios de participação de movimentos sociais e partidos em depredação de moradias populares em Pernambuco

  • Enganoso
Enganoso
Vídeos virais no Facebook, YouTube, Twitter e TikTok enganam ao atribuir aos movimentos sociais MST e MTST e aos partidos de esquerda a depredação de um residencial do programa Minha Casa Minha Vida, em Santa Cruz do Capibaribe, em Pernambuco. O caso ainda está sendo investigado, e a Polícia Federal afirmou que, até o momento, não foi identificada a participação de partidos políticos e/ou movimentos sociais.
  • Conteúdo verificado: Vídeos que circulam nas redes sociais mostram um imóvel depredado do Minha Casa Minha Vida, em Pernambuco, e colocam a culpa nos movimentos sociais do MST e MTST e nos partidos de esquerda.

São enganosos os vídeos que circulam nas redes sociais, um deles, inclusive, compartilhado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmando que casas construídas com recursos federais na cidade de Santa Cruz do Capibaribe, em Pernambuco, foram depredadas por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e do Partido dos Trabalhadores (PT). A Polícia Federal diz não ter indícios de que partidos ou movimentos sociais tenham qualquer ligação com os atos de vandalismo.

Procurados pelo Comprova, o MST, o PT e os dois movimentos que usam a sigla MTST em Pernambuco negaram participar da ocupação. Em sites de notícias da cidade também não há nenhuma menção à participação de grupos políticos ou movimentos sociais no processo de ocupação dos imóveis. Eles também afirmam que não têm nenhuma relação com a depredação do residencial, cuja autoria ainda não foi determinada pelas autoridades.

O ex-candidato a vereador pelo PP (Progressistas) Abimael Santos, um dos autores dos vídeos, diz que se baseou em áudios e vídeos de uma suposta líder da ocupação do residencial, que menciona fazer parte do MST e do MTST e fala em “tocar fogo” em pontos da cidade. O Comprova enviou os áudios e o vídeo em que a mulher aparece para os líderes dos movimentos. Todos negaram ter relação com ela e dizem que desconhecem quem seja.

O Comprova considerou o conteúdo enganoso porque ele usa dados imprecisos e confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

O Comprova buscou informações sobre o caso em matérias jornalísticas e no site oficial da prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe. Além disso, procurou as assessorias de imprensa da Polícia Federal, da Polícia Civil, da Caixa Econômica Federal e do município pernambucano.

Entrevistamos, por telefone e WhatsApp, o presidente do PT no estado, Doriel Barros; o coordenador do MST em Pernambuco, Jaime Amorim; e os coordenadores de dois movimentos que usam a sigla MTST em Pernambuco, Vitória Genuíno e Marcos Cosmo.

Por fim, procuramos Abimael Santos, autor de um dos vídeos que foi até o residencial após os episódios de depredação. O primeiro contato com ele se deu através da sua conta no Instagram, por onde ele passou um número de celular.

Verificação

Residencial Cruzeiro

O Residencial Cruzeiro é um projeto de 500 casas no bairro da Palestina, em Santa Cruz do Capibaribe. As obras começaram antes da gestão Bolsonaro, com o cadastro para receber os imóveis em setembro de 2018. As casas foram construídas em uma parceria entre a prefeitura e a Caixa Econômica Federal pelo Minha Casa Minha Vida — esse programa, criado em 2009, foi substituído pelo Casa Verde e Amarela em 2021. A obra deveria ter sido entregue em 2019, mas atrasou e a previsão era que ficasse pronta em novembro de 2021.

A obra completa estava orçada em R$ 35 milhões e a estimativa era que 2 mil pessoas fossem beneficiadas.

Em vídeos que circulam nas redes sociais, pode-se ler detalhes sobre a obra em uma placa em frente ao empreendimento, que confirmam o que foi apurado pelo Comprova: o Residencial Cruzeiro faz parte do programa Minha Casa Minha Vida e conta com um valor total de R$ 35 milhões para a construção de 500 unidades habitacionais. O início da obra foi em 28 de novembro de 2017 e a previsão de término era 28 de maio de 2019.

Em 21 de agosto deste ano, a prefeitura informou que as obras estavam 91% concluídas. A previsão é que elas fossem entregues em novembro. Mesmo quase três anos depois do início do cadastramento, ainda era possível ser incluído no programa. Em agosto, já havia preocupação com invasões e depredações e, por isso, o município informou que estava reforçando a segurança no local, com a Guarda Municipal e apoio da Polícia Militar.

Pouco tempo depois, no dia 29 daquele mês, as casas foram ocupadas, como informou o G1. A Caixa Econômica Federal disse que estava providenciando um processo de reintegração de posse.

Dois blogs locais (Ney Lima e Merece Destaque) dizem que quem participou da ocupação foram pessoas que chegaram a ter o nome na lista de contemplados, mas, depois, foram retirados e, portanto, não receberiam as casas. O Comprova questionou a Caixa a respeito dessa informação, mas a instituição financeira se limitou a dizer que “o cadastro, indicação e seleção dos beneficiários são atribuições do Ente Público”.

No dia 23 de setembro, a Justiça Federal determinou a reintegração de posse do residencial. Segundo a decisão, a ocupação teve início com 50 pessoas, mas já havia evoluído para cerca de 200 famílias. O texto da Justiça Federal também diz que, no dia 21 de setembro, policiais e guardas civis foram recebidos com pedradas ao tentar cortar a luz do local. Seis pessoas foram detidas e levadas para a Delegacia de Santa Cruz do Capibaribe. Não há menção a qualquer partido ou movimento social.

No dia 6 de outubro, as polícias federal, civil e militar foram ao local para comunicar um prazo de cinco dias para desocupação dos imóveis. Um dia antes do encerramento deste prazo, no dia 10, houve as depredações e os furtos nas casas. A última família deixou o residencial na segunda-feira,18 de outubro, segundo informou a gestão municipal.

Depredação

Houve depredação no residencial, como mostram sites da região. Segundo o blog do Ney Lima, pessoas atearam fogo em algumas casas. Em outras, haviam sido furtadas pias, torneiras, lâmpadas, caixas d’ água e portas. As imagens, tanto externas quanto internas, mostram que se trata do mesmo local. O site cita o fato de os imóveis estarem sendo ocupados, mas não apresenta o nome de nenhum movimento ou partido. O texto foi postado no dia 11 de outubro, afirmando que as depredações teriam ocorrido no final de semana anterior (9 e 10 de outubro).

Em nota enviada ao Comprova, a Superintendência da Polícia Federal em Pernambuco afirmou que há um inquérito em andamento na Delegacia de Caruaru, cidade a 50 quilômetros de Santa Cruz do Capibaribe. “Até o momento não foi identificada a participação de partidos políticos e/ou movimentos sociais”, diz a PF. A Polícia não informou a autoria, portanto, não há como saber se as pessoas que ocupavam o local, ou quais delas, foram responsáveis pelos prejuízos nas moradias.

A empresa responsável pela obra, J3 Empreendimentos, ainda irá fazer o levantamento dos danos até o final de outubro. A Caixa enviou uma nota ao Comprova em que diz que “procederá a análise técnica necessária e adotará os procedimentos pertinentes para condução do processo de retomada das obras, à luz das regras do Programa”.

PT, MST e MTST

O deputado estadual Doriel Barros, presidente do PT em Pernambuco, disse ao Comprova que o partido não tem relação com a ocupação ou com os fatos narrados no vídeo. “O PT já acionou seu jurídico, vamos processar esse indivíduo”, informou ainda.

Em Pernambuco, existem dois movimentos que utilizam a sigla MTST. O primeiro é um braço local do grupo liderado nacionalmente pelo ex-presidenciável Guilherme Boulos (PSOL). Eles negaram qualquer relação com a ocupação mostrada no vídeo. “Podemos afirmar com tranquilidade que não temos absolutamente nada a ver com esse caso. Inclusive porque nossa atuação nunca se deu em Santa Cruz do Capibaribe. Só em Recife e em Olinda, até então”, disse Vitória Genuíno, coordenadora estadual do movimento, ao Comprova.

O segundo grupo é o MTST Pernambuco, vinculado à União Nacional por Moradia Popular (UNMP). Segundo Marcos Cosme, coordenador estadual, o movimento participou da negociação para a construção do residencial junto com o ex-prefeito de Santa Cruz, Edson Vieira, e com o então ministro das Cidades, Bruno Araújo, e conseguiu ter várias famílias sorteadas para receber parte das 500 casas. Quando houve a ocupação, em agosto, o MTST Pernambuco diz ter sido contra e repudiado publicamente.

“Nós somos, por uma questão de princípio, contra ocupação em qualquer empreendimento construído para um determinado grupo. Porque quando uma gestão, seja municipal, estadual ou federal, está construindo algumas casas, nós entendemos que esses empreendimentos já têm famílias cadastradas. Então, a posição do MTST é contra que se ocupe qualquer empreendimento construído ou em fase de construção. Mesmo que ele esteja abandonado, nós não ocupamos, porque entendemos que aquele empreendimento já tem um público, tem uma finalidade, e tem famílias no aguardo”, explicou Cosme.

O MTST Pernambuco enviou um vídeo oficial com um posicionamento, em que reafirma que as alegações do vereador Abimael são enganosas e que eles não são responsáveis pelo ataque.

No Instagram, o MST soltou uma nota oficial, em que afirmou que não destruiu as casas em Pernambuco e que “vai processar um militante bolsonarista que espalhou afirmações falsas sobre uma suposta depredação”.

Procurada pelo Comprova, a assessoria da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe afirmou que, com relação aos envolvidos, não poderia passar nada oficialmente, porque o caso está sob investigação da Polícia Federal.

Abimael Santos

Abimael dos Santos Pereira foi candidato a vereador em Toritama em 2020, pelo PP (Partido Progressistas). Toritama fica a apenas 20 quilômetros de Santa Cruz do Capibaribe. Ao se registrar na Justiça Eleitoral, Abimael disse que era eletricista e que possuía R$ 135 mil em bens (dois imóveis e um automóvel). Ele teve 677 votos e ficou na suplência.

No Instagram, ele se apresenta como apoiador do presidente Jair Bolsonaro, “patriota” e cristão. Também diz ser ativista do movimento de direita Liberta Pernambuco.

O Comprova entrou em contato com Abimael por telefone e o questionou a respeito da origem da história e se tinha provas do suposto envolvimento de movimentos sociais e do PT nos atos de vandalismo.

Abimael encaminhou para a reportagem um áudio em que uma mulher, supostamente envolvida na ocupação e na depredação das casas, alega primeiro que “o nosso movimento é o sem terra” e depois que seria uma “dirigente regional de sem tetos”. Segundo ele, a gravação foi feita por um colega “infiltrado” durante a ocupação.

Ele também enviou um vídeo em que outro blogueiro bolsonarista conversa com uma mulher de voz parecida no Residencial Cruzeiro. Ela diz que estaria pronta para “guerrear” e “tocar fogo dentro de Santa Cruz, BR, prefeitura, o que for” caso as pessoas fossem retiradas do local pelas autoridades.

O Comprova encaminhou o vídeo aos dirigentes de movimentos sociais consultados anteriormente. Eles disseram desconhecer essa pessoa. “Ela não integra o MTST. Se ela fosse uma mera militante do nosso movimento, tenha certeza que nós seríamos os primeiros a denunciá-la. Eu nunca vi essa senhora”, respondeu Marcos Cosme, coordenador estadual do MTST Pernambuco. “Não a conhecemos”, afirmou Vitória Genuíno, coordenadora nacional do MTST. “Nunca vimos ela”, afirmou Jaime Amorim, do MST Pernambuco.

Quanto ao suposto envolvimento do PT, o áudio não traz nenhuma informação nesse sentido. A mulher que estaria envolvida na ocupação apenas fala a certa altura que tenta contato “com advogado e com deputado para dar o documento para quem tá aqui dentro”, sem identificar quem seriam.

O autor do vídeo negou ter espalhado desinformação. Ele sustenta que obteve uma “prova concreta” com os áudios da mulher e disse que aguarda para discutir o caso na Justiça com o MST. “Estamos baseados na moça que diz ser do MST. Se ela diz que é do MST, eu não posso dizer que foi outra pessoa. Se ela cometeu falsidade ideológica dizendo que era do MST, então ela é que tem que pagar pela consequência não só do dano que causou, mas também de ter exposto a entidade.”

Compartilhado por Bolsonaro

A história de que movimentos sociais e partidos de esquerda seriam os responsáveis pela depredação teve ajuda de políticos para ganhar alcance nas redes. Bolsonaro, por exemplo, compartilhou no Facebook e Twitter um outro vídeo, que não é de Abimael, mas contendo essa mesma alegação.

Na legenda, o presidente coloca: “Marginais depredaram 800 casas que seriam entregues em novembro. Santa Cruz do Capibaribe/PE, cidade onde estive em 04/setembro último”. O número citado é maior até que a quantidade de casas que estão sendo construídas no Residencial Cruzeiro, 500 ao todo. O vídeo traz uma narração que acusa o “MTST, um dos braços do movimento sem terra (sic)” de ter promovido o ato de vandalismo “muito provavelmente influenciado por partidos de esquerda”. Só a peça compartilhada pelo presidente teve 1,3 milhão de visualizações no Facebook. Outros parlamentares da base aliada, como o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), também espalharam o boato, assim como o assessor especial da Presidência, Mosart Aragão Pereira. O mesmo vídeo também ganhou tração em páginas de apoio ao presidente, que investem em uma narrativa de que os atos de vandalismo teriam como objetivo evitar que o governo Bolsonaro entregasse a obra.

A cidade

Santa Cruz do Capibaribe foi a única cidade de Pernambuco onde Jair Bolsonaro venceu no segundo turno das eleições de 2018. Ele teve 53,83% dos votos, contra 46,17% do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT).

No início de setembro, quando visitou o estado, Bolsonaro fez uma “motociata” pelas principais cidades do polo de confecções que teve início em Santa Cruz. Foi o último evento público do presidente antes dos atos convocados para o 7 de setembro.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre as políticas públicas do governo federal, pandemia e eleições que tenham viralizado nas redes sociais. Os vídeos analisados tiveram mais de 575 mil visualizações no YouTube, Facebook e TikTok, além de terem sido compartilhados por autoridades, o que influencia no debate público.

Os conteúdos iguais ou similares foram considerados falsos pelas agências de checagem Lupa, Aos Fatos e Boatos.org.

O Comprova também já mostrou ser falso que o MST tenha destruído uma estação de energia no Amapá; que é falso que o Exército tenha apreendido madeira ilegal ligada a ONGs e ao MST; e que postagens acusavam, sem provas, o MST de ter relação com as queimadas na Amazônia e no Pantanal.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Pandemia

Investigado por: 2021-10-22

Infectologista engana ao comparar imunidade gerada por sarampo, febre amarela e hepatite B com a gerada por covid-19

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso o tuíte de um médico comparando os vírus da covid-19 com os do sarampo, febre amarela e hepatite B para defender que pessoas já infectadas pelo coronavírus não precisariam se vacinar. Diante das altas taxas de mutação do Sars-CoV-2 e do fato de que até aqui não se sabe a duração da imunidade após a infecção ou mesmo após a vacinação, as autoridades de saúde recomendam que mesmo os já infectados tomem a vacina
  • Conteúdo verificado: Tuíte afirma de maneira enganosa que “ninguém recomenda vacina da gripe após a pessoa ter pego gripe” e sugere que a mesma lógica deve ser aplicada para os casos de covid-19. A mesma publicação usa como exemplo outros tipos de vírus, como hepatite b, sarampo e febre amarela.

Pessoas que já foram infectadas pela covid-19 devem ser vacinadas porque há o risco de reinfecção. Por isso, é enganosa a relação que um médico faz no Twitter entre a imunização contra o novo coronavírus e outras doenças, como sarampo, febre amarela e hepatite B.

O pediatra e infectologista Marcio Nehab, do Instituto Fernandes Figueira/Fiocruz, explicou ao Comprova que o poder de mutação da covid-19 e da gripe são maiores que o das outras três doenças.

Além disso, até aqui, as pesquisas não mostraram por quanto tempo uma pessoa está protegida contra o novo coronavírus após se recuperar da doença. Estudos iniciais indicam que a vacinação ajuda a protegê-la, mesmo que já tenha sido infectada. Os principais órgãos de saúde do mundo recomendam a vacinação de quem já teve a doença, e essa também é a orientação do Ministério da Saúde no Brasil.

Em relação ao sarampo, à hepatite B e à febre amarela, a postagem diz não ser recomendada a vacina caso a pessoa já tenha sido infectada, mas as organizações orientam pela vacinação caso não haja comprovação sorológica de imunidade. Além disso, algumas das doenças citadas são prevenidas por vacinas que protegem contra múltiplas enfermidades, como a tríplice viral.

Sobre a gripe comum — influenza —, as vacinas sazonais são projetadas para proteger contra os vírus mais comuns durante a próxima temporada, e as pessoas devem se vacinar mesmo que tenham apresentado estado gripal recentemente. Além disso, a imunidade natural ou vacinal ao vírus cai com o tempo, uma possibilidade que também está sendo levantada no caso da covid-19.

Este conteúdo é enganoso, para o Comprova, porque usa dados imprecisos. Procurado, o autor do tuíte, o médico Francisco Cardoso, fez uma resposta pública ao Comprova, mas bloqueou a conta do projeto no Twitter. Ele alegou que imunizar esse grupo seria um “desperdício de vacinas” porque os casos de reinfecção seriam raros e normalmente mais brandos.

Como verificamos?

A reportagem buscou informações oficiais sobre o esquema vacinal do sarampo, da gripe, da covid-19 e da hepatite B nos sites oficiais do Ministério da Saúde, da Bio-Manguinhos e da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e OMS (Organização Mundial da Saúde). A intenção era encontrar quais recomendações eram feitas em casos nos quais o paciente já foi infectado pelo vírus anteriormente.

A pasta da Saúde foi procurada em 18 de outubro, mas não retornou. As demais mantinham disponíveis as informações em seus sites ou responderam e-mails encaminhados pelo Comprova. Reportagens e artigos científicos fizeram parte da pesquisa.

Em seguida, foram entrevistados o pediatra e infectologista Marcio Nehab, do Instituto Fernandes Figueira/Fiocruz, e a microbiologista Jordana Reis, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Por fim, o Comprova contatou o autor do post. A resposta foi feita de maneira pública, no Twitter, à reportagem.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 21 de outubro de 2021.

Verificação

Vírus da covid-19 tem mutação acelerada

Reportagem da National Geographic Brasil explica de forma detalhada haver milhares de variantes do Sars-CoV-2 que surgiram desde o início da pandemia e que estas são produzidas de forma rápida e intensa porque há muita gente infectada. O processo é aleatório, mas tende a ocorrer com mais frequência em um cenário de alta circulação do vírus.

Depois que o coronavírus entra em contato com as mucosas do corpo (olhos, nariz e boca), ele inicia a trajetória de infecção ao se prender na superfície das células e ao disparar o seu material genético (RNA). O objetivo é fazer com que o nosso corpo ajude a produzir cópias do vírus. Neste processo, contudo, é possível ocorrer mutações.

Parte delas compromete estruturas e acaba prejudicando os próprios organismos, mas algumas dessas mutações se mostram úteis para o vírus e o fortalecem para que passe de um hospedeiro a outro, ajudando-o a superar outras variantes existentes na região.

No caso dos coronavírus, a taxa de mutação é ligeiramente mais baixa do que outros vírus de RNA, mas não o suficiente para impedir que essas mutações sigam ocorrendo. À medida que o novo coronavírus se espalhava de maneira descontrolada pelo mundo, tornou-se inevitável que uma série de variantes surgisse.

Vacina contra coronavírus deve ser aplicada em quem foi infectado

O infectologista Marcio Nehab, afirmou ao Comprova que o poder de mutação dos vírus da covid-19 e da gripe é maior que o de doenças como sarampo, hepatite B e febre amarela. Portanto, as pessoas devem ser vacinadas, independentemente de já terem sido infectadas pelo novo coronavírus.

“As pesquisas ainda não mostraram por quanto tempo você está protegido contra a covid-19 depois de se recuperar da doença. A vacinação ajuda a protegê-lo, mesmo que você já tenha tido a doença e a manter anticorpos circulantes por mais tempo”, diz.

A mesma orientação é dada pela Fiocruz: “Quanto à vacina contra covid-19, ela deve ser ministrada mesmo nos usuários que já tenham tido o diagnóstico da doença, pois pode haver o risco de reinfecção. Deve ser observado o intervalo preconizado entre a doença e a vacinação”.

A microbiologista e professora da UFMG Jordana Reis relata que as evidências disponíveis sugerem diferenças na imunidade gerada pela infecção por covid-19 em relação a doenças como o sarampo e a febre amarela, neste caso, duradouras.

Casos de reinfecção por covid-19 foram registrados por várias autoridades sanitárias e em estudos científicos, com o primeiro caso apontado ainda em agosto de 2020, em Hong Kong. Em dezembro, o Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso no Brasil. Ainda assim, questões como a frequência desse tipo de caso e o nível de risco oferecido para os pacientes permanecem incertas.

A maior preocupação é que o surgimento de variantes do novo coronavírus possa facilitar essas ocorrências. Evidências sugerem, no entanto, que essa possibilidade existe mesmo com as mesmas linhagens do vírus, em um caso em que a pessoa não desenvolve uma resposta imunológica robusta o suficiente para evitar uma nova contaminação — o que geralmente está associado a um primeiro quadro brando ou assintomático.

Os principais órgãos de saúde do mundo recomendam a aplicação da vacina contra a covid-19 em quem já teve a doença. A OMS justifica essa posição pelo fato de que “a proteção que as pessoas recebem por uma infecção anterior de covid-19 varia muito de pessoa para pessoa” e de que a imunidade obtida com a vacina nestes grupos é “muito forte”, fazendo com que a pessoa fique mais protegida e por mais tempo.

Pessoas que tiveram a doença e depois foram vacinadas receberam até o apelido de “superimunizadas”, como mostra esse artigo de divulgação científica da revista Nature. Rishi Goel, imunologista da Universidade da Pensilvânia, conta que algumas pessoas que tiveram covid-19 desenvolvem um nível altíssimo de anticorpos ao receber as vacinas. Estudos iniciais de laboratório sugerem, inclusive, que essa resposta pode gerar uma proteção mais eficiente contra as variantes.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos afirma que pessoas que tiveram covid-19 devem receber as vacinas por dois motivos principais: a ciência ainda não sabe por quanto tempo elas continuam protegidas após a recuperação; e pelo fato de que já foram constatados benefícios da vacinação neste grupo.

O órgão sanitário norte-americano cita como evidência um estudo que analisou casos no Estado de Kentucky e mostrou que, entre pessoas que tiveram covid-19 antes, as não vacinadas tinham cerca de duas vezes mais chances de contrair a doença novamente do que aquelas com o esquema vacinal completo.

O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), agência que faz parte da União Europeia, destaca que não existem informações suficientes para dizer por quanto tempo alguém que teve covid-19 está protegido de uma reinfecção, ou seja, a chamada imunidade natural. “Evidências iniciais sugerem que a imunidade natural contra a covid-19 pode não durar muito, porém, mais estudos são necessários para entender essa questão.”

No Brasil, o Ministério da Saúde defende a vacinação de pessoas com infecções prévias, como mostra essa página oficial do órgão. “Pessoas que já pegaram covid-19 devem ser vacinadas. Pesquisas apontam que a vacina pode proporcionar uma imunidade mais duradoura à covid-19 e fortalecer a imunidade natural à doença”, aponta o conteúdo. Procurada pela reportagem, a pasta não respondeu aos questionamentos.

Gripe

O post engana também ao afirmar que “ninguém recomenda vacina de gripe APÓS a pessoa ter pego gripe”. A gripe (influenza) é uma infecção viral aguda de elevada transmissibilidade e distribuição global e, apesar de ter evolução autolimitada, pode apresentar-se de forma grave.

Conforme a Fiocruz, a vacinação deve ser realizada anualmente nas campanhas oferecidas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) para os grupos prioritários com predisposição para complicações, mesmo os que já tenham apresentado algum “estado gripal”, pois são grandes as variações antigênicas, ou seja, quando o vírus altera as proteínas ou carboidratos em sua superfície e, assim, evita uma resposta imune do hospedeiro. Além disso, na rotina, não se faz o diagnóstico etiológico dos casos.

Nehab explica que as vacinas contra a gripe fazem com que os anticorpos se desenvolvam no corpo cerca de duas semanas após a vacinação e estes anticorpos fornecem proteção contra infecção por vírus influenza circulantes. “As vacinas sazonais contra a gripe são projetadas para proteger contra os vírus da gripe que a pesquisa indica que serão mais comuns durante a próxima temporada.”

Ele acrescenta que se você teve influenza recentemente, ainda assim deve tomar a vacina que contém três ou quatro cepas diferentes do vírus. “Fora que sua imunidade natural ou vacinal ao vírus cai com o tempo. Daí a importância das doses de reforço”, destaca.

Sarampo

De acordo com a Fiocruz, o sarampo é uma doença viral, infecciosa aguda, potencialmente grave, transmissível e altamente contagiosa e, por isso, a vacinação é a única forma de prevenir a ocorrência na população suscetível e ela, sendo administrada na rotina da rede básica de saúde em bloqueio ou intensificação vacinal e nas campanhas de vacinação de seguimento.

Desde 2013, o calendário básico de imunizações do Brasil passou a contar com a vacina tetravalente viral que inclui a imunização contra a varicela (catapora), além de sarampo, caxumba e rubéola, já contempladas anteriormente na tríplice viral. O imunizante é produzido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos – Bio-Manguinhos.

Após os últimos casos da doença no ano de 2015, o Brasil recebeu em 2016 a certificação da eliminação do vírus. Consequentemente, nos anos de 2016 e 2017 não foram confirmados casos de sarampo no país. Em 2018, contudo, o vírus voltou a circular.

O Ministério da Saúde, via Boletim Epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde de outubro de 2021, informa que em 2021, até a Semana Epidemiológica (SE) 35, 580 casos de sarampo foram confirmados. Atualmente, existem casos no Amapá, Pará, Alagoas, São Paulo, Ceará e Rio de Janeiro.

Considerando que alguns estados ainda mantêm circulação do vírus do sarampo, é recomendado que as ações de vacinação na rotina sejam mantidas e que todas as pessoas de 12 meses até 59 anos de idade estejam vacinadas contra a doença.

Recomenda-se não serem vacinados apenas casos suspeitos de sarampo, entre a primeira amostra de sangue coletada e a coletada de 15 a 25 dias após a primeira, isso porque a administração da vacina interfere diretamente no resultado laboratorial e classificação final do caso.

Após a fase aguda do sarampo, contudo, com ausência de sinais e sintomas e com coleta das amostras para confirmação e/ou descarte do caso, é orientado seguir com a administração da vacina tríplice ou tetra viral, considerando a imunização para as demais doenças prevenidas pelas vacinas.

A Fiocruz afirma que os indivíduos que comprovam sorologicamente que já foram infectados pelo vírus, em princípio, apresentam proteção natural pela doença.

Em entrevista ao Bem Estar, em 2019, a infectologista e diretora técnica da Secretaria de Saúde de São Paulo Helena Sato afirmou que aqueles que já tiveram sarampo devem tomar a vacina. “O sarampo pode se confundir com outras doenças. Não necessariamente a pessoa teve sarampo”, lembrando que outras infecções virais têm sintomas semelhantes.

O Ministério da Saúde destaca ser fundamental que as pessoas que não tomaram a vacina ou que não sabem se tomaram a vacina procurem os postos de saúde.

Marcio Nehab reforça que, se a pessoa não tem certeza se é imune ao sarampo, deve primeiro tentar encontrar os registros de vacinação ou documentação de imunidade à doença. Caso não possua comprovação escrita sobre a imunidade, deve ser vacinada.

“Não há mal nenhum em receber outra dose da vacina tríplice se você já for imune ao sarampo (ou caxumba ou rubéola). E se você não for imune e pegar o vírus, a doença pode ser muito grave e até matar. Outra opção é pedir a um profissional de saúde para testar seu sangue para determinar se você está imune, mas isso geralmente não é recomendado e poucos laboratórios fazem esse teste validado pelo Ministério da Saúde”, explica.

Febre amarela

A maioria dos infectados pela febre amarela, transmitida por um vírus que tem como vetor em áreas urbanas o mosquito Aedes aegypti — o mesmo da dengue —, adquire imunização permanente contra a doença, segundo informações divulgadas pela Fiocruz.

O vírus só causa sintomas em pessoas que nunca tiveram contato com a doença ou que não receberam a vacina. Desde 1937, a Bio-Manguinhos prepara os imunizantes a partir da cepa atenuada 17D, da febre amarela.

O vírus é cultivado em ovos embrionários de galinhas, acompanhando as normas que a OMS estabelece.

O Ministério da Saúde recomenda que a vacina seja aplicada a partir dos nove meses de vida, com um reforço a cada dez anos, no mínimo. A medida vale especialmente para quem reside em regiões endêmicas ou quem irá viajar para esses locais, acompanhando o Calendário Nacional de Vacinação

Também devem evitar a vacinação contra a febre amarela quem teve histórico de reações anafiláticas a ovos de galinha e seus derivados, gelatina, eritromicina e canamicina. Gestantes, a não ser em situação epidemiológica com alto risco de exposição, seguindo recomendações expressas das autoridades de saúde, devem evitar o imunizante.

Quem tem imunodeficiência congênita ou secundária por doenças, como câncer e leucemia, ou por medicamentos, não pode receber a dose. O mesmo vale para quem possui histórico de doença do timo, como miastenia grave, timoma ou timectomia e para crianças com menos de seis meses de idade.

A reportagem entrou em contato com a Bio-Manguinhos, responsável pela fabricação da vacina, para saber se quem teve um quadro infeccioso por conta do vírus precisa tomar o imunizante. Em resposta, a entidade afirmou que se a infecção foi confirmada laboratorialmente, a pessoa deve ter anticorpos contra a febre amarela e, portanto, está protegida contra uma nova infecção e não é preciso se vacinar.

“Há, porém, algo a se considerar: se o fato ocorreu há mais de 10 anos, por segurança seria recomendada a vacinação, já que os títulos de anticorpos neutralizantes se reduzem no decorrer dos anos”, afirmou em nota a Bio-Manguinhos.

Hepatite B

A hepatite B é um dos cinco tipos de hepatites existentes no Brasil, causada pelo vírus HBV, que atinge o fígado. Assim como a C, ela pode ser transmitida por sangue contaminado, sexo desprotegido e compartilhamento de objetos perfurocortantes. Conforme a Fiocruz, também há risco potencial de transmissão vertical (da mãe para o bebê) no momento do parto.

Sobre a imunidade adquirida naturalmente pela doença, o instituto diz que esta deve ser avaliada sorologicamente. “A vacina é recomendada, de forma universal, a partir do nascimento.”

Segundo o infectologista Marcio Nehab, a maioria das pessoas infectadas por hepatite B na idade adulta é capaz de lutar contra o vírus e se recuperar totalmente em 1 a 3 meses e ficará imune à infecção pelo resto da vida. Porém, há pessoas que precisam ser vacinadas para adquirir a imunidade. “Se não souber se é ou não imune pode tomar a vacina sem problemas.”

A principal forma de prevenção da doença é a vacina, que está disponível no SUS (Sistema Único de Saúde), de acordo com dados do Ministério da Saúde. A pasta oferta o imunizante para todas as faixas etárias.

O Ministério da Saúde estima que o risco da infecção tornar-se crônica depende da idade do indivíduo. Enquanto as crianças de até um ano têm 90% de chance de desenvolver um quadro mais agudo, as demais, entre um e cinco anos, têm entre 20% e 50% de chance.

Em adultos, as chances caem: entre 20% a 30% das pessoas infectadas cronicamente pelo vírus desenvolverão cirrose ou câncer de fígado.

Diferenças entre covid-19 e outras doenças

As doenças não são causadas pelo mesmo agente patológico, e algumas também diferem entre si pelo meio de transmissão. Além disso, ao contrário do sarampo, da hepatite B, da febre amarela e da gripe, a covid-19 é uma doença nova e é a única caracterizada como pandemia atualmente.

O vírus do sarampo é um RNA vírus, que pertence à família Paramyxoviridae, sendo uma doença de transmissão respiratória como a covid-19. A hepatite viral B é causada por um vírus com genoma de DNA, pertencente à família Hepadnaviridae; a transmissão ocorre por meio do sangue contaminado e de relações sexuais desprotegidas.

O vírus da febre amarela é um gênero de vírus RNA da família Flaviviridae, transmitido por meio da picada de um mosquito. A gripe é causada por diferentes tipos de vírus influenza, que fazem parte da família Orthomyxoviridae, de vírus de RNA, transmitida também pelas vias respiratórias.

Já a covid-19 é causada pelo vírus Sars-CoV-2, um coronavírus que está mais próximo dos agentes causadores da MERS e da SARS, por exemplo. O seu genoma é de RNA e ela também é definida como uma doença de transmissão respiratória. As formas de contágio mais comuns ocorrem por meio do contato próximo com pessoas infectadas, a partir da entrada de gotículas nas mucosas dos olhos, nariz e boca.

Está bem estabelecido que pessoas que tiveram sarampo, por exemplo, passam a ficar imunes contra a doença ao longo de toda a vida. Da mesma forma, a aplicação de vacinas contra o sarampo, a hepatite B e a febre amarela costuma ocorrer somente uma vez, de preferência já durante a infância.

No caso da covid-19, no entanto, estudos iniciais sugerem que a proteção individual contra o vírus (adquirida pela doença prévia ou pela vacina) tende a cair com o tempo — inclusive, esse é o motivo da dose de reforço estar sendo recomendada para grupos de risco atualmente no Brasil. Mas uma resposta exata sobre a duração da proteção ainda não é certa, até porque o surgimento do novo coronavírus ocorreu apenas em 2019.

No caso da gripe, a situação é um pouco diferente. Por conta da variabilidade de tipos (influenza A, B e C) e de subtipos (como H1N1, por exemplo, que causou uma pandemia em 2009) as vacinas são atualizadas todos os anos, observando quais vírus estão circulando mais e representam maior perigo para a saúde pública. A campanha de imunização acontece antes de cada inverno.

Por fim, apesar de ocorrerem em várias partes do mundo, as outras quatro doenças citadas não configuram uma pandemia atualmente, ao contrário da covid-19. Ou seja, o risco de exposição ao Sars-CoV-2 é consideravelmente mais elevado hoje.

O Comprova acessou uma série de boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde para checar a frequência com que aparecem cada uma dessas doenças no Brasil. Em relação ao sarampo, foram registrados 20.901 em 2019 e 8.848 casos em 2020. Para a hepatite B, foram 13.256 em 2019 e 6.064 em 2020.

Sobre a febre amarela, um documento recente menciona cinco casos confirmados entre julho de 2020 e abril de 2021. O impacto da gripe influenza foi verificado com base no número de pacientes hospitalizados, 2.602 no ano passado, mas uma grande parte dos casos gera sintomas leves e dispensa atendimento hospitalar.

A covid-19 supera todos esses números em 24 horas. Em 20 de outubro, o Brasil registrava uma média móvel de 11.933 novos casos e 380 mortes por dia, de acordo com o levantamento do consórcio de veículos de imprensa. Desde a chegada do vírus no País, em fevereiro do ano passado, foram registrados 21,6 milhões e 604,3 mil óbitos pela doença.

O autor

Francisco Eduardo Cardoso Alves é especialista em Infectologia pelo Instituto Emílio Ribas e diretor-presidente da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social (ANMP). Defensor do “tratamento precoce” com medicamentos que não possuem eficácia comprovada contra a covid-19, foi ouvido pela CPI da Pandemia, onde defendeu a prática, em junho deste ano.

Já foi alvo de verificação anterior do Comprova, ao afirmar, em sequência de tuítes, que Casa Branca, CDC, FDA, OMS, Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson não obrigam funcionários a se vacinarem, o que é enganoso.

O Comprova procurou Alves por e-mail e o questionou a respeito de dados sobre reinfecção pelo vírus e estudos mostrando benefícios da vacinação neste grupo, entre outros pontos. Ele não retornou o email mas decidiu “responder publicamente” em sua conta no Twitter.

O médico afirmou que está ciente da possibilidade de reinfecção por covid-19, mas alegou que as chances são mínimas, sustentando a tese de dispensar a vacinação. No entanto, um estudo publicado por autoridades dos Estados Unidos mostra que não vacinados tiveram mais que o dobro de chances de serem reinfectados, em comparação com os completamente vacinados.

Francisco diz que teve acesso aos estudos mostrando que a vacina melhora a resposta imunológica das pessoas com infecções prévias, mas afirmou que a imunização “é desnecessária quando a pessoa já tem imunidade natural”.

A opinião do infectologista vai à contramão do que determina o Ministério da Saúde e a OMS em relação às vacinas. A orientação é para que quem já teve covid-19, após a baixa da infecção, seja imunizado para diminuir as chances de uma nova infecção.

Por fim, ele diz que não teve covid-19 e que não concorda com a aplicação “obrigatória sob coação” das vacinas.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O post verificado foi compartilhado originalmente no Twitter e alcançou mais de 7,5 mil interações. Na repostagem do mesmo conteúdo feita no grupo Médicos pela Vida, no Telegram, o conteúdo enganoso foi visualizado por outras 20,2 mil pessoas.

Publicações enganosas como esta acabam reforçando que a vacinação contra a covid-19 seria dispensável quando, na realidade, é por meio da imunização que os números de casos e óbitos da doença têm caído. Além disso, por ser médico, o discurso do autor da postagem acaba sendo considerado por pessoas que o têm como autoridade em saúde.

Fica claro nos comentários da publicação que os usuários do Twitter e Telegram que viram o post acreditam que a vacina não é eficaz e que haveria uma “conspiração” por trás do imunizante, o que não é verdade.

Outros conteúdos no mesmo sentido foram checados pelo Comprova, como a informação falsa sobre um documento da Suprema Corte dos Estados Unidos apontando que os vacinados se tornariam transumanos. Outra postagem verificada foi sobre a deputada Bia Kicis, que distorceu entrevista de diretora do CDC para criticar vacinas e “passaporte sanitário“.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Políticas públicas

Investigado por: 2021-10-20

Maior investimento no laboratório Sirius foi no governo Temer; com Bolsonaro, houve cortes na pasta da Ciência

  • Enganoso
Enganoso
É enganosa a publicação no Twitter que atribui a Jair Bolsonaro o investimento que resultou na construção do Sirius, estação de aceleração de partículas em Campinas, no estado de São Paulo. Segundo o post, o presidente investe "pesadamente" em ciência. Mas o projeto teve início em 2014, no governo Dilma Rousseff e, desde então, recebeu recursos durante os mandatos de todos os presidentes do país. Além disso, Bolsonaro anunciou grandes cortes no Ministério da Ciência desde que assumiu.
  • Conteúdo verificado: Tuíte afirma que o laboratório Sirius, em Campinas, é resultado do trabalho de Jair Bolsonaro, um presidente que, segundo o post, investe de forma “pesada em ciência”.

É enganosa a publicação no Twitter que atribui ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a construção da estação de aceleração de partículas Sirius. No post, um usuário da rede social compartilha vídeo da inauguração de área do complexo, em 21 de outubro de 2020, na qual Bolsonaro esteve presente, para dizer que ele investe “pesado (sic) em Ciência”.

Conforme o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), supervisionado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), a assinatura do contrato com a construtora e o lançamento da pedra fundamental da obra ocorreu em dezembro de 2014, no primeiro mandato de Dilma Rousseff (PT). De lá pra cá, o projeto, ligado ao ministério, recebeu recursos anuais do governo federal.

Além da construção ter começado cinco anos antes do início do governo Bolsonaro, o presidente anunciou cortes na pasta da Ciência. Em março de 2019, no início de sua gestão, efetuou um corte de 42% no orçamento do ministério, equivalente a R$ 2,1 bilhões. À época, o ministro Marcos Pontes disse que a verba era necessária para o andamento do projeto Sirius.

Mais recentemente, em 8 de outubro deste ano, houve outro corte, de R$ 690 milhões. Consultado pelo Comprova, o CNPEM afirmou que a redução da verba “não afeta diretamente o Sirius, pois eram recursos alocados para outras atividades”, mas que “afeta a ciência brasileira e todo o ecossistema de pesquisa e, portanto, indiretamente, afeta também o Sirius”.

A reportagem tentou contato com o perfil @BiroliroBrasil, autor do post, mas não obteve retorno até a conclusão desta verificação. Dias depois, o Twitter suspendeu a conta.

O Comprova considerou o conteúdo enganoso porque ele induz a uma interpretação diferente da verdade.

Como verificamos?

A reportagem buscou informações sobre a construção do Sirius para verificar quando teve início e quais são os órgãos responsáveis pelo projeto. No site oficial do laboratório, verificamos que o contrato com a empresa responsável para iniciar a obra foi assinado no fim de 2014 (no ano seguinte ao início da terraplanagem), sendo que a inauguração da primeira etapa ocorreu em 2018.

A partir destas informações, buscamos os dados referentes à construção do Sirius no Portal da Transparência do governo federal.

Em seguida, sobre a alegação feita na postagem de que a mídia “não teria coragem” de falar sobre a contribuição de Bolsonaro para o Sirius, a reportagem buscou verificar por meio de pesquisa no Google se a imprensa nacional divulgou notícias relacionadas a isso.

Além disso, o Comprova contatou, por e-mail, as assessorias de imprensa do Ministério da Ciência, que não respondeu, e do CNPEM.

A equipe também entrou em contato com o usuário que fez a postagem original, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Verificação

Início em 2014

O Sirius é uma infraestrutura de pesquisa aberta, ou seja, à disposição da comunidade científica, e foi desenvolvido no CNPEM.

Conforme informações do site do Laboratório Nacional de Luz Síncroton, instituição que abriga o Sirius, a terraplanagem do terreno de 68 mil metros quadrados de área construída em Campinas, doado pelo Estado de São Paulo, foi concluída em 2014.

Em 19 de dezembro do mesmo ano, foi assinado o contrato com a construtora e lançada a pedra fundamental da obra, como informou o CNPEM à reportagem. Nessa época, a presidente do Brasil era Dilma Rousseff.

As edificações tiveram início em 2015, ano em que 20% das obras civis foram concluídas.

Já durante o governo de Michel Temer (PMDB), as obras civis do Sirius alcançaram 75% de conclusão, com a implantação do piso especial para a instalação dos aceleradores e das linhas de luz, e, em 2018, quando as obras civis foram concluídas e deu-se início à instalação dos equipamentos.

Recursos do Ministério da Ciência

De acordo com o site oficial do laboratório, “o Sirius é financiado com recursos do MCTI e projetado por pesquisadores e engenheiros do CNPEM, em parceria com a indústria nacional”.

Dados disponíveis no Portal da Transparência mostram que o governo federal investiu, até outubro de 2021, R$ 1,3 bilhão desde o início da construção do Sirius, em 2014, dentro de um orçamento inicial de R$ 1,5 bilhão.

Ainda conforme o Portal da Transparência (Planilha 1 | planilha 2), os maiores montantes pagos anualmente até então foram R$ 352,4 milhões em 2018 (governo Temer); R$ 325,9 milhões em 2017 (governo Temer); e R$ 277,1 milhões em 2019 (governo Bolsonaro).

Apesar de Bolsonaro já ter direcionado mais de R$ 441 milhões para o Sirius de 2019 a 2021, foi durante o governo Temer que o projeto teve mais investimento: cerca de R$ 678 milhões entre 2017 e 2018. Na gestão Dilma, foram pagos R$ 243,1 milhões.

Cortes

Embora a mensagem analisada nesta verificação declare que Bolsonaro “é um presidente do Brasil, que ‘os corruptos’ ainda dizem ser contra a ciência, investindo pesado (sic) em Ciência ‘de verdade’ e ‘da verdade’…”, no dia 8 de outubro deste ano houve uma modificação do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 16, pela Comissão Mista do Orçamento do Congresso Nacional, que atendeu um ofício do Ministério da Economia e subtraiu os recursos destinados a bolsas e apoio à pesquisa do Ministério de Ciência e impossibilita projetos agendados pelo CNPq.

Com o desfalque, inclusive, pode haver a possibilidade de cortes de custos para o Sirius, já que ele é financiado pela pasta da Ciência. O PLN 16/2021 retirou R$ 690 milhões da pasta e destinou o valor para outros ministérios – a verba representava cerca de 90% do orçamento do ministério, que caiu para R$ 89 milhões.

Na ocasião, o ministro da Ciência, Marcos Pontes, lamentou a decisão. No mesmo dia, conforme a Agência Brasil, foram inauguradas cinco novas linhas de luz no Sirius.

Ao Comprova, a assessoria do CNPEM lamentou o corte na pasta. “Foi um baque enorme para o sistema científico brasileiro”, escreveu, por e-mail. “Isto não afeta diretamente o Sirius neste momento, pois eram recursos alocados para outras atividades. No entanto, afeta a ciência brasileira e todo o ecossistema de pesquisa e, portanto, indiretamente afeta também o Sirius.”

Visitas do presidente

Além de usar um vídeo sobre o Sirius para dizer que Bolsonaro investe de forma pesada na ciência, o post verificado pede: “vamos divulgar porque a mídia brasileira não vai ter coragem!…”, levando à interpretação de que a imprensa nacional não noticiou nada sobre investimentos do governo Bolsonaro e as visitas do presidente ao complexo.

Entretanto, diversos veículos jornalísticos divulgaram os assuntos. Em novembro de 2019, por exemplo, o UOL publicou que “em julho, ele (o Sirius) teve R$ 75 milhões liberados pelo governo federal e pôde concluir os testes recentes”. Em setembro, o G1 escreveu: “o projeto recebeu até setembro repasse de R$ 75 milhões dos R$ 255,1 milhões previstos para 2019”.

A visita de Bolsonaro, que participou da inauguração da primeira linha de pesquisa no laboratório, em outubro de 2020, também foi amplamente noticiada.

“Bolsonaro inaugura linha de pesquisa do Sirius e ministro projeta laboratório de biossegurança 4 em Campinas”, escreveu, no título, o G1. O UOL também publicou uma notícia sobre o evento, ressaltando que Bolsonaro foi o terceiro presidente a inaugurar uma das etapas do projeto.

A Folha, além de ter publicado reportagem em seu site, divulgou a visita do presidente na versão impressa do dia 22 de outubro, com o título “Bolsonaro inaugura estação de aceleração de partículas em Campinas”. O Estadão citou a participação do chefe de Estado no evento em um texto que destacou o posicionamento do ministro Marcos Pontes sobre a obrigatoriedade da vacina contra a covid-19. O jornal O Globo também fez menção à cerimônia em uma reportagem.

Em 8 de de outubro de 2021, quando foram inauguradas cinco estações do Sirius, o G1 também noticiou e SBT News divulgou a visita na TV e, na versão on-line, com o título “Bolsonaro visita superlaboratório e conhece acelerador de partículas”.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O vídeo compartilhado no post verificado teve 6,2 mil visualizações no Twitter até 13 de outubro.

Retuítes com frases como “Que orgulho, é maravilhoso ver o Brasil saindo do atraso, se libertando da cultura do bumbum, Carnaval, futebol, turismo sexual, pra ser de fato a nação predestinada a ser. Parabéns a todos os envolvidos e ao PR JB pela coragem. Orgulho” e “Feliz de ter votado na pessoa certa para comandar esse país. Se fosse o poste do Lula, com certeza esse investimento nunca teria saído do papel porque o dinheiro teria sido usado para sustentar os amigos ditadores” sugerem que Bolsonaro seria responsável pela construção do Sirius, interpretação que é errônea.

Em 2021, o Comprova já verificou que um vídeo omitia as ações de governos anteriores para exaltar as ações de Bolsonaro na Transamazônica e checou a realização de outras supostas obras atribuídas ao presidente, como uma realizada em 2015 pelo Governo de São Paulo e uma intervenção no Rio Grande do Norte, iniciada em governos anteriores, mas também atribuída somente ao governo de Bolsonaro.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou ainda aquele que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Pandemia

Investigado por: 2021-10-15

Teste de anticorpos não deve substituir vacina contra a covid, como sugere deputado do PR

  • Falso
Falso
São falsas as alegações do deputado estadual Ricardo Arruda (PSL-PR) em um vídeo em que ele afirma que os exames de anticorpos garantem que as pessoas que já tiveram a doença estão imunes contra a covid-19 e, por isso, elas não precisam se vacinar; que o “tratamento precoce” teve a sua eficácia comprovada; e que ninguém monitora os efeitos colaterais dos imunizantes. Segundo a ciência, a vacinação garante uma proteção mais robusta do que a demonstrada pelos exames de anticorpos pós-infecção. Não há nenhum ensaio clínico que comprove a eficácia de medicamentos contra o novo coronavírus; pelo contrário, esses tratamentos são desaconselhados por autoridades de saúde internacionais. Já as reações aos imunizantes são monitoradas de perto, no Brasil, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
  • Conteúdo verificado: Vídeo que circula no Facebook mostra o deputado estadual do Paraná Ricardo Arruda fazendo diversas alegações falsas sobre a pandemia. Entre elas, ele afirma que o “tratamento precoce” foi “comprovado estatisticamente” por “milhões de médicos”.

São falsas várias alegações do deputado estadual do Paraná Ricardo Arruda (PSL-PR), declaradas em um vídeo que viralizou na Internet com críticas ao programa de vacinação contra a covid-19 e defesa de tratamentos ineficazes contra a doença.

Segundo Raphael Rangel, virologista, coordenador do curso de biomedicina do Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação (IBMR) e membro da Rede do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde, o grupo não vacinado é aquele que mais tem risco para exposição ao vírus, assim como a possibilidade de evolução para a forma grave da covid-19.

O virologista afirma que o grande perigo desse grupo é que essas pessoas podem se infectar recorrentemente e, por isso, dar origem a novas variantes.

Também é falso que não exista um acompanhamento dos efeitos colaterais das vacinas. Em primeiro lugar, porque antes de ser autorizado no Brasil, cada imunizante passou por três fases de testes clínicos para garantir a sua segurança e eficácia. Em segundo, porque notificações de reações adversas são monitoradas de perto por órgãos de vigilância sanitária como a Anvisa, que tem poder para suspender a aplicação das vacinas se houver risco à saúde da população.

Além disso, o deputado erra ao afirmar que o Supremo Tribunal Federal (STF) retirou a autonomia do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para atuar durante a pandemia e, por isso, todas as ações são decididas por governadores e prefeitos. O que a Suprema Corte decidiu foi que União, estados e municípios têm competência conjunta para atuar em questões de saúde pública, como determina a Constituição Federal. Segundo o órgão, caberia ao governo federal coordenar as ações específicas dos governos subnacionais.

Outra declaração falsa do parlamentar inclui a defesa do “tratamento precoce”. Ele alega, sem provas, que o método foi “estatisticamente” comprovado. O próprio Ministério da Saúde já afirmou à CPI da Pandemia que os remédios do kit covid, inicialmente defendido pelo governo federal, são, na verdade, ineficazes no combate ao vírus.

Ricardo Arruda também estabeleceu falsa equivalência entre a proteção contra o vírus oriunda da contaminação e a conferida pela vacina. O doutor em Epidemiologia pela Universidade de São Paulo (USP) Julio de Carvalho Ponce explica que a proteção “mais robusta” somente é garantida com a aplicação dos imunizantes.

O legislador ainda diz que o “tratamento precoce” contra a covid-19 é perseguido, enquanto as pessoas defendem a liberação de compostos medicinais a base de cannabis. De acordo com a médica especialista em dor crônica e medicina canabinóide Maria Teresa Jacob, “não há comparação possível entre tratamento precoce e maconha medicinal’. Aliás, nem se pode afirmar que existe tratamento precoce consensual [contra a covid-19]”.

Em nota, a assessoria do deputado afirmou que todas as informações sobre saúde que constam no vídeo tiveram como fonte “médicos confiáveis e renomados”, sem detalhar a quem se refere. A equipe do parlamentar também disse que as informações são checadas antes de serem publicadas.

Para o Comprova, é falso todo conteúdo inventado e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

Inicialmente, buscamos informações em verificações acerca da vacinação contra covid-19 e do “tratamento precoce” já publicadas pelo Comprova. Além disso, entrevistamos o virologista Raphael Rangel; o epidemiologista Júlio de Carvalho Ponce; e a médica especialista em dor crônica e medicina canabinóide Maria Teresa Jacob.

Por email, o Comprova entrou em contato com a assessoria do gabinete do autor do vídeo.

Foram consultadas, por fim, informações científicas da Organização Mundial da Saúde (OMS), dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, da Anvisa e portais de notícias.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 15 de outubro de 2021.

Verificação

Efeitos colaterais das vacinas são monitorados

Em todas as bulas das vacinas autorizadas no Brasil, a Anvisa afirma que os imunizantes, como qualquer outro medicamento, podem causar efeitos colaterais, ainda que eles passem por três fases de testes clínicos que, além da eficácia, indicam se são seguros; isto é, que não provocam reações graves.

Não significa, contudo, que, após serem autorizadas, as vacinas não são mais acompanhadas pelas autoridades sanitárias. A Anvisa continua monitorando qualquer evento adverso por meio de um processo chamado farmacovigilância, assim como outras agências ao redor do mundo. Quando uma pessoa tem um episódio de saúde que se suspeita estar relacionado à imunização, o profissional de saúde que a atendeu notifica os órgãos competentes, incluindo a Anvisa, para que iniciem uma investigação criteriosa do caso.

A Anvisa tem poder para suspender total ou parcialmente (para alguns grupos) o uso de algum medicamento ou imunizante que esteja sendo aplicado em desacordo com a bula e que possa causar risco à saúde da população. Um exemplo foi a suspensão do uso da vacina da AstraZeneca em gestantes, no dia 10 de maio de 2021 A aplicação desse imunizante em mulheres grávidas não era prevista pela bula.

Em junho deste ano, o médico David Urbaez, presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal, disse ao Comprova que a existência de algumas reações leves são comuns em todas as vacinas contra qualquer doença, já que elas estimulam o sistema imune. Essas reações leves, como dor no local da aplicação e febre, não têm relação com a forma como esse imunizante foi desenvolvido. “O sistema imune estimulado gera uma série de substâncias biológicas, que em mais ou menos proporção, geram os efeitos adversos sistêmicos como febre, dores musculares, indisposição, etc”, explicou.

De acordo com Urbaez, em mais de 99% das vezes, as reações aos imunizantes são leves. “Rarissimamente podem acontecer efeitos adversos mais sérios, sempre menos de 1% das ocorrências. Sempre lembrando, todas as vacinas em uso não têm vírus vivos, pelo que sua segurança é garantida após as fases de ensaio clínico”, afirmou.

STF e o papel dos estados e da União

Em 15 de abril de 2020, o plenário do STF reconheceu a competência concorrente entre a União, os estados e municípios no enfrentamento da pandemia. Na ação que avaliava trechos da Medida Provisória 926/2020, ficou entendido que governadores e prefeitos tinham autonomia para adotar medidas de distanciamento social que pudessem prevenir a infecção pela covid-19, considerando as realidades locais, já que o número de casos e de leitos varia de um lugar para outro do país. O papel do governo federal seria coordenar nacionalmente essas ações locais.

A decisão tinha como base o artigo 23, inciso II, da Constituição Federal, segundo o qual, “cuidar da saúde e assistência pública, da proteção e garantia das pessoas portadoras de deficiência” é uma competência comum da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.

O presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores sempre criticaram a decisão do STF. No entendimento do chefe do Planalto, o Judiciário limitou seus poderes para atuar durante a pandemia. O governo chegou a apresentar ações na Suprema Corte contra decretos estaduais que instituíram lockdown para contenção do vírus. Mas elas não prosperaram.

Em julho deste ano, o STF lançou uma peça de marketing dizendo ser falso que o Judiciário tenha retirado poderes do presidente para atuar na pandemia. “O STF decidiu que União, estados e prefeituras tinham que atuar juntos, com medidas para proteger a população”, explica o vídeo divulgado nas redes sociais. A peça também trazia o slogan “Uma mentira contada mil vezes não vira verdade”.

A decisão mais recente, citada no vídeo verificado, ocorreu após o Ministério da Saúde recomendar a suspensão da vacinação de adolescentes. A imunização de pessoas acima de 12 anos com a vacina da Pfizer havia sido autorizada pela Anvisa desde 11 de junho deste ano, após avaliar estudos que comprovaram a segurança e a eficácia do composto para esta faixa etária.

Apesar da orientação da União, alguns estados anunciaram que seguiriam aplicando a vacina. No dia 21 de setembro, o ministro do STF Ricardo Lewandowski concedeu uma liminar afirmando que “a imunização de adolescentes acima de 12 anos é da competência dos estados, do Distrito Federal e dos municípios”. A decisão dizia que estados e municípios deveriam observar, sob pena de responsabilização, as orientações dos fabricantes dos imunizantes, da Anvisa e das autoridades de saúde.

No dia seguinte, a Anvisa concluiu que o óbito de adolescente que ocorreu em São Paulo — citado pelo Ministério da Saúde como justificativa para suspensão da imunização — não tinha relação com a aplicação da vacina da Pfizer, após um processo de investigação. Na mesma data, o Ministério da Saúde voltou atrás e passou a recomendar novamente a imunização dos adolescentes.

Tratamento precoce não foi comprovado estatisticamente

Diferentemente do que afirma o parlamentar, não há comprovação estatística sobre eficácia do dito “tratamento precoce”. Ricardo Arruda não citou números nem alguma fonte que tenha embasado sua fala.

Como o Comprova já mostrou, a hidroxicloroquina é ineficaz no combate ao vírus. Trata-se de um dos remédios difundidos pelo presidente Jair Bolsonaro e aliados como antídoto para a infecção, ao lado da ivermectina e da azitromicina, sem comprovação de eficácia.

A OMS e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) já emitiram recomendações contrárias ao uso da hidroxicloroquina, da cloroquina e da ivermectina.

Um estudo randomizado – que compara duas ou mais intervenções conduzidas por pesquisadores e aplicadas de modo aleatório em voluntários – publicado na revista The Lancet mostrou que a azitromicina é ineficaz e não tem relação com redução de mortes por covid-19.

O próprio Ministério da Saúde assumiu que os medicamentos do chamado kit covid são incapazes de neutralizar o vírus. Em documento enviado à CPI da Covid, a pasta disse:

“Alguns medicamentos foram testados e não mostraram benefícios clínicos na população de pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados, sendo eles: hidroxicloroquina ou cloroquina, azitromicina, lopinavir/ritonavir, colchicina e plasma convalescente. A ivermectina e a associação de casirivimabe + imdevimabe não possuem evidência que justifiquem seu uso em pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados nessa população” .

O infectologista Julio Ponce explica que relatos individuais de “cura” não são suficientes para provar a eficácia de um medicamento. “Em medicina, não abordamos a capacidade de cura como um evento pessoal, único, mas sim com redução de risco, melhora de sintomas, diminuição de evolução a óbito, etc”, afirmou ao Comprova em entrevista feita pelo Twitter.

Exame de anticorpos não substitui vacina

Não é verdadeira a fala do parlamentar Ricardo Arruda que estabelece equivalência entre o resultado do teste de covid-19 e a vacina contra o vírus, como se ambos fossem atestados de imunidade contra o Sars-CoV-2.

A Anvisa alertou em seu site, em junho deste ano, que os testes disponíveis servem tão somente para a identificação de pessoas que tenham sido infectadas pelo coronavírus.

Na nota técnica 33/2021, a agência reguladora brasileira afirma que “não existe, até o momento, a definição da quantidade mínima de anticorpos neutralizantes necessária para conferir proteção imunológica contra a infecção pelo Sars-CoV-2, uma reinfecção, as formas graves da doença e nem contra as novas variantes circulantes.”

A FDA, agência sanitária norte-americana, equivalente à Anvisa no Brasil, também advertiu que os testes não devem ser usados para avaliar o nível de imunidade contra o vírus, seja antes ou depois da vacinação. De acordo com o comunicado, emitido em maio deste ano, são necessárias mais pesquisas para entender o significado de um teste de anticorpos positivo ou negativo.

Sobre os não vacinados, público ao qual o parlamentar se dirige na fala, a FDA sublinha que um resultado positivo não é significado de quantidade específica de imunidade ou proteção contra a infecção. O resultado positivo significa que o paciente provavelmente deve ter sido infectado pelo vírus. Dessa forma, a recomendação da agência reguladora estadunidense é de que um médico seja consultado.

“Se os resultados do teste de anticorpos forem interpretados como uma indicação de um nível específico de imunidade ou proteção contra a infecção pelo Sars-CoV-2, há um risco potencial de que as pessoas tomem menos precauções contra a exposição ao vírus. Tomar menos precauções pode aumentar o risco de infecção e pode resultar no aumento da disseminação do Sars-CoV-2”, diz o comunicado.

Júlio de Carvalho Ponce disse ao Comprova que o exame de anticorpos é um “indicativo de proteção, mas há uma proteção mais robusta com o uso de vacinas, mesmo para quem já foi infectado.”

Há mais literatura sobre maconha medicinal

Ricardo Arruda criticou o colega de Assembleia, o deputado Goura Nataraj (PDT), por ele ser contrário ao “tratamento precoce”, mas favorável ao uso da maconha para fins medicinais. Arruda então estabeleceu falsa equivalência entre o uso de produtos à base de cannabis e o tratamento que ele defende contra o Sars-Cov-2, cuja ineficácia já foi comprovada pela comunidade científica.

De acordo com a médica especialista em dor crônica e medicina canabinóide Maria Teresa Jacob, “não há comparação possível entre tratamento precoce e maconha medicinal”. Segundo ela, “nem se pode afirmar que existe tratamento precoce consensual [contra a covid-19]”.

Em entrevista ao Comprova, ela afirma que “estudos sobre cannabis medicinal têm crescido muito a cada ano e mostram como é possível aliviar a dor crônica no caso de muitas doenças como endometriose, problemas de coração e cefaléia, inclusive incluindo tratamento de covid-19”.

Uma resolução colegiada da direção da Anvisa, de número 327/2019, entrou em vigor no dia 10 de março de 2020 e definiu as condições e procedimentos para a concessão da Autorização Sanitária para a fabricação e importação de produtos de cannabis para fins medicinais.

A empresa farmacêutica Prati-Donaduzzi, como mostra matéria do portal UOL, conseguiu autorização para comercializar o canabidiol com cinco anos de validade. Não significa, porém, que os produtos tenham status de medicamento.

No quinto capítulo da mesma resolução, o segundo inciso do artigo 50 determina que os pacientes devam ser informados de que “o produto de Cannabis não é medicamento”.

Em 2021, a Anvisa aprovou dois novos produtos à base de cannabis fabricados nos Estados Unidos, ambos com concentração de tetra-hidrocarbinol (THC) de até 0,2%. O THC é o principal componente ativo da maconha, responsável pelos efeitos alucinógenos da planta.

O Conselho Federal de Medicina, citado pelo deputado, de fato adota postura resistente ao uso destes produtos. Ao lado da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a instituição assinou um decálogo em que se contrapôs ao uso do termo “maconha medicinal”. O argumento usado foi o mesmo da Anvisa, o de que não podem ser considerados medicamentos.

“Como os poucos resultados obtidos estão longe de ser generalizados, mesmo que o uso controlado possa ser feito, deve-se levar em conta os potenciais malefícios já comprovados”, dizem as associações no item 3 do documento.

O autor do vídeo

Segundo seu perfil no site da Assembleia Legislativa do Paraná, Ricardo Arruda (PSL) é formado em finanças e foi presidente do Banco Comercial. Ele também se diz ligado à Igreja Mundial do Poder de Deus, a quem prestou consultoria financeira durante a carreira. Exerceu o primeiro cargo político em 2013, quando se tornou deputado federal após o licenciamento de Edmar Arruda. Em 2014, foi eleito deputado estadual do Paraná, sendo reeleito em 2018. Entre seus projetos, propôs a adoção no Paraná do “Escola Sem Partido”, movimento que defende que professores não podem falar de política em sala de aula.

Em seu perfil oficial do Instagram, ele também se define como “anti-PT” e apoiador do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o site Paraná Portal, parceiro do UOL, ele já foi condenado a retirar um vídeo do ar após acusar uma médica do estado de estar “matando pacientes” por se recusar a prescrever o tratamento com cloroquina. A BandNews FM de Curitiba também informa que ele já foi multado pela Justiça Eleitoral por propaganda antecipada ao contratar outdoors com sua foto e a do presidente da República.

Procurada, a assessoria de Ricardo Arruda afirmou que o objetivo do vídeo era “informar a população” e “transmitir dados que a grande mídia não divulga”. Segundo a equipe do parlamentar, todas as informações relativas a questões de saúde citadas na fala foram extraídas de “médicos confiáveis e renomados”; sem citar nomes. A assessoria também garante que elas são checadas antes de serem publicadas.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O vídeo verificado aqui teve mais de 40 mil visualizações e 1,2 mil curtidas no Twitter.

Em falas que reverberam as mesmas falácias do vídeo verificado, o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que não tomará a vacina, por considerar que já está imunizado contra a covid-19 depois de ter sido infectado com o Sars-Cov-2.

A desinformação sobre o processo de imunização é prejudicial para a saúde pública e a manutenção do controle da pandemia no país.

Segundo monitoramento do Imperial College de Londres, pela primeira vez, desde o início da pandemia, a taxa de transmissão da doença no Brasil atingiu o menor nível desde abril de 2020, quando começou a ser medida.

O Comprova já publicou diversos conteúdos sobre imunização, como o que informa que é falso que documento da Suprema Corte dos EUA afirma que vacinados contra a covid-19 se tornam transumanos e a reportagem que mostra que deputada distorce entrevista de diretora do CDC para criticar vacinas e ‘passaporte sanitário’. O Estadão também já verificou alguns dos temas abordados nessa checagem, como uma postagem no Facebook desinforma ao transferir responsabilidade do combate à pandemia ao STF e uma reportagem que informa que testes de anticorpos não servem para medir proteção das vacinas contra a covid-19.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.