Pandemia

Investigado por:2021-08-24

Taxa de mortalidade por covid-19 na Suécia é mais do que o dobro da média mundial

  • Enganoso
Enganoso
Para deslegitimar a estratégia de lockdown, um tuíte do deputado federal Osmar Terra engana ao comparar o desempenho da Suécia, em termos de mortalidade por covid-19, com sete países escolhidos a dedo e “outros” que adotaram a medida.
  • Conteúdo verificado: Um tuíte de Osmar Terra (MDB-RS) afirmando que a Suécia, depois de um ano e meio “sem fazer lockdown”, tem mortalidade por covid-19 mais baixa que Reino Unido, França, Portugal, Espanha, Itália, Bélgica, Estados Unidos e outros países “que fizeram lockdown repetidas vezes”.

É enganoso o tuíte em que o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) compara as taxas de mortalidade da Suécia com outros sete países “que fizeram lockdown repetidas vezes”, de modo a sugerir que a estratégia liberal do primeiro seria eficiente para conter a pandemia e alegar que o bloqueio não ajuda a reduzir o contágio.

Dados mostram que a Suécia tem o maior número de mortes por covid-19 a cada 100 mil habitantes entre os países escandinavos (Noruega, Finlândia, Dinamarca e Islândia), que adotaram medidas mais rígidas desde o início, e apresenta uma taxa de mortalidade que é mais do que o dobro da média mundial. Pela mesma lógica utilizada no post, outros países que adotaram o lockdown, como China e Nova Zelândia, apresentam taxas muito mais baixas.

Além disso, a postagem do ex-ministro da Cidadania do governo de Jair Bolsonaro ignora o fato de que alguns dos países citados mudaram de abordagem durante a pandemia, a exemplo do Reino Unido, e que as medidas de confinamento são impostas e flexibilizadas em diferentes momentos. Estudos que estimam o impacto das políticas públicas em diferentes países levam em conta essas variáveis.

Embora não tenha aplicado o lockdown e tenha agido de forma menos restritiva que outros países da Europa, a Suécia chegou a adotar medidas de prevenção e incentivou o distanciamento entre a população. Em março de 2021, o país restringiu o número de pessoas em lojas e academias, assim como o horário de fechamento de bares e restaurantes, que deveria ser até as 20h30.

A postagem de Osmar Terra foi classificada como enganosa nesta checagem porque usa dados imprecisos e confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano. O deputado foi procurado pelo Comprova, mas não respondeu aos questionamentos.

Como verificamos?

O Comprova buscou informações sobre a prática de lockdown e a evolução da pandemia em reportagens jornalísticas e nos sites oficiais do governo sueco. O mesmo ocorreu em relação aos outros países citados no tuíte.

As taxas de mortalidade por covid-19 foram analisadas por meio de duas plataformas: o Our World In Data, mantido por pesquisadores da Universidade de Oxford, e o Coronavirus Resource Center, base de dados da Universidade Johns Hopkins.

Além disso, a reportagem conversou com o epidemiologista, professor da Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e coordenador do Epicovid-19, o maior estudo epidemiológico sobre coronavírus no Brasil, Pedro Hallal.

Autor da postagem enganosa, o deputado federal Osmar Terra foi procurado por meio de um assessor de imprensa. A reportagem perguntou qual foi o critério de escolha dos países que aparecem no tuíte e relatou o fato de que a Suécia apresenta taxas de mortalidade mais altas que os países vizinhos e a média mundial. Não houve resposta até a publicação desta checagem.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 24 de agosto de 2021.

Verificação

Taxas de mortalidade

A taxa de mortalidade da Suécia é realmente menor que a dos sete países mencionados pelo deputado em seu tuíte. Esse fato, no entanto, não quer dizer que o desempenho do país seja satisfatório ou que o lockdown não funcione para reduzir o número de mortes pelo novo coronavírus.

De acordo com o Coronavirus Resource Center da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, a Suécia era o 38º país com mais óbitos por habitante nesta segunda-feira, 23 de agosto, de um total de 182 países e territórios. A taxa de mortalidade era de 142,61 a cada 100 mil pessoas.

Esse número de fato está abaixo de Bélgica (220,48), Itália (213,53), Reino Unido (197,44), Estados Unidos (191,48), Espanha (176,60), Portugal (171,76) e França (169,21), como pode ser visto na tabela abaixo. Apesar de não ter sido citado, o Brasil aparece em quinto, com 272,22 mortes por 100 mil habitantes.

Porém, a situação é desfavorável para a Suécia quando a comparação é feita com os seus vizinhos da Escandinávia e com a média do planeta, como aponta o epidemiologista da UFPel Pedro Hallal. Ele sustenta que o caso da Suécia não deve servir de exemplo para ninguém.

Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em julho deste ano, Hallal já alertava para o fato de a Suécia ter o pior desempenho no combate à pandemia entre cinco países escandinavos, que incluem Dinamarca, Noruega, Finlândia e Islândia. O cenário é o mesmo até hoje.

Ao Comprova, Hallal criticou a comparação feita pelo deputado. De acordo com ele, a Suécia “é um país historicamente muito melhor do que a média mundial, em tudo, e deveria ter resultados parecidos com seus parceiros da região”, mas não é o que acontece.

Na realidade, a taxa de mortalidade por covid-19 do país (1.452 por milhão de habitantes) é mais que o dobro da média do planeta (567), como mostra uma consulta ao Our World In Data, plataforma mantida por pesquisadores da Universidade de Oxford. Os demais — Dinamarca (443), Noruega (149), Finlândia (160) e Islândia (87) — estão todos abaixo dessa média.

A reportagem questionou Hallal se faz sentido separar os países em dois grupos — os que fizeram e os que não fizeram lockdown em algum momento — e comparar as taxas de mortalidade para avaliar a política, considerando ainda o dinamismo da pandemia. Um exemplo é o Reino Unido, que apostou em uma estratégia mais flexível no começo de 2020 e depois mudou de ideia diante de previsões catastróficas e do contágio em alta, passando a adotar medidas mais restritivas.

De acordo com Pedro Hallal, “qualquer cientista que interprete os dados leva isso em consideração” e que ignorar esse tipo de questão constitui “erro primário”. Hallal alertou ainda que, da mesma forma, é preciso considerar que a Suécia promoveu restrições e orientou algumas práticas para diminuir a propagação do vírus ao longo do período.

Dois exemplos de estudos científicos nesse sentido foram publicados pela revista Nature Human Behaviour, em novembro de 2020, e pela revista Science, em fevereiro deste ano. Ambos aplicam métodos estatísticos para analisar as intervenções e interpretam os dados conforme o período específico em que as ações são aplicadas pelos governos. Outra diferença é que o impacto é medido a partir da taxa de transmissão do coronavírus, ou o “ritmo de contágio”, representado pelo termo Rt, e não pela mortalidade.

Seguindo o mesmo critério de Osmar Terra, é fácil elaborar uma comparação em que a Suécia tenha um desempenho mais de 200 vezes pior que outros países que fizeram “lockdown repetidas vezes”. A China, por exemplo, tem uma taxa de mortalidade de 0,35 a cada 100 mil habitantes, e a Nova Zelândia, de 0,53.

O site GZH informou neste mês que o epidemiologista Pedro Hallal cogita concorrer ao Senado no ano que vem. “Ainda estou analisando, mas se concorrer será por algum partido de esquerda ou de centro-esquerda, para contrapor as candidaturas de direita que estão postas”. Ele não está filiado a nenhum partido político no momento, de acordo com o sistema oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Sem lockdown

Até agora, a Suécia não fez lockdown, que é o bloqueio total de uma região. Embora não tenha uma definição única, o lockdown é, na prática, a medida mais radical imposta por governos para que haja distanciamento social e inclui o fechamento de vias e proibição de deslocamentos e viagens não essenciais. Evidências científicas mostram que a adoção de lockdown funciona contra a covid-19. Ele é diferente do isolamento social, que é, em princípio, uma sugestão preventiva para que as pessoas fiquem em casa.

Ao contrário da Suécia, os demais países citados pelo deputado Osmar Terra (Reino Unido, França, Portugal, Espanha, Itália, Bélgica e Estados Unidos) utilizaram lockdowns e toques de recolher como forma de reduzir o ritmo de contágio em algum momento durante a pandemia. Apesar disso, mesmo entre eles, existem diferenças em termos de duração, intensidade e adesão da população ao confinamento.

Os países vizinhos da Escandinávia também foram ágeis em aplicar restrições e conter o alastramento do vírus. Dinamarca e Noruega estiveram entre os primeiros países da Europa a promoverem confinamentos, ainda em março de 2020, que se repetiram em outras ondas de contaminação. A Finlândia e a Islândia, da mesma forma, fecharam restaurantes e outros estabelecimentos. Essas medidas vieram acompanhadas de outras estratégias de mitigação, como ampla testagem, rastreamento de contatos e isolamento de casos ativos.

Desde o início da pandemia de coronavírus, os suecos se tornaram um estudo de caso, renunciando a bloqueios e mandatos. Checagem do PolitiFact, de 6 de agosto de 2021, esclarece que, em contraste com alguns de seus vizinhos e os EUA, a sociedade sueca permaneceu amplamente aberta durante a pandemia, e o governo respondeu principalmente com orientações, não ordens de permanência em casa e quarentenas. Em geral, as máscaras também não foram recomendadas.

Reportagem da The New Yorker, de abril deste ano, traz o cenário do país ao longo da pandemia: “enquanto bloqueios, toques de recolher e proibições de viagens estavam sendo implementados no resto do mundo, restaurantes, lojas, bares, museus, creches e escolas primárias na Suécia permaneceram abertos. As pessoas foram incentivadas a trabalhar em casa e a reduzir as viagens, mas ambas eram opcionais. Máscaras não eram recomendadas e permaneceram raras”.

A pessoa por trás da resposta ao coronavírus da Suécia é Anders Tegnell, o epidemiologista chefe do país. A New Yorker destaca que a constituição sueca dá às agências governamentais uma independência extraordinária, então Tegnell e a agência de saúde pública lideraram grande parte da resposta ao coronavírus e, constitucionalmente, o governo tem pouco poder para impor restrições. Segundo a revista, Tegnell “costuma dizer que os bloqueios não são apoiados pela ciência e que as evidências do uso de máscaras são fracas”.

Em uma entrevista à revista científica Nature, publicada em abril de 2020, Tegnell detalhou a estratégia adotada pelo país: “Como sociedade, estamos mais focados em ‘dar um incentivo’, continuamente lembrando as pessoas de colocar em prática as medidas [contra covid-19], e melhorando-as onde vemos no dia a dia que elas precisam ser ajustadas. Não precisamos fechar tudo completamente porque seria contraproducente”, afirmou.

Tegnell introduziu a abordagem “light” do país à pandemia em março do ano passado, à medida que os casos aumentavam. Lena Hallengren, ministra da pasta de Health and Social Affairs (Saúde e Assuntos Sociais), deu uma entrevista à emissora Al Jazeera English, em 1 de agosto de 2020, e, quando perguntada sobre essa abordagem e a diferença com outros países que adotaram o lockdown, disse que:

“A estratégia vem sendo garantir que nós podemos prevenir o vírus de se espalhar na sociedade, proteger grupos vulneráveis, mas também garantir que a nossa sociedade está funcionando, porque todo o tempo nós precisamos de pessoas para trabalhar nos hospitais, precisamos de pessoas para trabalhar nas casas de repouso, nas farmácias, nas ambulâncias [..] Nós não achamos possível que todo mundo fique em casa por meses”.

Dessa forma, a estratégia do país para conter a disseminação do vírus tem como base a “responsabilidade individual” de seus cidadãos. “As leis suecas sobre doenças transmissíveis baseiam-se principalmente em medidas voluntárias – na responsabilidade individual. Afirma claramente que o cidadão tem a responsabilidade de não espalhar uma doença. Este é o centro de onde partimos, porque não há muita possibilidade legal de fechar cidades na Suécia usando as leis atuais. A quarentena pode ser contemplada para pessoas ou pequenas áreas, como uma escola ou um hotel. Mas [legalmente] não podemos bloquear uma área geográfica”, afirmou Tegnell, em abril do ano passado.

Isso pode ser notado na página da agência de saúde do país, onde não há citações a lockdowns. Na aba “diretrizes e recomendações para reduzir a disseminação de COVID-19”, há a indicação de medidas que cada cidadão pode tomar por conta própria: “todos têm a responsabilidade pessoal de prevenir a propagação da infecção. Você deve pensar em como pode evitar ser infectado, como deve manter distância e como pode evitar infectar outras pessoas. Mostre consideração, especialmente para as pessoas que pertencem a grupos de risco. Você deve manter distância de outras pessoas e evitar lugares lotados. Isso é especialmente importante quando você passa um longo período com alguém e quando você está dentro de casa”.

Críticas à estratégia da Suécia

Em junho do ano passado, diante de críticas crescentes sobre a posição da Suécia no combate à pandemia, Tegnell admitiu que o país deveria ter adotado medidas mais contundentes de isolamento social para conter a pandemia e que uma abordagem mais dura poderia ter evitado o alto número de mortes registrado no país.

A abordagem adotada pelo país europeu foi criticada por integrantes da comunidade científica. Em abril de 2020, em um artigo publicado no jornal sueco Dagens Nyheter, 22 pesquisadores afirmaram que as autoridades públicas de saúde haviam falhado no combate à pandemia e que os políticos deveriam interferir.

Matéria da Time, de outubro do ano passado, traz como título “a resposta sueca à covid-19 é um desastre. Não deveria ser um modelo para o resto do mundo”. A reportagem destaca que “os países que fecharam as portas precocemente e / ou usaram testes e rastreamento extensivos – incluindo Dinamarca, Finlândia, Noruega, Coreia do Sul, Japão, Taiwan, Vietnã e Nova Zelândia – salvaram vidas e limitaram os danos às suas economias. Países que bloquearam tarde, saíram do bloqueio muito cedo, não testaram e colocaram em quarentena de forma eficaz ou apenas usaram um bloqueio parcial – incluindo Brasil, México, Holanda, Peru, Espanha, Suécia, EUA e o Reino Unido – têm piorado quase que uniformemente nas taxas de infecção e morte”.

Artigo publicado na revista científica The Lancet destaca que “desde o início da pandemia, a Agência de Saúde Pública da Suécia, Folkhälsomyndigheten (FHM), embarcou em uma abordagem de imunidade de rebanho, permitindo que a transmissão da comunidade ocorresse relativamente sem controle” e que “muitas vozes críticas foram levantadas sobre a resposta nacional da Suécia à covid-19 e seu fracasso em atingir seus objetivos de nivelar e encurtar as curvas de casos, hospitalizações e mortes”.

Em entrevista à AFP, Julival Ribeiro, infectologista consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e diretor- geral do Hospital de Base do Distrito Federal disse que “[É possível concluir] que a estratégia [escolhida pela Suécia, de não implementar medidas mais rígidas] não foi a estratégia correta. E, além disso, a Suécia é um país pequeno e você pode até ter mais controle. [Mas] imagine países com milhões de pessoas. (…) Naquela época em que a Suécia adotou essas medidas nós sabíamos pouco em relação à covid-19. Mas o mundo mostrou que o caminho para combater essa pandemia é aliar vacina, medidas restritivas e medidas preventivas”.

Em dezembro, os casos e hospitalizações eram mais altos do que desde os primeiros dias da pandemia no país. As unidades de terapia intensiva em Estocolmo e Malmö, a terceira maior cidade sueca, estavam lotadas. “Era exatamente esse desenvolvimento que não queríamos ver”, disse Björn Eriksson, diretor de saúde e cuidados médicos de Estocolmo, durante uma coletiva de imprensa. A confiança na agência de saúde pública havia caído de 68% em outubro para 52% em dezembro.

Um relatório também apontou que a Suécia fracassou em proteger idosos contra a covid-19. A estratégia adotada pela Suécia foi chamada de “imprudente e cruel”. Hallengren, em entrevista à Al Jazeera English, afirmou que “não temos nenhuma prova de que se tivéssemos lockdown teríamos prevenido isso de acontecer”.

Reportagem da BBC de dezembro mostra que a Suécia sofria com uma pandemia fora de controle, UTIs lotadas e debandada de profissionais de saúde. O aumento exponencial no número de casos fez com que o governo sueco mudasse sua estratégia em novembro, introduzindo restrições mais duras às interações sociais. Foram proibidas reuniões de mais de oito pessoas em shows, palestras e apresentações teatrais. Houve também um veto nacional à venda de álcool a partir das 22h em bares e restaurantes. Em raro pronunciamento, até o rei sueco, Carl XVI Gustaf, criticou a estratégia adotada pelo país no combate à pandemia covid-19. “O povo sueco sofreu enormemente em condições difíceis”, disse o monarca à emissora estatal SVT. “Acho que falhamos.”

No dia 18 de dezembro, como os hospitais já estavam preparados para uma onda pós-Natal, Tegnell e a agência de saúde pública finalmente recomendaram o uso de máscaras, mas apenas no transporte público e durante a hora do rush.

Em 8 de janeiro, a Suécia mudou sua legislação para conceder temporariamente ao governo o poder de adotar medidas de restrição contra a covid-19 em áreas determinadas e aplicar sanções e multas caso elas sejam violadas, mas não estabeleceu que a população fique confinada em casa. Entre as medidas permitidas estavam fechar lojas, centros comerciais e o transporte público e limitar o número de pessoas em reuniões em locais públicos específicos.

Dessa forma, embora a Suécia tenha optado por não fechar as portas no início da pandemia, com bares, restaurantes e lojas permanecendo abertos, restrições foram impostas depois.

Em março de 2021, o país restringiu o número de pessoas em lojas e academias, assim como o horário de fechamento de bares e restaurantes, que deveria ser até as 20h30. Porém, em julho, o governo flexibilizou as medidas. Uma publicação do Ministério da Saúde e Assuntos Sociais da Suécia, de 26 de julho, traz uma lista de restrições que foram suavizadas no dia 15 do mesmo mês, incluindo o aumento da capacidade do transporte público e o fim da proibição de acesso a determinados espaços.

Apesar das críticas e das mudanças impostas, de modo geral, a estratégia do país permaneceu intacta. A Suécia fechou suas fronteiras internacionais, incluindo as da vizinha Noruega, e permitiu que a sociedade interna permanecesse aberta. Embora haja limites para o número máximo de pessoas em reuniões sociais, são na forma de “recomendações”, em vez de leis rígidas aplicáveis ​​por meio de multas.

Uma investigação de um professor da Swedish Defence University, publicada em junho deste ano, mostra que a avaliação de risco da agência de saúde sueca, a PHAS (Public Health Agency of Sweden), em relação à propagação geral do coronavírus no país era excessivamente otimista até 10 de março de 2020, sendo consideravelmente mais positiva do que as avaliações de risco globais da OMS (Organização Mundial da Saúde) e outros prognósticos de especialistas para Suécia.

Além disso, “havia uma recusa contínua da agência em mudar sua posição sobre as máscaras faciais ou recomendar seu uso em locais confinados e lotados para o público. Isso ocorreu apesar das evidências crescentes a favor desse equipamento de proteção. Como tal, a política de máscaras do PHAS divergia da postura da OMS, ECDC (European Centre for Disease Prevention and Control) e de outros grandes estudos científicos nesta área”.

A conclusão do estudo é que “no geral, essas descobertas podem explicar, pelo menos em parte, por que a pandemia teve um impacto tão adverso na Suécia, em comparação com muitos outros países desenvolvidos até agora”.

Segundo o portal Our World In Data, após o pico de novos casos na Suécia entre dezembro e janeiro, que chegou a 32.485 diagnósticos positivos registrados em um único dia, houve uma queda contínua até fevereiro, seguido de um novo período de alta. A partir do mês de abril, com o avanço da vacinação, o número de casos ativos e de mortes pela doença despencou.

Atualmente, 51% da população sueca está totalmente vacinada e 67% receberam ao menos a primeira dose. O país acumula 1,12 milhões de casos e 14.688 mortes desde o início da pandemia.

Quem é o autor?

Osmar Terra (MDB) exerce o sexto mandato na Câmara dos Deputados, representando o Rio Grande do Sul. Em 2016, foi Ministro do Desenvolvimento Social no governo de Michel Temer (MDB) e ocupou a pasta da Cidadania já na gestão de Jair Bolsonaro, em 2019.

O deputado federal é formado em medicina e foi presidente do Grupo Hospitalar Conceição entre 1986 e 1989. Também ocupou o cargo de secretário da Saúde do Rio Grande do Sul de 2003 a 2010, nas gestões de Germano Rigotto (MDB) e Yeda Crusius (PSDB).

Terra é um apoiador de Jair Bolsonaro e, seguindo o discurso do presidente, já negou a gravidade da pandemia em diversas ocasiões. Chegou a afirmar que o distanciamento social não tinha eficácia comprovada, que as mortes pelo novo coronavírus não Brasil não passariam o número de óbitos por H1N1 e declarou que a pandemia terminaria em junho. Já em agosto, compartilhou imagens antigas para criticar o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS).

A CPI da Covid apura se o deputado fez parte do chamado “gabinete paralelo”, um grupo externo ao Ministério da Saúde que teria orientado o presidente Jair Bolsonaro com medidas negacionistas no enfrentamento da pandemia. Ele aparece em destaque em uma reunião em que defensores de tratamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 sugerem um aconselhamento informal a Bolsonaro.

Durante o depoimento à CPI, em junho deste ano, Osmar Terra chegou a mencionar a Suécia como uma espécie de “case de sucesso” no controle da pandemia. Ele foi contestado pelos senadores e posteriormente teve frases desmentidas por agências de checagem.

O Comprova já verificou outros tuítes do deputado envolvendo a Suécia em outubro do ano passado. Na ocasião, ele defendeu que as pandemias acabam antes de as vacinas estarem disponíveis e sugeriu que a Suécia havia debelado a pandemia através da estratégia de “imunidade de rebanho”, o que não é verdade. O projeto ainda checou alegações enganosas de Osmar Terra em outras duas oportunidades.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições que viralizam nas redes. O post verificado aqui teve mais de 6,5 mil interações no Twitter em menos de uma semana.

O post é danoso ao insinuar que a estratégia do lockdown, adotada pela maioria dos países para combater a pandemia, é ineficiente.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.