Verificação

Investigado por:2020-06-06

Hospitais não estão “provocando a morte” de pacientes

  • Enganoso
Enganoso
Vídeo que circula nas redes sociais afirmando que hospitais estariam “provocando a morte” de pessoas com outras doenças para poder registrá-las com covid-19 tem informações enganosas com o objetivo de desacreditar a gravidade da pandemia do novo coronavírus

É enganoso um vídeo publicado no Facebook afirmando que hospitais estariam “provocando a morte” de pessoas com outras doenças para poder registrá-las com covid-19.

No vídeo, uma mulher afirma que durante a internação no Hospital Casa Italiano, no Rio de Janeiro, foi submetida a procedimentos que não havia autorizado e que também recebeu medicamentos que não poderia tomar porque era alérgica. Ela ainda diz que foi privada de higiene, de contato com a família e que foi isolada em uma área destinada para pacientes com covid-19 mesmo sem ter diagnóstico da doença. Por fim, sugere que as pessoas que tenham sintomas e complicações da covid-19 não procurem hospitais e se tratem em casa.

Em nota, o diretor médico do Hospital Casa Italiano, Vitor Luiz Ferreira Gomes, informou que “as alegações que a paciente passa no vídeo em questão são mentirosas e falsas”. De acordo com o hospital, a mulher do vídeo realmente esteve internada no hospital entre os dias 12 e 19 de maio. Ela teve diagnóstico de covid-19 confirmado por exame RT-PCR e tomografia.

Ainda segundo o hospital, a mulher deixou o local sem ter recebido alta. A instituição alega não poder enviar os exames por se tratar do sigilo médico, apenas a paciente poderia fazer tal solicitação.

Na gravação, a mulher conta que, após deixar o hospital, recebeu a visita de um médico em casa, e que, dias depois, estava bem. O profissional é Raul de Amoedo Monteiro, que confirma o atendimento. Ele diz que não viu exames nessa visita e que não achou que os sintomas de febre e tosse pudessem ser de covid-19. Diagnosticou-a com resfriado e, por conta da idade da paciente, receitou antibióticos e expectorante.

De acordo com Monteiro, ela relatou que havia ficado nervosa no hospital porque viu pessoas passando muito mal e não estava se sentindo da mesma forma. “Ela estava muito ansiosa, e juntou com a perda da filha”, disse o médico. Ele refere-se à morte da filha de Luzia no dia 10 de maio por um infarto, um dia antes de ser internada – fato que ela conta no vídeo. A equipe assistencial do Hospital Casa Italiano também ressaltou que ela parecia nervosa por causa da perda da filha.

Ainda segundo Monteiro, dez dias depois de consultá-la em casa, Luzia foi a sua clínica, em uma consulta de retorno, e estava bem.

Por que investigamos?

O Comprova verifica conteúdos suspeitos que circulam nas redes sociais e alcançam grande audiência. Vídeos e declarações desacreditando a medicina e a ciência têm circulado nas redes, trazendo desinformação para a população e dificultando o controle do novo coronavírus. No vídeo em questão, há uma grave denúncia de que profissionais da saúde estariam “provocando a morte” de pessoas com outras doenças para diagnosticar de forma adulterada com covid-19″.

Além disso, Luzia Maria Medeiros Menezes, a senhora que aparece na gravação, é clara ao dizer que as pessoas não devem ir ao hospital: “Quem tiver seus parentes, não vá para o hospital. O hospital está matando do nada. Eu vi com esses olhos que a terra há de comer um dia, eu vi. Muita gente morrer sem ter nada”. A declaração vai contra recomendação médica e pode levar pessoas que estejam com sintomas a interpretarem que não devem buscar ajuda médica em hospitais – o que pode levar a complicações em caso de covid-19 e à morte.

Como afirmou por WhatsApp o Hospital Casa Italiano, que Luzia acusa de maus-tratos, “este tipo de postagem acaba por afastar as pessoas dos hospitais, e muitos poderão vir a óbito em casa como vem acontecendo, ao ficarem com medo de irem aos hospitais”.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado; que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos

Utilizando a ferramenta InVID, foi possível dividir o vídeo analisado em diversas fotografias. Em um determinado momento da filmagem, a mulher mostra uma pasta de exames que contém um nome. Utilizando um software simples de edição, como o Microsoft Paint, foi possível aproximar a imagem e identificar o nome dela. A legibilidade não era a adequada e não era possível compreende todos os sobrenomes da mulher, mas foi possível ler “Luzia Maria”.

Em uma busca simples na plataforma Twitter com os dizeres “Luzia Maria” foi possível encontrar o mesmo vídeo publicado por uma conta com apenas cinco seguidores. No texto do tuíte, constava que o nome da paciente era “Luzia Maria Medeiros Meneses”. Depois disso, uma busca no Google mostrou uma reportagem do jornal Extra, de 2016, que entrevistava uma “Luzia Maria Medeiros Menezes”, com a letra “z” no lugar da “s” no último sobrenome. A fotografia da reportagem era de uma mulher muito parecida com a que gravou o vídeo analisado.

Entramos em contato com a jornalista que escreveu a reportagem para o Extra para tentar obter mais informações, mas a repórter informou que não possuía mais detalhes sobre a mulher entrevistada. A partir deste ponto, como os indicativos mostravam que existia uma grande chance de as duas mulheres serem a mesma pessoa, partimos para uma busca manual no Facebook. Como o hospital em que ela se consultou ficava localizado no Rio de Janeiro, delimitamos a busca por pessoas que tinham marcado na rede social que viviam na capital fluminense.

Encontramos diversos perfis e, entre eles, um com uma fotografia com enorme similaridade com a Luzia que gravou o vídeo. Ao pesquisar nas publicações recentes, pudemos nos certificar que o vídeo pertence realmente à Luzia Menezes. Em 28 de maio, ela publicou o vídeo com a legenda: “Gente por favor me ajude a compartilhar esse meu testemunho até chegar em alguma autidsde (sic) [autoridade]

Paralelamente, procuramos os hospitais que Luzia cita no vídeo.

Entramos em contato com o Hospital São Vicente de Paulo por meio de sua assessoria de imprensa. A equipe de comunicação nos enviou resposta por meio de e-mail.

Conversamos por telefone com o diretor médico Vitor Luiz Ferreira Gomes, do Hospital Casa Italiano. Também ligamos para o médico Raul de Amoedo Monteiro, que atendeu Luzia em casa depois que ela deixou o Hospital Casa Italiano.

Ainda consultamos o protocolo de manejo clínico do Ministério da Saúde para verificar se as práticas descritas à reportagem condizem com as recomendações oficiais.

Verificação

Hospital São Vicente de Paulo

Luzia Maria Medeiros Menezes afirma, na filmagem, que foi atendida primeiramente no Hospital São Vicente de Paula. Na verdade, ela foi atendida no Hospital São Vicente de Paulo — e não Paula. Por e-mail, o hospital confirmou que ela esteve na instituição no dia 11 de maio. “Após exame clínico e alguns exames iniciais, ela ficou em observação em nossa emergência. Devido às suas queixas, a paciente foi submetida a exames complementares e nossa equipe recomendou internação para investigação da covid-19”, afirma o hospital. Como não existia vaga para internação na unidade, foi recomendado que ela procurasse outro hospital. Luzia foi, então, ao Hospital Casa Italiano.

Acusações contra o Hospital Casa Italiano

Na filmagem, Luzia Menezes faz diversas acusações contra o Hospital Casa Italiano, no Rio de Janeiro. Ela afirma que foi internada no isolamento como se tivesse covid-19. Em nota, o Hospital Casa Italiano afirmou que Luzia foi submetida ao teste para confirmar a presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o resultado foi positivo pelo método RT-PCR. O diretor médico da instituição, Vitor Luiz Ferreira Gomes, afirmou que o exame foi coletado no dia 12 de maio e que o resultado demorou seis dias para ficar pronto. Ainda de acordo com o médico, Luiza Menezes tinha uma saturação de oxigênio em torno de 60% (quando níveis normais são superiores a 95%) quando chegou ao hospital e exames realizados em outra instituição mostravam um comprometimento de 25% do pulmão — sinais compatíveis com a covid-19, que posteriormente foi confirmada.

No vídeo, Luiza Menezes ainda afirma que foi “cortada” e “retalhada” no pescoço, peito, virilha e braço. Em nota, o hospital afirmou que “os pacientes não são cortados como alegado” e que “pacientes graves necessitam de monitorização da pressão arterial (PAM), feitas por punção com critérios específicos pela equipe médica para controle do quadro, assim como medicações venosas, todos prescritos individualmente a critério médico no prontuário do doente”.

Luzia também acusa o hospital de falta de higiene, afirmando que ficou dias sem tomar banho e lavar a boca. Em nota, o hospital negou todas as acusações e afirmou que tem “cirurgiãs dentistas que visitam os pacientes para higiene oral reduzindo as infecções orais e pulmonares. Os pacientes recebem roupas adequadas para internação, banhos diários usando Drybath, além de lençóis e cobertores da hotelaria”, afirma a nota.

Na filmagem, Luzia ainda acusa o hospital de aplicar dois medicamentos (AAS e Berotec) mesmo com recusas e avisos de que seria alérgica. Em entrevista por telefone, o diretor médico da instituição afirmou que ela deixou de tomar dois medicamentos que constam do protocolo de atendimento porque se recusou. “Os medicamentos que ela informou serem alérgicos não foram ministrados. Isso está tudo no prontuário”, afirmou Vitor Luiz Ferreira Gomes.

A mulher também diz que o hospital “não tinha médicos, só enfermeiros” e que ficou isolada. Em resposta, o hospital disse que possui “médicos em todos os turnos que não saem do setor”. Também explicou que faz parte do protocolo o isolamento dos pacientes diagnosticados com covid-19 e que uma médica designada atualiza os pacientes diariamente com a evolução do quadro de saúde dos pacientes. O Protocolo de Manejo Clínico da covid-19 na Atenção Especializada orienta as instituições com pacientes infectados pelo novo coronavírus que suspendam as visitas.

Por fim, ela afirma que o hospital estaria “provocando a morte” de pessoas. Em nota, o Hospital Casa Italiano informou que foram registradas 14 internações, 7 altas e 3 óbitos por covid-19 no centro de tratamento intensivo (CTI) no período em que Luzia esteve internada.

O hospital afirmou, por telefone, que Luzia Menezes não teve alta médica e deixou o local à revelia, após assinar juntamente com o marido um termo de autorização.

Visita médica em casa

Na filmagem, Luzia Menezes afirma que conseguiu sair do Hospital Casa Italiano e foi para casa. De acordo com ela, o marido chamou um médico para consultar Menezes em casa. Em contato via WhatsApp, Luzia informou que o médico se chamava Raul Monteiro e atendia na clínica Promed, no Rio de Janeiro.

Por telefone, Monteiro confirmou que foi à casa da paciente, mas não achou que ela poderia estar com covid-19. Para ele, era um resfriado mas, por ser mais velha, achou melhor recomendar tratamento para pneumonia, receitando antibióticos e expectorante – “é melhor pecar por excesso do que por falta”. Segundo o médico, Luzia respondeu bem à medicação e foi à clínica dele para um retorno dez dias depois.

Confronto de versões

Ao ser questionada com as versões médicas, Luzia Menezes disse não concordar com nenhuma argumentação do Hospital Casa Italiano. “Não concordo com nada deles, vou morrer com a minha versão pois é real. Tenho a minha consciência limpa que tudo que falei é verdade”, afirmou por mensagem no WhatsApp. Luzia ainda disse que vai entrar em contato com uma advogada.

Voltamos a falar com o Hospital Casa Italiano depois de falar com Luzia e a instituição negou todas as acusações feitas pela mulher. Disse que elas “são mentirosas e falsas”. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, a instituição está estudando as medidas legais cabíveis e possui o prontuário médico como provas.

Estados recebem dinheiro por cada paciente diagnosticado com covid-19?

O vídeo com as queixas de Luzia viralizou e recebeu comentários adicionais. Uma mulher compartilhou o vídeo no Facebook e escreveu: “Eles querem números? Lembrem-se que cada paciente na UTI o estado recebe 4,5 mil (reais). Para políticos corruptos o dinheiro vale mais que a sua vida!”

A Portaria nº 568 do Ministério da Saúde, de 26 de março de 2020, autorizou a habilitação temporária de leitos de UTI para tratamento da covid-19 em estados e municípios pelo prazo inicial de três meses. A medida permite o repasse pelo governo federal de R$ 1,6 mil diários para pagar luz, serviço, pessoal, manutenção entre outros itens.

O Hospital Casa Italiano, no entanto, é uma instituição particular e não recebe esta compensação federal.

Contexto

Narrativas que contestam a real dimensão da pandemia são utilizadas para atacar medidas políticas de lockdown, isolamento social e fechamento do comércio. O Projeto Comprova já checou vídeos que mostravam covas abertas e nenhum enterro em um cemitério da capital paulista.

Outro boato utilizou o vídeo do corredor vazio de um hospital para dizer que o local não estaria atendendo pacientes com a covid-19. Um vídeo compartilhado para causar confusão falsamente afirmava que uma enfermeira teria sido demitida na Bahia por denunciar a falta de pacientes em seu local de trabalho.

Conteúdos que contestam as mortes por causa do novo coronavírus viralizam facilmente por conta da indignação e do medo da população. Uma corrente falsa de whatsapp utilizou dados falsos de óbitos por covid-19 para erroneamente dizer que teriam morrido menos pessoas no começo de 2020 em comparação ao mesmo período de 2019.

Alcance

O vídeo foi compartilhado na quinta-feira, 28, pelo perfil pessoal de uma, amiga de Luzia e foi visto mais de 112 mil vezes até a publicação dessa verificação. Outra postagem do vídeo um dia depois foi compartilhada 67 mil vezes e foi visto mais de 1,2 milhão de vezes.