Eleições

Investigado por:2021-12-10

Enquete popular não oficializa Bolsonaro como Personalidade do Ano da Time

  • Enganoso
Enganoso
É enganoso que Jair Bolsonaro (PL) tenha sido eleito Personalidade do Ano pela revista Time. O presidente venceu votação popular na internet, o que é diferente da escolha feita pelos editores, que determina o título oficial. Capas da revista que circulam nas redes com a suposta conquista são falsas.
  • Conteúdo verificado: Vídeos no Facebook expõem montagens de capas da Time com imagens de Jair Bolsonaro como Personalidade do Ano. Uma das gravações traz um compilado de publicações anteriores da revista e finaliza com uma foto do presidente. Em outra, autor questiona a ausência da notícia no Jornal Nacional.

É enganoso que o presidente Jair Bolsonaro (PL) tenha sido eleito a Personalidade do Ano pela revista Time, ao contrário do que afirmam postagens no Facebook. O resultado citado pelos autores e divulgado em 7 de dezembro se refere à enquete feita anualmente pela publicação na internet, o que não representa o resultado final. A escolha definitiva virá a público em 13 de dezembro. Uma votação não tem relação direta com a outra, embora os editores possam concordar com o resultado da enquete.

Bolsonaro recebeu 24% dos 9 milhões de votos totais computados de forma online. Na sequência, aparecem o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, com 9%, e, em terceiro, com 6,3% dos votos, profissionais de serviços de saúde que atuaram contra a covid-19. Na matéria sobre os primeiros colocados da enquete, a revista destaca que a escolha da personalidade de maior influência no ano é feita “para o bem ou para o mal”.

O Comprova entrou em contato com os perfis que publicaram informações enganosas, mas não obteve retorno até a publicação desta investigação. Enganoso, segundo o Comprova, é todo conteúdo retirado do seu contexto original de modo que seu significado sofra alterações.

Como verificamos?

Inicialmente, realizamos busca no Google com as palavras-chave que envolvem o tema: Bolsonaro, Time e personalidade.

Uma matéria do Estadão sobre o assunto, publicada no último dia 8, diferencia a votação popular da escolha feita pelos editores da revista norte-americana, esta, sim, definitiva. Outro texto consultado, do site alemão DW, estabelece a mesma distinção entre as duas etapas.

A reportagem também recorreu ao banco de dados da própria revista Time para esclarecer fatos históricos sobre as edições da revista.

De quatro publicações com mesmo teor investigadas pelo Comprova, duas são marcadas como inverídicas pelo Facebook. A reportagem entrou em contato com os autores dos posts que contêm desinformação, mas não teve retorno até a publicação deste texto.

Verificação

Enquete popular

A votação vencida por Bolsonaro foi aberta ao público e apoiadores do presidente se articularam em grupos no Telegram para incentivar a participação. “Vote em Bolsonaro na enquete da revista americana e faça o Bonner chorar dando a notícia da vitória do presidente”, escreveu um usuário no grupo “Bolsonaro Presidente”, que contabiliza 10.276 membros.

Outro membro do mesmo grupo compartilhou uma capa falsa, com uma montagem da imagem de Bolsonaro em um fundo neutro da revista, com o título, em inglês, “Person of the Year”. Há ainda uma legenda ao lado da foto com os dizeres “Jair Bolsonaro, presidente do Brasil e líder do mundo livre”.

Diferentemente de apoiadores, o perfil do presidente no Twitter reconheceu que Bolsonaro não foi escolhido oficialmente. O mandatário agradeceu os votos recebidos e manifestou o desejo de que a revista conceda a ele o prêmio final.

Antes disso, em uma live semanal transmitida em 25 de novembro, Bolsonaro chegou a comentar a abertura da enquete popular. “A revista Time está fazendo aí uma enquete, como faz há décadas, personalidade do ano. São cem pessoas. Eu estive entre as cem pessoas em 2019 e em 2020. E, agora em 21, estamos liderando. Então, eu agradeço quem votou em mim. Quem não votou, eu peço que entre no site da Time e vote. Você vota nos cem se você aprova ou não.”

O presidente segue: “O voto, pessoal, é se você achar se aquela pessoa te agrada ou não. E a gente está disparado nisso aqui. Espero que ganhe, né? Espero que ganhe. Se ganhar, se merecer, até agradeço quem votou em mim. Quem não votou tem a oportunidade aí de votar nessa possível personalidade do ano”.

Capas históricas

Um dos vídeos aqui verificados mostra uma linha do tempo com imagens de pessoas que, de fato, estamparam a capa da revista como Personalidades do Ano, como o pacifista indiano Mahatma Gandhi (1930), o ex-líder da antiga União Soviética Josef Stalin (1939), os ex-presidentes dos Estados Unidos Barack Obama (2008-2012) e Donald Trump (2016). O post foi feito em um grupo público, com apoiadores de Bolsonaro, que soma mais de 95 mil membros. Ao final do vídeo, Bolsonaro aparece em uma capa falsa, como se fizesse parte da sequência de pessoas que verdadeiramente receberam o destaque.

A tradição da Personalidade do Ano começou em 1927, quando o pioneiro da aviação nos Estados Unidos, Charles Lindbergh, foi escolhido o homem mais influente. De acordo com a revista, a escolha surgiu por acaso. As capas da época haviam acabado de adquirir a emblemática borda na cor vermelha e priorizavam retratos de figuras que se destacavam nos eventos da semana. Mas, naquele fim de ano, os editores não chegaram a um consenso sobre quem deveria levar o título.

Foi aí, então, que nasceu a ideia de reconhecer uma Personalidade do Ano, e não apenas da semana, segundo um editorial publicado em 1945. O texto pondera, no entanto, que a escolha por Lindbergh foi também uma espécie de retratação da revista por não ter dado destaque, até então, a um dos heróis da época. Na semana em que se noticiou o feito histórico do aviador, que realizou o primeiro voo transatlântico sem escalas, a Time optou por estampar uma imagem do Rei Jorge V e da Rainha Maria, do Reino Unido.

Desde o início da publicação da revista, em 1923, quatro brasileiros foram retratados na capa da revista norte-americana em edições semanais. São eles: o advogado e político Julio Prestes (1930), o ex-presidente da República Juscelino Kubitschek (1956), o também ex-presidente da República Jânio Quadros (1961) e o ex-líder do regime militar Costa e Silva (1967).

Segundo matéria do site alemão DW, a eleição popular realizada atualmente sobre a Personalidade do Ano não tem influência sobre a escolha feita por profissionais do periódico. O principal objetivo da enquete é gerar engajamento no site do veículo.

Em 2019 e 2020, Bolsonaro foi incluído na lista das 100 pessoas mais influentes daqueles anos, também elaborada pela revista Time. O documento inclui figuras de artistas, empresários, empreendedores e líderes mundiais. No ano passado, o youtuber Felipe Neto também foi um dos agraciados. Agora, em 2021, a única brasileira na lista é a empresária Luiza Trajano.

Essas escolhas também ficam a cargo dos editores da revista. Os nomes são selecionados de acordo com o grau de influência, não importando o mérito das ações de cada um dos ali citados. As fotos dos escolhidos também são acompanhadas de um texto com uma breve descrição feita não apenas por jornalistas, mas também por autoridades e outras figuras públicas.

Mais peça de desinformação

Outro vídeo que circula no Facebook, intitulado “globo lixo é assim mesmo, lixo 💆‍♀️ 💆‍♂️ 💆‍♂️ 💆‍♀️ 💆‍♂️ 💆‍♂️ 💆‍♀️ de mentiras… ”, resgata uma gravação do Jornal Nacional de dezembro de 2019, quando foi noticiada a escolha da ativista Greta Thunberg como Personalidade do Ano pela Time. Neste caso, a eleição foi feita pelos editores da revista e, portanto, se trata de um resultado oficial.

A mesma peça compila outro momento do jornal, de dezembro deste ano, em que os âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos anunciaram a conquista de dois Prêmios Caboré por profissionais da Globo. A cerimônia é realizada anualmente desde 1980 pelo Grupo Meio & Mensagem, e reconhece funcionários, agências e empresários ligados ao setor de propaganda no Brasil.

O vídeo, que teve mais de 19 mil visualizações até a publicação desta reportagem, inclui uma montagem do autor, que, com tom de ironia, questiona o motivo de os jornalistas não terem noticiado a conquista de Jair Bolsonaro como Personalidade do Ano, como fez com Greta Thunberg. A afirmação é enganosa, pois, como já explicado, o presidente levou o título apenas na votação online, e isso não fica claro no vídeo. Há ainda uma capa falsa, em que o autor coloca outra montagem da imagem de Bolsonaro na revista.

Em determinado momento do vídeo, o autor desdenha do Prêmio Caboré e faz críticas à imprensa: “(…) É o presidente da República, o presidente do país, e eles não deram uma nota, uma notinha sequer, mas deram 5 minutos para duas maritacas deles que ganharam o Prêmio Caboré não sei das quantas, coisinha deles lá. O presidente do Brasil ganhou a Celebridade do Ano da revista Time, a revista mais importante do mundo, e essa ‘rede Goebbels’ [referência a Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha nazista] não deu uma nota. É esse o nível de jornalismo que temos aqui, principalmente o da Rede Globo”.

Depois, conclui: “Não é lixo, não é lavagem de esgoto, é muito abaixo disso. É uma coisa deprimente, deplorável, e um desrespeito à classe deles, que se julgam jornalistas. Parabéns, presidente Bolsonaro, o Brasil está com o senhor. Mais um gol de placa para o nosso País e para o senhor também. Fiquem com Deus.”

O perfil do responsável por compartilhar o material no Facebook traz uma série de outros vídeos com críticas ao Supremo Tribunal Federal, à imprensa e a partidos políticos.

O que diz a Time

Na primeira vez em que Bolsonaro foi escolhido uma das 100 pessoas mais influentes do ano pela Time, em 2019, o editor Ian Bremmer definiu o presidente como um “personagem complexo”. O texto coloca que o político representava a “melhor chance em uma geração de ordenar as reformas econômicas” e que sua eleição marcava uma “quebra brusca em décadas de corrupção de alto nível”.

O editor também diz que Bolsonaro é um “garoto propaganda de masculinidade tóxica, um ultraconservador homofóbico” e um propulsor de uma guerra cultural que poderia se estender para um “revés no progresso do Brasil com as mudanças climáticas”. A mesma descrição defende que o país vive uma democracia dinâmica, com instituições robustas, e que o presidente teria que “aprender a trabalhar com o sistema” para avançar na agenda.

No ano seguinte, o editor internacional da revista Dan Stewart ficou responsável pelo breve contexto negativo que levou Bolsonaro a ser incluído, pela segunda vez, na lista dos 100 mais influentes. O jornalista destacou o números de mortos pela covid-19 (à época, 137 mil), os efeitos negativos da pandemia na economia, as exonerações de cinco ministros da alta cúpula do governo federal, e as queimadas na Amazônia.

Depois, define o presidente como um “homem teimoso e cético”, cuja aprovação, até então, era de 37% da população brasileira. O editor argumenta que parte desse apoio se deve ao pagamento do auxílio emergencial aos mais pobres, mas pondera que, na visão dele, há também uma “espécie de culto ao comando” de Bolsonaro.

O último texto faz parte da matéria que traz o resultado da enquete popular. O site descreve o cenário com o qual ele tentará novo mandato: “O polêmico líder, que será candidato à reeleição em 2022, está enfrentando uma desaprovação crescente sobre seu manejo da economia e enfrentou críticas generalizadas de políticos, tribunais e especialistas em saúde pública por minimizar a gravidade da covid-19 e exibir ceticismo em relação à vacina”.

A publicação cita também dois episódios recentes envolvendo Bolsonaro: os pedidos de indiciamento feitos pela CPI da Pandemia e o inquérito no Supremo Tribunal Federal que apura a declaração do presidente relacionando vacinas ao desenvolvimento de Aids.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova investiga conteúdos suspeitos que tenham viralizado sobre pandemia, políticas públicas e eleições. As postagens aqui investigadas, juntas, contabilizam mais de 28 mil interações, incluindo curtidas, compartilhamentos e visualizações no Facebook.

Os conteúdos foram compartilhados por perfis de apoiadores do presidente para promover a falsa compreensão de que o mandatário realiza um governo reconhecido como positivo por uma influente revista estrangeira.

Para isso, os posts partem da premissa enganosa de que as tradicionais capas da Time têm como finalidade prestar homenagens. A escolha de Personalidade do Ano, como mostrado nesta checagem, é o reconhecimento de nomes que tenham exercido influência positiva ou negativa. O tom dos comentários no Facebook é de comemoração.

“Ele fez por merecer, por mais que a esquerdalha o bata, ele mais vai crescendo mundo afora. Viva o nosso presidente que Deus continue abençoando, vamos firmes pra 2022”, escreveu um usuário. “Que orgulho ter esse homem como presidente”, celebrou outra.

O conteúdo aqui verificado também foi investigado pelo UOL Confere, pela AFP Checamos e pelo Estadão Verifica.

Para o Comprova, enganoso é todo conteúdo retirado do seu contexto original de modo que seu significado sofra alterações.