Verificação

Investigado por:2020-04-17

Vídeo é usado fora de contexto para relacionar ação da PM em São Paulo à pandemia de covid-19

  • Enganoso
Enganoso
Imagens foram gravadas em dezembro de 2019 e mostram abordagem da PM a homem que agrediu companheira, e não investida contra idoso que caminhava na rua

É enganoso o vídeo que circula nas redes sociais acompanhado de um texto sobre um idoso que estaria sendo agredido por policiais militares de São Paulo por estar apenas caminhando na rua. O conteúdo, que viralizou em 14 de abril, foi retirado de contexto. As imagens foram captadas e publicadas no Facebook pela primeira vez no dia 3 de dezembro de 2019, antes do primeiro caso de covid-19 no Brasil. Não há qualquer relação do vídeo com a pandemia, ao contrário do que diz o texto que acompanha as postagens sobre essa ser uma medida adotada pela “Ditadura TraiDoria”. O governador João Doria (PSDB) defende o isolamento social e já cogitou prender aqueles que desobedecerem as regras.

O Comprova confirmou a data da publicação com a responsável pela filmagem. A gravação do vídeo foi feita na Avenida Pedro Machado, na cidade de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, as imagens foram feitas quando dois policiais militares tentavam deter um homem acusado de agredir a companheira em um posto de combustível. Um Inquérito Policial Militar (IPM) foi Instaurado para apurar a conduta dos profissionais no ato da prisão. A investigação foi finalizada, e o inquérito foi encaminhado ao Tribunal de Justiça Militar (TJM).

Enganoso para o Comprova é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado; que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos

O Comprova entrou em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. O órgão afirmou, em nota, que o homem havia sido encontrado em casa, depois de agredir a esposa, e reagido à prisão.

Para buscar a publicação original do vídeo, o Comprova usou a ferramenta InVID e extraiu um frame do vídeo postado em uma página do Facebook no último dia 14 de abril. Com ele, realizando uma busca reversa no Google, a equipe chegou a outro material, publicado na página Plantão Cariri em 3 de dezembro de 2019. A postagem estava acompanhada do texto: “aconteceu na Av Pedro Machado.!!! PM…. a saga continua.!!!”.

A partir da localização, por meio do Google Street View, foi identificada a residência de onde as cenas foram gravadas. No portão do imóvel, havia um banner – que também aparece no vídeo – com um telefone para serviços de manicure e pedicure. O Comprova entrou em contato com a proprietária do número.

Em uma conversa no Whatsapp, ela confirmou a autoria da gravação e disse que postou o vídeo em seu perfil do Facebook em 3 de dezembro de 2019. Segundo a autora, o material permaneceu no ar por uma semana, mas foi retirado depois da repercussão negativa.

Contexto: Doria falou em “medidas rígidas”

O vídeo passou a circular novamente nas redes sociais, nos últimos dias, com legendas enganosas afirmando que os policiais militares teriam agredido um idoso que caminhava na rua em São Paulo. O boato é motivado por declarações recentes do governador João Doria, de que poderia tomar medidas mais rigorosas, como aplicação de multa e até prisão, caso a população não cumprisse as regras do isolamento social no feriado de Páscoa e na semana seguinte.

“Se não elevarmos esse nível, que hoje é de 50%, para mais de 60% e caminharmos para 70%, na próxima semana, não apenas o governo do Estado, como também a prefeitura de São Paulo, tomarão medidas mais rígidas”, disse em entrevista à Rede Globo, no dia 9 de abril.

Doria adotou tom mais ameno na segunda-feira (13), ao falar em “corrente de amor” e ações educativas em uma entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes. Ao longo da semana, afirmou ainda que o eventual aumento das restrições à circulação de pessoas só ocorreria a partir do próximo dia 22 e que as multas e prisões para quem descumprir a quarentena são encaradas como “última alternativa” pelo governo.

São Paulo é o Estado brasileiro que mais registra casos de covid-19 no país. Também foi o primeiro a confirmar uma infecção pelo novo coronavírus no Brasil, em 26 de fevereiro. Desde então, foram registradas 853 mortes e 11.568 casos, segundo informações divulgadas pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (16), às 14h —quase o triplo do segundo colocado, o Rio de Janeiro, com 3.944 confirmações e 300 óbitos.

No Brasil, o número de pessoas infectadas é de 30.425 e o de mortes, 1.924, de acordo com o mesmo balanço. Além disso, a estimativa do governo paulista é de que todos os 3,5 mil leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da rede pública estejam lotados até maio.

São Paulo está em quarentena desde 24 de março, em razão de decreto assinado por Doria como medida de controle da pandemia. A medida foi prorrogada pela 2ª vez nesta 6ª feira. A quarentena será mantida até 10 de maio.. O governo determinou o fechamento do comércio e de serviços não essenciais, como bares, restaurantes, cafés, casas noturnas e academias. A decisão abrange todos os 645 municípios paulistas.

Rivalidade com Bolsonaro

Mesmo depois de firmar a aliança “Bolsodoria” no segundo turno das eleições de 2018, o governador de São Paulo tem rivalizado com o presidente Jair Bolsonaro durante a gestão — embate que foi ampliado diante da crise do novo coronavírus no Brasil. No dia da publicação do primeiro decreto de isolamento social em São Paulo, Bolsonaro fez pronunciamento em rede nacional em que defendeu que autoridades deveriam “abandonar o conceito de terra arrasada” e criticou os líderes estaduais.

Os dois entraram em conflito em teleconferência no dia seguinte: Doria disse que o presidente “deveria dar exemplo para o país”, e Bolsonaro pediu que o governador “Saisse do palanque”. O governador ainda pediu, publicamente, no dia 30, que as pessoas “não sigam as orientações do presidente da República”. Foram registrados protestos de grupos bolsonaristas nos dias 5 e 11 de abril, na capital paulista, e ataques virtuais.

O ponto mais recente de atrito envolveu a demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que protagonizou disputa com Bolsonaro sobre a política nacional de combate à pandemia em pontos como o isolamento horizontal e a eficácia da cloroquina no tratamento da doença. Dória apoiou Mandetta e chegou a afirmar que a saída do ministro seria um “desastre”. A demissão foi confirmada ontem (16). O substituto é Nelson Teich.

Viralização

O vídeo havia sido publicado em um perfil pessoal, no Facebook, e chegou a alcançar 16 mil visualizações até o dia 15. O material foi apagado. Desde o dia 4 de dezembro, quando foi postado na página Realidade Cruel, o material teve 8,6 mil comentários e 22 mil compartilhamentos (dados até o dia 17 de dezembro, às 11h37).

Este boato também foi verificado pelo G1, pela Agência Lupa e pelo Boatos.org.