Verificação

Investigado por:2020-04-16

Liberação de uso da cloroquina pela agência reguladora de alimentos e drogas dos EUA não é para todos os pacientes

  • Falso
Falso
Ao contrário do que afirma um texto que viralizou no WhatsApp e no Facebook, a agência reguladora de alimentos e drogas dos Estados Unidos (FDA), não liberou o uso de cloroquina e hidroxicloroquina em todos os pacientes com covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. E também é falso que a Novartis tenha anunciado a existência de estudos que comprovam que esses dois medicamentos “matam” o vírus

Não é verdade que a agência reguladora de alimentos e drogas dos Estados Unidos tenha liberado o uso de cloroquina e hidroxicloroquina em todos os pacientes com covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Também é falso que a empresa farmacêutica Novartis tenha anunciado a existência de estudos que comprovam que esses dois medicamentos “matam” o vírus. Essas alegações estão em um texto que viralizou em grupos de WhatsApp e no Facebook.

Em 28 de março, a Food and Drug Administration (FDA) emitiu uma autorização de uso emergencial de sulfato de hidroxicloroquina e fosfato de cloroquina em alguns pacientes hospitalizados com a covid-19. A agência permitiu a distribuição desses medicamentos para prescrição para adultos e adolescentes com peso acima de 50 quilos “conforme seja apropriado, enquanto um experimento clínico não estiver disponível ou não for viável”. A indicação de uso deve ser feita por um prestador de serviços médicos licenciado pela agência. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda não há remédio ou vacina comprovadamente eficaz contra a covid-19.

Em um documento de perguntas e respostas sobre o assunto, a FDA esclarece que o uso de cloroquina e hidroxicloroquina não é aprovado para tratar infecções pelo novo coronavírus. Até agora, o uso aprovado para esses medicamentos é no tratamento de malária, lúpus e artrite reumatoide. A OMS faz a mesma recomendação.

A autorização de uso emergencial dos dois remédios permanecia válida até a publicação desta checagem.

O texto compartilhado nas redes sociais afirma ainda que o CEO da farmacêutica Novartis, Vasant Narasimhan, “anunciou que já tem em mãos os resultados de pesquisas que comprovam que a hidroxicloroquina mata o vírus”. A assessoria de imprensa informou ao Comprova por e-mail que a informação está distorcida. A Novartis esclareceu que Narasimhan “comentou que em estudos pré-clínicos o resultado foi promissor, mas não afirmou sobre o resultado final sobre os estudos de hidroxicloroquina”.

A companhia anunciou a doação de 130 milhões de doses de hidroxicloroquina “para apoiar a resposta global à pandemia da covid-19”. A farmacêutica informou estar desenvolvendo um protocolo para um estudo clínico avaliar a segurança e eficácia do uso do medicamento em pacientes da doença.

O Comprova verificou um conteúdo recebido por WhatsApp e compartilhado também em diversos perfis pessoais e páginas no Facebook e no Twitter,.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

O Comprova consultou a página oficial da FDA e entrou em contato com a assessoria de imprensa da Novartis no Brasil. A reportagem também acessou o site oficial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O que significa a autorização de uso emergencial da FDA

De acordo com a FDA, o uso emergencial permite a facilitação do acesso a “medicamentos, produtos biológicos, vacinas e dispositivos médicos” que podem ser usados para “diagnosticar, tratar ou prevenir uma doença ou condição grave durante uma emergência de saúde pública”.

Os produtos autorizados não necessariamente são aprovados pela FDA para uso. ”Esta autorização é reservada para situações de emergência e NÃO é o mesmo que aprovação ou licenciamento da FDA”, informa a agência. Para decidir sobre o uso emergencial, a FDA considera que os benefícios conhecidos e potenciais do remédio superam seus riscos.

O que a Novartis anunciou sobre hidroxicloroquina

A empresa farmacêutica anunciou a doação de 130 milhões de doses do medicamento, e informou cooperar com governos e autoridades, inclusive a OMS , “para usar protocolos de tratamento padrão para pacientes hospitalizados”. De acordo com a companhia, a hidroxicloroquina é administrada como parte de um “regime terapêutico”, para evitar a “deterioração” de pacientes com a covid-19.

Em comunicado, a Novartis ressaltou que “embora os resultados iniciais dos estudos da utilização da droga em casos de covid-19 tenham sido promissores, ainda não há nenhum tratamento aprovado disponível e não endossamos o uso de nenhum de nossos produtos fora das especificações de seus respectivos registros”.

Qual o preço da cloroquina e da hidroxicloroquina

O texto cita o baixo custo como uma das vantagens dessa medicação. Segundo tabela da Anvisa, o preço máximo de venda de remédios com princípio ativo de hidroxicloroquina varia entre R$ 22,93 (caixa com 10 comprimidos fabricada pela EMS com alíquota de ICMS a 12%) e R$ R$ 180,15 (caixa com 60 comprimidos fabricada pela EMS com alíquota de ICMS a 20%).

Em remédios com princípio ativo de difosfato de cloroquina, o valor da caixa com 10 comprimidos produzida pela Cristália Químico vai de R$ 186,95 a R$ 205,64, dependendo da alíquota de ICMS em cada Estado.

Esses valores são superiores ao preço citado no texto, de US$ 4,65 por mês (R$ 24,37, em cotação do dia 15 de abril de 2020).

Quem é o autor do texto

O texto foi originalmente publicado pela página de Facebook “jornalista Elisa Robson” no dia 30 de março. Nesse perfil, ela se identifica como “jornalista da direita clássica, defensora do liberalismo econômico e conservadora nos valores da família, educação e cultura.”

No post original, Elisa cita como fontes os sites da FDA, da Novartis, e reportagens da Reuters, Forbes, Money Invest e Economic Times. No dia 11 de abril, ela editou a postagem para modificar a frase que falava que a FDA liberou a cloroquina para todos os pacientes da covid-19.

Em uma transmissão ao vivo no dia 13 de abril, ela comentou sobre a viralização do texto em grupos de WhatsApp e reclamou da cobertura da “imprensa fúnebre” sobre o novo coronavírus.

O nome completo de Elisa Robson é Elisângela Machado dos Santos de Freitas. Ela se candidatou a deputada federal nas eleições de 2018 pelo PRP. No ano passado, a Folha de S. Paulo revelou que Elisângela repassou ao próprio marido 59% dos recursos que recebeu do fundo eleitoral, um montante de R$ 14,9 mil.

Na época em que a reportagem foi publicada, ela era assessora parlamentar do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro. A jornalista foi exonerada após a repercussão do caso.

Viralização

Leitores do Comprova solicitaram a checagem deste conteúdo por WhatsApp (11 97795-0022). O post de Elisa Robson, feito no Facebook no dia 30 de março, teve 738 compartilhamentos. Dezenas de páginas também compartilharam essa informação no Facebook.

Aos Fatos e Agência Lupa também checaram esse conteúdo.