Verificação

Investigado por:2020-04-07

Imagem de prédio da FIESP com bandeira da China é usada fora de contexto para relacionar a instituição ao governo chinês

  • Enganoso
Enganoso
Postagens em redes sociais e mensagens em aplicativo usam imagem e link de uma publicação de 2019 para acusar a FIESP de proteger o governo chinês em meio à pandemia do novo coronavírus

São enganosas as postagens nas redes sociais que acusam o governo de São Paulo e a FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) de “serem comunistas e protegerem o governo chinês em meio à pandemia do novo coronavírus”. Os posts reproduzem imagens de outubro de 2019 do prédio da instituição na Avenida Paulista, em São Paulo, iluminado com a bandeira da China.

Algumas das publicações no Facebook e no Twitter também trazem o link de uma reportagem da Folha de São Paulo de 2 de outubro de 2019, que diz que a entidade iria exibir a bandeira do país asiático em homenagem aos 70 anos da revolução comunista. A matéria antiga explica ainda que não se tratava de uma iniciativa da própria FIESP, mas que diversos países costumam entrar em contato solicitando a exibição de suas bandeiras. São citados Japão e Itália como exemplos.

Em 2020, a FIESP também projetou a bandeira da China em seu prédio, mas o motivo era outro. A bandeira chinesa foi exibida junto a várias outras de países com maior número de casos confirmados de Covid-19 como Estados Unidos e Itália.

O Comprova entrou em contato com a FIESP, que enviou à reportagem uma nota e o vídeo completo com todas as bandeiras exibidas. “Na última semana, nossa galeria digital prestou homenagem e solidariedade aos povos mais atingidos pelo novo coronavírus. Foram exibidas bandeiras dos países com maior número de pessoas infectadas confirmadas, em gesto humanitário. Foram projetadas em sequência as bandeiras de Alemanha, China, Espanha, Estados Unidos, França e Itália”, diz o comunicado.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado ou que induza a uma interpretação diferente da intenção de seu autor.

O Comprova verificou mensagens de WhatsApp enviadas para verificação por leitores e postagens com conteúdos similares em vários perfis no Twitter, em páginas e grupos de Facebook.

Como verificamos

Após constatar que o texto da Folha de S. Paulo reproduzido nos últimos dias se tratava, na verdade, de uma publicação de outubro de 2019, o Comprova entrou em contato com as assessorias de imprensa da FIESP e do governo de São Paulo. A FIESP esclareceu que a bandeira chinesa foi projetada na última semana no prédio junto a de outros países e mandou à reportagem o vídeo completo.

FIESP não é ligada ao governo de São Paulo

Algumas das postagens sobre a bandeira da China no prédio da FIESP atacam o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que é acusado de “comemorar o comunismo”. “Comunismo comemorado em SP #ForaDoria. #BolsonaroTemRazao. Isso foi a (sic) 6 meses. Não é de hoje que DoriAna tem seu projeto”, diz um dos posts, que ainda avisa que a matéria da Folha é antiga, mas reproduz o texto mesmo assim.

Há ainda comentários chamando os chineses de “donos do vírus”: “Homenagem aos donos do vírus. Agora vendem respiradores e demais insumos. Valeu São Paulo homenagem aos fabricantes da pandemia”.

Em contato por telefone, a assessoria de imprensa do governo de São Paulo ressaltou que a FIESP não depende do governo de São Paulo e tem total liberdade para ações próprias.

A FIESP representa 130 mil indústrias de São Paulo de diversos setores e “luta pela competitividade da indústria brasileira com reivindicações para diminuir custos de produção e conter a desindustrialização”, como é explicado em seu site oficial.

João Doria pediu para que ataques à China parassem

Os ataques à China vêm se disseminando pelas redes sociais desde o início da pandemia do novo coronavírus por ter sido o país onde foi confirmado o primeiro caso da doença no mundo. Em 19 de março, o governador de São Paulo João Doria (PSDB) rebateu publicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro sobre a China. O filho do presidente havia publicado uma crítica em suas redes sociais no dia 18 de março.

O governador de São Paulo é um dos críticos da postura do presidente Jair Bolsonaro, que defende o fim do isolamento completo da população brasileira no combate ao novo coronavírus. Em São Paulo, João Doria prorrogou a quarentena até 22 de abril. Apenas serviços considerados essenciais estão permitidos funcionar.

“Graças às medidas de isolamento adotadas até aqui, a taxa de ocupação de leitos no estado de SP é de 50% hoje. Sem as medidas de isolamento social, faltariam 3 mil leitos”, escreveu João Doria em seu Twitter em 7 de abril.

Viralização

A imagem e o link da Folha foram compartilhados em dezenas de páginas, grupos e perfis nas redes sociais e em grupos de WhatsApp. O perfil @MBColunista do Twitter obteve 850 interações. A publicação na página Voz da Liberdade Brasil, no Facebook, foi compartilhada 311 vezes e a página Carlos Alberto Brilhante Ustra, também no Facebook, tinha 1.560 interações até a tarde do dia 7 de abril.