O Projeto Comprova é uma iniciativa colaborativa e sem fins lucrativos liderada pela Abraji e que reúne jornalistas de 42 veículos de comunicação brasileiros para descobrir, investigar e desmascarar conteúdos suspeitos sobre políticas públicas, eleições, saúde e mudanças climáticas que foram compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens.
Filtro:

Eleições

Investigado por: 2022-09-28

É falso que PT tenha projeto de moradia social para abrigar famílias sem teto em casas que já têm dono

  • Falso
Falso
Não é verdade que o ex-presidente e candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenha um projeto que prevê que pessoas que moram em casas com mais de 60 m² terão que abrigar famílias sem moradia, como diz um vídeo no TikTok. Não há menção a esse tipo de medida no programa de governo de Lula enviado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nem registros de declarações do petista sobre o tema. Boatos como esse circularam nas redes sociais e já foram desmentidos em 2018 e 2022.

Conteúdo investigado: Vídeo no TikTok mostra um homem dizendo que vai votar em Lula em 2022 porque o petista deve criar, se for eleito presidente, um projeto chamado “moradia social”. Segundo o autor do vídeo, o projeto prevê que pessoas que moram em casas com mais de 60 m² terão que abrigar outras famílias, “mesmo que não [as] conheçam”. “Eu quero a moradia social, porque eu tô sem nada”, diz o autor, ironicamente. “Assim que o Lula assumir a cadeira [presidencial], eu vou colar na tua casa.”

Onde foi publicado: TikTok.

Conclusão do Comprova: É falso o vídeo no TikTok que diz que Lula tem um projeto chamado “moradia social” que prevê que, caso o petista seja eleito presidente em 2022, o governo irá obrigar os brasileiros que moram em casas com mais de 60 m² a dividir o espaço com famílias sem acesso à moradia.

Não há registro de um projeto dessa natureza no plano de governo de Lula enviado ao TSE. O programa cita a expressão “moradia” apenas no seguinte trecho: “Voltaremos a ter um amplo programa de acesso à moradia, com mecanismos de financiamento adequados a cada tipo de público”, em provável referência ao programa Minha Casa Minha Vida, criado por Lula em 2009 e encerrado por Jair Bolsonaro (PL) em 2021.

O Comprova também não encontrou declarações de Lula sobre o suposto projeto “moradia social”. A verificação fez buscas no Google e no Twitter por palavras-chave como “casa”, “moradia social”, “60 m²” e “60 metros” e não localizou registros de notícias ou tuítes sobre o tema. Nos vídeos da propaganda eleitoral de Lula na TV, disponíveis no canal do candidato no YouTube, também não há menções.

Boatos como esse já circularam nas redes sociais e foram desmentidos em 2018 e em julho de 2022. O Comprova verificou os conteúdos nos dois momentos. Na verificação mais recente, feita pouco antes do início da atual campanha eleitoral, a assessoria de imprensa de Lula negou a existência do projeto para abrigar famílias e disse que, nos governos anteriores, o ex-presidente “não tomou a casa de ninguém”.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e tenha sido divulgado de modo deliberado para espalhar uma falsidade.

Alcance da publicação: O Comprova verifica conteúdos com grande alcance nas redes sociais. Até 28 de setembro, o vídeo verificado tinha 283 mil visualizações, 19,9 mil curtidas, 5.053 comentários e 13,4 mil compartilhamentos no TikTok.

O que diz o autor da publicação: O TikTok não permite o envio de mensagens privadas entre usuários que não se seguem mutuamente. O Comprova buscou o perfil do autor da publicação verificada em outras redes sociais, mas não encontrou correspondências até o fechamento deste texto.

Como verificamos: Além de fazer buscas nas páginas de Lula, o Comprova fez uma pesquisa no Google com os termos “moradia social PT”. Um dos resultados encontrados foi uma verificação recente do UOL Confere sobre o tema. Também pesquisamos por “compartilhamento de moradias PT”, e os resultados mostrados foram checagens do Aos Fatos e do Projeto Comprova.

A verificação do UOL Confere diz que, em 2009, um projeto de lei foi protocolado na Câmara dos Deputados com o objetivo de “instituir o serviço de moradia social”. Para buscar detalhes do projeto, o Comprova fez uma busca no Google com os termos “PL moradia social”, que resultou na página da Câmara dos Deputados sobre a proposição.

PL com nome “Moradia Social” já existiu, mas não previa compartilhamento de imóveis

No vídeo aqui analisado, o autor se refere à suposta política de compartilhamento de casas com mais de 60 m² como “Projeto Moradia Social”. Em 2009 foi protocolado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei (PL) 6342/2009, que instituía o “Serviço de Moradia Social para famílias de baixa renda”, mas sem fazer qualquer proposta com teor parecido ao mencionado no vídeo.

O PL, de autoria do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) e do ex-deputado Zezéu Ribeiro (PT-BA), previa que o poder público arcasse com os custos de aluguel de famílias de baixa renda em imóveis públicos ou privados. Segundo o texto do projeto, a prioridade era atender pessoas com mais de 60 anos; em situação de rua; com alguma deficiência; moradores de áreas de risco e famílias em situação de vulnerabilidade ou risco social.

“Cabe ao Poder Público responder pelo custo do aluguel, quando couber, pelos custos administrativos e pela parcela dos custos de manutenção não suportada pelos beneficiários”, diz um trecho do texto do projeto, que tinha como objetivo “ampliar as formas de acesso à moradia para a população de baixa renda de forma complementar aos demais programas de aquisição de moradia social”.

No Portal da Câmara, a situação do projeto é “aguardando designação de relator na Comissão de Finanças e Tributação (CFT)”. O último registro de movimentação na tramitação do PL aconteceu em 6 de maio de 2019.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizam nas redes sociais sobre as eleições presidenciais, a realização de obras públicas e a pandemia. Durante o período que antecede as eleições no Brasil, muitos conteúdos estão sendo divulgados com o objetivo de tumultuar o processo, como a peça aqui verificada, pois podem influenciar na decisão de eleitores brasileiros. A população deve escolher seus candidatos com base em informações verdadeiras e confiáveis.

Outras checagens sobre o tema: Conteúdo semelhante ao aqui verificado foi checado em uma publicação do UOL Confere publicada no último dia 27 de setembro. Ao menos desde 2018 circulam postagens com esse teor, que já foram checadas pelo Comprova aqui e aqui e por outros veículos, como Aos Fatos e Reuters.

Eleições

Investigado por: 2022-09-28

Vídeo não mostra nenhuma irregularidade no processo de carga e lacração de urnas em Itapeva

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso vídeo que insinua que funcionários da Justiça Eleitoral estariam fraudando urnas eletrônicas durante procedimento de carga e lacração dos equipamentos em Itapeva, no interior de São Paulo. A etapa faz parte do processo eleitoral e, no caso da zona eleitoral em questão, é realizada na sede de um sindicato desde 2014 por falta de espaço no cartório local.

Conteúdo investigado: Vídeo de quase 29 minutos em que uma mulher grava o trabalho de servidores e terceirizados de um cartório eleitoral na cidade de Itapeva, no interior de São Paulo. No título da gravação, afirma-se que as urnas estão sendo “preparadas” em um sindicato. As aspas sugerem que esse preparo poderia ser ilegal. Versões mais curtas do vídeo circulam também dando a entender que a gravação comprovaria algum tipo de fraude.

Onde foi publicado: YouTube.

Conclusão do Comprova: O conteúdo de um vídeo de 28 minutos e 46 segundos, gravado no Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção, do Mobiliário, Cimento, Cal, Gesso e Montagem Industrial (Sinticom), de Itapeva, no interior de São Paulo, traz alegações enganosas sobre as urnas eletrônicas.

Na gravação, é possível constatar que uma mulher conduz a filmagem. Ela questiona servidores e terceirizados da Justiça Eleitoral sobre a atividade no local, levantando suspeitas sobre o trabalho realizado e a segurança das urnas. Ela também se manifesta contra o fato de o voto não ser impresso. Em tom de advertência, ela diz que “se der Lula (na votação para presidente da República), vai ter pau”, pois, segundo afirma, o atual presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro, tem maioria de votos na região. Sua derrota, portanto, mostraria que, de acordo com ela, que a equipe que aparece no vídeo estaria orquestrando uma uma fraude nas eleições.

O trabalho mostrado no vídeo era de carga e lacração das urnas e não há registro de irregularidades. O único cartório eleitoral do município, o da 53ª zona eleitoral, não tem espaço físico suficiente para a execução da atividade e, por isso, foi requisitada por ofício a área do Sinticom, que fica ao lado. Essa prática é adotada desde 2014, segundo nota do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP).

Para o Comprova, enganoso é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: Até o dia 28 de setembro, a postagem verificada tinha 40.287 visualizações, 1.323 comentários e 3,1 mil curtidas no YouTube. O mesmo perfil publicou uma versão shorts do vídeo, que alcançou 8,7 mil curtidas e mais de mil comentários.

Um vídeo anterior, publicado no dia 25 de setembro, foi excluído do YouTube. Entretanto, capturas de tela salvas mostram que chegou a ter 28.234 visualizações e 2,4 mil curtidas.

O que diz o autor da publicação: O proprietário do canal no YouTube que registrou mais visualizações informou, em mensagem pelo Facebook, que havia recebido o link de outro perfil – aquele que foi excluído da plataforma – e apenas compartilhou por considerar “estranho” o local em que as urnas estavam sendo preparadas. Por mais de uma vez em sua resposta, frisou que o canal não faz campanha para qualquer candidato. A atividade do grupo, segundo ele, é de fiscalização do poder público no município de Itanhaém, no litoral de São Paulo. Por fim, ressaltou que, assim que tomou conhecimento, acrescentou a nota do TRE sobre o episódio na descrição do vídeo.

Como verificamos: Primeiramente, assistimos ao vídeo para conhecer as acusações feitas por quem gravou o trabalho dos servidores e terceirizados da Justiça Eleitoral. A partir das alegações apresentadas, a equipe fez pesquisa no Google por palavras-chaves “manifestação” + “Bolsonaro” + “Itapeva” + “2022”, porque, na gravação, a mulher fala sobre uma grande carreata de apoio ao presidente da República.

A consulta retornou conteúdo sobre um boletim de ocorrência registrado pelos servidores do cartório contra a mulher. Assim, com o documento, foi possível identificá-la e também o responsável pelo cartório. A busca ainda retornou uma nota de esclarecimento do TRE-SP sobre o episódio.

Com as informações, a equipe consultou no Google Maps a distância entre o sindicato e a sede da 53ª Zona Eleitoral. Também buscou saber se o homem que aparece no vídeo realmente era servidor da Justiça Eleitoral, pelo portal da Transparência. No site do TSE, foram procurados os editais publicados para conferir se o procedimento de carga e lacração das urnas tinha sido divulgado.

Por fim, o Comprova entrou em contato com a página do YouTube que publicou o vídeo e com a mulher que fez a gravação.

A gravação

O vídeo de quase 29 minutos mostra funcionários da 53ª Zona Eleitoral trabalhando na carga e lacração das urnas eletrônicas que serão usadas nas eleições deste ano. Esse procedimento ocorreu na sede do Sinticom, um sindicato de Itapeva, no interior de São Paulo, em 24 de setembro. Enquanto os servidores trabalhavam, um grupo de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) entrou no local. A mulher que está gravando o vídeo, identificada como Camila Vasconcelos, os intimida.

Na gravação, aparece uma pessoa, identificada como Eduardo Kumasawa, assistente do cartório, que explica o processo de carga e lacração das urnas e como não é possível ter fraude nas eleições. Camila, então, começa a questionar quem são as pessoas que estão trabalhando ali e o porquê do processo ocorrer no sindicato.

Kumasawa explica que as urnas estão sendo manuseadas por funcionários da Justiça Eleitoral e terceirizados contratados pelo TRE, de acordo com a legislação eleitoral. Esclarece ainda que eles estão no sindicato por falta de espaço no cartório. A mulher, então, rebate que, caso o ex-presidente Lula (PT) vença as eleições na cidade, terá sido fraude: “Se der Lula aqui em Itapeva, será roubo, porque nós fizemos uma carreata ontem e deu muita gente. E a carreata do Lula não deu ninguém. Então, se der, isso aí vai dar problema, e todo mundo que está aqui vai responder por isso”. Camila ainda utilizou tom de ameaça com os colabores que estavam no local: “Se der Lula, vai ter pau, pode ter certeza”, afirmou.

A autora do vídeo ainda demanda a lista de todas as pessoas que estão trabalhando no dia e pede para ver o procedimento. As exigências são atendidas. Kumasawa ainda abriu caixas lacradas para que a mulher conferisse todo o processo de preparação das urnas.

Eduardo Kumasawa é analista judiciário da Justiça Eleitoral de Itapeva desde 2013, conforme quadro de servidores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP).

Qual era a atividade no sindicato

O procedimento que estava sendo feito no Sinticom é o de carga e lacração das urnas. O processo faz parte da programação do TSE para as eleições e serve para distribuir, importar e instalar os dados eleitorais na máquina. Além disso, são efetuados testes de integridade no dia da eleição e seis meses antes do pleito, ambos abertos ao público. Após a preparação, a urna é lacrada e trancada na sala-cofre do TRE. Qualquer tentativa de uso antes do dia das eleições é em vão, pois a urna possui sistemas que só permitem que seja utilizada no momento programado para a votação. O procedimento é público e foi publicado no Edital 24/2022 do Juízo da 53ª Zona Eleitoral, em 16 de setembro, no site do TRE-SP. Conforme o documento, a preparação teve início em 21 de setembro. No texto, também constam os nomes de todas as pessoas envolvidas no trabalho.

Este procedimento é realizado desde 2014 no Sinticom, devido à falta de espaço do cartório da 53ª Zona Eleitoral de Itapeva, que atende a seis municípios da região. A sede do sindicato fica ao lado da 53ª Zona Eleitoral, conforme constatado no Google Maps. A distância entre os dois prédios é de apenas 20 metros (veja o mapa abaixo).

Em nota, o TRE-SP esclareceu que todos os funcionários terceirizados que atuam no procedimento no local foram contratados por meio de licitação pública, de acordo com a legislação, estando disponível para consulta no site do TRE. Ao todo, foram contratados pela empresa Seres Serviços de Recrutamento e Seleção de Pessoal Ltda. 1.206 assistentes de eleição para os cartórios das 392 zonas eleitorais da capital e do interior, além dos 18 Postos de Atendimento do Estado de São Paulo nas Eleições de 2022.

O Tribunal ainda afirmou que as atividades dos assistentes de eleição constam como as descritas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), do Ministério do Trabalho e Emprego (código n° 4110-10), com as especificidades da Justiça Eleitoral. Isso inclui auxiliar na digitação de textos e planilhas, auxiliar na preparação e revisão dos equipamentos utilizados nas eleições e auxiliar nos sistemas internos, entre outras.

“Segundo Resolução do Tribunal Superior Eleitoral, qualquer cidadão ou cidadão poderá levantar dúvidas ou reportar eventual irregularidade observada na cerimônia de preparação de urnas, mas isso precisa ser feito por escrito ao juízo eleitoral sem, no entanto, dirigir-se diretamente às técnicas, aos técnicos, às servidoras e aos servidores da Justiça Eleitoral, durante o exercício das suas atividades (Res. 23.673/2021 TSE, art. 37, III, § 4°). “Apesar disso, os servidores do Cartório Eleitoral de Itapeva prestaram todos os esclarecimentos aos responsáveis pela gravação do vídeo para demonstrar a lisura de todos os procedimentos”, ressaltou o TRE-SP em nota.

Servidores registram boletim de ocorrência

Os servidores do cartório registraram um boletim de ocorrência no domingo, 25 de setembro, na 2ª Delegacia de Polícia de Itapeva. Conforme o BO, Camila Vasconcelos intimidou os funcionários com tom agressivo e de ameaça, além de constranger as pessoas que estavam trabalhando. O caso será investigado pela Polícia Civil.

Quem é Camila Vasconcelos, autora do vídeo

Camila é médica veterinária e apoiadora do presidente Jair Bolsonaro. Em uma publicação no YouTube, após a repercussão do vídeo aqui verificado, Camila diz que recebeu a informação de que as urnas estavam sendo “abertas” e “configuradas” em um prédio que pertence a um sindicato e, por isso, foi ao local: “Fui, no meu direito de cidadã, averiguar as configurações que estavam sendo feitas nas urnas.”

Ela diz que pediu para ver as urnas que ainda estavam lacradas e que foi informada por Eduardo que não tinha mais urnas lacradas, já que eles estavam fazendo o trabalho há cinco dias. “Insisti e consegui chegar na sala que estavam as urnas e escolhi uma para iniciar o procedimento do zero.”

Camila ainda afirma que não foram testados os fones de ouvido, mas foi informada pelo servidor que não era necessário por se tratar apenas de uma demonstração. “Falei em nome de todos os cidadãos que se tivesse alteração nas urnas eles iriam pagar por isso”, diz.

O Comprova tentou contato com Camila pelo Facebook e por mensagem no WhatsApp, mas não obteve retorno até a publicação desta checagem.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizaram nas redes sociais sobre a pandemia de covid-19, políticas públicas do governo federal e eleições presidenciais. Grupos bolsonaristas, alimentados por discurso do presidente, tentam tirar a credibilidade do processo eleitoral, colocando em dúvida a segurança das urnas eletrônicas, como neste conteúdo aqui investigado. A desinformação é danosa à democracia porque distorce a compreensão da realidade. A população tem direito de saber a verdade e basear suas escolhas em informações confiáveis.

Outras checagens sobre o tema: Na reta final para o primeiro turno, as eleições dominam os conteúdos de desinformação. Somente nesta semana, o Comprova já mostrou ser falso que 70% do processo eleitoral é terceirizado e que a terceirização compromete a integridade das eleições e que é enganoso o tuíte que indica o 17 como número de urna de Bolsonaro. Também explicou o que é deepfake, técnica de inteligência artificial que está sendo usada para produzir desinformação.

Saúde

Investigado por: 2022-09-27

É enganoso que vacinação em crianças no Reino Unido foi interrompida devido a aumento de mortes

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso post no Twitter que afirma que o governo do Reino Unido interrompeu a imunização contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos devido a um aumento de mortes nessa faixa etária. A vacinação de crianças continua ocorrendo. Somente as que completarem cinco anos a partir de setembro que não irão mais ser imunizadas, o que já era previsto desde fevereiro. Além disso, embora realmente tenha havido um crescimento na mortalidade em crianças em 2022, não existe evidência de que isso tenha ocorrido por causa da vacinação. Segundo a OMS, a vacinação de crianças contra a covid continua sendo eficaz e segura.

Conteúdo investigado: Post no Twitter que diz que o governo do Reino Unido teria interrompido a vacinação contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos devido a um aumento de mortes nessa faixa etária. O post traz um link para um conteúdo do site negacionista The Exposé sobre o assunto.

Onde foi publicado: Twitter.

Conclusão do Comprova: É enganoso tuíte segundo o qual o governo britânico interrompeu a imunização contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos “após um aumento de 22% nas mortes nesta faixa etária desde que o NHS (sistema de saúde britânico) começou a vaciná-las”.

De fato, foi registrado aumento de óbitos de 22%. Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas Britânico, de janeiro a setembro de 2020 foram contabilizadas 143 mortes de crianças de 5 a 9 anos. No mesmo período de 2022, foram 176 – ou seja, um aumento de 22%. Mas, diferentemente do que afirma o post enganoso, não é possível afirmar que os óbitos tenham relação com a vacina, nem que foram a causa da interrupção da campanha de imunização.

A suspensão da imunização para esse público estava prevista desde o mês de fevereiro, antes do início da campanha de vacinação. Na ocasião, o governo anunciou que a imunização do público de 5 a 11 anos incluía apenas as que completassem 5 anos de idade até o final de agosto de 2022. Ou seja, já estava previsto que, a partir de setembro deste ano, crianças que tivessem completado cinco anos não estariam mais elegíveis para a vacinação. Para o restante do público dessa faixa etária (ou seja, crianças que completaram cinco anos até agosto de 2022) as vacinas seguem disponíveis e sendo aplicadas, segundo o governo do Reino Unido.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: Até o dia 27 de setembro o post contava com 6,7 mil curtidas e 2,7 mil retuítes.

O que diz o autor da publicação: O Comprova entrou em contato com o perfil do Twitter que fez a publicação por meio de mensagem direta na rede social, mas não houve retorno até a publicação da verificação.

Como verificamos: Para fazer a verificação, o Comprova pesquisou no Google notícias sobre a interrupção da vacinação em crianças a partir de cinco anos. Nessa pesquisa, encontramos uma matéria do The Guardian, citada no post viral, e uma do iNews. As duas falam sobre críticas de pais e especialistas à interrupção e também que a imunização dessas crianças era temporária desde o início. Em seguida, consultamos o site oficial da Agência de Segurança em Saúde do Reino Unido (UKHSA) para confirmar se a imunização realmente era temporária.

A fim de saber se o dado de 22% era verdadeiro, consultamos o site do Instituto Nacional de Estatísticas Britânico, onde são publicadas estatísticas sobre mortalidade e natalidade no Reino Unido. Os dados de 2022 estão disponíveis até o fim da primeira semana de setembro, por isso, fizemos a comparação com os outros anos usando o mesmo recorte.

Também procuramos na internet se havia sido publicado em algum lugar que a interrupção da vacinação tinha ligação com aumento de mortes, mas nada foi encontrado. Por fim, entramos em contato com a UKHSA, por e-mail, e por mensagem no Twitter com o autor do post.

Imunização de crianças no Reino Unido era temporária

A vacinação para crianças de 5 a 11 anos no Reino Unido começou em fevereiro de 2022 com o imunizante da Pfizer. A publicação de fevereiro deste ano no site oficial do governo do país já previa que a imunização seria suspensa em setembro para crianças que completassem cinco anos a partir desta data. Segundo o texto de fevereiro do governo britânico, o programa “se aplica a pessoas com idade entre 5 e 11 anos, incluindo aqueles que completarão 5 anos de idade até o final de agosto de 2022”. Ou seja, a imunização não terá mais como público as crianças que completarem cinco anos após o fim de agosto.

O Comprova tentou contato por e-mail com a Agência de Segurança em Saúde do Reino Unido (UKHSA) mas não houve retorno até a publicação desta checagem. Em verificação recente sobre o mesmo tema publicada pela agência de checagem australiana AAP, a UKHSA informou que nada havia mudado com relação à vacinação de crianças entre 5 e 11 anos.

À AAP, a agência britânica respondeu que “a elegibilidade sempre terminava em 31 de agosto e isso foi anunciado pela primeira vez em fevereiro deste ano” e que “aqueles que são elegíveis (ou seja, completaram 5 anos antes de 31 de agosto) ainda podem receber a vacina”.

No comunicado oficial de fevereiro de 2022, o governo britânico não detalhou qual critério para deixar de aplicar doses das vacinas em crianças que completam 5 anos a partir de setembro. Conforme relatado nas matérias do The Guardian e do iNews, um dos motivos para justificar a decisão é que crianças nessa idade correm menos risco de desenvolver formas graves da doença e que seria mais eficaz priorizar a vacinação de grupos mais vulneráveis.

Essa decisão gerou repercussão negativa entre especialistas e famílias, conforme noticiou o The Guardian, em reportagem que está citada no texto do The Exposé que faz parte do tuíte aqui verificado. Segundo o Guardian, a UKHSA disse que “a oferta de vacinas contra a covid a crianças saudáveis ​​de 5 a 11 anos sempre foi temporária” e que “crianças com cinco anos ou mais que pertençam a grupo de risco continuariam a receber as vacinas”.

Assim, a partir de agora, crianças saudáveis que completarem cinco anos de setembro deste ano em diante não terão mais direito a ser vacinadas. Crianças entre 5 anos (completos até agosto de 2022) e 11 anos que ainda não foram vacinadas, seguem tendo direito à imunização. E crianças que têm mais de 12 anos continuam tendo direito de ser vacinadas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a vacinação de crianças de cinco a 11 anos é eficaz e segura. A recomendação é o uso de dose reduzida da vacina – 10 microgramas em vez de 30 microgramas – em comparação com aquela aplicada em pessoas com 12 anos ou mais. Além disso, este grupo deve ser o último a receber o imunizante e também não há orientação para dose de reforço.

Não há indícios de que aumento de mortes tenha relação com a vacina

O texto do The Exposé fala que a decisão de interromper a vacinação de crianças saudáveis a partir dos 5 anos aconteceu depois que uma instituição de governo do Reino Unido, conhecida como “Office for National Static”, publicou que o “número de mortes de crianças de 5 a 9 anos está 22% maior do que nos dois anos antes das vacinas serem aplicadas no país em crianças de 5 a 11 anos”.

De acordo com dados anuais do governo do Reino Unido, divulgados no site do Instituto Nacional de Estatísticas Britânico, entre janeiro e a primeira semana de setembro de 2020 foram registradas 143 mortes de crianças entre cinco e nove anos. Em 2021, foram 144 e em 2022, 176, no mesmo período. O aumento realmente representa 22% a mais do que nos dois últimos anos. Porém, não há nenhum indício de que o aumento tenha relação com a vacina.

Não é possível comparar o mesmo recorte com anos anteriores a 2020, já que antes a divulgação do governo usava recortes de idades diferentes.

Fonte citada no tuíte é site negacionista

O tuíte aqui analisado compartilha como fonte para as informações um link do site “The Exposé”, que se apresenta como veículo disposto a divulgar conteúdos “alternativos aos propagados pela grande mídia mentirosa”. O site é conhecido por publicar informações falsas sobre a pandemia de covid-19 e já foi verificado pelo Comprova em outras oportunidades: em dezembro de 2021 quando publicação do site afirmou que a vacina da covid teria provocado aumento de mortes de crianças e em março de 2022 por conta de um conteúdo que afirmava que a proporção de mortes era maior entre não vacinados do que entre vacinados no Reino Unido.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos que viralizaram nas redes sociais sobre a pandemia, as eleições presidenciais e políticas públicas do governo federal. Conteúdos falsos ou enganosos sobre as vacinas contra a covid-19 podem desestimular as pessoas a se imunizarem, o que coloca a vida delas em risco.

Outras checagens sobre o tema: Esse mesmo conteúdo foi marcado como falso pela Australian Associated Press FactCheck.

Em checagens recentes sobre a pandemia, o Comprova também mostrou que é enganoso que ex-funcionária da Casa Branca tenha confessado, em entrevista, que as vacinas não protegem contra a covid-19, que a morte de seis médicos canadenses não tem relação com a vacina contra a covid-19 e que erros admitidos por órgão dos EUA no combate à covid têm relação com estratégias de comunicação, e não política de vacinação.

Eleições

Investigado por: 2022-09-27

É falso que 70% do processo eleitoral seja terceirizado e que a terceirização comprometa a integridade das eleições

  • Falso
Falso
É falso que 70% do processo eleitoral, incluindo a contagem dos votos, seja terceirizado e que a terceirização comprometa a integridade das eleições. De 14 etapas mencionadas em um vídeo compartilhado nas redes sociais, apenas uma realmente é terceirizada. A publicação verificada ainda distorce ou omite informações sobre medidas de segurança que ocorrem ao longo do processo eleitoral, assim como sobre as funções de empresas e técnicos de urnas contratados pela Justiça Eleitoral e sobre a credibilidade de entidades privadas com contratos com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou com os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

Conteúdo investigado: Vídeo de nove minutos alegando falsamente que 70% do processo eleitoral seria terceirizado, incluindo a contagem dos votos, com o intuito de associar a terceirização a um suposto comprometimento da integridade das eleições. O conteúdo ainda promove desinformação sobre as funções exercidas por empresas e, em especial, técnicos de urna terceirizados que prestam serviços à Justiça Eleitoral, assim como sobre a credibilidade de algumas das entidades privadas que tiveram contratos com o TSE ou com os TREs.

Onde foi publicado: Facebook.

Conclusão do Comprova: É falso que 70% do processo eleitoral, incluindo a contagem dos votos, seja terceirizado e que a terceirização comprometa a integridade das eleições. Das 14 etapas mencionadas no vídeo verificado, apenas uma é terceirizada. Sete etapas descritas como terceirizadas são, na verdade, conduzidas pela própria Justiça Eleitoral, e outras duas são apenas parcialmente terceirizadas. As restantes quatro etapas não são objeto desta verificação, porque não foram descritas pelo conteúdo como terceirizadas.

A publicação também distorce ou omite informações sobre medidas de segurança que ocorrem ao longo do processo eleitoral, como a concepção dos projetos de urna eletrônica e a lacração delas. Devido ao lacre, é impossível que, diferentemente do alegado pelo conteúdo, uma empresa contratada ou um técnico de urnas terceirizado possa fraudar as eleições.

Por fim, o vídeo ainda lista uma série de acusações envolvendo oito empresas privadas que prestaram serviços ao TSE ou a algum TRE no passado, mas apresenta informações corretas apenas em uma dessas denúncias. As outras sete são, pelo menos, parcialmente falsas.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma falsidade.

Alcance da publicação: A postagem no Facebook que motivou esta verificação teve 10 mil curtidas, 11 comentários e 15 mil compartilhamentos até o início da tarde de 27 de setembro de 2022. Ela fora publicada no dia 14 deste mês e, atualmente, contém selo do Facebook de “informação falsa”.

O que diz o autor da publicação: Entramos em contato com o autor do post que motivou esta verificação, o virologista Paolo Zanotto, por meio de mensagem direta no Facebook, mas não obtivemos resposta até a publicação desta checagem. Também contactamos a autora original do vídeo, Naomi Yamaguchi, por email e pela assessoria de imprensa da irmã dela, a Dra. Nise Yamaguchi, mas não houve retorno até o momento.

Como verificamos: Listamos todas as etapas do processo eleitoral as quais o conteúdo verificado descreve como terceirizadas. Para apurar informações sobre cada uma dessas etapas e sobre as funções e limites das empresas contratadas no processo eleitoral, consultamos o site do TSE e veículos de imprensa. Também entramos em contato com autoridades de todos os 27 TREs, porque a execução de duas das etapas mencionadas pelo conteúdo verificado, ambas envolvendo logística, varia entre as unidades federativas.

Entrevistamos dois especialistas, a advogada Samara Castro e o professor de engenharia da computação Marcos Simplicio, para explicar as medidas de segurança que ocorrem ao longo do processo eleitoral e para esclarecer as alegações falsas do conteúdo sobre suposta capacidade dos técnicos de urnas para fraudar as eleições.

Para verificar as acusações contra as oito empresas terceirizadas que prestaram serviços à Justiça Eleitoral, consultamos reportagens de veículos de imprensa. Confirmamos as informações com a ajuda de autoridades do setor de contratos do TSE, de um banco de dados de contratos da Justiça Eleitoral (Siac), e de dois projetos da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (CruzaGrafos e Publique-se).

Apenas 1 das 14 etapas mencionadas é terceirizada, e outras duas são parcialmente

Para alegar que 70% da eleição é terceirizada, o conteúdo verificado divide o processo eleitoral em 14 etapas diferentes, dentre as quais 10 seriam terceirizadas. Na verdade, apenas uma etapa listada é terceirizada: a fabricação das urnas eletrônicas.

A empresa Positivo Tecnologia, após vencer dois processos licitatórios, é responsável por fabricar 225 mil urnas para as eleições de 2022 e outras 176 mil para 2024, como mostram uma reportagem do UOL e duas notas no site do TSE (primeira licitação e segunda licitação). Essas licitações também já foram tema de uma outra checagem do Comprova.

Outras duas etapas listadas podem ser terceirizadas, mas isso não ocorre em todos os casos. Trata-se do transporte das urnas eletrônicas até as seções eleitorais e do processo chamado no vídeo aqui verificado de “transporte dos votos para os cartórios eleitorais”. No entanto, não existe um “transporte de votos” para os cartórios; na verdade, esses recebem, pelo menos, uma de múltiplas cópias dos boletins de urna (documento que registra os votos recebidos pelos candidatos nas diferentes seções eleitorais).

Ambas as fases, transporte das urnas e dos boletins, são responsabilidade dos TREs, cada um representando uma das 27 unidades da federação (26 estados e o DF). Assim, a condução dessas fases varia entre os TREs, e alguns as terceirizam.

O Comprova entrou em contato, por telefone, com todos os 27 TREs. Autoridades de 16 deles afirmaram que o transporte das urnas é, pelo menos, parcialmente terceirizado a empresas privadas. Em alguns casos, como em São Paulo, o transporte é delegado aos cartórios eleitorais, que, por sua vez, podem terceirizar.

Dentre os 16 TREs que terceirizam o transporte das urnas, 11 negaram estender a terceirização ao envio dos boletins de urna aos cartórios. É o presidente da mesa, autoridade máxima na seção eleitoral, quem costuma cumprir essa etapa.

Sete etapas são falsamente descritas como terceirizadas

Sete etapas são falsamente descritas como terceirizadas. Quanto a elas, cabe desmentir uma por vez, a começar pela programação do software das urnas. Até 2005, essa etapa era terceirizada nas mesmas condições da fabricação e envolvendo a mesma empresa vencedora da licitação. Ou seja, a mesma empresa terceirizada responsável pela fabricação programava as urnas, sob a supervisão do TSE e com base em um projeto de software desenvolvido pelo próprio tribunal.

Desde 2005, porém, devido a um imbróglio relacionado ao referendo do desarmamento, que ocorreu naquele ano, a Seção de Voto Informatizado (Sevin), da Secretaria de Tecnologia da Informação do TSE, passou a executar o desenvolvimento do software das urnas.

A segunda etapa falsamente descrita como terceirizada é o armazenamento e segurança das urnas eletrônicas. Com exceção de 15 mil unidades, armazenadas em um galpão do TSE, em Brasília, a guarda das cerca de 500 mil urnas é, assim como o transporte, responsabilidade dos TREs.

Alguns centralizam a guarda enquanto outros distribuem em polos, que podem envolver até mesmo os cartórios eleitorais. Autoridades de todos os 27 TREs, contactadas pelo Comprova, negaram terceirizar essa etapa a empresas privadas. Em alguns casos, o depósito é um galpão alugado, mas a guarda se mantém com as autoridades eleitorais.

Em terceiro, a coleta de dados dos eleitores também não é terceirizada. O TSE consolida esse material a partir do banco de dados do Cadastro Nacional dos Eleitores, também chamado de Cadastro Eleitoral, que é preenchido pelos próprios cartórios eleitorais.

Quarta fase falsamente dita como terceirizada, o carregamento dos softwares nas urnas eletrônicas é responsabilidade dos próprios TREs. Esse processo envolve o cartão de memória SSD. O fabricante das urnas o entrega vazio aos TREs, que carregam o software através de um aplicativo do TSE conectado a uma rede interna.

A coleta de votos, quinta citada erroneamente, é feita pela própria urna eletrônica. Portanto, não é terceirizada.

Sexto na lista, a transmissão dos votos das urnas para os TREs e para o TSE também não é terceirizada. Ela ocorre por meio de um sistema de transmissão de dados da própria Justiça Eleitoral, o JE Connect, desde 2012.

Por fim, o processamento dos resultados, sétimo item, é realizado pelos próprios TREs e, no caso das eleições presidenciais, pelo TSE.

Barroso não disse que a contagem dos votos é terceirizada

O conteúdo verificado também compartilhou trecho da apresentação que o presidente Jair Bolsonaro (PL) fez a dezenas de embaixadores estrangeiros, em reunião em Brasília em 18 de julho. Na parte em questão, Bolsonaro mostra um vídeo de uma coletiva de imprensa de 2020 com o então presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso. Em resposta a um jornalista, Barroso teria afirmado que uma empresa terceirizada administra o computador que calcula os votos nas eleições.

Como mostra uma verificação de 7 de julho do Projeto Comprova, o vídeo em questão está fora de contexto. Apesar de haver um prestador de serviço de suporte e manutenção dos computadores do tribunal, quem controla os equipamentos são os próprios servidores do TSE.

Segurança nas etapas terceirizadas

As etapas do processo eleitoral que são totalmente ou parcialmente terceirizadas, a fabricação das urnas eletrônicas, o transporte delas até as seções eleitorais e o envio dos boletins de urna para os cartórios, possuem medidas de segurança para garantir a integridade das eleições.

A fabricação é supervisionada pelas autoridades eleitorais e limita-se a materializar o projeto de urna elaborado pelo próprio TSE. Como explica o tribunal em um artigo de verificação de fatos publicado em 2020, “as urnas brasileiras foram projetadas por servidores e técnicos a serviço da Justiça Eleitoral e são produzidas, sob a sua direta coordenação, por empresas selecionadas mediante licitações públicas”.

O transporte das urnas, mesmo que seja terceirizado a empresa privada, pode ser acompanhado por autoridades públicas, como, no caso de Minas Gerais, há escolta da Polícia Militar. Dos 16 TREs que terceirizam o transporte das urnas, 11 confirmaram ao Comprova que pelo menos uma autoridade pública participa dessa etapa. Independentemente desse acompanhamento, as urnas e o seu software são lacrados em duas etapas antes do transporte às seções eleitorais, pelo TSE, em evento público, e, depois, pelos TREs.

Quanto à terceira etapa terceirizada, os cartórios são apenas um dos órgãos fiscalizadores que recebem uma cópia do boletim de urna. Independentemente do estado, uma cópia é fixada na seção eleitoral da respectiva urna e outras ficam com os partidos. Os TREs recebem uma cópia via JE Connect.

Membro da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep) e vice-presidente da Comissão de Proteção de Dados OAB do Rio de Janeiro, a advogada Samara Castro explica que a terceirização “não compromete em nada o processo eleitoral”, porque “temos uma resolução de checagem em cada fase, ou seja, qualquer equívoco é corrigido na [etapa] posterior, aumentando a credibilidade”.

Técnicos de urnas não são capazes de fraudar eleições

Uma das alegações presentes no conteúdo verificado aponta para a possibilidade de uma fraude nos equipamentos e na captação de votos através da interferência dos técnicos de urnas. Contudo, a função exercida não possui nenhum acesso ao sistema (software) dos aparelhos, ela é direcionada à responsabilidade de manutenção de alguns problemas na parte física das urnas (hardware) no dia das eleições.

Entre os principais contratempos estão o atolamento de papel, cartão de memória de votação mal inserido e substituição de urnas. Para Marcos Simplicio, pesquisador do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais da Universidade de São Paulo (USP), a desinformação sobre o processo eleitoral é um fenômeno que tem relação com a falta de materiais informativos, de forma mais acessível à população, a respeito das urnas eletrônicas.

“É totalmente sem sentido apontar que os técnicos de urnas são capazes de fraudar eleições. Quem compartilha ou produz um material com essa alegação, não possui embasamento técnico. O trabalho dos técnicos de urnas se baseia em ligar a urna no dia e realizar manutenções necessárias. As urnas eletrônicas não possuem acesso à internet para atualizações ou modificações”, comentou.

Lista de acusações contra terceirizadas contém desinformação

O conteúdo verificado ainda dissemina desinformação sobre empresas terceirizadas que prestaram serviços à Justiça Eleitoral. O vídeo cita oito entidades: Atlântica, Probank, Engetec, Transat, Smartmatic, Indra, Positivo Informática, Atlântica e Diebold. Com exceção de uma, todas as acusações são, pelo menos, parcialmente incorretas.

Atlântica

A única narrativa mencionada pelo conteúdo que não é peça de desinformação é aquela envolvendo a Atlântica Serviços Gerais Ltda. A publicação afirma que essa empresa teria prestado serviços relacionados às urnas para o TRE do Maranhão e que ela seria propriedade de um ex-sócio de Jorge Murad, marido de Roseana Sarney, então-governadora do estado.

O caso é verdade e foi noticiado pelo G1 em 2014, quando a denúncia estourou. O administrador e representante legal da Atlântica, Luiz Carlos Cantanhede Fernandes, possui ligações empresariais, pelo menos indiretas, com Murad por meio de uma empresa de turismo, segundo dados obtidos pelo projeto CruzaGrafos, da Abraji.

Probank, Engetec e Transat

O vídeo acerta ao afirmar que a Probank foi acusada de fraude de R$ 500 milhões e que a Engetec e a Transat são suspeitas de serem empresas de fachada para manter a primeira no rol do TSE.

Entretanto, diferentemente do que afirma o conteúdo, a Probank nunca foi responsável pela programação das urnas. Segundo um artigo de verificação de fatos do TSE, datado de 2021 e atualizado em 2022, os serviços da Probank, datados de 2004 a 2010, “compreenderam apenas a conservação de urnas e auxílio na preparação das urnas, eram meramente operacionais”.

Smartmatic

A publicação alega que a Smartmatic forneceu ao TSE técnicos de urnas e serviços de transmissão de dados e tecnologia de satélites. O vídeo também acusa a empresa de ser ligada a suspeitas de fraudes nas reeleições do falecido ditador venezuelano Hugo Chávez e na eleição de seu sucessor e atual autocrata, Nicolás Maduro.

O TSE, de fato, firmou contratos com a Smartmatic em 2012 e 2014, que tratavam de logística, conservação de materiais e fornecimento de antenas. Esses serviços não são comparáveis ao que a empresa presta à ditadura chavista na Venezuela, onde ela é responsável pela totalização dos votos.

Cabe ressaltar que o conteúdo verificado, no tocante às acusações envolvendo a Smartmatic, ecoa uma peça de desinformação de 2020, desmentida pelo Comprova, sobre a influência dessa multinacional no processo eleitoral brasileiro.

Indra

Segundo o conteúdo investigado, a estatal espanhola Indra teria prestado serviços à Justiça Eleitoral e estaria envolvida em escândalo de corrupção na Espanha e em suspeita de fraude eleitoral em Angola e na Colômbia.

De fato, a Indra colaborou com os TREs de Bahia, Goiás, Santa Catarina e Paraíba, como mencionado pelo conteúdo. E as acusações de relação com escândalo de corrupção na Espanha e com suspeita de fraude eleitoral em Angola são verdadeiras.

Quanto à alegação envolvendo a Colômbia, porém, o conteúdo reproduz uma peça de desinformação já desmentida, que envolvia uma suposta reunião no início de 2022 entre o então-candidato e atual presidente Gustavo Petro e representantes da Indra.

Positivo Informática

O vídeo distorce fatos ao afirmar que a Positivo Informática prestaria ao TSE serviço de fabricação de urnas apesar de ser propriedade do senador Oriovisto Guimarães (Podemos), do Paraná, eleito em 2018.

Guimarães era sócio-administrador de uma empresa de tecnologia chamada Positivo Informática, que não existe mais, como mostra dados do Projeto Publique-se, da Abraji e da Transparência Internacional.

A Positivo Informática foi criada para atender demandas do Grupo Positivo, fundado pelo senador. Ela deu origem à Positivo Tecnologia, responsável por fabricar as urnas para as eleições deste ano e de 2024, após reformulação em 2017.

Em 2010, Guimarães doou a sua participação de 14,14% na ainda-chamada Positivo Informática aos seus filhos. O atual presidente da empresa é Hélio Rotenberg, sócio de Guimarães em outros negócios do Grupo Positivo, de acordo com dados do CruzaGrafos.

Diebold

O conteúdo, por fim, alega que a Diebold foi responsável por fabricar urnas e que ela estaria ligada a fraude eleitoral nos Estados Unidos.

A empresa fabricou nove projetos de urna eletrônica para a Justiça Eleitoral entre 1999 e 2016, e, hoje, presta serviços de manutenção.

Entretanto, como o próprio Comprova mostrou em artigo de fevereiro deste ano, a Diebold nunca esteve envolvida com fraude eleitoral nos Estados Unidos. Ela foi multada por acusações de suborno e falsificação de contratos na China, Indonésia e Rússia.

O vídeo ainda dissemina outra peça de desinformação já desmentida por agências de checagem, nesse caso pelo UOL. Trata-se de uma suposta denúncia do ex-delegado da PF e ex-deputado Protógenes Queiroz contra a Diebold por suposta fraude nas eleições de 2014, nas quais ele ficou na suplência.

O Ministério Público Federal arquivou a denúncia de Queiroz por falta de provas em 2015.

Quem é Paolo Zanotto

Paolo Marinho de Andrade Zanotto é professor doutor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), da Universidade de São Paulo (USP). Durante a pandemia de covid-19, em 2021, Paolo teve um áudio vazado no qual ele questiona a eficácia de vacinas. O áudio foi compartilhado pelo site Metrópoles e, por isso, ele foi afastado por dois anos pelo Conselho Técnico Administrativo (CTA).

No áudio, Paolo comenta sobre um “gabinete paralelo”, que, no contexto da pandemia, orientou o presidente Jair Bolsonaro (PL) a descredibilizar as vacinas e a defender medicamentos hoje comprovadamente ineficazes, como a hidroxicloroquina.

A reportagem também denuncia uma reunião do gabinete paralelo, ocorrida no final de 2020 e que contou com a presença de Bolsonaro e Zanotto, além de outros agentes da desinformação na pandemia, como a oncologista Nise Yamaguchi e o deputado e médico Osmar Terra.

Com a revelação do gabinete paralelo, Zanotto passou a ser investigado pela CPI da Pandemia, a Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou supostas irregularidades nas ações do governo federal durante a pandemia.

Quem é Naomi Yamaguchi, a autora do vídeo

Zanotto não é o autor original do vídeo aqui investigado. Nos créditos do conteúdo, consta o nome de Greice Naomi Yamaguchi, candidata a deputada federal em São Paulo pelo PROS. Ela também é irmã de Nise Yamaguchi, a oncologista que, assim como Zanotto, foi membro do gabinete paralelo e investigada pela CPI da Pandemia.

Em uma de suas três páginas oficiais de campanha no Facebook, como consta no site do TSE para Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais 2022, Naomi assumiu a autoria do vídeo aqui investigado. Além disso, ela também já compartilhou materiais falsos sobre as eleições de 2014, que foram objeto de verificação do Comprova.

Para confirmar a autoria do material e a origem das informações presentes nele, o Comprova entrou em contato com Naomi Yamaguchi, pelo Facebook, e com a assessoria de sua irmã, Nise. Contudo, ainda não obteve retorno sobre os questionamentos.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizam nas redes sociais sobre as eleições presidenciais, a realização de obras públicas e a pandemia. A equipe tem como foco as publicações virais, que tiveram grande alcance nas redes sociais e podem confundir a população. Durante o período que antecede as eleições no Brasil, muitos conteúdos estão sendo divulgados com o objetivo de tumultuar o processo, pois podem influenciar na decisão de eleitores brasileiros. A população deve escolher seus candidatos com base em informações verdadeiras e confiáveis.

Outras checagens sobre o tema: O Uol, como parceiro do Comprova, republicou uma verificação do projeto explicando que a contagem de votos é feita pelo TSE, e não por uma empresa terceirizada. Essa checagem é citada pelo Facebook para colocar a etiqueta de “informação falsa” sobre a publicação de Zanotto aqui investigada. O Projeto Comprova já mostrou também que não há dispositivo nas urnas eletrônicas capaz de alterar votação e que é falso que TSE tenha 32 mil urnas grampeadas com o objetivo de fraudar a eleição.

Esta verificação contou com a participação de estudantes de jornalismo da FAAP do convênio de estágio no Comprova.

Atualização: Esta verificação foi atualizada em 29 de setembro de 2022 para corrigir uma informação sobre a propriedade da empresa Positivo Informática. Não houve qualquer mudança na conclusão desta verificação.

Eleições

Investigado por: 2022-09-27

Saiba o que é deepfake, técnica de inteligência artificial que foi apropriada para produzir desinformação

  • Comprova Explica
Comprova Explica
Usada inicialmente para a produção de vídeos humorísticos, a técnica conhecida como deepfake tem ganhado cada vez mais espaço entre os produtores de desinformação. No período eleitoral de 2022, vídeos vêm sendo manipulados e seus conteúdos distorcidos a partir dessa prática, que usa inteligência artificial para copiar vozes e rostos. Por meio da tecnologia é possível produzir vídeos realistas em que pessoas aparecem fazendo e falando coisas que nunca fizeram ou disseram. Segundo especialistas, neste contexto é fundamental que o público esteja atento para não ser enganado.

Conteúdo analisado: Conteúdos possivelmente editados com técnica de deepfake envolvendo a manipulação de resultados de pesquisas de intenção de voto nas eleições de 2022 e informações sobre presidenciáveis. Em um deles, o âncora do Jornal Nacional, William Bonner, supostamente se refere ao ex-presidente e candidato Lula (PT) e a seu candidato a vice, Geraldo Alckmin (PSB), como “bandidos” – o que foi desmentido pelo Comprova.

Outros dois episódios recentes de edição de vídeo com o intuito de desinformar envolveram o telejornal e as eleições. No dia 19 de setembro, o JN denunciou a prática de deepfake ao se manifestar sobre um conteúdo falso, em que os apresentadores do noticiário, William Bonner e Renata Vasconcellos, supostamente anunciam que o candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) estaria à frente nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência. Na verdade, o Ipec apontou Lula como o candidato preferido dos eleitores – informação divulgada pelo JN no vídeo original e que foi editada, como mostrou o Comprova.

Uma montagem semelhante foi feita no mês anterior, envolvendo o mesmo telejornal e o mesmo instituto de pesquisa. Apesar de ambos os episódios também terem sido associados aos deepfakes, os conteúdos usavam técnicas de edição menos sofisticadas, classificadas como shallowfakes, conforme explica o jornalista Bruno Sartori – um dos pioneiros na criação de sátiras por meio de deepfake no Brasil.

Comprova Explica: O termo deepfake denomina uma técnica que consiste na criação de conteúdos sintéticos (não reais), que podem ser áudios e imagens, produzidos com auxílio de inteligência artificial (IA). Na prática, são mídias artificiais geradas a partir de uma grande quantidade de arquivos reais de determinada pessoa e com uso de um algoritmo de aprendizado de máquina (machine learning). Especialistas ouvidos pelo Comprova listam nuances que envolvem essa prática, como ela pode contribuir para forjar um cenário confuso sobre o que entendemos por realidade e quais os caminhos para lidarmos com essas distorções aperfeiçoadas pela tecnologia na era da desinformação.

Além disso, serão apresentados exemplos de outros tipos de edição, como o shallowfake, que também se trata de um conteúdo manipulado, mas que não utiliza inteligência artificial no processo de criação. Em inglês “deep” refere-se a algo “profundo”, enquanto “shallow” refere-se ao que é “raso”. Portanto, o deepfake corresponde a uma técnica mais sofisticada, enquanto o shallowfake trata-se de uma técnica superficial. Geralmente, o shallowfake consiste numa edição simples, na qual um vídeo ou áudio é tirado de contexto.

Há consenso entre os entrevistados que o caminho para driblar deepfakes criados com o intuito de causar prejuízo passa muito mais pelo olhar atento ao conteúdo do que por uma análise técnica do material suspeito. Os rastros que eventualmente denunciam a manipulação dos vídeos estão cada vez mais sutis e, portanto, podem passar despercebidos, especialmente para o público leigo. Por isso, o texto também tratará do papel da educação e do desenvolvimento da ‘arte da suspeita’, ou seja, da importância de desconfiar e checar as mensagens recebidas antes de tomá-las como verdade.

O que são deepfakes?

O deepfake ocorre quando a inteligência artificial (IA) funde, combina, substitui ou sobrepõe áudios e imagens para criar arquivos falsos em que pessoas podem ser colocadas em qualquer situação, dizendo frases nunca ditas ou assumindo atitudes jamais tomadas. O conteúdo pode ser de caráter humorístico, político ou mesmo pornográfico. São inúmeras as possibilidades: troca de rostos, clonagem de voz, sincronização labial a uma faixa de áudio diferente da original, entre outras. A técnica comumente distorce a percepção a respeito de um indivíduo em uma determinada situação.

Para criar esse tipo de material, é preciso ter acesso a arquivos verdadeiros — fotos, vídeos ou áudios — da pessoa-alvo da manipulação, que servem para alimentar o sistema da inteligência artificial. Quanto mais material à disposição, maior é a chance de um bom resultado. Isso ocorre porque a inteligência artificial aprende com o conteúdo-modelo fornecido e, com isso, consegue reproduzir padrões, como movimentos, expressões, vozes e outras características do indivíduo.

Como o próprio termo ‘fake’ sugere, o deepfake é feito para enganar. As técnicas de inteligência artificial fazem com que o vídeo pareça ‘perfeito’, como se fosse um registro fidedigno, conforme observa a professora titular na pós-graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP Lúcia Santaella.

“O tipo mais divulgado de deepfake é quando a inteligência artificial consegue registrar todos os músculos faciais quando uma pessoa fala, e aí transporta esse registro para a face de uma outra pessoa como se ela estivesse falando o que ela nunca falou”, diz. “Por que engana? Porque está fingindo que aquilo é real. E não é real. É uma fantasia, mas que se faz passar por uma coisa que de fato aconteceu”, completa.

Embora o objetivo do uso dessa técnica seja variado, podendo servir, inclusive, a fins culturais, o termo tem se popularizado nas redes sociais por ser usado para a produção de conteúdos enganosos ou maliciosos, com o intuito de desinformar. Um dos exemplos de prejuízo causado pelo mau uso de deepfake foi denunciado em uma reportagem da rede britânica BBC, que destaca um relatório da empresa Sensity mostrando que nudes falsos de mais de 100 mil mulheres estavam sendo compartilhados na internet com uso da tecnologia deepfake bot. No caso, as roupas das mulheres eram removidas digitalmente com o uso de inteligência artificial.

Em outro caso, em agosto deste ano, o Comprova mostrou ser falso um vídeo publicado no TikTok que se utilizava da técnica. Nele, o âncora do Jornal Nacional, William Bonner, supostamente chama de “bandidos” o ex-presidente Lula e seu candidato a vice Geraldo Alckmin. Neste caso, foi utilizada uma técnica chamada Text to Speech (TTS), capaz de gerar áudios sinteticamente a partir de um conteúdo em texto e que utilizou um banco de dados com dezenas de áudios de Bonner, segundo informou Sartori ao Comprova à época da checagem. As técnicas TTS para criação de áudios, inclusive, já estão disponíveis para o grande público em sites gratuitos na internet, como foi o caso do vídeo analisado pelo Comprova.

Mas há deepfakes criados justamente para ajudar no combate à desinformação. Um exemplo foi feito pelo ator e diretor de cinema norte-americano Jordan Peele, no qual o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama aparece disseminando informações enganosas. No meio do vídeo, Peele revela que a produção se trata de um deepfake. Para criar o conteúdo, ele utilizou recursos da ferramenta com objetivo de denunciar notícias falsas compartilhadas em 2018.

Já o perfil @deeptomcruise, no TikTok, criado pelo especialista de efeitos visuais Chris Ume, dedica-se a produzir vídeos com deepfakes bastante realistas do ator estadunidense Tom Cruise. As cenas postadas no perfil são feitas pelo ator Miles Fisher e usam um tom humorístico para demonstrar a técnica. Somente no TikTok, o perfil conta com 3,6 milhões de seguidores e 14,1 milhões de curtidas.

A origem do termo

Professor do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Anderson de Rezende Rocha explica que, originalmente, o termo deepfake dizia respeito ao “nome de um usuário que se autodenominava deepfake e postou um primeiro software baseado em técnicas de machine learning (aprendizado de máquina) que conseguia sintetizar uma face de um indivíduo no lugar de outra pessoa”. Isso era feito a partir de um banco de dados recheado de fotos.

Com o tempo, acrescenta o professor, houve uma assimilação do termo, que passou a designar uma técnica que gera algum tipo de falsificação “a partir de uma grande quantidade de fotos, vídeos ou arquivos de áudio de uma determinada pessoa a partir de um algoritmo de aprendizado de máquina”.

Segundo Rocha, esse recurso funciona por meio de muitas camadas, parâmetros e opções de escolha, que são aprendidos num processo de treinamento a partir de um grande volume de dados da pessoa-alvo, que servem de exemplo.

“Como esse tipo de algoritmo tem muitas camadas, dizemos que esse é um algoritmo do tipo ‘deep’ (profundo) e, hoje em dia, a gente se refere às técnicas deepfakes como essas técnicas que geram esse tipo de falsificação de imagens e áudios e que usam essas camadas em grande profundidade”, conclui o especialista, pontuando a diferença em relação à chamada ‘shallowfake’, uma falsificação menos sofisticada, com poucas camadas e parâmetros.

Professor associado na Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador na área de aprendizado de máquina, Moacir Antonelli Ponti destaca ainda que a origem técnica do termo remete ao fato de que os algoritmos usados para geração de conteúdo nesse contexto “pertencem a um conjunto de métodos chamados de ‘deep learning’ (aprendizagem profunda). Como o conteúdo é ‘fake’ (falso), cunhou-se o nome deepfake, a partir da junção dos dois termos”.

No Brasil, o deepfake ganhou popularidade a partir de aplicativos e de conteúdos criados por Bruno Sartori, jornalista, humorista e influenciador digital, considerado um dos pioneiros na criação de sátiras utilizando a técnica. Ele conta que, em dezembro de 2017, poucos dias após o código-fonte ter sido disponibilizado em um fórum do Reddit (rede social que agrega fóruns de variados temas), acabou conhecendo a tecnologia e quis acrescentá-la a seus trabalhos.

“Visualmente, você via que era montagem, mas dava um efeito muito legal. E comecei a aprender. Fiz um vídeo que viralizou em maio de 2018, que era o Bolsonaro de Chapolin Colorado. A partir dali, fui percebendo que muita gente acreditava que era [Bolsonaro], por mais absurdo que pareça, porque a pessoa estava vendo o Bolsonaro, não tinha como não ser ele. Eu fui percebendo que as pessoas acreditavam neste tipo de conteúdo. Então, acho que o primeiro contato do público brasileiro [com deepfake] foi através dos meus vídeos. E logo a popularização se deu quando os celulares passaram a oferecer aplicativos que faziam isso”, contextualiza Sartori.

Diferença em relação a edições comuns

Enquanto o processo de criação de deepfakes utiliza uma base de dados para servir de modelo à inteligência artificial, edições comuns de peças audiovisuais são feitas a partir de ferramentas computacionais que não exigem esses dados.

Durante as eleições dos Estados Unidos em 2020, por exemplo, o então presidente Donald Trump compartilhou vídeos manipulados em mais de uma ocasião para atacar seu principal adversário, o democrata Joe Biden. Conforme a Agência Pública, em março daquele ano, Trump publicou um vídeo do candidato democrata no qual ele aparentava apoiar a sua reeleição. A reportagem cita que, apesar de ser um vídeo editado, não chega a ser um deepfake por não utilizar inteligência artificial no processo de criação. O material, contudo, foi suficiente para confundir eleitores.

O mesmo ocorreu com um vídeo checado recentemente pelo Comprova, que foi manipulado para mostrar Bolsonaro à frente de Lula em uma pesquisa do Ipec. Na edição de 12 de setembro, o Jornal Nacional divulgou o resultado real, que indica o oposto do que sugere o vídeo adulterado. Ao se posicionar sobre a montagem, o programa chegou a associar o conteúdo manipulado a um deepfake. No entanto, conforme explica Bruno Sartori, a peça de desinformação não se enquadra nessa classificação.

O jornalista explica que, mesmo antes de dezembro de 2017, este tipo de edição já era feito. No caso do vídeo analisado, compartilhado no TikTok, Sartori afirma que foi feita uma edição simples de computador, na qual ocorre um corte no início e no fim do áudio, em que o trecho, por mais que seja verídico, é trocado de lugar. Essa prática, garante, já era utilizada antes do surgimento do deepfake.

“Quando é deepfake, se usa uma técnica de síntese de mídia digital, você cria uma mídia digital com inteligência artificial, uma mídia sintética. Então, precisa dessa inteligência artificial para fabricar essa mídia sintética. Além disso, não é qualquer pessoa que faz um deepfake. Não basta editar um vídeo e tirá-lo de contexto para ser um deepfake. Isso, na verdade, é um shallowfake, que são vídeos tirados do contexto por material tanto auditivo quanto visual”, compara Sartori.

Professor da USP, Ponti complementa, explicando que, num deepfake, são usados áudios e imagens reais de uma pessoa a ser imitada. Já numa produção comum, a edição é feita com a ajuda de alguma ferramenta computacional que não usa esses dados.

“No caso do deepfake, quanto mais essa pessoa tiver conteúdo disponível publicamente, mais dados o algoritmo terá para produzir conteúdo realista. Por exemplo, um jornalista ou repórter de TV aberta, um ator, um político, todos têm sua imagem, vídeo e voz disponíveis amplamente. Assim, quanto mais pública é a personalidade, maior será a qualidade do deepfake”, explica.

Deepfake na política

No Brasil, conforme cita Sartori, não há casos de seu conhecimento em que a tecnologia tenha sido usada em campanhas eleitorais anteriores ao pleito de 2022. Em 2018, segundo ele, os equipamentos não eram tão potentes e poucos profissionais tinham conhecimento da prática. O jornalista diz que, à época, já alertava em seus vídeos que a ferramenta poderia vir a ser utilizada nas eleições deste ano.

Atualmente, o uso da tecnologia ainda é tímido, mas tem ganhado força, principalmente por causa dos aplicativos que possibilitam a criação deste tipo de conteúdo. Sartori acredita que, daqui a quatro anos, nas próximas eleições, a técnica terá sido aperfeiçoada, com possibilidade de ser largamente explorada em campanhas eleitorais.

“Hoje, não utilizam tanto por um fator: a mentira contada de uma forma simples tem o mesmo efeito de um deepfake. [O shallowfake] é editado facilmente, coisa de dois minutos faz um vídeo desses, e se tem um estrago enorme. Para fazer isso em deepfake, se leva muito tempo, é caro e precisa de um profissional. Então, por que utilizar uma bazuca se um estilingue está dando certo?”, questiona.

No entanto, mesmo com esses obstáculos, o jornalista aposta que, se eventualmente venha a surgir algum caso de deepfake nestas eleições, este chegará às redes nesta última semana de campanha para o primeiro turno das eleições de 2022.

“Nesses últimos momentos, nos três últimos dias de eleição, se tiver que surgir, vai ser aí, porque é uma coisa que é difícil de se desmentir rápido, que se espalha mais rápido que a informação real, e ele vai contando uma história que o eleitorado quer acreditar. Então, vai ser um vídeo que prejudica um candidato, vai ser um vídeo que conta uma história absurda, e a qualidade dele ou vai ser muito boa, o que vai impressionar a gente, ou estará em uma baixa qualidade para a gente não ver os defeitos dele”, finaliza.

Como identificar o deepfake e riscos da prática

A depender do grau de sofisticação do deepfake, pode ser muito difícil identificá-lo, ainda que existam algumas estratégias. É o que aponta o professor Moacir Antonelli Ponti. Diante de um vídeo suspeito, o pesquisador recomenda atenção a problemas nas transições entre o rosto e o restante da cabeça, entre lábios e dentes, além de eventual padrão robótico na movimentação.

“Mas cada vez mais os deepfakes estão melhores. Então, o importante nesse caso é a conscientização das pessoas sobre o conteúdo em si (o que está sendo dito e quem está dizendo) e não a forma (a aparência ou sonoridade)”, avalia.

Na mesma linha, a professora da PUC-SP Lúcia Santaella elenca alguns motivos pelos quais identificar um deepfake pode ser uma missão difícil, especialmente para pessoas leigas. A pesquisadora lembra que as teorias da percepção revelam que o ser humano não pode duvidar daquilo que vê, ou seja, cenas registradas em vídeo costumam ser tomadas como verdade. Em segundo lugar, as peças audiovisuais manipuladas normalmente são consumidas a partir da tela de um smartphone, o que, pelo tamanho reduzido, dificulta a identificação de detalhes que denunciem a edição. Por fim, as pessoas em geral não são “treinadas” para fazer leitura labial.

“Nós estamos acostumados a ver filmes e vídeos dublados. Então, essa atenção ao movimento labial é um hábito que nós não temos. A nossa atenção toda vai para a sequência visual do vídeo, vai para aquilo que está sendo contado, narrado ou apresentado”, observa.

Bruno Sartori diz que a tecnologia existe há cerca de cinco anos e que, com o passar do tempo, os códigos têm melhorado a capacidade de gerar conteúdo com mais qualidade. Muito por conta disso, afirma, rastros que eram deixados antigamente, e que possibilitavam a identificação de um conteúdo manipulado, estão praticamente imperceptíveis a olho nu nos dias de hoje.

O jornalista também cita que a qualidade do conteúdo depende muito do profissional que o cria, do seu conhecimento de manipulação de banco de dados e do nível de desempenho da máquina para processar vídeos em tamanho e qualidade melhores.

“Antes, por exemplo, era característico do deepfake ter todos os dentes unidos, tanto na parte de cima como na parte de baixo [da boca]. Hoje, não tem mais isso. Às vezes, o profissional acaba deixando na junção de um rosto com outro duas sobrancelhas [sobrepostas], eu vejo muito isso acontecer. Se pintar duas sobrancelhas em algum momento do vídeo, é claro sinal de deepfake. Pode existir também a incompatibilidade entre o rosto e o fundo do vídeo, de nitidez, cor e sombras”, destaca.

Como dica para evitar ser enganado por um deepfake malicioso, Sartori recomenda que se observe, para além desses detalhes técnicos, o contexto do vídeo. “Geralmente, [o deepfake] vai vir contando um absurdo, uma história que normalmente prejudica alguém. Então, se a história contada ali é prejudicial a alguém, já é um indicativo que pode ser um conteúdo manipulado.”

Para Santaella, o combate à desinformação passa pela educação. Ela afirma que o cidadão precisa aprender a desenvolver a “arte da suspeita”, ou seja, o hábito de desconfiar e verificar o conteúdo que recebe no celular. “O que é isso? Você recebe uma informação e vai checar. Isso é uma obrigação que surgiu no mundo das redes. Principalmente quando as mentiras começaram a se disseminar.”

“Não tem outro caminho senão uma educação consciente, uma educação que consiga mostrar que a realidade ficou extremamente complexa, porque nós estamos enredados, nós estamos num emaranhado de informações, e a educação tem que ir nessa direção”, conclui Santaella.

Com relação aos riscos da tecnologia, Sartori diz que, antigamente, para se colocar uma potência como os Estados Unidos em risco, eram necessários jatos, tanques de guerra e um grande exército. Atualmente, um deepfake bem construído pode ser suficiente para ameaçar uma nação. A peça pode causar uma revolta popular, seja contando uma história em que o presidente morreu, que o líder político está com uma grave doença, ou o envolvendo em um escândalo sexual.

E, apesar de os Estados Unidos e de outros governos estarem atentos à ferramenta, que é bastante poderosa e tem grande potencial, o influenciador não acredita na possibilidade de proibição de aplicativos ou a prática de deepfake.

“Eu não vi em nenhum lugar do mundo proibirem. Acredito que a proibição não vai conseguir inibir o mau uso, de forma alguma. Não é porque é proibido que vão deixar de fazer. Por exemplo, nos Estados Unidos existem estados em que é proibido criar deepfake alguns dias antes da eleição, que sejam de conteúdo eleitoral. Cada país ou estado tem criado a sua lei local, mas é mais uma regulamentação do que uma proibição. Eu não acredito que vão proibir porque é uma ferramenta de edição de imagem, assim como o Photoshop… Não vão conseguir proibir o Photoshop, da mesma forma, não vão conseguir proibir uma ferramenta de edição de vídeo, como é o deepfake”, avalia.

Por que explicamos: O Comprova investiga publicações suspeitas sobre pandemia, eleições e políticas públicas com alto grau de viralização nas redes sociais. Já o “Comprova Explica” serve como instrumento para ajudar leitores a entenderem determinado conteúdo que esteja causando confusão, ou para que compreendam como funcionam determinadas técnicas adotadas por produtores de peças de desinformação. Os deepfakes, temática esmiuçada neste “Comprova Explica”, têm sido usados como ferramenta para a criação de conteúdos falsos envolvendo atores políticos. Tal prática representa uma ameaça ao processo democrático e atrapalha a decisão do eleitor, que deve ser tomada com base em informações verdadeiras. A falta de conhecimento do público sobre essas mídias está entre os fatores que podem contribuir para a disseminação da deepfake desinformativa.

Outras publicações sobre o tema: A técnica já foi usada na produção de conteúdos falsos desmentidos pelo Comprova. Em agosto de 2022, a ferramenta inventou um áudio do apresentador William Bonner chamando Lula e Alckmin de bandidos, e mudou o resultado de pesquisa de intenção de voto para presidente. No mês de setembro, mais uma vez, o trecho de uma edição do Jornal Nacional foi manipulado para espalhar a mensagem falsa de que Bolsonaro, e não Lula, estaria em primeiro lugar na pesquisa de intenção de voto para presidente do Ipec.

Saúde

Investigado por: 2022-09-26

Órgão de saúde dos EUA não incluiu ivermectina entre terapias contra covid-19, diferentemente do que diz post

  • Enganoso
Enganoso
Não é verdade que um dos principais órgãos de pesquisa em saúde dos Estados Unidos, o National Institutes of Health (NIH), recomenda ivermectina para o tratamento de covid-19, como sugere um post no Twitter. Na verdade, o órgão contraindica o uso do remédio para a doença, a não ser em estudos clínicos. A Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora americana equivalente à Anvisa, também não autoriza a ivermectina para tratar ou prevenir a covid.

Conteúdo investigado: Tuíte do candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro Ed Raposo (PTB) diz que o National Institutes of Health adicionou a ivermectina em suas diretrizes de terapia viral para covid-19. O tuíte mostra a imagem de uma captura de tela do site do NIH que põe a ivermectina ao lado de outros medicamentos estudados ou já usados como tratamento para a doença, como o remdesivir.

Onde foi publicado: Twitter.

Conclusão do Comprova: É enganoso o post no Twitter que sugere que o National Institute of Health dos Estados Unidos passou a recomendar ivermectina para o tratamento de covid-19. A postagem, feita pelo candidato a deputado federal Ed Raposo (PTB-RJ), usa uma imagem de captura de tela verdadeira do site do NIH com informações sobre o remédio, mas traz conclusões equivocadas sobre o conteúdo do texto.

Em sua página oficial de terapias antivirais para covid-19, o NIH disponibiliza dados sobre medicamentos em estudo ou já usados para combater a doença, como remdesivir, paxlovid e ivermectina. A imagem do tuíte verificado é um print dessa página, na qual é possível ler “COVID-19 Treatment Guidelines” (“diretrizes para tratamento da covid-19”) e os links sobre cada remédio. Diferentemente do que diz o post, porém, o NIH não recomenda o uso da ivermectina para covid-19, a não ser para estudos clínicos.

“Embora haja muitos estudos sobre a ivermectina, apenas alguns foram bem desenhados e conduzidos”, diz o NIH no site para justificar a contraindicação. “Ensaios clínicos mais recentes não têm mais as limitações dos estudos anteriores, mas não mostram evidências claras de que a ivermectina reduz o tempo de recuperação ou previne a progressão da covid-19”. Para o órgão, é preciso haver mais estudos.

Dados de um ensaio clínico conhecido como Together, que foi conduzido no Brasil e é citado pelo NIH, mostram que não há diferença significativa entre o uso de ivermectina e de placebo para reduzir o risco de hospitalização por covid-19 (em um caso, houve 14,7% de hospitalização e em outro, 16,4%). Também não há diferença relevante entre os dois para reduzir o risco de mortalidade pela doença (3,1% a 3,5%).

Não há terapia com ivermectina para covid-19 nos Estados Unidos. Consultada pelo Comprova, a Food and Drug Administration, agência reguladora que aprova medicamentos e vacinas no país, afirmou que nunca autorizou a aplicação do vermífugo para tratamento ou prevenção da doença. A agência disse também que tem aplicado testes clínicos com o remédio e apurado seus resultados contra a covid-19.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: O Comprova verifica conteúdos com grande alcance nas redes sociais. Até 26 de setembro, havia cerca de 11,5 mil interações com o tuíte checado, entre curtidas e compartilhamentos.

O que diz o autor da publicação: O Comprova enviou uma mensagem de WhatsApp a um número indicado no Twitter como da campanha de Ed Raposo, mas não obteve resposta até o fechamento desta verificação. O Comprova também tentou ligar para o número, mas ele não aceitou as chamadas.

Como verificamos: Para verificar o tuíte enganoso, o Comprova buscou no Google as expressões “NIH”, “ivermectina” e “terapias antivirais” (as mesmas que aparecem na imagem de captura de tela compartilhada pelo autor da postagem) e chegou ao site da agência americana. Na seção sobre terapias antivirais contra a covid-19, a página do NIH de fato mostra a ivermectina, mas como remédio em estudo.

A verificação leu as informações do site sobre o medicamento. A partir daí, o Comprova entendeu que, na verdade, o NIH não recomenda o uso do vermífugo contra a covid-19, diferentemente do que sugere o tuíte verificado. De volta ao Google, a reportagem descobriu que serviços de checagem como o da agência Reuters já haviam desmentido no início do mês boatos como o espalhado pela publicação.

Para saber se a ivermectina havia sido liberada de alguma outra forma nos Estados Unidos, o Comprova entrou em contato com a Food and Drug Administration. A verificação perguntou à agência americana se o uso do remédio recebeu parecer favorável para o tratamento ou prevenção da covid-19. Por e-mail, a agência negou ter feito qualquer autorização do tipo, apesar de ainda conduzir estudos com o remédio.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos que viralizaram nas redes sociais sobre a pandemia, as eleições presidenciais e políticas públicas do governo federal. Conteúdos falsos ou enganosos sobre tratamentos contra a covid-19 podem influenciar pessoas a se automedicarem com remédios não recomendados — o que, além de não tratar a doença, pode comprometer a saúde.

Outras checagens sobre o tema: A agência Reuters realizou checagem sobre o mesmo assunto e desmentiu a informação.

Em verificações anteriores sobre o uso de ivermectina, o Comprova já mostrou ser falso que o Japão havia declarado que o antiparasitário é mais eficaz do que a vacina e que um estudo realizado em Itajaí comprovou a eficácia do medicamento.

Eleições

Investigado por: 2022-09-26

Tuíte engana ao indicar o 17 como número de urna de Bolsonaro nas eleições de 2022

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso o tuíte que indica o 17 como sendo o número de urna do candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL). O 17 refere-se ao antigo Partido Social Liberal (PSL), legenda pela qual Bolsonaro foi eleito em 2018. No final de 2021, Bolsonaro se filiou ao Partido Liberal (PL). A sigla PSL deixou de existir em outubro de 2021, quando se fundiu ao partido Democratas, dando origem ao União Brasil.

Conteúdo investigado: Postagem no Twitter que associa incorretamente ao candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) o número 17 como registro de urna na atual disputa.

Onde foi publicado: Twitter.

Conclusão do Comprova: É enganoso tuíte sugerindo que o atual número de urna do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, é 17. Esse número representa o PSL, ao qual ele estava filiado na disputa de 2018. Bolsonaro deixou a legenda em 2019 e, no final do ano passado, se filiou ao Partido Liberal, identificado pelo número 22.

O PSL não tem candidato à presidência em 2022. O partido se juntou ao Democratas e formou uma nova legenda, o União Brasil, cujo número de urna é o 44 e tem candidatura própria com Soraya Thronicke. Nesta semana antes do primeiro turno, há, ao todo, 11 candidatos na disputa para ocupar o Palácio do Planalto.

Para o Comprova, enganoso é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: Até o dia 26 de setembro, o tuíte contava com 16,9 mil curtidas e 1.600 retuítes (compartilhamentos).

O que diz o autor da publicação: Ao Comprova, a autora da publicação informou que “em nenhum momento eu disse que o número de Bolsonaro é o 17”. Ela alegou ter feito uma piada. “Fiz uma piada dizendo que quem quiser votar 17, ok. Assim como é ok votar em qualquer número, sendo válido ou não. Foi uma piada e nada mais”, respondeu.

Como verificamos: A equipe acessou o sistema de registro de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – divulgacand2022 – para constatar os atuais números de urna utilizados pelos candidatos à Presidência nas Eleições 2022. Por meio de buscas no Google, confirmou também dados relativos à fusão entre o PSL e o DEM, além da filiação recente de Bolsonaro ao PL, partido pelo qual disputa a reeleição.

O número 17 não é utilizado nas eleições 2022

Ao contrário do que afirma a autora do tuíte verificado aqui – e outras centenas que circularam nos últimos meses com conteúdo semelhante –, o número de urna de Bolsonaro nesta eleição não é 17, e sim 22. O número 17 representava o PSL, partido ao qual o presidente estava filiado na disputa presidencial de 2018, e não existe mais. Ele deixou a legenda em 2019 e, no ano passado, se filiou ao PL, cuja representação é o número 22.

Conforme reportagem do UOL, o PL é o nono partido em que Bolsonaro se filia desde que iniciou sua vida política, em 1989. Até chegar ao Partido Liberal, o presidente passou pelo PDC, PPR, PPB, PTB, PFL, PP, PSC e PSL.

Algumas dessas legendas já não existem mais porque se fundiram a outras, como é o caso do PSL que, em outubro de 2021, se juntou ao Democratas (antigo PFL) para criar o União Brasil. O registro de criação do novo partido foi aprovado pelo TSE em fevereiro deste ano.

Quando deixou o PSL, a intenção de Bolsonaro era criar uma nova legenda, denominada Aliança pelo Brasil. Contudo, a proposta não deu certo pois não teve a quantidade de assinaturas necessárias para que o processo de criação tivesse continuidade (Veja, Correio Braziliense, CNN, Folha). Ao ver seu projeto inviabilizado, o presidente se filiou ao PL.

No tuíte investigado, a autora diz desejar que ninguém opte pelo voto pró-reeleição do atual presidente e, ao disseminar o número incorreto, justifica que a possibilidade de escolha é “democracia”. Mas pesquisa recente encomendada pelo FSB/BTG apontou que 13% dos eleitores de Bolsonaro não sabiam o número de urna do presidente a pouco mais de 10 dias das eleições e conteúdos de desinformação, como o aqui investigado, podem desorientar o eleitor.

A intenção de confundir os potenciais eleitores de Bolsonaro é percebida e rebatida em alguns comentários, que alertam para possível cenário de confusão nas cabines de votação e possibilidade de posterior acusação de “fraude” nas eleições – já que não existe o registro 17 nas urnas.

A maioria dos comentários, no entanto, exalta a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Outros candidatos na disputa

De acordo com o site oficial do Tribunal Superior Eleitoral, além do candidato Jair Messias Bolsonaro (PL), há ainda outros 10 na disputa presidencial para as eleições de 2022. São eles:

Ciro Gomes, do PDT (12);

Constituinte Eymael, do DC (27);

Felipe D’Avila, do Novo (30);

Léo Péricles, do UP (80);

Lula, do PT (13);

Padre Kelmon, do PTB (14);

Simone Tebet, do MDB (15);

Sofia Manzano, do PCB (21);

Soraya Thronicke, do União Brasil (44);

Vera, do PSTU (16).

Em 2022, também haverá votação para os cargos de governador, senador, deputado federal, estadual ou distrital. Para não ter dúvidas na hora de digitar o número de seus candidatos, o eleitor pode levar uma “cola” com os dados anotados. Neste ano, não será possível levar o celular até a urna. Quem chegar à seção eleitoral com o aparelho, vai precisar deixá-lo com o mesário. Por isso, a alternativa é anotar os números dos concorrentes em um papel e levá-lo para eventual consulta. Na página do TSE, há a opção de imprimir um modelo para ser preenchido com os dados dos candidatos.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizaram nas redes sociais sobre a pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições presidenciais. No conteúdo aqui investigado, a autora indica um número de urna diferente para Jair Bolsonaro, o que pode confundir os eleitores. No processo democrático, as pessoas têm o direito de fazer suas escolhas baseadas em informações corretas e confiáveis.

Outras checagens sobre o tema: Às vésperas do primeiro turno, o tema eleições predomina em conteúdos de desinformação. O Comprova já demonstrou ser montagem post de suposta reportagem do G1 sobre Lula e Venezuela, que ônibus com adesivo “escolar” estavam autorizados a transportar apoiadores do PT, que vídeo mostra encontro de Bolsonaro com pastor, e não presidente da Coreia do Sul e que outro vídeo engana ao atribuir ao PT proibição de plantio de soja no Mato Grosso.

Em agosto, o Aos Fatos publicou uma matéria informando que o Twitter excluiu posts naquela ocasião que também indicavam o número incorreto de Bolsonaro na disputa deste ano. Na mesma época, a Folha fez matéria sobre o assunto.

Eleições

Investigado por: 2022-09-22

É montagem post com suposta reportagem do G1 sobre Lula e Venezuela

  • Falso
Falso
É uma montagem a publicação com suposta reportagem do G1 afirmando que o ex-presidente e candidato à presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria dito, durante ato de campanha em Santo André (SP), que a Venezuela "não precisa de críticas", mas de "financiamento e empréstimos". Ao Comprova, o G1 informou que tal matéria nunca foi publicada. Além disso, Lula esteve na cidade paulista em março deste ano. No dia 15 de setembro, quando teria sido publicada a suposta reportagem, o ex-presidente estava em Montes Claros (MG).

Conteúdo investigado: Imagem com suposta notícia do G1, publicada no dia 15 de setembro, sobre uma fala de Lula (PT) em apoio à Venezuela durante campanha presidencial em Santo André (SP). O título da reportagem é “Lula: ‘A Venezuela não precisa de críticas do Presidente do Brasil e sim de financiamento e empréstimos'”, acompanhado da linha fina “Ex-presidente critica Bolsonaro e diz que se eleito, continuará fortalecendo o governo de Nicolás Maduro com empréstimos e ativos”.

Onde foi publicado: Instagram, Facebook e WhatsApp.

Conclusão do Comprova: É falso que o G1 tenha publicado notícia no dia 15 de setembro sobre suposta fala do ex-presidente Lula em apoio à Venezuela durante ato de campanha eleitoral em Santo André. Ao procurar pela reportagem no site do veículo, não foi possível encontrar o conteúdo compartilhado. De acordo com a assessoria do portal, a imagem é falsa, pois tal matéria nunca foi publicada pelo G1, e não há nenhum José da Silva – nome do suposto repórter – na equipe do G1.

Na data mencionada pela suposta publicação, Lula esteve em Montes Claros (MG) para cumprir compromissos da agenda eleitoral. O ex-presidente passou por Santo André em 25 de março de 2022 para visitar um condomínio do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). Vídeo do discurso de Lula no local foi publicado no canal do YouTube do PT. Ao Comprova, a assessoria do candidato afirmou que Lula nunca disse a fala reproduzida na montagem.

Falso, para o Comprova, é todo conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma falsidade.

Alcance da publicação: O Comprova investiga conteúdos com maior alcance nas redes sociais. Até o dia 22 de setembro, um dos posts no Facebook teve 395 curtidas, 251 comentários e 907 compartilhamentos. O outro foi excluído da plataforma. No Instagram, o conteúdo teve 9,4 mil curtidas e 538 comentários. Ambas as plataformas sinalizam que o conteúdo é falso.

O que diz o autor da publicação: O Comprova entrou em contato com os três perfis que publicaram o conteúdo no Instagram e no Facebook. No entanto, não houve resposta até o fechamento desta verificação.

Como verificamos: A equipe do Comprova buscou o título da notícia no Google, sem encontrar resultados para a reportagem original. Em seguida, a partir da data da suposta matéria – 15/09/2022 –, procurou as atividades cumpridas por Lula no dia, de acordo com a agenda do candidato publicada no site oficial do presidenciável.

Em seguida, procurou descobrir se Lula esteve em Santo André neste ano por meio de buscas no Google e na agenda do petista. A equipe também reuniu declarações recentes do ex-presidente em relação à Venezuela a partir de reportagens da Folha de S.Paulo e do Correio Braziliense.

Por fim, entrou em contato com a assessoria de imprensa de Lula, com o G1 e com os responsáveis pelas publicações do conteúdo nas redes sociais.

Post é uma montagem

O Comprova buscou no Google por todos os elementos da suposta reportagem, como o título, e encontrou apenas a reprodução do conteúdo investigado em redes sociais e em um site conhecido por criar memes. Nenhuma dessas postagens apresentava o link para a suposta matéria.

A equipe então pesquisou no próprio portal G1 com filtro personalizado para a data da suposta publicação, mas não houve resultado.

| Captura de tela da busca feita no portal G1 em 20/09/2022.

Além disso, o nome da pessoa que assina a suposta reportagem, “José da Silva”, não aparece na lista da equipe do G1.

Ao Comprova, a assessoria de imprensa do portal afirmou que a notícia é falsa, que “nunca foi publicada pelo G1” e que não há nenhum José da Silva na equipe de jornalistas.

Em 15 de setembro, Lula estava em Montes Claros (MG)

Ao contrário do que alega a montagem investigada, em 15 de setembro de 2022, o ex-presidente esteve em Montes Claros, Minas Gerais, como consta em sua agenda oficial. Na data, o político participou do ato “Todos Juntos por Minas Gerais”, ao lado do ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil. O evento ocorreu às 18h, na Praça da Catedral da cidade.

Em seu discurso, que está disponível no canal do YouTube do PT, Lula não faz nenhuma declaração como a que foi falsamente divulgada na manchete aqui analisada. O Comprova entrou em contato com a assessoria do ex-presidente, que afirmou que Lula nunca disse que ​​”a Venezuela não precisa de críticas do Presidente do Brasil e sim de financiamento e empréstimos”.

O ex-presidente esteve em Santo André, São Paulo, no dia 25 de março deste ano, para visitar os condomínios Novo Pinheirinho e Santo Dia, do MTST. Na ocasião, Lula estava acompanhado do coordenador nacional do movimento, Guilherme Boulos, e do ex-prefeito de São Paulo e candidato a governador, Fernando Haddad.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizam nas redes sociais sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições presidenciais. Conteúdos falsos ou enganosos sobre candidatos à presidência, como a peça aqui verificada, podem influenciar o voto dos eleitores, que devem basear suas escolhas em informações verdadeiras e confiáveis.

Outras checagens sobre o tema: A Agência Lupa também checou o conteúdo e concluiu que é uma montagem.

Em verificações anteriores envolvendo o ex-presidente Lula, o Comprova mostrou que é falso que Lula defendeu o nazismo e o fascismo em evento do PT em 2017, que vídeo edita fala de Lula para afirmar que ele chamou apoiadores de vagabundos e traficantes e que vídeo satiriza participação do ex-presidente em comício em local destruído pela chuva em Belém.

Eleições

Investigado por: 2022-09-22

Ônibus com adesivo “Escolar” em evento do PT pertencem a empresas privadas e estavam autorizados a transportar apoiadores da legenda

  • Enganoso
Enganoso
É enganosa postagem no Twitter sugerindo que militantes do PT não poderiam ter utilizado ônibus que fazem transporte escolar para se deslocar até um comício do ex-presidente Lula em Florianópolis, no último dia 18 de setembro. Vídeo publicado no Twitter mostra um estacionamento com diversos ônibus que levaram apoiadores do partido de outros municípios até a capital catarinense, entre eles, dois com a inscrição “Escolar”. Os veículos, no entanto, pertencem a empresas privadas que prestam o serviço de transporte escolar para a prefeitura do município de Jaguaruna em dias úteis, e atendem outros clientes nos finais de semana, prática permitida no estado de Santa Catarina.

Conteúdo investigado: Postagem no Twitter afirma que o evento do ex-presidente e candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT), realizado em 18 de setembro, em Florianópolis, utilizou ônibus escolares para “carregar a militância” e questiona se a prática seria permitida. A publicação é seguida de um vídeo que mostra diversos ônibus com placas de diferentes municípios de Santa Catarina concentrados em um estacionamento. Com a legenda “Por que o evento de Lula tem público em Florianópolis”, o conteúdo sugere que o candidato precisou levar pessoas de fora para encher o comício realizado na cidade.

Onde foi publicado: Twitter e Instagram.

Conclusão do Comprova: Ao contrário do que sugere vídeo no Twitter, ônibus privados que realizam transporte escolar no estado de Santa Catarina estão autorizados a atender outros clientes, fato que aconteceu com apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que se dirigiram até Florianópolis no último domingo, 18, para um comício da legenda. Os dois ônibus escolares que aparecem no vídeo aqui analisado pertencem a duas empresas privadas, que prestam serviço de transporte escolar de segunda a sexta-feira para o município de Jaguaruna, a 160 quilômetros da capital. A prática é permitida pelo estado de Santa Catarina, conforme informou ao Comprova a secretaria estadual de Infraestrutura e Mobilidade.

Em nota ao Comprova, o diretório estadual do PT em Santa Catarina informou que esses e os outros ônibus que aparecem no vídeo em um estacionamento próximo ao evento foram fretados diretamente pelos apoiadores. Os veículos não foram contratados pelo PT e nem com uso de recursos públicos. A informação foi confirmada pelo representante de uma das empresas de ônibus. Pela legislação eleitoral, candidatos a cargos públicos também não estão autorizados a custear transporte de apoiadores ou militantes para comícios ou eventos de campanha.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: Até o dia 22 de setembro, a peça verificada no Twitter teve mais de 258,4 mil visualizações, 4.504 retweets, 339 tweets com comentários e 15,4 mil curtidas.

O que diz o autor da publicação: O perfil do Twitter que fez a postagem não permite o envio de mensagens diretas. O Comprova encontrou um perfil de Instagram com o mesmo nome e a mesma foto do Twitter, mas a conta é privada, o que também impede o envio de mensagens.

Na postagem, contudo, é possível ver que o vídeo em questão foi publicado anteriormente por uma conta do Twitter de nome “Jornalismo João”. Em contato com o Comprova pelo Instagram, o administrador do perfil disse que a intenção da postagem foi mostrar que o público do comício com Lula não era só de Florianópolis e sim de várias regiões do estado.

Segundo ele, o vídeo foi gravado originalmente por uma outra pessoa, que publicou o material nas redes sociais. O Comprova encontrou esse perfil, cujo nome é “Adriana Assing”, mas que também não permite o envio de mensagens diretas. Perfis de mesmo nome foram encontrados no YouTube e no Instagram, mas também sem a opção de envio de mensagens diretas ou menção a qualquer outra forma de contato.

Como verificamos: Na postagem aqui analisada, é possível observar que o conteúdo foi publicado, primeiramente, pela conta @jornalismojoão no Twitter. O Comprova fez buscas nesse perfil e entrou em contato por mensagem direta para entender o contexto e o local da filmagem.

Em seguida, foram feitas pesquisas no Google por notícias sobre o comício que contou com a presença de Lula em Florianópolis no último dia 18 de setembro, o que nos permitiu encontrar o local do evento em uma reportagem do G1. A partir de pesquisas no Google Maps foi possível mapear o endereço exato do estacionamento em que o vídeo foi gravado.

O Comprova ainda buscou informações nas redes sociais sobre as empresas de ônibus que aparecem nas imagens com o adesivo “Escolar” e fez contato com elas por meio do WhatsApp. A equipe também consultou a legislação eleitoral.

Ônibus escolares pertencem a empresas terceirizadas e estão autorizados a atender outros clientes

No vídeo aqui analisado, são mostrados dois ônibus com o adesivo “Escolar” colado junto à carroceria. Os dois veículos têm placa da cidade de Jaguaruna, que fica a 160 quilômetros de Florianópolis.

Após a repercussão do conteúdo, o prefeito de Jaguaruna, Laerte Silva (PSC), publicou um vídeo em sua conta no Instagram esclarecendo que os ônibus pertencem a duas empresas privadas que prestam serviços de transporte escolar para o município de segunda a sexta-feira e atendem a outros clientes nos fins de semana. “Essas empresas prestam serviço para nós de segunda a sexta. O que essas empresas fazem nos fins de semana não é de responsabilidade do prefeito ou do município”, afirmou. No vídeo, o prefeito cita o nome das duas empresas: São João e Nova Era. No primeiro ônibus com adesivo “Escolar” filmado no vídeo, é possível ver a logomarca “SJ Express”, que identifica a empresa São João.

Em contato com o Comprova, a Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade de Santa Catarina afirmou que “não há, perante o Estado de Santa Catarina, quaisquer restrições para atividade de transporte intermunicipal de passageiros que esteja vinculada ao uso escolar do veículo”. Os dois veículos escolares que aparecem no vídeo aqui analisado também constam como “licenciados para o serviço de transporte de passageiros com caráter privado”, de acordo com a plataforma “Transporte Correto”, do governo catarinense. É possível consultar a situação de cada ônibus por meio da busca pela placa dos veículos na plataforma.

| Imagens geradas a partir de consultas pelas placas dos dois veículos na plataforma Transporte Correto.

O Comprova também entrou em contato com as duas empresas, e ambas confirmaram o fretamento para o serviço de transporte de apoiadores do ex-presidente Lula de Jaguaruna para Florianópolis em 18 de setembro. Em contato por telefone, o representante da Nova Era disse que a empresa presta serviço para a prefeitura de Jaguaruna de segunda a sexta-feira e que, nos fins de semana, faz viagens particulares. Ele confirmou que o ônibus que aparece no vídeo pertence à empresa e disse que fretou três veículos para o comício com Lula, sendo que dois deles são ônibus que fazem transporte escolar em dias úteis. Já o representante da São João Express, em contato por WhatsApp com o Comprova, limitou-se a confirmar o fretamento e disse que não forneceria mais detalhes.

Transporte de apoiadores não pode ser financiado pela campanha

Na peça de desinformação aqui analisada, além dos ônibus com pintura escolar, diversos outros coletivos aparecem estacionados. A legenda da postagem diz que o “evento do Nine [em alusão ao ex-presidente Lula] utilizou até ônibus escolar pra carregar a militância”, sugerindo que os ônibus poderiam ter sido contratados pelo próprio partido.

Contudo, pela legislação eleitoral (item IV do artigo 26 da Lei 9.504 de 1997 e Resolução 23.607 de 2019), o transporte de apoiadores e militantes para eventos públicos de campanha não pode ser custeado pelos partidos políticos. A única menção a gastos com transporte permitidos nos gastos de campanhas eleitorais se refere ao transporte dos próprios candidatos e pessoas que trabalham para a candidatura. “São considerados gastos eleitorais, sujeitos a registro e aos limites fixados nesta lei (…) despesas com transporte ou deslocamento de candidato e de pessoal a serviço das candidaturas”, especifica a Lei 9.504 de 1997 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Esse tipo de gasto [com o transporte de apoiadores para eventos] não está autorizado porque não é previsto em qualquer resolução do TSE”, reforçou ao Comprova o advogado e especialista em direito eleitoral Alberto Rollo.

Assim, os ônibus, vans e demais veículos fretados para este fim devem ser pagos particularmente, como foi o caso do vídeo aqui investigado, conforme informação do diretório estadual do PT. Ao Comprova, representantes da legenda em Santa Catarina confirmaram que ônibus de outras cidades estavam no estacionamento próximo ao local do comício, mas que eles foram fretados pelos próprios apoiadores, com dinheiro próprio. “As pessoas se deslocaram por conta própria, de vários pontos do estado para Florianópolis, para participar do evento. Sem uso de dinheiro público”, diz a nota.

A informação de que o fretamento aconteceu a pedido de uma pessoa física, e não do partido, também foi confirmada pelo representante da empresa Nova Era ao Comprova.

Vídeo mostra estacionamento próximo ao local do evento com Lula em Florianópolis

O vídeo aqui analisado mostra alguns ônibus, com placas de diferentes municípios do estado de Santa Catarina, estacionados em um mesmo local. Nos segundos finais do vídeo, é possível ver que o estacionamento fica em uma avenida que passa por baixo de uma ponte em formato de arco. Em uma das pilastras da ponte há um grafite colorido.

Por meio de buscas no Google Maps foi possível confirmar que se trata de um estacionamento próximo ao local do comício do PT, que aconteceu na praça Tancredo Neves, no centro de Florianópolis. O estacionamento fica na Avenida Governador Gustavo Richard, na altura do nº 5.025, no Aterro da Baía Sul. A distância entre o estacionamento e a praça onde ocorreu o evento é de 400 metros a pé, conforme calculado pelo mapa.

| Print dos segundos finais do vídeo no Twitter.

| Print do Google Maps.

A autora do vídeo

O vídeo aqui analisado foi postado por um perfil do Twitter de nome “Elisa Brom”. Na postagem, é possível ver que o vídeo original foi publicado por um outro perfil (“Jornalismo João”) e que, sobre as imagens, há uma marca d’água com o nome “@joaovitorsantostv”. O perfil “Jornalismo João” fez a postagem no último dia 18 de setembro com a legenda: “O real motivo de público no ato de Lula em Florianópolis”.

Em contato com o Comprova, o responsável pelo perfil, João Vitor Santos, disse que “o vídeo foi gravado por uma mulher que compartilhou a filmagem nas redes”. Santos afirmou que as imagens são verdadeiras e que foram feitas na região do Aterro da Baía Sul, em Florianópolis. Segundo ele, a intenção da sua publicação era “mostrar que o público não era só de Florianópolis e sim de várias regiões do estado”.

A partir de buscas nas redes sociais, o Comprova conseguiu identificar a autora do vídeo original, que fez uma série de postagens com vídeos do mesmo estacionamento no Twitter, por meio do perfil “Adriana Assing”. No primeiro dos vídeos publicados por sua conta, ela diz que está fazendo as filmagens para mostrar a quantidade de ônibus de outras localidades que vieram para o evento em Florianópolis. No Twitter, Assing se apresenta como bolsonarista e frequentemente faz postagens de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

Por meio de buscas no Google, o Comprova encontrou uma publicação do Aos Fatos de abril de 2022, que verificou um vídeo publicado pelo mesmo perfil, mas em seu canal no YouTube. No vídeo, Adriana Assing afirmava que o título de eleitor de sua mãe havia sido cancelado recentemente pela Justiça Eleitoral, o que não era verdade.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizam na internet e estão relacionados com as eleições presidenciais, a realização de obras públicas e a pandemia. A equipe tem como foco as publicações virais, que tiveram grande alcance nas redes sociais e podem confundir a população. Durante o período que antecede as eleições no Brasil, muitos conteúdos estão sendo divulgados com o objetivo de tumultuar o processo. Estes conteúdos podem influenciar na decisão de eleitores brasileiros. A população deve escolher seus candidatos com base em informações verdadeiras e confiáveis.

Outras checagens sobre o tema: Em relação a participação de candidatos em atos de campanha, o Comprova mostrou em checagens anteriores que é falso que homem disfarçado de mendigo tentou matar Bolsonaro com faca, que também é falso que Lula defendeu o nazismo e o fascismo em evento do PT em 2017, como afirma vídeo. Também verificamos que um vídeo que edita fala de Lula para afirmar que ele chamou apoiadores de vagabundos e traficantes e outro vídeo que mente ao afirmar que militares fizeram ataque a petistas durante desfile de 7 de Setembro.

Eleições

Investigado por: 2022-09-22

Vídeo mostra pastor em encontro com Bolsonaro, e não o presidente da Coreia do Sul

  • Falso
Falso
É falsa publicação afirmando que o presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, teria feito uma oração e entregue presentes para Jair Bolsonaro (PL), atual presidente do Brasil e candidato à reeleição. Na verdade, as imagens mostram o pastor sul-coreano Ock Soo Park, que se encontrou com Bolsonaro em 7 de junho de 2022, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Conteúdo investigado: Vídeo mostra reunião entre Bolsonaro e emissários sul-coreanos, que dão diversos presentes ao presidente. A postagem indica que o homem nas imagens seria o presidente da Coreia do Sul. Além disso, a publicação também recomenda aos leitores pesquisar a sede do Instituto Ipec. Isso é uma menção a postagens que acusam erroneamente a empresa de pesquisas de ter o mesmo endereço do Instituto Lula.

Onde foi publicado: Instagram, Twitter, Youtube, Kwai e TikTok.

Conclusão do Comprova: É falsa a postagem no Twitter sugerindo que o presidente da Coreia do Sul deu presentes ao presidente Jair Bolsonaro (PL) em encontro presencial e que, além disso, teria feito uma oração pelo brasileiro.

Na verdade, o homem que aparece nas imagens é o pastor sul-coreano Ock Soo Park. Ele veio ao Brasil para participar da Conferência Mundial do Congresso de Líderes Cristãos (CLF). Em seu site pessoal, não há menções a cargos exercidos no governo da Coreia do Sul. O atual presidente do país asiático é Yoon Suk-yeol, que iniciou seu mandato em 10 de maio de 2022.

No dia 7 de junho, Park e outros membros de sua comitiva se encontraram com Bolsonaro. O momento foi transmitido no Facebook de Bolsonaro e consta na agenda oficial do presidente. O vídeo já foi verificado por outras agências de checagem, que identificaram o mesmo conteúdo em outras redes sociais.

O Comprova considera falso qualquer conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma falsidade.

Alcance da publicação: Até o dia 22 de setembro, a postagem no Twitter tinha 162 compartilhamentos e 644 curtidas. Este conteúdo foi enviado ao Comprova por leitores por meio do nosso número de WhatsApp, o (11) 97045-4984.

O que diz o autor da publicação: O Comprova procurou a autora da publicação, identificada como Mayranne de Almeida Bandeira, por meio de mensagens diretas no Twitter. Não houve resposta até a publicação desta verificação.

Mayranne indica que faz parte da Secretaria de Comunicação (Secom) do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). O mesmo nome consta no cargo de primeira secretária geral do diretório do partido na Paraíba e secretária de comunicação na executiva nacional da legenda.

José Ronald Vieira Sales Junior, atual presidente do diretório paraibano do partido, confirmou que a mulher fazia parte da área de comunicação do partido no estado. Entretanto, segundo ele, Mayranne Almeida deixou o diretório do PTB em maio deste ano depois de um processo de reformulação na equipe que integrava a legenda na região. Sales Junior ressaltou que não possui informações sobre Mayranne e que não sabe se ela ainda participa das ações nacionais do PTB.

Diante disso, o Comprova procurou o diretório nacional da legenda, que informou: “A Mayranne já foi funcionária da Comunicação do PTB, mas está desligada do cargo desde maio. Ela não responde pelo PTB desde então”.

Como verificamos: A pesquisa no Google com as palavras-chave “Bolsonaro”; “reunião” e “Coreia do Sul” retornou para verificações sobre o mesmo vídeo feitas por outras agências de checagem (Aos Fatos, Boatos, Estadão Verifica e AFP Checamos).

Também foram consultados o site oficial do pastor sul-coreano Ock Soo Park e a página da Presidência da República do Brasil com a agenda oficial.

Pastor sul-coreano

Ao contrário do que sugere a postagem, a pessoa que aparece ao lado de Bolsonaro não é o presidente da Coreia do Sul. Trata-se do pastor Ock Soo Park, que veio ao Brasil para participar da Conferência Mundial do Congresso de Líderes Cristãos, realizada entre os dias 6 e 8 de junho deste ano. A participação dele foi confirmada nas redes sociais do evento.

No site pessoal de Ock Soo Park, aparece que ele atualmente é pastor da igreja Good News Gangnam e conselheiro da International Youth Fellowship (IYF). Não há menções a cargos exercidos no governo da Coreia do Sul na seção que descreve a carreira do pastor.

O atual presidente da Coreia do Sul é Yoon Suk-yeol. Ele foi eleito em 9 de março deste ano, como candidato do Partido do Poder Popular (PPP), e foi empossado em 10 de maio.

Reunião com Bolsonaro

O vídeo mostra trecho da transmissão ao vivo compartilhada no perfil oficial de Bolsonaro no Facebook, em 7 de junho. O encontro aconteceu no Palácio do Planalto, em Brasília, e consta na agenda oficial do presidente para a tarde daquele dia.

O pastor ainda se encontrou com membros da Frente Parlamentar Evangélica na Câmara dos Deputados. Entre os presentes, estavam o vice-presidente da Casa, Lincoln Portela (PL-MG), os deputados Soraya Manato (PTB-ES) e Coronel Tadeu (PL-SP), e também o senador Marcos Rogério (PL-RO).

Ock Soo Park entrega presentes para o presidente e para membros da sua família, como a primeira-dama Michelle Bolsonaro. Na transmissão, ele também faz uma oração para Bolsonaro.

Endereço do Instituto Ipec

Na postagem verificada pelo Comprova, a autora também recomenda aos leitores pesquisar a sede do Instituto Ipec. Recentemente, conteúdos falsos afirmavam que a sede da empresa de pesquisa eleitoral funcionava dentro do Instituto Lula.

O Comprova já verificou a informação. A organização do ex-presidente está situada na rua Pouso Alegre, no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Já o instituto de pesquisa tem sede na avenida Paulista, no bairro da Bela Vista, também na capital paulista. As duas sedes ficam distantes cerca de cinco quilômetros uma da outra.

A confusão pode acontecer porque as duas instituições tiveram a mesma sigla inicialmente, conforme explicado pela assessoria do ex-presidente Lula. “Ipec era o primeiro nome do Instituto Cidadania, que depois virou Instituto Lula.”

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos que viralizaram nas redes sociais sobre a pandemia, as eleições presidenciais e políticas públicas do governo federal. Conteúdos enganosos, com informações erradas e fora de contexto, sobre candidatos podem alterar a percepção de eleitores sobre determinado político e suas ações.

Outras checagens sobre o tema: Aos Fatos, Boatos, Estadão Verifica e AFP Checamos também verificaram postagens com o vídeo.

Recentemente, o Projeto Comprova mostrou que vídeo foi manipulado para mostrar Bolsonaro à frente em pesquisa do Ipec; que fala em apoio a Bolsonaro foi feita por jornalista argentino e não por embaixador, como afirma vídeo, e que não é Fabio Assunção em vídeo de apoio a Bolsonaro e com críticas ao PT e à esquerda.