Investigado por:2018-08-13

Cabo Daciolo foi a lançamento de biografia de Karl Marx

Uma foto que circula em grupos de WhatsApp mostra o candidato a presidente Cabo Daciolo, do Patriota, segurando uma biografia de Karl Marx. A foto, que é verdadeira, está sendo usada para sugerir sua ligação com doutrinas e partidos de esquerda, algo que de fato marcou o início de sua carreira política.

Daciolo foi eleito deputado federal pelo PSOL do Rio de Janeiro em 2014, após ter ajudado a liderar a greve de bombeiros no Estado, e expulso do partido no ano seguinte.

O homem que aparece ao lado de Daciolo na foto é Cyro Garcia, presidente do PSTU-RJ e pré-candidato ao Senado. Ele confirmou o episódio e a veracidade da foto ao Comprova.

“Eu o conheci na época da greve dos bombeiros, em 2011, o movimento contou com a ampla solidariedade do PSTU, foi criada uma estreita relação com o Cabo Daciolo, por causa da sua liderança numa luta importantíssima”, disse Garcia. “Posteriormente, o Cabo Daciolo viria a se filiar ao PSOL e eventualmente ser expulso do partido por suas posições – abrindo um fosso político entre aquilo que nos aproximou e suas novas convicções. Porém, mesmo na época, chamá-lo de ‘marxista’ seria uma forçação de barra.”

Daciolo não respondeu a questionamentos enviados por jornalistas do Comprova, mas confirma a veracidade do episódio em um vídeo postado no Facebook, no qual mostra o exemplar do livro que ele obteve na ocasião, “Karl Marx – A história de sua vida”, de Franz Mehring (Ed. Sundermann – 2013). A foto foi tirada em um evento de lançamento do livro promovido pelo PSTU no Rio em 15 de agosto de 2013. Nós não conseguimos identificar o autor da foto.

No vídeo, Daciolo afirma que recebeu espaço para falar publicamente no evento e aproveitou a oportunidade para discursar sobre religião.

“Eu lembro que eu falei de Jesus para todas aquelas pessoas”, disse. “O pai de Karl Marx era cristão. Karl Marx foi criado no berço ouvindo a palavra de Jesus Cristo. Faltou alguém ali falando algo para ele, porque ele desviou em determinado caminho.”

Os desentendimentos de Daciolo com o PSOL tiveram auge no final de 2014, quando relatos de seus discursos com ideais religiosos e militaristas começaram a incomodar as lideranças do partido.

Em entrevista à Carta Capital em dezembro de 2014, o deputado federal Chico Alencar, também do PSOL-RJ, afirmou que “essas declarações, que evidentemente não têm a mínima identificação com o PSOL, nos surpreenderam”. A expulsão de Daciolo do partido ocorreu alguns meses depois.

Em sua declaração mais recente tratando do assunto, Daciolo afirmou que havia se filiado ao PSOL por acreditar que essa fosse uma vontade divina:

“Eu estava no monte, e Deus falou para mim assim: Meu filho, eu vou te colocar naquele partido lá, não quero você em nenhum outro partido, eu quero você no PSOL”, disse, em entrevista à Gazeta do Povo. “Eu fui para o PSOL para pregar. Preguei no PSOL e depois eles me expulsaram porque eu botei que todo o poder não emana do povo e sim de Deus.”