Pandemia

Investigado por:2021-08-27

Vacinas são eficazes contra variante delta, ao contrário do que diz médico

  • Enganoso
Enganoso
Em vídeo no Instagram, o médico Roberto Zeballos faz diversas afirmações incorretas sobre a covid-19. Entre elas, que as vacinas não funcionam contra a variante delta e que crianças não desenvolvem a doença nem a transmitem. Já há estudos mostrando que os imunizantes funcionam, sim, contra a cepa, e que crianças de todas as idades transmitem o vírus – menos, mas transmitem.
  • Conteúdo verificado: Vídeo postado pelo médico Roberto Zeballos no Instagram com informações enganosas sobre a pandemia, como a de que as vacinas não têm eficácia contra a variante delta.

São enganosas as afirmações do médico Roberto Zeballos em vídeo postado em seu perfil no Instagram em 10 de agosto sobre a covid-19. Já na legenda ele minimiza a importância da variante delta ao escrever que ela “é pouco agressiva”. Identificada no Brasil em maio, ela já matou ao menos 50 pessoas por aqui. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela circula em mais de 111 países e pesquisas mostram que ela tem nível de transmissibilidade cerca de 50% maior do que as variantes anteriores do Sars-CoV-2.

Ainda sobre a delta, Zeballos também erra ao dizer que as vacinas disponíveis até agora não funcionam contra ela. É verdade que os imunizantes foram desenvolvidos quando a variante ainda não circulava, mas eles são, sim, eficazes contra a delta. “É importante ressaltar que todos os agentes imunizantes disponíveis para aplicação no Brasil são eficazes contra a delta, principalmente nas formas mais graves da doença”, informa o Ministério da Saúde.

Outra desinformação dita pelo médico no vídeo é a de que crianças não desenvolvem a covid-19 e não a transmitem. Embora transmitam menos do que os adultos, elas transmitem – como informa o Centro de Controle de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, elas “podem ser infectadas, podem ficar doentes e podem espalhar o vírus para outras pessoas”.

Procurado, Zeballos afirmou ter sido “o primeiro brasileiro a entender o mecanismo da doença” e declarou que “não tem sentido você vacinar com uma vacina que não é livre de riscos – todo mundo sabe disso – nas pessoas que já tiveram a doença”, mas, completou que “talvez as pessoas tenham o benefício de ter uma doença mais leve”.

O Comprova considerou a publicação do médico enganosa porque ele usa dados incorretos ou imprecisos sobre a variante delta e sobre a vacinação.

Como verificamos?

Depois de assistir ao vídeo, o Comprova buscou informações a respeito da variante delta do coronavírus em órgãos reguladores oficiais, como o CDC, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial de Saúde (OMS) para as Américas, o Ministério da Saúde do Brasil, farmacêuticas e institutos produtores de vacina, além da imprensa.

Para verificar informações sobre a vacinação nos três países citados por Zeballos – Islândia, Itália e Alemanha –, foram consultadas informações sobre a aplicação dos imunizantes na plataforma Our World in Data, mantida por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e ainda nos sites oficiais de governo dos três países.

Também foram consultados documentos oficiais sobre a aplicação de vacinas em pessoas que já tiveram a covid-19 tanto na Itália quanto na Alemanha. Os ministérios da Saúde dos dois países foram consultados por e-mail.

Por fim, o Comprova entrou em contato com o médico Roberto Zeballos, autor do vídeo, por WhatsApp. Ele respondeu por áudio.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 27 de agosto de 2021.

Verificação

A variante delta

No vídeo, Zeballos declara que a delta “é menos agressiva do que a primeira (variante)” e que, por isso, “vai dar para tratar todo mundo em casa”. Ambas as afirmações são enganosas.

Segundo o CDC, “dados sugerem que a variante delta pode causar doenças mais graves do que as cepas anteriores em pessoas não vacinadas” e que “em dois estudos diferentes do Canadá e da Escócia, os pacientes infectados com essa variante eram mais propensos a serem hospitalizados do que os pacientes infectados com a alfa ou as cepas originais do vírus”.

O órgão ressalta que, diferentemente das cepas anteriores, que produziam menos vírus em pessoas totalmente vacinadas em relação às não imunizadas, a delta “parece produzir a mesma alta quantidade de vírus” nos dois casos – e, como as outras variantes, a quantidade de vírus da delta diminui mais rapidamente nos pacientes que se vacinaram.

Em 27 de junho, o Brasil registrou a primeira morte em decorrência dela e, em 20 de julho, o país já registrava cinco óbitos, segundo o Ministério da Saúde – ressaltando que a cepa foi identificada pela primeira vez por aqui em maio. Em 25 de agosto, já eram 50 óbitos, mas o número pode estar subestimado, já que a identificação desta variante depende de sequenciamento genético.

Sobre a afirmação de que “vai dar para tratar todo mundo em casa”, não é o que mostra documento de 8 de agosto divulgado pela Opas, da OMS. Nele, o órgão informa que “em nível global, se observam vários países com aumento de casos e de hospitalizações, com a emergência da variante de preocupação delta” e que “estudo recente no Reino Unido estimou que o risco de internação hospitalar foi aproximadamente dobrado naqueles com a delta quando comparado à alfa”. E, como escreveu o médico Drauzio Varella na Folha em 30 de junho, “a necessidade de hospitalização está diretamente ligada ao aumento da mortalidade”.

A variante e a vacina

Outra desinformação dita por Zeballos é quando ele questiona por que vacinar com um produto que é “para o primeiro vírus” e relaciona a imunização a enxugar gelo no caso da delta.

Os imunizantes realmente foram desenvolvidos quando a delta ainda não circulava, mas, diferentemente do que ele diz, a variante não é um segundo vírus, mas, sim, uma mutação do vírus original, como informa reportagem da Folha. Em resposta ao Comprova, o médico disse não ter dito que eram vírus diferentes.

Já está provado que as vacinas em uso em diversos locais, inclusive no Brasil, são eficazes contra essa variante. De acordo com o Instituto Butantan, que produz a Coronavac em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, por exemplo, a vacina “é eficaz contra casos graves de covid-19 causados pela delta”.

Na semana passada, um estudo da Universidade de Oxford, na Inglaterra, concluiu que as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca – que no Brasil tem parceria com a Fiocruz – são eficazes contra a variante delta, embora a proteção tenda a cair com o tempo, como mostrou essa matéria do Estadão.

Já um estudo feito na África do Sul, com resultados divulgados no início do mês, apontou que a vacina da Janssen, de dose única, reduziu em 71% as internações de pessoas infectadas com a variante delta e diminuiu as mortes em 95%.

As crianças

Como crianças “não evoluem com a doença” e “não são transmissoras”, “não tem sentido vacinar”, desinforma, novamente, Zeballos, no trecho final do vídeo.

É verdade que os estudos, até agora, indicam que elas transmitem menos, mas transmitem. A pesquisa “A dinâmica da infecção por Sars-CoV-2 em crianças e contatos domiciliares em uma favela no Rio de Janeiro”, da Fiocruz, da Universidade da Califórnia e da London School of Hygiene and Tropical Medicine, por exemplo, indica que elas mais frequentemente são infectadas por adultos do que atuam como transmissoras.

Já um outro estudo, publicado no dia 16 na revista científica Journal of the American Medical Association (Jama), revela que bebês de 0 a 3 anos apresentam mais chance de transmitir o Sars-CoV-2 em casa do que adolescentes de 14 a 17 anos.

Mas, como informa o CDC, elas “podem ser infectadas, podem ficar doentes e podem espalhar o vírus para outras pessoas”.

Dizer que elas não evoluem com a doença também é uma desinformação perigosa, pois não se pode generalizar. De acordo com documento da Unicef, “crianças de qualquer idade podem ficar doentes com covid-19” e, “embora crianças e adultos apresentem sintomas semelhantes, as crianças geralmente apresentam doenças menos graves do que os adultos”.

Elas podem, inclusive, e infelizmente, morrer da doença. Segundo o CDC, 271 óbitos entre pessoas de 5 a 17 anos e 120 entre aquelas de 0 a 4 anos foram relatados ao Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos Estados Unidos até 7 de julho de 2021.

Outro dado: levantamento do Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19 indica que houve mais de 10 mil casos graves da doença e 846 óbitos de crianças de até dois anos no Brasil entre março de 2020 e 11 de julho de 2021 – um terço dos bebês que morreram não tiveram acesso a tratamento adequado.

Sobre as vacinas, por ora, elas estão sendo aplicadas em adolescentes de 12 a 17 anos em vários países, inclusive no Brasil – o estado de São Paulo, por exemplo, começou a imunizar esta faixa etária neste mês com a Pfizer (cujo uso para menores de idade foi autorizado pela Anvisa).

Em crianças menores, apenas a China está aplicando. Por lá, estão sendo imunizadas com a Coronavac pessoas a partir de 3 anos, mas não há dados de quantas crianças já receberam as doses.

No Brasil, a Anvisa negou no dia 18 o aval para o uso da Coronavac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos – técnicos disseram que faltam dados para confirmar a segurança e eficácia nesta faixa etária, e a decisão pode ser revista.

Vacinação e novos casos na Islândia

No vídeo, Zeballos afirma que a Islândia “vacinou todo mundo” e que 77% dos novos casos no país são em pessoas vacinadas. Embora a Islândia já tenha vacinado um percentual elevado de sua população, não é possível dizer que o país tenha vacinado “todo mundo”.

Segundo dados da plataforma Our World in Data, a Islândia aplicou pelo menos uma das doses de vacina em 81,24% da população. Os dados foram atualizados no dia 26 de agosto. Também segundo a plataforma, 76,7% dos habitantes do país receberam as duas doses e 4,54% receberam apenas a primeira dose do imunizante.

Já os dados divulgados diretamente na página do governo da Islândia informam que, até o dia 27 de agosto, 72% de toda a população do país estava completamente vacinada. Quando considerados os habitantes maiores de 12 anos, esse percentual subiu para 84%.

Sobre a afirmação de que 77% dos novos casos de covid-19 na Islândia são de pessoas vacinadas, ele não informa uma data de referência para esse percentual. No dia 10 de agosto, quando o vídeo foi publicado, 84 novos casos foram registrados no país – 60,7% (51) eram de pessoas totalmente vacinadas, informa um painel estatístico alimentado pelo governo islandês.

Neste dia, não foram registrados casos em pessoas que tinham recebido apenas a primeira dose da vacina. Pessoas não vacinadas eram 39,2% (33) do total de novos casos neste mesmo dia.

Considerando todos os novos casos do mês de agosto até o dia 10, o percentual de diagnósticos em pessoas completamente vacinadas foi de 61,8%. Nesse período, o único dia em que a Islândia teve um percentual de 77% de novos casos em pessoas vacinadas foi no dia 1º de agosto (51 dos 66 novos casos).

Contudo, como o Comprova já mostrou em outra verificação, quando a maioria das pessoas em um determinado lugar já está vacinada, é esperado que a maior parte das infecções ocorra entre este público. Quem explica isso é Muge Cevik, professor clínico de doenças infecciosas e virologia médica na Universidade de St. Andrews.

Vacinação para quem já teve covid-19 na Itália e Alemanha

Ao falar sobre a vacinação de pessoas que já tiveram a doença, Zeballos recomenda que essas pessoas não busquem se vacinar imediatamente e cita os casos da Itália e da Alemanha, afirmando que, nestes dois países, só é recomendada a aplicação de uma dose da vacina para quem já foi infectado pelo coronavírus, entre seis e doze meses após a infecção. Antes disso, o médico afirma que há uma suspeita de que a resposta imunológica “pode estar fazendo mais mal do que bem”.

De fato, Itália e Alemanha recomendam a aplicação de uma só dose da vacina em pessoas que já tiveram covid-19, mas há uma diferença no prazo recomendado pelos alemães. Além disso, os dois países fazem uma ressalva nessa recomendação para casos de pessoas com imunodeficiência e nenhum deles afirma que a vacina pode ser prejudicial para quem já contraiu a doença.

A recomendação da Itália por uma única dose para pessoas que já tiveram covid-19 foi atualizada no dia 21 de julho. A informação consta em uma circular assinada pelo diretor-geral de prevenção do Ministério da Saúde italiano, o médico Giovanni Rezza. De acordo com o documento, a dose única deve ser tomada no mínimo seis meses após a infecção e no máximo 12 meses após a cura. O documento segue a mesma linha de outra recomendação feita pelo mesmo Ministério da Saúde no dia 3 de março de 2021, mas com uma alteração nos prazos. O documento anterior dizia que esta dose única deveria ser tomada entre três meses após a infecção e seis meses após a cura.

Em ambas as recomendações há um adendo: pessoas com imunodeficiência devem seguir normalmente o esquema vacinal e não se aplicam à recomendação de uma dose única do imunizante. A circular também informa que, assim como recomenda a OMS, a realização de testes sorológicos para contagem de anticorpos não devem ser usados como referencial para tomada de decisão sobre se vacinar.

No dia seguinte ao anúncio da Itália, a CNN ouviu o infectologista Marcelo Otsuka, vice-presidente do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), que atribuiu a decisão a uma escassez de vacinas, como uma tentativa de melhorar a cobertura vacinal.

O Comprova procurou o Ministério da Saúde da Itália para saber por que a aplicação de uma única dose foi adotada no país para pessoas que já tiveram covid e se há alguma relação com um eventual malefício provocado pela resposta imune, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Por e-mail, o Ministério da Saúde da Alemanha também confirmou que o país recomenda a aplicação de uma só dose do imunizante em pessoas que já tiveram a covid-19. Na Alemanha, as decisões a respeito da pandemia são tomadas pelo Instituto Robert Koch (RKI). Já as recomendações sobre vacinação ficam a cargo de um painel independente de especialistas chamado Comitê Permanente de Vacinação (STIKO).

Diferente dos prazos apontados pela Itália, os alemães com infecções sintomáticas podem tomar uma dose da vacina a partir de quatro semanas após o fim dos sintomas. Já aqueles com infecção assintomática podem se vacinar a partir de quatro semanas após o diagnóstico por laboratório. Quem já se vacinou e contraiu a covid-19 após a imunização deve, geralmente, tomar uma segunda dose da vacina seis meses após o fim dos sintomas ou do diagnóstico.

O Ministério da Saúde alemão explica por que considera que uma só dose é suficiente em quem já teve a doença: “Devido à imunidade existente após infecção anterior, uma dose é suficiente, pois já pode atingir altas concentrações de anticorpos, que não são ainda mais aumentadas por uma segunda dose de vacina”. Em nota, o ministério afirma que não é possível dizer, ainda, se duas doses não serão necessárias posteriormente. Sobre pessoas imunodeprimidas, afirma que é necessário analisar “caso a caso”.

O ministério negou que a decisão tenha a ver com um eventual malefício provocado pela resposta imunológica. “No geral, os resultados do estudo disponíveis até agora não indicam que a vacinação após uma infecção pelo Sars-CoV-2 seria problemática ou associada a perigos. Isso se aplica à segurança, eficácia e tolerabilidade da vacinação. Os estudos de aprovação das duas vacinas de mRNA [RNA mensageiro, como a Pfizer e a Moderna] também incluíram participantes que já haviam sido submetidos à infecção pelo Sars-CoV-2 com antecedência”, diz a nota.

O médico

Conteúdos divulgados por Zeballos já foram alvo de checagens do Comprova na pandemia. A mais recente é de 5 de agosto, sobre material enganoso que usava supostos dados do Ministério da Saúde de Israel para afirmar que pessoas infectadas pela covid-19 estão sete vezes mais protegidas do que aquelas que não tiveram a doença e foram imunizadas com a vacina da Pfizer.

Ele respondeu a reportagem com um áudio no WhatsApp reafirmando as falas do vídeo no Instagram. Citou a crise de Manaus, dizendo que, na época, “vacinados, não vacinados… eram casos graves”, mas o caos no estado amazonense começou em dezembro e se agravou em janeiro – os imunizantes só começaram a ser aplicados no Brasil em 19 de janeiro.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que viralizam nas redes. O vídeo verificado aqui teve mais de 189 mil curtidas no Instagram desde que foi postado, no dia 10 de agosto.

Conteúdos que tentam desacreditar as vacinas ou minimizar os riscos da pandemia são perigosos porque podem levar a população a colocar a saúde em risco.

O Comprova já publicou diversos conteúdos sobre imunização e variante delta, como, por exemplo, que é enganoso post que afirma que o CDC e Anthony Fauci não acreditam na vacina, que médica engana ao afirmar que vacinas são experimentais, que site antivacina inventa dado sobre efeito colateral em crianças imunizadas com Pfizer e que médica usa dados fora de contexto de hospital de Israel para acusar CDC de mentir sobre covid em pessoas não vacinadas.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações ou que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.