Eleições

Investigado por:2021-05-20

Vídeo enganoso de 2018 volta a circular para desacreditar Datafolha

  • Enganoso
Enganoso
Três dias após Datafolha mostrar pesquisa eleitoral com Lula à frente de Bolsonaro, uma página no Facebook que apoia o atual presidente publicou um vídeo de 2018 em que um homem tenta desacreditar o instituto de pesquisa porque o funcionário não o deixou ler as perguntas. Como o Comprova já havia verificado à época, o vídeo é enganoso pois o pesquisador apenas seguiu os procedimentos do instituto, que não permitem a leitura prévia para não sugestionar os participantes.
  • Conteúdo verificado: Página de apoio a Jair Bolsonaro no Facebook publicou um vídeo antigo para desacreditar a pesquisa Datafolha que mostrou o atual presidente atrás de Lula em uma eventual disputa eleitoral.

Um vídeo de 2018 em que um homem critica o Datafolha por ter sido proibido de ler as perguntas da pesquisa engana ao questionar a credibilidade do instituto, sem esclarecer que se trata de uma gravação antiga. Postada no perfil Força Patriótica, de apoio a Jair Bolsonaro (sem partido) no Facebook, a gravação voltou a circular nas redes sociais em 15 de maio deste ano, três dias após a Folha publicar resultado de pesquisa eleitoral que mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) liderando a corrida com 55% no segundo turno, contra 32% de Bolsonaro.

“Foi anulada a pesquisa Datafolha porque foi negada a informação de eu ler as perguntas. (…) Aí, como é que eu posso dar credibilidade a uma pesquisa que eu não posso ler as perguntas?”, afirma o autor da gravação, feita, conforme o Comprova verificou em 2018, entre os dias 6 e 7 de junho daquele ano, no Rio de Janeiro. 

O colaborador do instituto agiu corretamente, já que, como foi informado à época, “os procedimentos de campo seguidos pelos profissionais do Datafolha não permitem que os entrevistados leiam as perguntas antes para evitar estímulos não previstos quando da elaboração da pesquisa”. Ainda de acordo com o instituto, os entrevistados nunca têm acesso ao questionário aplicado por meio de tablet.

Procurado pelo Comprova, Rui Cosmedson, responsável pelo perfil Força Patriótica, afirmou que recebeu o vídeo e publicou. “Apenas submetemos à análise de nosso público.” Após ser avisado sobre o conteúdo enganoso, ele complementou a legenda afirmando que a gravação é de 2018 e “não reflete a situação atual”, dando o link para a verificação daquele ano do Projeto Comprova.

Como verificamos?

O primeiro passo foi recuperar a verificação sobre o mesmo vídeo feita pelo Comprova e publicada em 23 de agosto de 2018. A equipe também analisou o resultado da pesquisa eleitoral do Datafolha realizada recentemente, dias antes de o vídeo voltar a circular.

Para saber a regulamentação sobre registros de pesquisas eleitorais, também contatamos, por telefone e e-mail, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e, por telefone, entrevistamos o especialista em Direito Eleitoral e Constitucional Acácio Miranda da Silva Filho e o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino. 

Posteriormente, o Comprova entrou em contato com o perfil que postou o vídeo novamente, que respondeu por WhatsApp.

Verificação

O vídeo

Conforme o Comprova verificou em 2018, o vídeo foi gravado entre os dias 6 e 7 de junho daquele ano, no Rio de Janeiro. O homem que faz a gravação se identifica como Fábio Figueiredo e questiona a credibilidade de uma pesquisa do Datafolha por ter sido proibido de ler as perguntas antes de respondê-las.

“O rapaz aqui do Datafolha está fazendo um questionário sobre eleição presidencial e eu não posso ler as perguntas no tablet dele”, diz o autor da gravação. “Eu vou respondendo aqui e ele vai clicando, e eu não sei o que ele está clicando… Como é que eu posso dar credibilidade a um cidadão desse que faz uma pesquisa dessa?”

Ele pede para que o pesquisador, que esconde o rosto atrás de um papel, mostre a cara e, posteriormente, diz: “É uma pena, senhores. Podem crer, não deem informação para o Datafolha; provavelmente, é tudo fraudado”. No fim do vídeo, ele afirma: “Esse é o Brasil que a gente vive. Mas, vamos lá, galera, Bolsonaro neles”.

Como informado acima, o vídeo foi feito em junho de 2018 e, antes de voltar a circular em 2021, viralizou em 22 de agosto de 2018, um dia depois de pesquisa Datafolha mostrar Lula à frente dos outros candidatos.

Pesquisa Datafolha de 2021

O vídeo de 2018 e a legenda que o acompanha na postagem de 15 de maio de 2021 feita por um perfil de apoio a Bolsonaro tentam descredibilizar o Datafolha dias depois de uma  pesquisa do instituto, realizada nos dias 11 e 12 de maio de 2021, mostrar o ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva na liderança do ranking de intenções de voto para o 1º e 2º turnos das eleições presidenciais de 2022. 

O levantamento foi realizado com 2.071 pessoas, de forma presencial, em 146 municípios, nos dias 11 e 12 de maio. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

A pesquisa aponta que no 1º turno Lula teria 41% dos votos e Jair Bolsonaro 23%, ambos disparados em relação aos possíveis demais candidatos.  

Os entrevistados também foram questionados sobre eventuais cenários de 2º turno, nos quais Bolsonaro perderia para Lula, Ciro Gomes (PDT) e João Doria (PSDB), atual governador de São Paulo. O estudo aponta também que Lula ganharia contra todos os candidatos com vantagem.

Na disputa entre Lula e Jair Bolsonaro, o candidato petista ganharia com 55% contra 32% dos votos. 11% responderam que votariam em branco ou nulo e 2% não souberam responder.

Veja abaixo o resultado das outras apurações de 2º turno feitas pelo Datafolha:

  • Lula (53%) x Sergio Moro (33%). Brancos e nulos (13%), não sabe (1%)
  • Lula (57%) x João Doria (21%). Brancos e nulos (20%), não sabe (2%)
  • Jair Bolsonaro (36%)  x Ciro Gomes (48%). Brancos e nulos (15%), não sabe (2%)
  • Jair Bolsonaro (39%) x João Doria (40%). Brancos e nulos (20%), não sabe (2%)

Registro

A pesquisa Datafolha de intenção de voto para presidente nas eleições de 2022 foi divulgada no dia 12 de maio de 2021. O Comprova apurou que o levantamento não possui registro no Tribunal Superior Eleitoral porque a legislação determina que os registros desse tipo sejam feitos somente nos anos com realização de votações no país, o que não acontecerá em 2021. Portanto, não há regulamentação de pesquisas fora do período eleitoral.

A equipe de verificação confirmou a informação por telefone e e-mail com a assessoria de imprensa do Tribunal Superior Eleitoral.

O Comprova também procurou o especialista em Direito Eleitoral e Constitucional Acácio Miranda da Silva Filho, que informou em entrevista, por telefone, que as pesquisas realizadas fora do período eleitoral não se submetem às mesmas regras da legislação que vigora nos anos com eleições. Segundo o advogado, geralmente a data considerada como “período eleitoral” é estabelecida e divulgada na última semana do ano que antecede a votação. 

Segundo o TSE,  para as eleições em 2020, a regra que exige o registro começou a valer no dia 1º de janeiro e foi disciplinada pela Resolução nº 23.600/2019. O tribunal informou à equipe do Comprova que ainda não tem uma data definida para registro de pesquisas para 2022.  

A equipe de checagem encontrou no site do Datafolha informações sobre os registros das pesquisas. O instituto esclarece que: “em todos os anos eleitorais, a partir do dia 1º de janeiro, os institutos devem fazer o registro das pesquisas presidenciais no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e, no caso de pesquisas estaduais, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de cada Estado. Esse registro deve conter informações sobre quem contratou a pesquisa, o valor e a origem dos recursos necessários, a metodologia utilizada e o período de realização, entre outros dados. A pesquisa deve ser registrada na Justiça Eleitoral até cinco dias antes de sua divulgação”.

Por telefone, o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, explicou que todos os levantamentos feitos pelo instituto seguem o mesmo padrão, mesmo quando feitos fora do período eleitoral. Paulino também esclareceu que esta edição da pesquisa foi encomendada pelo jornal Folha de S.Paulo. 

Assim como o Comprova verificou em 2018, a metodologia da pesquisa não permite que os entrevistados leiam as perguntas antes para que o resultado seja considerado válido. De acordo com o site do Datafolha, “o questionário é o principal instrumento das pesquisas e a ordem das perguntas pode influenciar as respostas dos entrevistados”. Paulino reforça que essa regra continua valendo. 

O Comprova consultou o documento completo sobre a pesquisa de maio de 2021, disponível no site do instituto e verificou a metodologia utilizada. A pesquisa quantitativa com abordagem pessoal ouviu 2071 pessoas com 16 anos ou mais em 146 municípios brasileiros entre os dias 11 e 12 de maio de 2021.  Conforme consta no arquivo, “a margem de erro máxima para o total da amostra é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.”

As perguntas do questionário aplicado, durante cerca de 25 minutos, também estão disponíveis. Os entrevistados deveriam responder: 

  • Em outubro do ano que vem haverá eleição pra presidente. Em quem você pretende votar para presidente em 2022? 
  • Alguns nomes já estão sendo cogitados como candidatos a presidente em 2022. Se a eleição para presidente fosse hoje e os candidatos fossem estes (MOSTRE CARTÃO 1), em quem você votaria? 
  • Em quais desses possíveis candidatos (MOSTRE CARTÃO 1) você não votaria de jeito nenhum no primeiro turno da eleição para presidente da República em 2022. E qual mais? 

Os perfis das amostras com dados sobre sexo, escolaridade, renda familiar, ocupação, religião e cor podem ser acessados no mesmo arquivo. 

Nos períodos eleitorais as pesquisas devem seguir as regras que constam na lei de número 9.504, de 30 de setembro de 1997. O detalhamento das normas adotadas nas últimas eleições foi publicado no site do TSE.

Silva Filho, advogado consultado pelo Comprova, esclarece que em caso de suspeitas de fraude,  eleitores ou políticos podem contestar as pesquisas nas Justiças Eleitoral e Comum ou por meio de denúncia ao Ministério Público Eleitoral, órgãos que farão a análise dos questionamentos.

O TSE informou que “a Justiça Eleitoral não realiza qualquer controle prévio sobre o resultado das pesquisas, tampouco gerencia ou cuida de sua divulgação, atuando conforme provocada por meio de representação”.

O post de agora

O vídeo foi postado na página Força Patriótica em 15 de maio de 2021. O perfil se descreve como “uma organização democrática, patriótica, nacional, com base na democracia participativa e visa a restauração da ordem, a defesa da democracia, a preservação do estado de direito e o resgate da dignidade nacional”. 

O responsável pela página, de apoio a Bolsonaro, é Rui Cosmedson. Em entrevista à Folha em 2017, ele disse acreditar que 1964 “foi mais revolução do que ditadura”, com, no máximo, “exageros e abusos por parte de indivíduos.”

Contatado pelo Comprova por e-mail e WhatsApp, ele disse que recebeu o vídeo e pediu que os seguidores da página opinassem sobre o conteúdo – ele pede a opinião dos seguidores em vários posts. “Em nenhum momento, afirmamos concordar com o conteúdo ou atestamos a veracidade do mesmo; apenas submetemos à análise de nosso público”, disse ele à equipe.

Em seguida, ele afirmou que deixaria um alerta para os seguidores. Modificou a legenda do vídeo para “Pesquisa Datafolha. Dê sua opinião sobre isso. Conforme nos foi informado pelo grupo Folha, esse vídeo é de 2018 e não reflete a situação atual”.

Por que investigamos?

Em sua 4ª fase, o Comprova checa conteúdos possivelmente falsos ou enganosos sobre a pandemia ou o governo federal que tenham alcançado alto grau de viralização.

O post com o vídeo verificado aqui teve 802 mil visualizações no Facebook, além de 50 mil compartilhamentos até a tarde de 20 de maio. Nos últimos anos, conteúdos falsos ou enganosos a respeito do processo eleitoral se proliferaram de maneira intensa nas redes sociais e em aplicativos de mensagens, como WhatsApp e Telegram. O debate sobre a credibilidade do sistema eleitoral e das pesquisas é legítimo, mas de modo a promover avanços deve ser baseado em eventuais problemas concretos, o que não é o caso do vídeo verificado aqui. Criado em 1983, o Datafolha tem papel importante não só em levantamentos eleitorais, mas também sobre a opinião do brasileiro em relação a temas como pandemia e fome, dentre tantos outros.

Como já informado, o vídeo foi verificado pelo Comprova há três anos. E, na semana passada, a Folha publicou verificação semelhante, sobre vídeo também de 2018 em que jovem afirmava, erroneamente, que pesquisador do Datafolha teria se recusado a entrevistá-lo por ele ser eleitor de Bolsonaro –o Estadão Verifica também checou o assunto.

Enganoso, para o Comprova, é conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.