Investigado por:2018-10-04

General Mourão não propôs o confisco da poupança

É falsa a informação de que o general Hamilton Mourão (PRTB), candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro (PSL), propõe o confisco da poupança caso a chapa vença a eleição deste ano.

O boato se espalhou depois de o “Blog da Cidadania” publicar no último dia 28 de setembro um texto que reproduz, com o título errado, uma reportagem do dia anterior feita pela “Folha de S. Paulo” sobre uma palestra de Mourão na Câmara dos Dirigentes Lojistas de Uruguaiana (RS).

A reportagem da Folha tem o título “Mourão propõe renegociar os juros da dívida do governo” e não faz nenhuma menção à poupança. No entanto, o “Blog da Cidadania” publicou a reportagem mudando o título para “Mourão também propõe o confisco da poupança” sem que o próprio texto do blog apresentasse a suposta proposta do general.

O projeto Comprova fez buscas no Google e no YouTube com as palavras “Mourão”, “poupança” e “confisco” e não encontrou nada que confirmasse a suposta declaração do candidato a vice-presidente.

No plano de governo de Bolsonaro, a palavra “poupança” é citada somente uma vez e com o sentido oposto ao do boato. O trecho diz o seguinte: “Seu celular, seu relógio, sua poupança, sua casa, sua moto, seu carro, sua terra são os frutos de seu trabalho e de suas escolhas! São sagrados e não podem ser roubados, invadidos ou expropriados!”.

A assessoria de imprensa de Mourão afirmou, por telefone, ao Comprova que o general nunca deu qualquer declaração sobre confisco de poupança.

Posts no Twitter fazendo menção ao boato tiveram mais de mil retuítes. O material chegou a ser tuitado nesta quarta-feira, 3 de outubro, pelo deputado federal Henrique Fontana (PT-RS). No Facebook, a postagem do “Blog da Cidadania” com o falso título teve 1.500 compartilhamentos.

O Comprova também já verificou e desmentiu um boato que atribuía ao PT e ao candidato Ciro Gomes (PDT) a intenção de confiscar a poupança.